Feed on
Posts
Comments

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Resumo feito pelo Chatinho:

O aprendizado destacado nesta semana enfatiza a importância da leitura dentro da rotina, ressaltando que nem toda leitura é igualmente vantajosa. Aquela que contribui para o desenvolvimento de uma Narrativa Pessoal e Profissional é particularmente benéfica. A leitura ativa, que complementa essa narrativa, é preferível à leitura passiva, que tende a ser esquecida rapidamente. A prática do Cadernismo, que envolve registrar a narrativa pessoal e profissional, torna a leitura mais consciente. Os “Princípios Estruturais Intrapessoais” são ressaltados como atitudes positivas em relação a si mesmo, enquanto os “Interpessoais” orientam as interações com os outros. A Psicologia 2.0 visa democratizar o acesso ao aconselhamento emocional, com ênfase em guias de felicidade. O autoconhecimento é valorizado como meio de buscar uma vida mais próspera e feliz, destacando a importância da autonomia. Além disso, são discutidos temas como padrões versus percepções, sofrimento e projetos motivadores de longo prazo. A Metavida encoraja uma perspectiva externa para uma compreensão mais profunda da própria vida.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Olhe para a sua vida de fora para estar cada vez mais por dentro!
  2. Sócrates dizia que “sei que nada sei.” Mas isso é uma fantasia. Eu sempre sei de algo para embasar minhas decisões.
  3. Uma vida melhor exige criar condições para que as Torneiras das Emoções despejem emoções mais positivas do que negativas na nossa pia.
  4. Numa Leitura Mais Proativa eu não leio para me informar, mas leio para confrontar o autor com as minhas Certezas Provisórias Razoáveis da minha Narrativa Pessoal e Profissional.
  5. Psicologia 2.0: a passagem do divã de nicho para o divã de massa.
  6. Os Guias de Felicidade serão os divisores de águas na Psicologia 2.0.
  7. A base da Psicologia 2.0 é o incentivo da autonomia e não de dependência das pessoas dos seus terapeutas – como é muito comum hoje em dia.
  8. Na Psicologia 2.0, vamos sair do autoconhecimento pelo autoconhecimento, mas o autoconhecimento para procurar uma vida mais próspera e feliz.

Os Mapas Mentais do Artigo:

Vamos ao Artigo:

“Aquele cuja vida tem um porquê, pode suportar quase todos os comos.”Nietzsche.

Resumo do que foi top em termos de aprendizado nos artigos ao longo da semana 11.4.3.

Fica evidente que quem coloca a leitura na sua rotina, tem uma vantagem na vida.

Porém, não é qualquer tipo de leitura que gera mais vantagem.

Quem lê e desenvolve uma Narrativa Pessoal e Profissional, leva vantagem e vice-versa.

Vejamos a regra da leitura:

Quando temos, de forma mais consciente, uma Narrativa Pessoal e Profissional, a leitura é algo que vai complementar uma base que já existe;
Quando NÃO temos, de forma mais consciente, uma Narrativa Pessoal e Profissional, a leitura é algo que vai virar mais um filme do Netflix – você lê hoje e não lembra mais do livro depois de amanhã.

Sócrates dizia que “sei que nada sei.” Mas isso é uma fantasia. Eu sempre sei de algo para embasar minhas decisões.

Uma Leitura Mais Passiva é aquela meio Socrática em que eu leio como se fosse um papel em branco – já que nada sei.

Uma vida melhor é aquela que eu vou, aos poucos, desenvolvendo de forma consciente e proativa minha Narrativa Pessoal e Profissional.

Numa Leitura Mais Proativa eu não leio para me informar, mas leio para confrontar o autor com as minhas Certezas Provisórias Razoáveis da minha Narrativa Pessoal e Profissional

A Narrativa Pessoal e Profissional reúne os erros e acertos que cometemos na vida, os aprendizados e os mandamentos que vamos criando.

Quando eu leio algo, de forma Proativa, sempre estou comparando o que diz o autor com as minhas Certezas Provisórias Razoáveis.

Quando temos o hábito de redigir na prática do Cadernismo a nossa Narrativa Pessoal e Profissional, a leitura se torna mais consciente e podemos perceber em relação a cada livro:

O que agrega de novo?
O que reforça o que já sabíamos?
O que não concordamos e passamos a pensar melhor?
O que nos inspira e oxigena, nos permitindo ter insights novos?

Quando praticamos o Princípio Estrutural Intrapessoal do Cadernismo, podemos incorporar o autor à nossa Narrativa Pessoal e Profissional.

Quando não praticamos o Cadernismo e não temos de forma mais consciente uma Narrativa Pessoal e Profissional, tudo que entra hoje tende a sair muito rápido amanhã.

Definimos, assim, os dois tipos de leitura que podemos praticar:

A Leitura Mais Ativa – aquela que reforça o Cadernismo, num processo de melhoria continuada da Narrativa Pessoal e Profissional;
A Leitura Mais Passiva – aquela que não tem o Cadernismo, não visa reforçar a nossa Narrativa Profissional e Pessoal.

Nessa linha, esta semana aprimoramos – e estamos chamando cada vez mais assim – “os Princípios Estruturais Intrapessoal”, que são as melhores atitudes que passo a ter comigo mesmo. Os Princípios Estruturais Interpessoais são aqueles que estabelecem um norte da minha relação com os outros.

Amadurecemos que o Cadernismo Mais Forte deve conter os seguintes Diários de Bordo:

Profissional;
Pessoal;
Das Crises.

O ideal é que o conteúdo dos que for melhor nos Diários de Bordo Profissional e o Pessoal sejam publicados na Internet.

No caso do Diário de Bordo da Crise tem algo interessante que apareceu esta semana.

O objetivo do Diário de Bordo da Crise é transformar um limão (a crise) em uma limonada (ações saudáveis para lidar melhor com ela).

Surge assim:

O Case de Sucesso de Superação de Crise – quando chegamos a uma limonada e superamos bem determinada crise limão, através de novos aprendizados e mandamentos.

O que vale contar para os outros?

Quando o limão vira uma limonada temos um Case de Sucesso de Superação de Crise, com a criação de algum mandamento, que vale espalhar para os outros.

E isso é um motivo de Orgulho Saudável e vale ser compartilhado para ajudar outras pessoas que podem se inspirar para superar algo parecido.

Desenvolvemos melhor a classificação dos autores da Inovação Pessoal Emocional, incluindo os Classicistas – que é o caso do Jordan Peterson.

Falamos de Virtude e vida virtuosa.

No nosso entender:

Virtude é a capacidade consciente que temos de escolher Princípios Estruturais Fortes.

Vejamos a frase que surge a partir disso:

Minha principal virtude é ter escolhido princípios que têm me guiado na direção de uma vida mais plena.

A virtude, assim, é feita de escolhas que fazemos que podem nos ajudar a ter vidas melhores ou piores.

Arriscamos falar que os Disruptivos ocupam 20% dos Sapiens, divididos entre os mais disruptivos (5%) e os menos (15%).

Isso é uma Hipótese Dedutiva que precisa ser validada. Tenho visto essa divisão ao longo da minha carreira, mas é apenas isso: uma hipótese que precisa ser validada, via pesquisas.

Muito inspirado pelo Peterson, falamos muito de ordem e desordem, ordem e caos.

E temos que falar nesse contexto da eterna briga entre:

Percepções que temos na vida, que não se baseiam em padrões, que têm tudo para nos levar a decisões piores;
Padrões que são baseados em recorrências históricas, que têm tudo para nos levar a decisões melhores.

De maneira geral, as pessoas tendem a usar mais as percepções do que os padrões.

Me mostre uma pessoa muito percepcionista e pouco padronista e te apontarei alguém que tem muito mais chance de ser surpreendida pelos fatos.

Os padrões nos permitem tomar decisões melhores e ver com mais clareza as tendências futuras.

Diria mais.

Uma sociedade mais centralizada, tenderá a operar mais com percepções do que com padrões, pois a Mente Secundária das pessoas serão menos acionadas.

Padrões exigem um trabalho maior de abstração e de uso da Mente Secundária, que ocorre com mais facilidade em sociedades mais descentralizadas.

Avançamos ao apontar as macrotendências da Psicologia 2.0, que tem como missão colocar milhões de pessoas nos “divãs”.

Eis a frase que surgiu num áudio:

Psicologia 2.0: a passagem do divã de nicho para o divã de massa.

Isso será feito com uma mudança grande na maneira de pensar o problema, através da disseminação e Guias de Felicidade, IAs (máquinas que aprendem e decidem com o uso).

Qual a grande novidade?

Os futuros Inovadores Pessoais Emocionais (ex-psicólogos e ex-coachings) abraçarão Guias de Felicidade e não mais Escolas de Conceituadores como Freud e Jung.

Melhor dizendo.

Os Guias de Felicidade serão o divisor de águas na Psicologia 2.0.

O objetivo da Inovação Pessoal Emocional 2.0 é de que as pessoas consigam utilizar estes guias de forma autônoma.

Este será o grande objetivo da Inovação Pessoal Emocional 2.0 estimular que as pessoas abracem Princípios Estruturais Mais Fortes para viver melhor.

Quando isso não for possível e nem as IAs da Inovação Pessoal Emocional derem conta do recado, haverá o trabalho dos Profissionais da Inovação Pessoal Emocional Pósventivos.

Porém, a ideia, seguindo um pouco a linha do Seligman, será:

Na Psicologia 2.0 não haverá o incentivo do se autoconhecer por se autoconhecer, mas sugestões para que se possa abraçar os Guias de Felicidade com mais facilidade.

A base da Psicologia 2.0 é o incentivo da autonomia e não de dependência das pessoas dos seus terapeutas – como é muito comum hoje em dia.

Na Psicologia 2.0, vamos sair do autoconhecimento pelo autoconhecimento, mas o autoconhecimento para procurar uma vida mais próspera e feliz.

Dissemos mais.

Com as IAs da Inovação Pessoal Emocional teremos um novo campo completamente novo de relacionar problemas emocionais de todos os tipos com:

Viés Genético;
Formatação Básica Obrigatória;
Idade;
Região em que nasceu e vive.

Seremos surpreendidos com o que vai sair daí.

Falamos também da necessidade da Rotina, mas não a do Carrossel (de baixa criatividade e repetitiva), mas a Em Espiral (de alta criatividade e inovadora).

Caiu a ficha que teremos que ter duas etapas no GFB 2.0, vou brincar com isso:

O GFB para Dummies – com conceitos de sala sem grande aprofundamento, apenas dicas para se viver melhor;
O GFB para Nerds – com conceitos de cozinha e maior aproveitamento para quem quer ajudar os outros a viver melhor – Mentores da Felicidade.

Outra novidade é a inclusão dos médicos como Profissionais da Inovação Pessoal, ficando a nova área assim dividida:

Profissionais da Inovação Pessoal Corporais – médicos;
Profissionais da Inovação Pessoal Emocionais – psicólogos e coachings.

Não há possibilidade de pensar na Inovação Pessoal se não houver o entrosamento entre a dupla de vôlei emoção e corpo.

Outro ponto é a percepção da visão mais mainstream da felicidade muito relativista.

As pessoas quando falamos em projetos de felicidade logo dizem: “cada um tem a sua e fim de papo.”

É como se no caso da Visão Mais Relativista da Felicidade:

Não há a necessidade de um projeto geral mais pensado;
Que este projeto mais pensando tem algo que é comum a todos os Sapiens;
E que deve existir, no mesmo projeto, o espaço para as particularidades.

Criamos ainda o conceito dos Paradigmas Estruturais (e não existenciais) como saiu nos artigos.

São formas de pensar a sociedade, o Sapiens e a Felicidade que são fundamentais para depois se falar dos Princípios Estruturais e nas Métricas dos Guias.

Surgiu o conceito “Torneira das Emoções”.

Um conceito de sala que deseja reforçar a falta de controle que temos sobre nossas emoções, que estão fortemente ligadas à químicas específicas.

O que fazemos para termos uma vida melhor?

Uma vida melhor exige criar condições para que as Torneiras das Emoções despejem emoções mais positivas do que negativas na nossa pia.

Haverá sempre as duas torneiras (positiva e negativa), mas o mais importante é que as negativas não sejam maiores do que as positivas.

Falamos ainda – inspirados pelo Peterson – de sofrimento.

Concordamos com ele – e com o Mark Manson também – de que sofrimento faz parte da vida humana, mas não podemos chamar tudo de sofrimento, desde torcer o pé e termos medo de morrer.

Por isso, dividimos em dois os sofrimentos:

O Sofrimento Conjuntural – que é torcer o pé;
O Sofrimento Estrutural – nossa relação com a finitude nossa e dos mais próximos.

Cada um destes sofrimentos demanda um tipo de Princípio Estrutural específico.

Já no artigo de quinta, quando fechamos o Peterson, tivemos um ganho interessante ao dividir da IPEP (Inovação Pessoal Emocional Preventiva) em duas:

Do ponto de vista das pessoas – o desenvolvimento de guias de quem já nasceu e diversos tipos de tratamentos, conforme o tamanho do problema emocional;
Do ponto de vista da sociedade – o desenvolvimento de guias para evitar determinadas condições de nascimento e de educação que podem gerar os tais problemas emocionais mais graves e profundos.

Outro ponto positivo foi o surgimento do conceito Projetos Motivadores de Longo Prazo, que servem como um escudo para as paixões negativas de curto.

O Ritual Rivotril: tá andante, procure sempre olhar para o horizonte!

Por fim, para fechar a ideia da Metavida, que se resume a:

Olhe para a sua vida de fora para estar cada vez mais por dentro!

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.” – Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.” – Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

O que aprendi com este artigo?

Resumo feito pelo Chatinho:

Nepô continua sua análise do livro “12 Regras para a Vida” de Jordan Peterson, sugerindo uma divisão em duas partes para torná-lo mais acessível: uma voltada para leigos e outra para profissionais de inovação pessoal emocional. Destaca a importância da formatação básica obrigatória das crianças e a responsabilidade dos pais nesse processo, desde a decisão de tê-las até a educação. Explora conceitos como longoprazismo, disciplinismo e a importância de rotinas saudáveis, incentivando a prática do foco e afastamento do que é tóxico. Aborda a consciência e a prática da metavida para melhorar a qualidade de vida, destacando a necessidade de buscar o que é significativo em vez do que é conveniente.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Ensine seus filhos a serem empreendedores e não dependentes eternos de uma mesada – seja ela objetiva ou subjetiva.
  2. Peterson, lá pelas tantas, pergunta: você diz que ama seus filhos, mas eles se sentem amados?
  3. Uma vida com qualidade mais baixa é aquela que praticamos pouco a Metavida.
  4. Saia do campo da preocupação e entre no da atuação.
  5. A melhor forma para conseguir dizer não para as paixões negativas de curto, é termos projetos motivadores que tenham metas de longo prazo.
  6. Uma boa educação é aquela que prepara a pessoa para enfrentar os desafios que a vida lhe reserva e vice-versa.
  7. Me diga seus Princípios Estruturais e eu te direi quem és.
  8. Você pode Zecapadogar à vontade, mas não me venha reclamar que bateu num poste!

Os Mapas Mentais do Artigo:

Vamos ao Artigo:

“xxx”xxx.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

O que aprendi com este artigo?

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto explora a continuação da análise do livro “12 Regras para a Vida” de Jordan Peterson, destacando a abordagem do autor em resgatar valores antigos para a atualidade. Nepô classifica os autores da Inovação Pessoal Emocional em termos de didática e conteúdo, destacando Peterson como mais classicista e menos didático. Destaca que Peterson, aborda de alguma forma o Viés Genético Inovador, aproveita para detalhar a mudança na sociedade com a chegada da Civilização 2.0, ressaltando a importância dos padrões de sobrevivência. Discute a influência das mídias na sociedade e a necessidade de adaptação aos novos modelos de comando e controle. Aborda temas como felicidade, disciplina e longoprazismo, ressaltando a importância do ambiente para a produção de substâncias químicas internas que influenciam o bem-estar de cada pessoa. Destaca a consciência como a capacidade de reflexão sobre si mesmo e a prática da “Metavida” como essencial para o desenvolvimento pessoal.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Quem vê padrão, enxerga mais longe. Quem vê apenas percepções, enxerga apenas o mais perto.
  2. O que chamamos de “realidade” pode ser entendida pela batalha de todos os seres vivos para se manterem vivos.
  3. Nossa tendência é acreditar que muito do que nos cerca é imutável.
  4. Nossas certezas muitas vezes não estão nos padrões, mas nas percepções.
  5. Quando se tem apenas percepções e não padrões, olhamos apenas para o dedo que aponta para a lua e nunca para a lua.
  6. O principal problema que vivemos hoje diante do Mundo Digital é a não compreensão do papel das mídias na sociedade como elemento disruptor de novas civilizações.
  7. Mudou a mídia, mudou o modelo de Comando e Controle de todas as sociedades que passam a usá-la.
  8. Eis a regra dos projetos de felicidade: químicas internas melhores, vidas melhores.

Os Mapas Mentais do Artigo:

Vamos ao Artigo:

”O que nos causa problemas não é o que não sabemos. É o que temos certeza que sabemos e que, ao final, não é verdade.”Mark Twain.

Permitam um primeiro Parênteses dos Escritos.

Falemos do Cadernismo (conceito de cozinha) um dos Princípios Intrapessoal Estrutural do nosso GFB 2.0.

Cadernismo é a prática regular – se possível todos os dias – de ter um Diário de Bordo para o registro com três possibilidades de reflexões:

Sobre os erros e acertos da atividade profissional, que envolve teorias e metodologias;
Sobre os erros e acertos na aplicação de teorias e metodologias de Guias de Felicidade na nossa vida pessoal;
E anotações em momentos de crise, quando precisamos entender e agir diante dela.

O ideal é que o Diário de Bordo – com exceção das anotações sobre as crises – seja publicado para mais gente na Internet.

A publicação aumenta a responsabilidade da narrativa e permite a troca e o aprendizado, a partir da interação com mais gente.

No caso da crise, vale compartilhar apenas quando transformamos algum limão em limonada e aquilo gera um case interessante de aprendizado da vida.

Permitam um segundo Parênteses dos Escritos.

O atual artigo é um bom exemplo de como é bom criar a seguinte rotina na melhoria da sua Narrativa Profissional:

Escolha um bom livro e autor para ler;
Escreva sobre vários detalhes do livro;
Deixe o seu Eu Criativo criar as digressões que ele achar melhor;
E terá um bom upgrade na sua Narrativa Profissional.

Voltemos ao Peterson.

Vamos continuar a Bimodalizar o livro “12 Regras para a Vida: Um antídoto para o caos” do canadense Jordan Peterson.

Este é o terceiro artigo.

O principal objetivo de Peterson com o seu livro das 12 regras é resgatar valores antigos e clássicos e trazê-los de novo para uso na atualidade.

Classificamos – com a sequência de leituras – os autores da Inovação Pessoal Emocional da seguinte maneira, do ponto de vista da forma:

Mais Didáticos e Menos Prolixos;
Menos Didáticos e Mais Prolixos.

Do ponto de vista do conteúdo, quando sugerem Princípios Estruturais, da seguinte maneira:

Autobiográficos – através das histórias da sua própria vida;
Contadores de Histórias – através das histórias de vida mais de terceiros do que deles;
Classicistas – através do resgate de Conceituadores Clássicos;
Sintetizadores – através da leitura dos outros Conceituadores da Inovação Pessoal Emocional (que é o que nós temos feito).

Peterson é um autor da Inovação Pessoal Emocional Mais Classicista Menos Didático e Mais Prolixo.

Falemos do Viés Genético Inovador.

Peterson chega a tocar, um pouco, na questão do Viés Genético Inovador (algo que temos defendido), ao afirmar que:

“A maioria dos artigos científicos é escrita por um grupo pequeno de cientistas. Uma pequena proporção de músicos produz quase todas as músicas comerciais gravadas.”

Temos defendido – dentro de uma Hipótese Dedutiva a partir de observações pessoal – a ideia de que a sociedade humana é dividida da seguinte maneira do ponto de vista do Viés Genético Inovador:

80% – das pessoas são mais incrementais;
15% – têm a tendência a uma disrupção mais moderada;
5% – a tendência a uma disrupção mais radical.

Se colocarmos isso dentro das propostas de Thomas Kuhn (1922-96), na análise das fases da ciência (normal e extraordinária), poderemos dizer que:

Os Incrementais operam e têm a função de tocar a Normalidade e os Disruptivos abraçam a missão de promover a Extraordinariedade para melhorar aspectos da Normalidade.

Sim, com a chegada da Civilização 2.0, temos algo que se repete mais uma vez em uma Revolução Midiática Civilizacional:

Os Incrementais terão que ser mais disruptivos do que eram;
E os Disruptivos serão muito mais Disruptivos do que foram os do passado.

Diz ele sobre determinadas ordens que permanecem dentro da sociedade:

“Novas características podem ser acrescentadas e características antigas, sofrer alguma alteração, mas a maioria das coisas permanece igual.”

Diria – Bimodalizando esta frase – que:

Os Padrões de Sobrevivência permanecem relativamente iguais ao longo do tempo, o que se altera é:

Como percebemos esses padrões;
E como determinadas variações, que estão presentes nos padrões, se alteram a cada Conjuntura.

O que chamamos de “realidade” pode ser entendida pela batalha de todos os seres vivos para se manterem vivos.

A batalha de todos os seres vivos para se manterem vivos é baseada em determinados Padrões de Sobrevivência.

Temos nos Padrões de Sobrevivência ou na dita “realidade”:

Padrões de Sobrevivência Estruturais – que se mantém no tempo, não importa a conjuntura;
Padrões de Sobrevivência Conjunturais – que seguindo as normas estruturais, variam no tempo.

Temos, por exemplo, quando analisamos a Ciência Social 2.0 e o novo Motor da História o tripé: o aumento populacional, que demanda o surgimento de novas mídias e estas viabilizam novos Macro Modelos de Cooperação.

O que se altera?

O padrão demografia-mídia-macro-modelo de cooperação não se altera, mas varia o tamanho da população, a característica da nova mídia e do Macro Modelo de Cooperação.

O Padrão Estrutural é igual, o que varia é a Conjuntura.

Por isso, podemos classificar entre Padrões Mais Fortes e Mais Fracos:

Padrões Mais Fortes – são aqueles que conseguem perceber a recorrência histórica de determinados fenômenos, permitindo projetar os Padrões Estruturais e as possíveis mudanças conjunturais para o futuro;
Padrões Mais Fracos – são aqueles que NÃO conseguem perceber a recorrência histórica de determinados fenômenos, NÃO permitindo projetar os Padrões Estruturais e as possíveis mudanças conjunturais para o futuro.

Obviamente, que:

Nossa tendência é acreditar que muito do que nos cerca é imutável, pois:

Muitas vezes operamos ou com Padrões Mais Fracos ou apenas com Percepções – o que é mais comum.

Como coloquei na abertura do artigo:

“O que nos causa problemas não é o que não sabemos. É o que temos certeza que sabemos e que, ao final, não é verdade.” – Mark Twain.

O principal problema que vivemos hoje diante do Mundo Digital é:

Não tínhamos a compreensão antes do Digital do papel das mídias na sociedade como elemento iniciador de novas civilizações.

Outro aspecto.

Todo o modelo de Comando e Controle dos Ambientes de Sobrevivência de uma sociedade é criado e estruturado, a partir das mídias disponíveis.

Mudou a mídia, mudou o modelo de Comando e Controle dos Ambientes de Sobrevivência da sociedade.

Continuamos sim a ter um modelo de Comando e Controle na sociedade, porém com a chegada da nova mídia ele é sempre, se comparado ao anterior:

Mais Descentralizado;
Mais Dinâmico;
Mais Complexo;
Mais Inovador.

A Curadoria – novo Modelo de Comando e Controle Digital – nos permite oferecer em todos os campos de atividade humana mais qualidade em grande quantidade, a custos menores.

Quando falamos na Inovação Pessoal Emocional 2.0 – ou se quiserem na Psicologia 2.0 – temos como tendência o aumento exponencial:

O aumento das escolhas de cada Sapiens e isso traz maior responsabilização – o que demanda lidar melhor com as emoções;
Por causa disso, há a necessidade de maior disseminação de Guias de Felicidade na atuação preventiva para evitar problemas emocionais mais graves com forte apoio dos Mentores de Felicidade (Profissionais da Inovação Pessoal Emocionais Preventivos);
O uso da Inteligência Artificial (Máquinas que Aprendem e Decidem com o Uso) tanto para o apoio preventivo como pósventivo;
O trabalho de profissionais da Inovação Pessoal Emocional Pósventivos (atuais Psicólogos), não só melhorando o trabalho das IAs, assessorando os Mentores da Felicidade Preventivos, como atendendo os casos mais graves que nada disso resolve;
E ainda o surgimento de um atendimento em larga escala, via grupos, a partir de especializações e nichos de problemas emocionais, que serão mais bem detectados pelas IAs, dividindo-os por características genéticas e traumas sofridos pela Formatação Básica Obrigatória.

Algumas considerações adicionais.

Nossas certezas muitas vezes estão mais nas percepções do que nos padrões – o que causa o problema de não compreensão dos fenômenos.

De maneira geral, a sociedade é muito mais Percepcionista do que Padronista e – por causa disso – acabamos nos surpreendendo com determinadas mudanças.

Acreditamos que determinadas coisas que são conjunturais e variáveis são imutáveis – e quando elas se alteram, perdemos completamente o chão.

Eis as regras para se ter uma visão de mundo mais adequada:

Quem vê padrão, enxerga mais longe;
Quem vê apenas percepções, enxerga apenas o mais perto.

Vamos Bimodalizar aquele ditado chinês que diz assim:

“Quando o dedo aponta para a lua, o tolo olha para o dedo e o sábio, para a lua”

Podemos adaptar:

Quando se tem apenas percepções e não padrões, olhamos apenas para o dedo que aponta para a lua e nunca para a lua.

Diz ele sobre isso:

“As folhas mudam mais rapidamente do que as árvores, e as árvores, do que as florestas.”

Padrões são florestas e as árvores e as folhas percepções.

E ainda o que reforça a visão:

“É o caos dentro da ordem, dentro do caos, dentro de uma ordem maior. A ordem mais real é aquela que é mais imutável — e não necessariamente a ordem que é mais facilmente observada.”

O que ele chama de ordem Bimodalizamos como Padrões.

Outro assunto.

Quando afirmamos que o gerenciamento de nossas vidas é – em certa medida – o gerenciamento de uma indústria química, isso é reforçado por Peterson, quando diz:

“Um nível baixo de serotonina significa menos felicidade,mais dor, ansiedade, doença e uma expectativa de vida menor — tanto entre os seres humanos quanto entre os crustáceos.”

Eu te pergunto: você consegue produzir serotonina diretamente ou tem que fazer atividades para que o seu corpo faça isso por você?

Diz Tio Chatinho (TC):

“A serotonina é um neurotransmissor que desempenha um papel crucial no corpo humano. Ela é frequentemente associada ao controle do humor, regulação do sono, apetite e funções cognitivas. Na verdade, a maior parte da serotonina no corpo humano é produzida no intestino e está envolvida na regulação do sistema gastrointestinal.

No sistema nervoso central, a serotonina é conhecida por seu papel na regulação do humor. Baixos níveis de serotonina têm sido associados a condições como depressão, ansiedade e distúrbios do humor. Por outro lado, níveis equilibrados de serotonina estão associados a um estado de humor mais estável e positivo.”

Quando criamos em torno de nós um ambiente propício (atividades, pessoas, lugares e situações) mais adequadas aumentamos nossa taxa de serotonina.

É o aumento da taxa de serotonina que nos permite manter alta a taxa do BOMTRC (Bom humor, Otimismo, Motivação, Tranquilidade, Resiliência, Criatividade).

Diz ele:

“Seu cérebro não produzirá tanta serotonina. Isso o fará menos feliz, mais ansioso, triste e com mais chances de cair quando deveria se defender. Isso também diminuirá a chance de viver em uma boa área, ter acesso aos melhores recursos e conseguir um cônjuge saudável e desejável.”

Por isso, temos repetido:

Uma vida melhor não é fruto da nossa vontade direta, mas indireta, ao criar um ambiente propício para vivermos, que estimula nossos Eus Internos a produzirem químicas melhores.

Eis a regra dos projetos de felicidade: químicas internas melhores, vidas melhores.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

O que aprendi com este artigo?

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto discute a importância das regras e princípios na vida, destacando a obra “12 Regras para a Vida” de Jordan Peterson. Argumenta-se que, sem normas de conduta, tornamo-nos escravos de nossas paixões, enfatizando a necessidade de princípios estruturais para guiar nossas atitudes e emoções. Peterson defende a existência de uma bússola moral que orienta nossas vidas e sugere que devemos primeiro arrumar nossa própria vida antes de tentar mudar o mundo. Ele destaca a importância de enfrentar o niilismo encontrando um propósito maior na vida e abraçando o desenvolvimento pessoal. Ao equilibrar ordem e caos, encontramos o significado que justifica o sofrimento inevitável da existência.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Um projeto de vida melhor não visa eliminar o sofrimento, mas gerenciá-lo melhor, já que o sofrimento faz parte do pacote.
  2. Quanto melhor é a qualidade dos Princípios Estruturais, mais chance você tem de ter um Projeto de Vida de mais qualidade.
  3. Vamos aproveitar as bússolas morais do passado, pois se sobreviveram no tempo, podem ser adaptadas e continuar nos servindo.
  4. É preciso deixar de lado a hipocrisia de muita gente que quer consertar o mundo, mas não consegue arrumar a própria cama quando levanta de manhã.
  5. Comece qualquer grande revolução, antes de tudo, em primeiro lugar, arrumando a sua gaveta.
  6. Para que possamos ajudar a sociedade a ter uma vida melhor, primeiro precisamos procurar viver uma vida melhor, criando exemplos do bem viver.
  7. A reclamação constante é um dos sintomas de um Projeto de Felicidade Mais Fraco.
  8. Pode reparar que uma pessoa que muito reclama é, em geral, alguém que não está se mudando constantemente.

Os Mapas Mentais do Artigo:

Vamos ao Artigo:

”Sem regras rapidamente nos tornamos escravos das nossas paixões — e não há nada de libertador nisso.” – Jordan Peterson.

Vamos continuar a Bimodalizar o livro “12 Regras para a Vida: Um antídoto para o caos” do canadense Jordan Peterson.

Este é o segundo artigo.

Parênteses dos Escritos.

Quando nos definimos como conceituadores que trabalham sobre o trabalho de outros conceituadores da Inovação Pessoal Emocional, temos que destacar que temos uma relação custo-benefício melhor, pois conseguimos sintetizar as sínteses que já foram feitas.

Ganhamos, assim, num tempo mais reduzido um repertório muito maior de ideias.

Como dissemos no artigo passado, Peterson é um autor da Inovação Emocional, que optou por basear a sua narrativa em autores clássicos.

Ele justifica:

“Essas histórias sobreviveram porque ainda oferecem uma orientação para lidarmos com a incerteza e o inevitável desconhecido.”

Comecemos com a frase de abertura do artigo:

“Sem regras rapidamente nos tornamos escravos das nossas paixões — e não há nada de libertador nisso.”

Na Bimodais, entendemos que somos Bimentais e temos uma Mente Secundária, que é responsável por gerenciar a Primária, onde estão as Torneiras das Emoções, que saem em estado puro.

Torneiras das Emoções (conceito de sala) – é uma metáfora para se referir a um lugar na nossa mente/corpo que as emoções positivas ou negativas brotam, conforme cada situação.

Nós, que gerenciamos as duas mentes, precisamos, entretanto, de normas de conduta para facilitar a nossa relação com as Torneiras das Emoções.

As normas, condutas podem ser resumidas em atitudes, que são guiadas por Princípios Estruturais.

Vejamos a sequência:

Princípios Estruturais -> Atitudes -> Sentimentos e Emoções.

Princípios Estruturais guiam as Atitudes e que, por sua vez, de forma indireta geram Sentimentos e Emoções Mais Desejáveis do que Indesejáveis.

Quanto melhor é a qualidade dos Princípios Estruturais, mais chance você tem de ter um Projeto de Vida de mais qualidade.

Por isso, quando se fala em “ter virtude”, podemos interpretar que uma Pessoa Mais Virtuosa é aquela que:

Escolhe Princípios Estruturais Mais Fortes;
Consegue colocá-los na sua rotina;
E, por causa disso, passa a conviver com Emoções e Sentimentos Mais Positivos do que Negativos na sua vida.

Num GFMF (Guia de Felicidade Mais Forte) no atual cenário Digital, consideramos que:

É preciso aplicar um novo Motor da História para entender o atual contexto da Civilização 2.0;
Revisar os Paradigmas Estruturais sobre o Sapiens;
Revisar os Paradigmas Estruturais sobre Felicidade;
Para, só então, sugerir os Princípios Estruturais e as Métricas Mais Adequadas para aferir a qualidade do nosso Projeto de Felicidade.

As 12 regras oferecidas por Peterson são o que chamamos na Bimodais de Princípios Estruturais, que vão guiar as nossas atitudes.

Os Princípios Estruturais de um Guia de Felicidade são uma espécie de bússola orientadora para evitar:

Que nós com nossas atitudes geremos desordens desnecessárias;
Que possamos gerar desordens necessárias e saudáveis, ligadas ao nosso projeto de melhoria contínua;
E que possamos enfrentar as desordens inesperadas, que sempre ocorrem ao longo da vida.

Peterson defende que a sociedade se baseia em determinadas regras, leis e costumes que foram criadas no passado – funcionaram e, por causa disso, sobrevivem ao tempo, pois mais ajudam do que atrapalham na direção de uma vida menos ruim.

Na verdade, o que podemos absorver da sua sugestão é de que temos:

Princípios Estruturais Coletivos – aqueles que são mais adequados para toda a sociedade;
Princípios Estruturais Individuais – aqueles que são mais adequados para cada pessoa.

Quando abordamos a questão dos Princípios Estruturais Coletivos estamos nos referindo a Inovação Grupal: aquilo que é o ideal para a organização de uma dada sociedade ou mesmo uma organização.

É preciso não confundir, pois uma pessoa pode ter Princípios Estruturais Individuais Fortes, mesmo dentro de uma sociedade com Princípios Estruturais Coletivos Fracos.

O ideal, entretanto, é que ambos (Princípios Estruturais Individuais e Coletivos) sejam fortes para que os problemas com as Desordens Exógenas sejam menores.

Diz ele:

“A ideia de que a vida humana pode ser livre de preocupações morais é fantasiosa.”

Leia-se na Bimodalização “preocupações morais” como Princípios Estruturais.

Como dissemos no artigo passado, temos, antes de tudo:

Princípios Estruturais, mais conscientes ou menos, que guiam nossas decisões e são eles que definem a qualidade de vida que teremos.

Diz ele:

“As pessoas não conseguem viver sem uma bússola moral, sem um ideal pelo qual guiar suas vidas.”

Diria melhor.

Não é que querem ou não querem. conseguem ou não.

O Sapiens para virar Sapiens recebe Princípios Estruturais que guiam suas atitudes e decisões – não é uma escolha é algo inerente da espécie.

Os Princípios Estruturais são uma bússola moral, que pode ter mais ou menos qualidade, tanto na relação da pessoa com ela mesmo como dela com os demais.

Não podemos entender assim que basta ter uma “bússola moral” que nossa vida vai ser melhor ou pior.

Todos temos uma moral.

Diz TC:

“A moral é um conjunto de princípios, valores e crenças que guiam o comportamento humano e determinam o que é considerado certo ou errado em uma determinada sociedade ou contexto cultural.”

O termo moral, assim, é neutro, pois é sinônimo de guia, de bússola, de mapa.

Um mapa, uma bússola ou um guia não é bom ou ruim. Quando são utilizados geram consequências mais positivas ou mais negativas para a pessoa e para a sociedade.

Todos temos “bússolas morais” que definem:

A minha relação comigo mesmo;
A minha relação com os outros;
A minha relação com a sociedade;
A minha relação com o planeta.

Nossas “bússolas morais individuais” definem a nossa qualidade de vida.

Um Sapiens obrigatoriamente precisa estar o tempo tomando decisões e estas são feitas a partir dos Princípios Estruturais disponíveis em cada pessoa.

Repito.

Quanto mais fortes e conscientes são os Princípios Estruturais, mais chance a pessoa terá de viver uma vida melhor e vice-versa.

A força dos Princípios Estruturais muitas vezes vêm do uso que já foi feito dos mesmos no passado. Foram sugeridos, testados, deram certo e, adaptados para o atual contexto, podem ser novamente utilizados.

Este é um dos principais recados de Peterson:

Vamos aproveitar as bússolas morais do passado, pois se sobreviveram no tempo, podem ser adaptados e continuar nos servindo.

Um Guia de Felicidade Mais Forte nada mais é do que a tentativa de sugerir para as pessoas adotarem Princípios Estruturais Mais fortes e poderem, a partir das suas particularidades, decidir melhor.

Peterson questiona com ênfase algo bem comum hoje em dia, sintetizo o que ele disse:

É preciso deixar de lado a hipocrisia de muita gente que quer consertar o mundo, mas não consegue arrumar a própria cama quando levanta de manhã.

Diz ele:

“Para viver uma vida plena é preciso primeiro colocar a própria casa em ordem e, apenas então, será possível sensatamente pretender assumir responsabilidades maiores.”

Ou seja, qual é o recado:

Comece qualquer grande revolução, antes de tudo, em primeiro lugar, arrumando a sua gaveta.

Aqui, encontramos um pouco a lição dos estóicos, quando nos dizem para nos preocuparmos principalmente com aquilo que podemos mudar e não com o que não podemos.

Foram os estóicos que inspiraram a oração da serenidade dos grupos de mútuo ajuda, que diz:

“Serenidade para o que não podes modificar, coragem para o que pode e sabedoria para perceber a diferença.”

Para que possamos ajudar a sociedade a ter uma vida melhor, primeiro precisamos procurar viver uma vida melhor, criando exemplos do bem viver.

Temos, principalmente quando nossa vida é repleta de problemas, a reclamar do que está fora, pois é uma forma de evitarmos olhar para dentro.

É como se disséssemos:

Eis a fantasia: primeiro o mundo precisa mudar, ser um lugar bem legal, para só então, eu começar a mudar algo dentro de mim.

Pode reparar que uma pessoa que muito reclama é, em geral, alguém que não está se mudando constantemente.

A reclamação é justamente uma espécie de vício, de cachaça, para que fiquemos no botequim parados sem melhorar o que pode ser melhorado nas nossas vidas. Vejamos:

A reclamação constante é um dos sintomas de um Projeto de Felicidade Mais Fraco;
Em um Projeto de Felicidade Mais Forte se faz muito e se reclama pouco ou quase nada.

Mudemos de assunto.

Diz ele, quando fala sobre felicidade:

“Em momentos de crise, o sofrimento inevitável que a vida impõe pode rapidamente tornar ridícula a ideia de que a felicidade é a busca correta do indivíduo.”

Isso me lembra um pouco a narrativa de Mark Manson, que nos diz algo assim:

Um projeto de vida melhor não visa eliminar o sofrimento, mas gerenciá-lo da melhor forma possível, já que algum grau de sofrimento faz parte do pacote.

Gosto mais da pegada de Manson.

Um Projeto de Felicidade Mais Forte não visa eliminar o sofrimento, mas gerenciá-lo melhor.

Peterson demonstra um certo preconceito com a palavra “felicidade”.

O que se quer num PFMF não é ter a fantasia de uma vida sem sofrimento, mas que possamos gerenciá-los melhor.

Digo mais.

Vamos entender o que é sofrimento.

TC nos diz:

“O sofrimento é uma experiência humana complexa que envolve dor física, emocional ou psicológica.”

Não podemos falar de sofrimento sem adjetivação, pois temos:

Sofrimento Conjuntural – frutos de situações específicas, tal como uma multa de trânsito, não ter dinheiro para pagar o aluguel ou a perda de um parente distante;
Sofrimento Estrutural – a consciência de que vamos morrer ou a perda de um ente muito querido.

Fato é que o Sofrimento Estrutural – o medo da morte – afeta as pessoas de forma distinta.

Arriscaria a dizer que quanto mais Disruptivo é o Viés Genético, mais há uma necessidade de lidar com o Sofrimento Estrutural.

E, por causa disso, há uma demanda maior por deixar Legados Mais Amplos, que é o que vai garantir a redução do Sofrimento Estrutural.

Manson diz que é preciso escolher Sofrimentos Conjunturais Mais Sustentáveis, que fazem parte dos nossos desafios por uma vida melhor.

O problema central é como definimos felicidade ou uma vida melhor.

Vamos apelar para o TC:

“Felicidade é um estado emocional e mental de bem-estar subjetivo, caracterizado por sentimentos de contentamento, alegria, satisfação e realização pessoal. É uma experiência individual e subjetiva, variando de pessoa para pessoa e influenciada por uma variedade de fatores, incluindo genética, ambiente, circunstâncias de vida, valores e metas pessoais. A felicidade pode ser duradoura ou passageira e pode ser influenciada por eventos externos, relacionamentos interpessoais, realizações pessoais e a capacidade de lidar com desafios e adversidades.”

Note que quando estamos falando em Felicidade, podemos ter a seguinte divisão:

Felicidade de Curto Prazo – alegria, contentamento, euforia, excitação ou Felicidade Mais Conjuntural;
Felicidade de Longo Prazo – tranquilidade, bom humor, motivação, otimismo, resiliência, criatividade e legado ou Felicidade Mais Estrutural.

Quando falamos em um Guia de Felicidade estamos, obviamente, nos referindo a projetos de Felicidade de Longo Prazo ou Mais Estruturais.

O que os Guias de Felicidade sugerem?

A adoção de maneira consciente de Princípios Estruturais, que passam a guiar as decisões das nossas vidas, respeitando os aspectos que valem para todos e a escolha de alguns particulares – a critério de cada um.

Peterson faz a seguinte distinção entre ordem e caos, interpretação minha:

A Ordem acontece quando as pessoas ao seu redor agem de acordo com normas sociais bem compreendidas e mantêm-se previsíveis e cooperativas;
O Caos ou a desordem acontece quando as pessoas ao seu redor NÃO agem de acordo com normas sociais bem compreendidas e mantêm-se imprevisíveis e não cooperativas.

Ele cita o exemplo do caos:

“É o que emerge mais catastroficamente quando você de repente fica sem emprego ou é traído por um companheiro.”

Acho meio confuso.

Existe uma relação minha comigo mesmo e uma minha com a sociedade.

Uma sociedade com problemas de Princípios Estruturais Coletivos é geradora de caos constante.

Se vivo dentro dela, eu preciso criar ferramentas para reduzir o impacto do caos externo na minha vida.

Quem mora no Rio de Janeiro, por exemplo, sabe que existe um grave problema com os Princípios Estruturais Coletivos naquela cidade.

Viver lá implica em uma série de atitudes para evitar que os problemas existentes gerem Sofrimentos Conjunturais – no caso de uma assalto.

E sobe a taxa de Sofrimento Estrutural, pois a pessoa tem medo de levar um tiro de uma bala perdida

A ordem, assim, vem do esperado e a desordem – que gera crises – quando lidamos com algo inesperado e ruim.

É preciso, assim, separar Princípios Estruturais Individuais e Coletivos e Sofrimentos Conjunturais e Existenciais.

Quando nos deparamos com a Desordem Exógena passamos a viver uma inesperada Anomalia Existencial, pois muitas vezes descobrimos que não estamos preparados para lidar, de forma adequada, com determinada situação.

Aqui, precisamos organizar um pouco a relação ordem e desordem na nossa vida.

Uma vida mais bagunçada é aquela em que:

A desordem é rotineiramente maior do que a ordem;
Se vive uma desordem não controlada.

Uma vida mais adequada ou melhor é aquela em que:

A ordem é maior do que a desordem;
Se vive uma desordem controlada.

Uma Desordem Controlada é aquela em que nos desafiamos rotineiramente dentro de projetos inovadores mais ou menos disruptivos.

Uma vida totalmente ordenada sem que tenhamos um espaço para determinadas desordens controladas se torna frágil.

“Exatamente quando as coisas parecem seguras, o desconhecido pode se assomar gigante e inesperadamente.”

Lembra um pouco o Nassim, Taleb na lembrança dos Cisnes Negros que aparecem nas nossas vidas e na sociedade e da importância de se desenolver a Anti-Fragilidade para enfrentá-los.

É preciso fortalecer rotineiramente a musculatura criativa da mente para que ela possa lidar com futuras situações mais desordenadas de forma mais adequada.

Peterson lembra que a relação caos-ordem está nos símbolos mais antigos das civilizações passadas como o Yin e o Yang.

Ele diz – o que reforça as ideias de Thomas Kuhn (1922-96) – de que temos etapas que podemos chamar de momentos normais e extraordinários – um seguido do outro, de forma continuada, em um processo de espiral.

Ora temos a desordem, a reorganização dos Paradigmas Existenciais, em que se volta a ordem e, de novo, a desordem e, assim, sucessivamente.

Diz ele:

“Caminhar nesse limite (entre a ordem e o caos) é permanecer no caminho da vida, o Caminho divino. E isso é muito melhor do que a felicidade.”

Diria eu que Peterson está combatendo um conceito mais comum e pobre da Felicidade, como sinônimo de contentamento momentâneo.

Como as métricas da Felicidade variam de Guia para Guia, num mais forte, que sugere a procura de sensações positivas de longo prazo ao invés de adquirir coisas ou de procurar emoções de curto prazo..

O que estamos sugerindo no GFB 2.0 é justamente uma ordem mais controlada para lidar com as Desordens Exógenas e criar nossas Desordens Endógenas – aquelas que criamos nos nossos projetos desafiadores.

Ao escolher nossos desafios de forma pontual e rotineira, controlamos melhor a desordem – seja ela Endógena ou Exógena.

E quando escolhemos pessoas, lugares e situações que geram desordens esperadas, mantemos uma vida mais equilibrada.

Peterson nada mais faz e assume isso, que é o desenvolvimento de mais um guia sugerindo Princípios Estruturais para uma vida melhor:

“Ela sugeriu (a editora do livro) que eu escrevesse uma espécie de guia sobre o que uma pessoa precisa para “ viver bem.”

Ele destaca a importância da sociedade manter determinadas crenças compartilhadas:

“Vim a perceber que os sistemas de crenças compartilhadas tornavam as pessoas inteligíveis umas para as outras.” // As pessoas que vivem sob o mesmo código são consideradas previsíveis umas para as outras. Agem de forma a manter as expectativas e os desejos uns dos outros.”

Uma sociedade precisa de algumas normas para guiar as pessoas para que elas possam se concentrar nas suas próprias vidas.

Isso me lembra Amous quando diz que em uma sociedade que tem um dinheiro forte, de confiança, permite que as pessoas pensem mais no longo do que no curto.

Em uma sociedade, assim, que há bases mais sólidas de respeito mútuo, há uma tendência das pessoas se dedicarem a projetos mais de longo prazo.

Diz ele:

“Um sistema de crenças compartilhadas , parcialmente psicológico , parcialmente atuante , facilita tudo para todos — a seus próprios olhos e aos dos outros.” // “As crenças compartilhadas simplificam o mundo , também , porque as pessoas sabem o que esperar dos outros e podem agir juntas para domá-lo. Talvez não haja nada mais importante do que a manutenção dessa organização — dessa simplificação. Se ela for ameaçada , o grande navio do estado balançará.” //”É precisamente a manutenção dessa coerência que permite que todos vivam em paz juntos , de modo previsível e produtivo.”

Peterson defende que:

“Temos que ter o sentido inerente a um sistema profundo de valor, ou o horror da existência rapidamente se torna mais importante. Então, o niilismo acena com sua falta de esperança e desespero.”

TC define assim niilismo:

“Niilismo é uma filosofia que questiona ou nega a existência de significado ou valor intrínseco na vida, na moralidade e no universo em geral. Originado do termo latino “nihil”, que significa “nada”, o niilismo sugere que a vida é essencialmente sem sentido, que não há valores absolutos e que todas as crenças e sistemas de significado são arbitrários ou ilusórios.”

Como todos sabemos que vamos morrer e que temos que enfrentar muitos sofrimentos ao longo da jornada, é preciso ter algo a mais para que não nos deixemos cair na tentação niilista.

Quanto mais conseguimos criar uma sensação de propósito das nossas vidas, mais conseguimos nos afastar do niilismo.

Diz ele:

“Precisamos de regras, padrões, valores — sozinhos e coletivamente.”

É o niilismo que nos leva a abraçar e nos viciar em emoções de curto prazo.

Para Peterson, a única forma de combater uma vida mais niilista é a capacidade que temos de enxergar um propósito maior nas nossas vidas.

Diz ele:

“Temos que ter algo com o que combater o sofrimento intrínseco ao Ser.”

Peterson, de alguma forma, defende a Singularização, quando diz que:

“É possível transcender a adesão servil ao grupo e suas doutrinas e, simultaneamente, evitar as quedas do seu extremo oposto, o niilismo.”

Ele considera a Singularização um ato heróico:

“Através da elevação e do desenvolvimento do indivíduo e da disposição de cada um para levar o Ser em seus ombros e escolher o caminho do herói.”

Diz mais:

“A alma do indivíduo anseia, eternamente , pelo heroísmo do Ser genuíno e que a disposição para assumir essa responsabilidade é idêntica à decisão de viver uma vida significativa.”

Ser herói, ou na Bimodalização do termo, desenvolver o seu Potencial Singular na direção do Legado Mais Amplo, temos, segundo Peterson:

“Cada um de nós deve dizer a verdade e corrigir o que está errado e quebrado e recriar o que está velho ou desatualizado.”

Nem todo mundo, obviamente, quer abraçar Legados Mais Amplos. E isso é algo que precisa ficar bem claro.

Vidas mais significativas e singulares seria um ideal para todos os Sapiens, mas não são todos os que querem enfrentar esse desafio.

Por tendência, essa é uma demanda maior de quem tem um Viés Genético Mais Disruptivo.

É preciso andar na corda bamba entre a ordem e a desordem:

“Precisamos de rotina e tradição. Isso é ordem. A ordem pode se tornar excessiva, e isso não é bom, mas o caos pode nos afogar — e isso também não é bom. Precisamos permanecer no caminho reto e estreito entre os dois.”

Quando defende as suas 12 regras, ele diz:

“Cada uma das 12 regras deste livro — e as histórias que as acompanham — , portanto, oferece um guia para se estar lá . “Lá” é a linha divisória entre a ordem e o caos. É lá onde somos, ao mesmo tempo, suficientemente estáveis, exploradores, transformadores, reparadores e cooperadores. É lá onde encontramos o sentido que justifica a vida e seu sofrimento inevitável.”

Diria eu que uma vida melhor é aquela que consegue:

Manter uma taxa de 5% a 10% de uma Desordem Controlada, dentro de projetos desafiadores dentro do nosso Tapete de Aladim;
Uma capacidade de enfrentar as possíveis Desordens Exógenas que vão aparecer inapelavelmente pelo caminho;
E uma taxa de 90% a 95% de Ordem Controlada.

A escolha de Paradigmas Existenciais Mais Fortes nos permite evitar desordens desnecessárias.

E, por causa disso, temos que desenvolver o Foquismo, com o afastamento de pessoas, lugares e situações que geram Desordens Desnecessárias nas nossas vidas.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

O que aprendi com este artigo?

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto discute a abordagem de Jordan Peterson em seu livro, destacando sua narrativa baseada em textos milenares clássicos e sua ênfase na importância do equilíbrio entre ordem e caos para uma vida melhor. Peterson propõe princípios para guiar decisões e sugere que as virtudes estão ligadas às escolhas que fazemos. Ele defende a necessidade de gerenciar o caos e revisar os paradigmas existenciais para melhorar a qualidade de vida. A análise destaca a importância de tornar os paradigmas existenciais mais conscientes e fortes para uma vida melhor.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. O Sapiens é a espécie mais artificial do planeta e para ser um Sapiens precisa passar por uma marcante, impactante e traumatizante Formatação Básica Obrigatória.
  2. O Sapiens 2.0 tem muitos mais escolhas do que teve o 1.0. E isso nos leva a uma demanda muito maior por Projetos de Felicidade Mais Fortes.
  3. As Maqdacus terão a possibilidade de descobrir relações entre viés genético, FBOs e os diferentes problemas emocionais de forma inimaginável – se comparado ao que temos hoje.
  4. Quando falamos em Projetos Mais Fortes de Felicidade, estamos nos referindo a Projetos de Vida melhores, mais consistentes.
  5. Vidas Melhores são aquelas que conseguimos estabelecer equilíbrio mais adequado entre a ordem e o caos.
  6. Nascer é entrar em contato com o caos e viver melhor é a capacidade que temos de aprender a gerenciá-lo.
  7. O que os autores da Inovação Pessoal Emocional sugerem? Uso mais consciente de Paradigmas Existenciais Mais Fortes.
  8. Quer melhorar de vida? Comece, antes de tudo, a rever seus Paradigmas Existenciais.

Os Mapas Mentais do Artigo:

Vamos ao Artigo:

“Cultivar o julgamento da diferença entre virtude e vício é o princípio da sabedoria.” – Jordan Peterson.

Vamos começar a Bimodalizar o livro “12 Regras para a Vida: Um antídoto para o caos” do canadense Jordan Peterson.

Este é o primeiro artigo.

Antes, entretanto, permitam alguns Parênteses dos Escritos.

Primeiro, detalhar o nosso projeto na Inovação Pessoal, quando vamos dividir o desenvolvimento do nosso GFB 2.0 em duas etapas:

GFB 2.0 para Mentores – um momento mais preocupado com a Engenharia Conceitual, visando mais a fidelidade dos conceitos do que com a capacidade e facilidade de comunicação dos mesmos, voltado para um público mais interno da escola – que acredito que irá até o final de junho;
GFB 2.0 para Clientes – um momento mais preocupado com a Comunicação Conceitual, visando mais a facilidade de transmissão dos conceitos – que acredito que irá até o final de setembro, quando vamos lançar o guia.

O segundo parênteses é para falar sobre Inovação Pessoal, na seguinte nova divisão:

Inovação Pessoal Corporal – capacidade de melhorar a relação com nosso corpo, na qual atuam hoje os atuais médicos;
Inovação Pessoal Emocional – capacidade de melhorar a relação com nossas emoções, na qual atuam hoje os atuais psicólogos e psiquiatras.

O terceiro parênteses é a melhoria de mais um tópico dentro das mudanças necessárias entre os Paradigmas Estruturais sobre o Sapiens.

Precisamos nos conscientizar que não temos um Eu Puro.

O Sapiens é a espécie mais artificial do planeta e para ser um Sapiens precisa passar por uma marcante, impactante e traumatizante Formatação Básica Obrigatória.

Pela ordem, para que possamos ter uma vida melhor, na nossa visão, é preciso ter novos Paradigmas Estruturais:

Sobre como o Sapiens avança na Macro-História;
Sobre quem é realmente o Sapiens;
Sobre a Felicidade;
Para só então, podermos falar sobre a nossa proposta de guia.

O quarto parênteses, nos leva na seguinte direção.

Dentro da Civilização 2.0, temos hoje uma forte demanda de Popularização da Responsabilização do Sapiens.

O que é isso?

Popularização da Responsabilização do Sapiens é a necessidade que temos – a partir das novas Tecnopossibilidades de transferir mais operações e decisões para cada pessoa para nos ajudar a lidar melhor com a nova Complexidade Demográfica.

Ou seja.

O Sapiens 2.0 tem muitos mais escolhas do que teve o 1.0. E isso nos leva a uma demanda muito maior por Projetos de Felicidade Mais Fortes.

Temos hoje na Civilização 2.0 uma demanda exponencial do Tratamento da Inovação Emocional, que precisa ser popularizada, através de duas tendências:

A criação de Guias de Felicidade Mais Fortes e a disseminação dos mesmos de forma cada vez mais ampla, como ferramentas de Inovação Pessoal Preventivas;
O uso das Máquinas que Aprendem e Decidem com o Uso (Maqdacus) – popularmente chamadas de Inteligência Artificial – , que terão a possibilidade de atender não a milhares, mas a bilhões de pessoas.

Note que hoje um Inovador Pessoal das Emoções (ex-psicólogo) consegue atender hoje um número muito restrito de pacientes.

As Maqdacus terão a possibilidade de descobrir relações entre viés genético, FBOs e os diferentes problemas emocionais de forma inimaginável – se comparado ao que temos hoje.

O objetivo da disseminação de Projetos de Felicidade Mais Fortes é permitir que cada Sapiens possa se sentir melhor com cada vez mais autonomia.

O quinto parênteses os leva ao seguinte.

As pessoas têm a seguinte visão da Felicidade, a partir das conversas que tenho tido sobre o assunto:

Felicidade é vista não como um Projeto de Vida, mas como se sentir ou não contente com algo;
Dessa maneira, se imagina que cada um fica contente com uma coisa específica e não se pode falar em projetos de felicidade, pois “cada um tem o seu tipo de contentamento”.

Quando falamos em Projetos Mais Fortes de Felicidade, estamos nos referindo a Projetos de Vida melhores, mais consistentes.

Por fim, no sexto e último parênteses, falemos das leituras.

Temos, como temos ditos, dois tipos de leitura:

Leitura Passiva – que o leitor NÃO transforma tais leituras em uma Narrativa a ser compartilhada para mais gente, mais voltada ao lazer;
Leitura Ativa – que o leitor transforma tais leituras em uma Narrativa a ser compartilhada para mais gente, mais voltada a atividades profissionais.

A Leitura Ativa é mais consistente, pois é feita de forma mais reflexiva. E tende a receber mais feedbacks, quando a Narrativa Conceitual é disseminada.

Entremos, então, agora no papo sobre o livro de Peterson.

Peterson é um autor que baseia sua narrativa não em pesquisas e nem tanto na sua vida pessoal, mas em autores clássicos do passado, incluindo literatura milenar.

Criei aqui a seguinte tabela:

Tabela dos Tipos de Autores da Inovação Pessoal Emocional
Itens
Detalhamento
Mais ou Menos Didáticos;
Se preocupam mais ou menos com a facilidade do texto para a disseminação dos mesmos;
Mais ou Menos Prolixos;
Se preocupam em sintetizar o que escrevem;
Se baseiam mais em Pesquisas;
Para desenvolver a Narrativa;
Se baseiam mais em histórias pessoais de outros;
Para desenvolver a Narrativa;
Se baseiam mais em textos milenares clássicos;

Para desenvolver a Narrativa;
Se baseiam nos próprios autores da Inovação Pessoal Emocional;
Para desenvolver a Narrativa (caso da Bimodais).
Se baseia mais na sua própria história pessoal.
Para desenvolver a Narrativa.

 

 

 

Peterson, a meu ver, é:

Pouco Didático;
Muito Prolixo;
E baseia sua narrativa em textos milenares clássicos.

A principal contribuição dele para melhorar a Narrativa Bimodal é sugerir:

Vidas Melhores são aquelas que conseguimos estabelecer equilíbrio mais adequado entre a ordem e o caos.

Diz ele:

“Sem regras rapidamente nos tornamos escravos das nossas paixões — e não há nada de libertador nisso.”

Diria que a dicotomia estabelecida por Peterson é a Ordem e a Desordem (que seria melhor do que o caos).

E há nessa relação Ordem e Desordem a necessidade de se estabelecer uma melhor relação entre as emoções e as reflexões.

Na interpretação Bimodal, entre a Mente Primária e a Secundária.

Quando Peterson sugere 12 regras para a vida para combater o caos, ele quer apontar princípios para que possamos ter vidas melhores.

Na verdade, todos os autores da Inovação Pessoal Emocional procuram estabelecer princípios para guiar nossas decisões.

Diz ele:

“As melhores regras, basicamente, não nos restringem; pelo contrário, facilitam nossos objetivos e nos ajudam a ter uma vida mais plena e livre.”

Peterson defende que:

Nascer é entrar em contato com o caos e viver melhor é a capacidade que temos de aprender a gerenciá-lo.

O autor vai ao passado, pois acredita que os autores clássicos e milenares:

“Criaram histórias para nos ajudar a enfrentar e mapear o caos ao qual somos lançados quando nascemos.”

Peterson nas 12 regras que ele propõe, de forma extensa e prolixa, desenvolve uma série de sugestões para que possamos ter vidas melhores.

Lembra que:

“Aristóteles definiu as virtudes como simples formas de comportamento mais favoráveis à felicidade na vida.”

Diz TC sobre Virtude:

“A virtude é uma qualidade moral ou ética que é considerada boa e desejável em uma pessoa. Ela envolve comportamentos, atitudes e disposições que são valorizados pela sociedade ou por um grupo específico. As virtudes são geralmente associadas a características como coragem, honestidade, bondade, justiça, generosidade, moderação e sabedoria. Elas são vistas como essenciais para uma vida ética e moralmente boa, e muitas vezes são incentivadas e cultivadas através da educação, da prática e do exemplo.”

A virtude de cada pessoa é baseada nas escolhas que fazemos nas nossas formas de pensar e agir.

Virtude é sinônimo, assim, de Paradigmas Existenciais, que vão guiar nossas decisões.

Uma pessoa que está tendo uma vida pior, na verdade, está usando Paradigmas Existenciais Mais Fracos.

De maneira geral, uma vida pior tende ao:

Uso de Paradigmas Existenciais mais Inconscientes do que Conscientes;
Uso de Paradigmas Existenciais mais Fracos do que Fortes.

O que temos visto nesse processo continuado de Bimodalização de autores da Inovação Pessoal Emocional?

O que os autores da Inovação Pessoal Emocional sugerem? Uso mais consciente de Paradigmas Existenciais Mais Fortes.

Uma vida pior é aquela que os nossos Paradigmas Existenciais – aqueles que guiam nossas decisões – são menos conscientes e mais fracos.

Vejamos a regra:

PARADIGMAS EXISTENCIAIS -> DECISÕES QUE TOMAMOS -> QUALIDADE DE VIDA QUE TEMOS

Quer melhorar de vida? Comece, antes de tudo, a rever seus Paradigmas Existenciais.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Resumo feito pelo Chatinho:

O resumo desta semana destaca a importância de analisar diferentes autores e abordagens ao longo do tempo, destacando a eficácia de um sistema de leitura e discussão gradual. Houve uma ênfase na criação de um glossário de conceitos, na comparação de abordagens e na precisão dos conceitos. Além disso, foram exploradas ideias sobre a natureza bimental do ser humano, a revisão de paradigmas estruturais e a diferenciação entre vaidade tóxica e saudável. Outros temas incluíram a definição de projetos de felicidade mais disruptivos ou incrementais, a evolução da ciência da inovação e métodos de divulgação de projetos. Novos conceitos foram introduzidos, como demanda existencial, atividades geradoras de fluxo e rotinas em espiral e carrossel.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. É de pouquinho em pouquinho que conseguimos construir o poucão!
  2. O nome deveria mudar. Ao invés de eventos motivacionais, deveriam se chamar eventos excitacionais.
  3. Não se acha um propósito e pronto, mas o que temos é uma pesquisa continuada e progressiva, que vai mudando com o tempo, com a idade e as circunstâncias.
  4. Todos nós somos vaidosos, pois queremos valorizar algo em nós.
  5. Todo o processo terapêutico, seja ele qual for – para que possamos lidar melhor com nossas emoções – é baseado ou na palavra oral ou na escrita.
  6. São a linguagens oral/ escrita que nos permite reduzir nossa Taxa de Zegapagodação.
  7. O sábio é aquele que não deixa que os desejos por coisas o tire do seu caminho principal.
  8. Um dos principais problemas na qualidade de vida de qualquer pessoa é justamente confundir o que é meio (ferramenta) e o que é fim (objetivo).

Os Mapas Mentais do Artigo:

Vamos ao Artigo:

“Dourar a pílula é algo que traz um conforto para o nosso cérebro que gosta de ser enganado.” – Charles Mendlowicz.

Resumo do que foi top nos artigos ao longo da semana 11.4.2.

As leituras do livro do Charlão também, como a do Jonathan Haidt (um artigo apenas), foram muito inspiradoras.

Acho que o sistema de ler e decupar ao longo de uma semana é algo que faz muito bem para a escola, pois:

Vamos conhecendo algo que ainda não tínhamos;
Reforçando o que tínhamos;
E, ao questionar o que não concordamos, melhoramos nossos argumentos.

O modelo, então, de ler durante o fim de semana e comentar ao longo da semana tem funcionado muito bem.

Estamos ainda experimentando, no artigo de sexta, dar uma geral sobre o que aprendi na semana – o que ajuda a consolidar as novidades.

Um primeiro ponto do aprendizado da semana foi a comparação da Taxa de Didatismo dos autores, com as seguintes graduações: ruim, boa e de excelência.

Um didatismo de excelência passou a contar com uma tabela nos anexos dos Escritos do Nepô, uma síntese:

Criação de Glossário de Conceitos Novos e Antigos;
Situar a Narrativa dentro de uma determinada Ciência;
Comparar a abordagem que fazemos com outras;
Apresentar sempre o que é mais comum, mais mainstream, e o que se apresenta de novo;
Uma preocupação extrema com a precisão dos conceitos;
Preocupação extrema com a sequência mais lógica das mudanças dos paradigmas – aqueles que devem ser apresentados antes e os que devem vir depois – o que facilita, entre outras, coisas o material didático para cursos;
O Uso de Taxas de tudo, para fugir do absolutismo isso e aquilo;
Separar os Conceitos mais abertos (para um público mais amplo com menos rigidez) e os mais fechados (para disseminadores e conceituadores, com mais rigidez);
Preocupação de procurar sempre as definições e as etimologias dos conceitos.

Falei também de livros maus e bem sintetizados, quando os autores se preocupam em reduzir a quantidade e organizar melhor o conteúdo.

O primeiro livro da semana do Jonathan Haidt foi mal sintetizado e, por isso, dificulta bastante tirar dele algo de melhor, pois dá trabalho.

Faltou ali alguém para organizar melhor o conteúdo.

Falamos também das abordagens Monolista e Polilista, quando vamos definir o Sapiens de maneira geral na sua relação com ele mesmo:

No Monolismo – admitimos que o Sapiens é um imperador que manda em tudo, nas emoções, no corpo e pode tudo como um controlador geral que todos dentro dele obedecem a sua vontade;
Ou no Polilismo – quando entendemos que somos um nada além de coaching de uma equipe com vários Eus, que não mandamos neles diretamente, apenas, quando possível, indiretamente, que viver melhor nos leva a conhecê-los e aprender a negociar com eles.

Outro ponto importante nas Revisões dos Paradigmas Estruturais de “Quem é o Sapiens?” destacamos nossa visão Bimental e não Unimental de admitir que temos duas mentes:

A Mente Primária (Mais Automática) – que é fruto da nossa FBO – Formatação Básica Obrigatória;
A Mente Secundária (Mais Reflexiva) – que reflete sobre as heranças da nossa FBO – Formatação Básica Obrigatória e revisa o que não está funcionando.

Questionamos, assim, a visão Unimental do Sapiens que atrapalha demais a nossa capacidade de nos reinventar.

Dentro da Bimentalidade, percebemos, dentro de uma Hipótese Dedutiva, de que temos duas partes da Mente Secundária:

O Eu Criativo (responsável por criar novidades e revisitar paradigmas com problema);
O Eu Organizativo (que organiza a casa para o Eu Criativo poder trabalhar).

Diria ainda que temos o Eu Lembrador (que nos lembra da lista de compra) e o Eu Memorizador (que guarda dados na memória).

Na Mente Primária, separamos duas camadas:

A corporal (que quando dá problema tratada pelos médicos);
A emocional (que quando dá problema é tratada pelos Profissionais da Inovação Pessoal, leia-se psicólogos).

Não comentei, mas pensei que é importante denominar, algo que falamos bastante sobre Vieses Genéticos Inovadores.

E essa é a grande novidade da semana.

Acredito que temos diante de possíveis Vieses Genéticos Inovadores:

Uma Visão Unicista do Viés Genético Inovador – fortemente marcado no mainstream de que todos podem tudo diante da inovação;
Uma Visão Policista do Viés Genético Inovador – quando se defende (é a nossa posição) que temos, pelo menos, dois: o Viés Genético Inovador e o Disruptivo.

Vejamos, então, como ficamos diante das revisões paradigmáticas sobre o Sapiens na visão da Bimodais versus o Mainstream:

Bimodais acreditam que somos Bimentais, Polilistas e Policistas;
O Mainstream tem como tendência ver o Sapiens como Unimental, Monolista e Unicista.

Desenvolvemos ainda os conceitos de Vaidade Tóxica e Saudável, que nos tira a ideia de que a vaidade é ruim, não é.

Depende do como é gerenciada.

E criatividade tóxica (que viaja na maionese e não faz nada) e a saudável (que consegue ser transformada em projetos).

Fruto da mentoria com Fernanda Pompeu, chegamos ao conceito de Legado Mais Restrito (mais familiar) e Mais Amplo (com impacto maior na sociedade).

Ambos são resultados do tipo de PFMF escolhido. E isso também foi uma novidade relevante que passamos a ter:

Projetos de Felicidade Mais Disruptivos – que procura criar algo novo para a sociedade, com preocupação de deixar Legados Mais Amplos, que atraem mais os Disruptores;
Projetos de Felicidade Mais Incrementais – que procura manter o que existe, sem preocupação de deixar Legados Mais Amplos, que atraem mais os Incrementadores.

Desenvolvemos também a ideia da Ciência da Inovação 1.0 e a 2.0.

Na CI 1.0 – não temos os paradigmas das mudanças civilizacionais, a partir das mídias, nem a visão Policista dos Vieses Genéticos Inovadores Incremental e Disruptivo e nem a visão da Bimentalidade e do Polilismo;
Na CI 2.0 – temos os paradigmas das mudanças civilizacionais, a partir das mídias, a visão Policista dos Vieses Genéticos Inovadores Incremental e Disruptivo, a visão da Bimentalidade e do Polilismo.

Falamos ainda dos Métodos de Divulgação de projetos inovadores, que se dividem entre o Atrativismo e o Convencismo:

O Método de Divulgação do Atrativismo – é mais adequado para mudanças mais profundas e radicais dos paradigmas vigentes, na qual a pessoa tem que se empenhar bastante para se adaptar;
O Método de Divulgação do Convencismo – é mais adequado para mudanças mais superficiais e incrementais dos paradigmas vigentes, na qual a pessoa se empenha pouco ou muito menos para se adaptar.

Desenvolvemos o conceito de Demanda Existencial, no qual:

Temos pessoas mais inquietas ou disruptiva que têm como demanda deixar Legados Mais Amplos e que podem ajudar a sociedade a mudar em algo importante;
Temos pessoas mais quietas ou incrementais que têm como demanda deixar Legados Mais Restritos no âmbito familiar.

Ainda falamos da importância das Atividades Geradoras de Fluxo, que podem estar presentes na vida das pessoas na profissão ou no lazer, conforme a demanda de cada um.

Tal atividades nos ajuda a equilibrar melhor nossas energias, ampliando o espaço das positivas e reduzindo o das negativas.

E relacionamos o tipo de Atividades Geradoras de Fluxo com os Vieses Genéticos Inovadores, defendendo que Disruptores tendem a usá-las no trabalho e menos no lazer.

E mais na semana:

Criamos os conceitos das Rotinas em Espiral e Carrossel.
Sugerimos evitar o uso do conceito ego e usar vaidade.
Na linha gerenciamento melhor da vaidade e vaidade tóxica e saudável.
Criamos o Leiturismo, o Cadernismo e o Padrinhonismo.
E a sugestão de chamar os eventos ditos “motivacionais” de “excitacionais”.

Por fim, uma novidade na Metodologia de Divulgação dos Artigos, passo a enviar na sexta as frases top da semana.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Vamos ao Artigo:

“O mundo contemporâneo está lotado de pessoas vendendo facilidades.” – Charles Mendlowicz.

Vamos continuar a Bimodalizar o livro “18 princípios para você evoluir” do brasileiro Charles Mendlowicz.

Este é o terceiro e último artigo.

Comecemos reverberando o artigo anterior.

Criamos o conceito das Atividades Geradoras de Fluxo – aquelas que nos colocam no Tapete de Aladim e geram Sensações Mais Positivas, que podem ser praticadas em qualquer área das nossas vidas.

Note, entretanto, que quando eu vejo um jogo de futebol, eu posso me desligar do mundo, mas não estou produzindo nada.

O Estado de Fluxo exige uma proatividade seja ela física ou mental.

O Estado de Fluxo são Atividades Ativas e não Passivas.

Podes argumentar que vendo um jogo de futebol você entra em Fluxo e é tão passiva quanto a leitura de um livro.

É um bom argumento.

Vale refletir sobre.

Podemos, entretanto, ter nas Atividades Geradoras de Fluxo, de forma integrada ou isolada, as seguintes possibilidades:

Atividades Geradoras de Fluxo no Lazer (que podem ser hobbies ou esportes);
Hobbies (jardinagem, pintura, música);
Profissionais (que geram dinheiro e nos permitem sobreviver).

O ideal para uma taxa maior de felicidade se sugere que você consiga colocar Atividades Geradoras de Fluxo tanto no lazer, nos hobbies e no âmbito profissional.

De maneira geral, nós quando NÃO conseguimos viver de Atividades Profissionais Geradoras de Fluxo, acabamos colocando-as no lazer e nos hobbies.

Uma pessoa que entra em um estado de baixa motivação, em geral, é aquela que não pratica Atividades Geradoras de Fluxo em nenhuma área de sua vida.

Vejamos uma regra (ainda como Hipótese Dedutiva) entre as Atividades Geradoras de Fluxo e a Taxa de Felicidade:

Uma Taxa de Felicidade Mais Baixa estará diretamente vinculada a baixa capacidade de praticar Atividades Geradoras de Fluxo na sua vida;
Uma Taxa de Felicidade Mais Alta estará diretamente vinculada a uma capacidade de praticar Atividades Geradoras de Fluxo na sua vida.

Quanto mais você consegue colocar para rodar Atividades Geradoras de Fluxo nos diversos campos da sua vida, mais aumenta a chance de aumentar a Taxa da Felicidade.

Dito isso, voltemos ao texto do Charlão.

Ele diz, voltando a conversa sobre o Princípio Intrapessoal do Disciplinismo – um dos assinalados pelo GFB 2.0:

“Você tem que fazer um pouquinho todos os dias e de maneira consistente para ter um resultado real.”

O que podemos estabelecer a seguinte regra do Disciplinismo:

É melhor andar todos os dias por meia hora do que quatro horas em apenas um dia da semana.

É de pouquinho em pouquinho que conseguimos construir o poucão!

E isso nos leva para questionar a visão mainstream sobre rotina, geralmente vista com algo chato e pouco produtivo.

Vejamos como o Tio Chatinho (TC) define Rotina:

“Rotina é um conjunto de atividades, tarefas ou hábitos que são realizados regularmente e de forma sistemática, seguindo uma sequência ou ordem específica.
A palavra “rotina” tem sua origem no latim “rutina”, que por sua vez deriva de “ruta”, que significa “rota” ou “caminho”. “

Rotina vem de rota, de caminho, de percorrer uma estrada de forma continuada.

Diria, assim, que ter uma rotina é estar na rota e no caminho.

Muita gente torce o nariz contra a rotina, pois acredita, de forma equivocada, que toda rotina é chata e repetitiva.

Por isso, temos que sair do Vício Dialógico da Não Adjetivação e Adjetivá-la, separando dois tipos de rotina:

A Rotina em Espiral – aquela em que todo dia você melhora algo de forma progressiva e continuada, através do uso da Mente Secundária;
A Rotina em Carrossel – aquela que as coisas vão se repetindo, se Zecapagodando, sem melhoria, sem que a Mente Secundária aprimore as atividades.

O que é chato e anti-produtivo, sem dúvida, é a Rotina Carrossel, aquela em que a pessoa percebe que tudo se repete todos os dias.

Não existe nenhum projeto consistente – em nenhuma área da sociedade – que não tenha sido feito, através da Rotina em Espiral.

Um dos pontos principais de qualquer Projeto de Felicidade Mais Forte (PFMF) é justamente conseguir praticar em todas as áreas da nossa vida a Rotina Criativa.

Ele reforça:

“Cumprir pequenos objetivos dá uma sensação de prazer muito grande, o que é um incentivo para encarar os obstáculos que ainda estão por vir.”

E ironiza a procrastinação da seguinte maneira:

“É quase como querer ter a barriga tanquinho do Schwarzenegger comendo pão, bebendo vinho e faltando todo dia à academia.”

Mudemos de assunto e passemos aos legados e excelência.

Ele diz:

“Aqueles que alcançaram o nível mais alto de maestria haviam acumulado, em média, cerca de dez mil horas de prática deliberada.”

A procura da maestria, da excelência, se encaixa mais em Projetos de Felicidade Mais Disruptivos e é bom que se entenda que:

Ninguém chega muito longe na excelência se não colocar para rodar uma Rotina Criativa em Espiral.

Vejo muito por aí as pessoas se dispersarem em diversos projetos profissionais e não chega à excelência em nenhum deles.

É uma escolha.

Porém, quando nos concentramos naquilo que somos mais fortes e procuramos ir mais fundo no nosso potencial, temos mais chances de aumentar nossa taxa de BOMTRC (Bom Humor, Otimismo, Motivação, Tranquilidade, Resiliência e Criatividade).

A procura de excelência profissional, além disso, num campo específico é geradora de Estado de Fluxo – o que aumenta consideravelmente o BOMTRC.

Diria que o livro de Charlão tem o foco para quem quer desenvolver a Excelência, num campo específico.

Isso não é a realidade da maioria das pessoas. É um nicho dentro da Inovação Pessoal.

Eu até sugeriria mudar o título do livro dele para “18 princípios para você chegar à sua excelência.”

Isso se reforça, quando ele defende a luta contra a mediocridade:

“Papo de Mediocridade:

“Antes de avançarmos nesse tópico sobre mediocridade, preciso deixar bem claro que me refiro a “medíocre ” como sinônimo de “média”. De acordo com a definição do dicionário, essa palavra vem do latim mediocris , que significa : 1 . Que está no meio ou entre dois extremos, é igual a mediano; 2 . Que não se destaca na qualidade , no valor ou na originalidade; 3. Que está abaixo da média ou do que está aceitável.”

 

O problema é que nem todo mundo quer chegar à excelência.

Portanto, as dicas servem mais para quem abraça uma Felicidade mais Disruptiva do que Incremental e consegue focar em uma atividade profissional específica.

(Isso, inclusive, dá uma boa conversa: a excelência e os projetos de felicidade, um papo que podemos desenvolver depois – coloquei na lista.)

Diz ele, já mudando de assunto e entrando no papo do ego:

“Mas até hoje agradeço a Deus por tudo ter acontecido daquele jeito, porque tudo aquilo que eu passei me ajudou muito a desinflar o meu ego.”

TC nos diz o seguinte:

“A expressão “desinflar o ego” é uma metáfora que se refere a reduzir ou diminuir o ego de alguém, ou seja, diminuir o senso de importância exagerado ou a autoestima inflada de uma pessoa. O termo “ego” neste contexto é usado para descrever o senso de autoimportância, orgulho ou autoestima exagerados de alguém.

A origem exata da expressão não é clara, mas o conceito de “ego” e seu papel na psicologia e na sociedade é bastante antigo. O termo “ego” tem suas raízes na psicologia, particularmente nas teorias de Sigmund Freud. Freud definindo o ego como parte da personalidade que lida com a realidade, mediando entre os impulsos do id, as demandas do superego e as realidades externas.

A ideia de “desinflar o ego” pode ter se desenvolvida como uma maneira figurativa de descrever a redução do orgulho excessivo ou da arrogância de alguém. A expressão é frequentemente usada em contextos de psicologia, autoajuda e desenvolvimento pessoal, onde a ênfase é colocada na importância de cultivar uma visão mais realista de si mesmo e do mundo ao redor.”

Eu não gosto do conceito “ego”, pois ele gera mais confusão do que esclarecimento.

É um conceito que ajuda no VD da Imprecisão de Conceitos.

Quer um exemplo como a coisa fica mais clara e reduz a confusão?

Olha a frase do Charlão escrita de outra maneira, com menos margem à confusão:

“Mas até hoje agradeço a Deus por tudo ter acontecido daquele jeito, porque tudo aquilo que eu passei me ajudou muito a gerenciar melhor a minha vaidade.”

Ego se desdobra no conceito egoísmo – que Ayn Rand (1905-82) tanto questionou.

Já separamos o egoísmo em dois:

Egoísmo Saudável – aquele que defendemos nossos interesses (que é algo obrigatório para TODOS os Sapiens) em um processo ganha-ganha, através de trocas voluntárias;
Egoísmo Tóxico – aquele que defendemos nossos interesses (que é algo obrigatório para TODOS os Sapiens) em um processo perde-ganha, através da imposição forçada das trocas – desde assalto, sequestro ou fechamento do mercado para apenas um monopólio.

Note que, ao definir ego, TC teve a necessidade de adjetivar para poder explicar, ao usar “Orgulho Excessivo”.

Eu preferia mudar a frase de Charlão para o seguinte:

“Aquilo que eu passei me ajudou muito a lidar melhor com a minha vaidade.”

Note que “gerenciar melhor a minha vaidade” é muito mais preciso, pois eu posso ter uma relação melhor (mais saudável) com a vaidade ou pior (mais tóxica).

Todos nós somos – e precisamos ser vaidosos – para que possamos cuidar bem das nossas vidas: o problema é o gerenciamento saudável ou tóxico que fazemos da vaidade.

Aliás, um dos sintomas que a pessoa não está legal é quando ela deixa de cuidar da sua aparência, deixando de praticar a sua vaidade.

E o contrário também é verdadeiro.

Quando a pessoa passa a se preocupar demais com a sua aparência, deixando de se preocupar com coisas mais importantes.

Uma relação mais tóxica com a vaidade é aquela em que eu:

Estou muito preocupado com a opinião dos outros do que com a minha;
Faço coisas não por que me fazem bem, mas para ouvir elogios externos;
E perco a noção dos meus verdadeiros potenciais e fraquezas – e acho que tudo é possível, estabelecendo uma relação tóxica com os desafios.

Uma relação mais saudável com a vaidade é aquela em que eu:

Uma preocupação menor com a opinião dos outros do que com a minha;
Faço coisas por que me fazem bem e não para ouvir elogios;
E tenho a noção mais clara dos meus potenciais e fraquezas, conseguindo vencer os desafios numa relação saudável com eles.

Charlão também é adepto do Princípio Intrapessoal do Cadernismo, que já fazia parte do GFB 2.0:

“Acho muito importante que a pessoa tenha um caderno, algo que sirva para trazer as ideias do plano psicológico para o plano físico. Esse é um processo que precisa acontecer todos os dias, seja escrevendo ou até mesmo vocalizando.”

Porém, não faz muito sentido a expressão “trazer as ideias do plano psicológico para o plano físico”.

O que fazemos quando passamos a praticar o Cadernismo, via Diário de Bordo da Rotina e Diário de Bordo das Crises, é o seguinte:

Escrever nos permite “fazer o Pilates” na Mente Primária, através da “Personal Pilateira” Mente Secundária;
Cria-se uma rotina em que passamos a dar “nomes aos bois” de tudo que acontece na nossa vida;
E nos permite, com o tempo, ir desenvolvendo a nossa Narrativa Pessoal.

Sugiro aos praticantes do GFB 2.0 que:

O Diário de Bordo da Rotina, principalmente, se for no campo profissional, seja publicado na Internet para que se aumente a responsabilidade pelo texto e se tenha feedbacks de pessoas próximas;
O Diário de Bordo das Crises serve para superar situações difíceis e as experiências aprendidas, estas sim merecem ser divulgadas – os detalhes sobre as crises ficam no particular.

É possível até ter dois canais na Internet, um para os aprendizados profissionais e outro para os pessoais – a critério.

Quando digo dar “nome aos bois” é bom que possamos, no exemplo do Diário da Crise:

Dar nome ao evento – fui roubado;
Dar nome às sensações – fiquei com medo e raiva;
Pensar o que pode ser feito – dar queixa na polícia e avisar todos os amigos de que não se deve ir naquele local, naquela hora;
Escrever as lições – não vou mais andar por aquela rua à noite;
E, por fim, descobrir os padrões – recorrências, de que eu não sou muito ligado nos problemas de violência e sou mais assaltado do que os meus amigos.

Incentivo à leitura:

“Entenda, se os próprios bilionários afirmam que o hábito da leitura faz total diferença na vida deles, por que a pessoa não vai ler? E detalhe, esse hábito muito provavelmente é o mais barato de todas as opções possíveis para se manter ao longo da vida, e o que mais pode impactar na vida das pessoas.”

A dica de leitura é boa e pode até gerar um Princípio Intrapessoal que é o Leiturismo – criar o hábito de leitura para a oxigenação. Vou incluir.

Mais sobre isso:

“Isso significa que a prática da leitura é democrática e se adapta a qualquer um desde que essa pessoa queira ler e veja valor real neste hábito. Fato é, pessoas milionárias leem.”

(E aqui temos algo que se repete no livro ao usar bilionários e milionários como referência. Acho que até cabe dizer que podemos inventar o Milionarismo – tendência da pessoa basear os critérios da sua vida nos exemplos dos milionários.)

“É como se o livro fosse uma pessoa . Para quem lê muito igual a mim, o livro torna-se uma companhia.”

Concordo, digo sempre que dialogo com os autores como se estivesse tomando cerveja com eles.

“Quem lê um livro por ano deve dobrar a meta. Porque se lermos dois livros no primeiro ano e depois dobrarmos essa quantidade, vai ficar quatro, ou seja, ao final de dois anos serão seis livros lidos.”

Porém, é preciso deixar claro que temos dois tipos de Leitura:

A Proativa – aquela que incorporamos algo na nossa Narrativa Existencial;
E a Reativa – aquela que lemos muito e incorporamos pouco ou quase nada.

Ou seja, o problema é que não basta ler por ler em uma Leitura Passiva, mas é fundamental ler e praticar a Leitura Proativa.

Concordo com ele:

“Nós temos sempre que buscar uma leitura que nos agregue , temos que melhorar o valor, como se fosse o valor agregado da nossa leitura.”

Ele segue:

“Portanto, quanto mais conhecimento nós conseguimos adquirir, maior a nossa possibilidade de mudar de vida.”

Bimodalizaria a frase da seguinte maneira:

Quanto mais conseguimos aliar teorias e metodologias, através da leitura, com nosso projeto de vida, maior a nossa possibilidade de tomar decisões melhores e, assim, termos vidas melhores.

Aqui temos algo que também pode virar um Princípio Interpessoal, que vou chamar de Padrinhonismo.

Padrinhonismo – Adote padrinhos próximos ou distantes, vivos ou mortos para economizar tempo e dinheiro no desenvolvimento da sua Narrativa Existencial.

O que ele diz:

“Adote mentores, ainda que eles não saibam sobre a sua existência.// “O mentor é alguém que chegou a lugares que você ainda não chegou e quer chegar.”// “Você não precisa cometer os erros que cometeu e está sempre avisando.”// “Então o primeiro ponto do mentor é te dar o caminho, é te dar o mapa.”//”(…) é fazer com que você ganhe velocidade.”

Papo de Motivação:

“A motivação é legal? É legal e não sou contra a motivação, acho importante que a gente esteja motivado. Não sou contra a motivação, mas sabe o que a motivação vai fazer nessa história de órbita? No máximo, ela fará com que o seu foguete comece a pegar fogo, dê a partida. Porém, o que vai te colocar em órbita é a disciplina e o comprometimento . Comprometimento esse que você vai ter consigo mesmo , ou seja , mesmo que algo dê.”

Aqui, temos um problema de conceito mal usado.

Charlão está se referindo à Excitação Tóxica – aquela que vamos a uma palestra, ficamos super excitados, mas, ao cabo de dois dias, nossa vida volta ao normal.

A Excitação Tóxica – muito difundida em eventos chamados “motivacionais” não muda ninguém.
O nome deveria mudar. Ao invés de eventos motivacionais, deveriam se chamar eventos excitacionais.

Motivação, entretanto, não é excitação.

Segundo o TC:

“Em um contexto geral, isso se refere a um estado de estimulação física, mental ou emocional que resulta em um aumento da atividade física ou psicológica.”

Vejamos o que ele nos diz sobre a diferença:

“Excitação:

Refere-se a um estado de estimulação física, mental ou emocional.
Pode ser resultado de estímulos internos ou externos.
Geralmente é temporário e pode variar de acordo com a intensidade.
Não necessariamente implica em direção ou objetivo específico.

Motivação:

Refere-se a um impulso interno que direciona o comportamento em direção a metas ou objetivos específicos.
Pode ser intrínseca (motivação proveniente de interesses pessoais, valores ou aspirações) ou extrínseca (motivação proveniente de recompensas externas ou pressão social).
É geralmente mais estável e rigoroso do que a excitação.
Envolve uma direção específica para a ação, buscando alcançar o resultado desejado.”

Frases que destaco dele:

“As pessoas perdem muito tempo ao rechaçar aquilo que funciona.“

“As pessoas estão muito aceleradas , querem resultados rápidos.“

“Nós subestimamos o longo prazo e superestimamos o curto prazo.“ // “Trocamos o fazer um pouco todo dia pelo “curtoprazismo” .“

“A única coisa que não muda é que todo dia você tem um dia a menos.”

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

O que aprendi com este artigo?

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto aborda a continuação da discussão sobre os projetos de felicidade, destacando a diferenciação entre os projetos mais incrementais e os mais disruptivos. Enfatiza-se a importância de atender às demandas individuais de desafios para manter alta a taxa de BOMTRC (Bom Humor, Otimismo, Motivação, Tranquilidade, Resiliência e Criatividade), seja para os disruptores, que buscam desafios mais inovadores, ou para os incrementadores, que preferem desafios mais convencionais. O autor também destaca a necessidade de aumentar a personalização das vidas em meio à Civilização 2.0 e a importância de encontrar atividades geradoras de fluxo compatíveis com as demandas existenciais de cada pessoa. Além disso, são abordadas questões relacionadas ao dinheiro e felicidade, defendendo que o dinheiro deve ser visto como meio para alcançar uma vida melhor, e não como fim em si mesmo. O texto também destaca a importância do disciplinismo e do minimalismo na busca pela felicidade, bem como a necessidade de estabelecer metas e objetivos alinhados com as demandas individuais de cada um.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. O sábio é aquele que não deixa que os desejos por coisas o tire do seu caminho principal.
  2. Hoje, na Civilização 2.0, estamos vivendo um aumento exponencial e massificado de um Sapiens menos para um mais personalizado.
  3. Um dos principais problemas na qualidade de vida de qualquer pessoa é justamente confundir o que é meio (ferramenta) e o que é fim (objetivo).
  4. Não adianta, portanto, sair comprando coisas desnecessárias para mostrar para os outros o quanto você é o máximo e jogar toda a nossa tranquilidade pela janela.
  5. Eu não preciso inventar grandes desafios na minha vida, se a minha Demanda Existencial não exige isso.
  6. A ideia de que todos nós temos um propósito especial, desafiador, distante do mainstream é falsa. Pior: pode gerar mais infelicidade do que felicidade!
  7. O sarrafo de vidas mais desafiadoras subiu na Civilização 2.0.
  8. O propósito de todo o Sapiens é conseguir ter a vida mais compatível possível com as suas Demandas Existenciais.

Os Mapas Mentais do Artigo:

Vamos ao Artigo:

“Muitas pessoas são infelizes justamente porque elas ignoram seu propósito em função do dinheiro .”Charles Mendlowicz.

Vamos continuar a Bimodalizar o livro “18 princípios para você evoluir” do brasileiro Charles Mendlowicz.

Este é o segundo artigo.

Porém, no desdobramento da conversa do artigo passado, antes de tudo, precisamos separar os Projetos de Felicidade em dois tipos:

Projetos de Felicidade Mais Incrementais – aqueles que se aproximam mais do Mainstream, que a demanda de personalização da pessoa é menor;
Projetos de Felicidade Mais Disruptivos – aqueles que se distanciam mais do Mainstream, que a demanda de personalização da pessoa é maior.

Nos Projetos de Felicidade Mais Incrementais, temos o seguinte:

Uma demanda menor por criatividade;
A demanda de deixar Legados Mais Amplos é menor, ficando com os mais restritos tais como filhos, netos e herança.

Nos Projetos de Felicidade Mais Disruptivos, temos o seguinte:

Uma demanda maior por criatividade;
A demanda de deixar Legados Mais Amplos e de relevância é maior, tais como tecnologias, conceitos e trabalhos artísticos.

Não quer dizer que um é melhor do que o outro – o fundamental é atender as expectativas da demanda de desafios de cada pessoa.

Os Disruptores têm a demanda por desafio maior por uma questão de Viés Genético Inovador.

Voltemos à Bimodalização do livro de Charlão.

Diz ele:

“Quando eu digo que todo mundo tem uma função aqui na Terra, não necessariamente você se tornará multimilionário com isso, mas ao cumprir o propósito que é seu, você se sentirá muito feliz.”

Diria o seguinte.

O objetivo de uma pessoa no quesito felicidade é manter alta a sua taxa de BOMTRC (Bom Humor, Otimismo, Motivação, Tranquilidade, Resiliência e Criatividade).

Obviamente, que cada pessoa têm demandas diferentes por desafios. Porém, no final das contas, tanto Disruptores quanto Incrementadores querem manter alto o BOMTRC.

Estou cercado de várias pessoas que têm o Viés Genético Incremental, que mantêm alta o BOMTRC sem a demanda por deixar Legados Mais Amplos.

Eles estão cumprindo seu propósito? Sim, estão. Viver da melhor maneira possível com as suas Demandas Existenciais.

E acredito que podemos, ao invés de chamar de propósito, chamar de Demandas Existenciais.

Demandas Existenciais são aquelas que cada pessoa tem para manter alta a sua Taxa de BOMTRC, que varia de pessoa para pessoa, principalmente, a partir do Viés Genético Inovador.

Eu não preciso inventar grandes desafios na minha vida, se a minha Demanda Existencial não exige isso.

Quando falamos em autoconhecimento, estamos nos referindo a pesquisa necessária para saber quais são as nossas Demandas Existenciais.

Charlão, por exemplo, pelo que li do livro dele, é mais Disruptivo do que Incremental e tem uma demanda por deixar um Legado Mais Amplo do que a maioria das pessoas.

E isso é um problema quando falamos de Felicidade.

Muitos autores querem vender os Projetos de Felicidade Mais Disruptivos como se fossem a única opção.

Muita gente que não tem a Demanda Existencial Mais Disruptiva acaba se sentindo mal por não querer deixar Legados Mais Amplos.

O importante na vida de qualquer pessoa é justamente ter atendido às suas Demandas Existenciais com mais ou menos desafios, dependendo do Viés Genético Inovador.

A ideia de que todos nós temos um propósito especial, desafiador, distante do mainstream é falsa. Pior: pode gerar mais infelicidade do que felicidade!

De maneira geral, para a maior parte das pessoas, não há uma demanda por um propósito tão diferente e especial.

Não quer dizer que isso seja bom ou ruim, mas é assim que é a vida.

Porém, uma coisa relevante precisa ser dita.

Ao longo do tempo, conforme vamos aumentando a população, temos como obrigação aumentar a personalização de cada Sapiens.

Hoje, na Civilização 2.0, estamos vivendo um aumento exponencial e massificado de um Sapiens menos para um mais personalizado.

O que antes servia para uma pessoa mais incremental, hoje não serve mais e há uma demanda grande para que as pessoas se personalizem muito mais do que no passado.

E isso nos leva a um aumento da personalização e, por consequência, uma demanda maior por uma felicidade mais consciente e um pouco diferenciada uma das outras.

Todos nós estamos sendo demandados a ter vidas mais desafiadoras do que nossos antepassados.

O sarrafo de vidas mais desafiadoras subiu na Civilização 2.0.

Note, entretanto, que um pouco mais diferenciada não significa muito mais diferenciada.

Há um necessário ajuste para que as pessoas se acostumem a viver vidas mais desafiadoras dentro da nova Civilização 2.0.
Porém, teremos dentro dos desafios do Sapiens 2.0 ainda a mesma divisão:

O Disruptivo 2.0 viverá ainda muito mais desafios do que o 1.0;
E o Incremental 2.0 viverá mais desafios do que o 1.0;
Porém, serão ainda Demandas Existenciais distintas como sempre foi – isso não se altera.

Temos um radical aumento da personalização e precisamos de Projetos de Felicidades Mais Fortes no atual momento tanto para os Incrementadores quanto para os Disruptores.

As pessoas hoje precisam se acostumar a vidas mais desafiadoras, já que:

Os clientes estão com muito mais opções e, por causa disso, mais exigentes e mais personalizados;
A concorrência, além disso, aumentou muito;
E a possibilidade de se trabalhar com menos envolvimento já não é mais uma opção tão tranquila como foi no passado.

Por isso, a demanda por PFMFs cresceu muito.

E temos, dentro disso, outro aspecto que vale tanto para os Projetos de Felicidade Mais Fortes Disruptivos e Incrementais.

O epicentro de um PFMF 2.0 é o aumento de Atividades Geradoras de Fluxo.

Hoje, a demanda por praticar o Estado de Fluxo é muito maior do que no passado.

Antigamente, alguém vivia ao longo de toda a vida a seguinte situação (que hoje não é mais tão comum):

Trabalhar na mesma empresa;
Tendo a mesma atividade profissional ao longo de toda a vida;
Com Taxas Inovadoras.

A necessidade de se reinventar aumentou muito e, por isso, os Projetos de Felicidade Mais Fortes se tornaram uma demanda cada vez mais presente.

“Cumprir o propósito que é seu” – como sugere o Charlão significa, assim, atender as Demandas Existenciais em dois níveis:

Que sejam compatíveis com seu Viés Inovador Genético;
Mas ao mesmo tempo compatível com a Civilização em que se vive, que varia conforme o Ambiente Midiático e Cooperativo.
Eu Bimodalizaria isso, de novo, já pegando outro aspecto.

Mesmo dentro de Projetos de Felicidade Mais Incrementais vai se procurar Atividades Geradoras de Fluxo.

Talvez, tenhamos aqui a diferença entre os diferentes Viés Genético Inovador:

Quanto mais as Atividades Geradoras de Fluxo de uma pessoa se distanciam do mainstream, mais disruptiva é a sua demanda inovadora;
Quanto mais as Atividades Geradoras de Fluxo de uma pessoa se aproximam do mainstream, mais incremental é a sua demanda inovadora.

É bom que as pessoas procurem – independente do seu Viés Genético Inovador – as suas respectivas Atividades Geradoras de Fluxo.

Uma pessoa mais incremental que entra em fluxo cuidando do seu jardim terá sempre alta a taxa de felicidade, mesmo que isso não deixe um Legado Mais Amplo.

Podemos dizer que:

O propósito de todo o Sapiens é conseguir ter a vida mais compatível possível com as suas Demandas Existenciais.

E que as Demandas Existenciais dos Sapiens variam conforme:

De forma estrutural – com o Viés Genético Inovador de cada um, pois isso não se modifica;
De forma conjuntural – com o tipo de Ambiente Familiar, Regional ou Civilizacional em que se vive, pois isso se modifica no tempo.

É preciso, entretanto, que cada pessoa tenha claro que “encontrar um propósito” ou as suas Demandas Existenciais – não é igual a procurar um cachorro querido que se perdeu no meio da rua.

As Demandas Existenciais não é algo que se acha e acabou o problema. É, ao invés disso, algo que se está o tempo todo procurando e se modificando.

Isso é reforçado por esta frase do Charlão:

“Quanta gente por aí afora vive depressiva quando não está fazendo aquilo que realmente veio fazer neste mundo.”

Diria que:

Uma vida melhor e mais sábia é aquela que aprendemos a conhecer, respeitar e colocar para rodar nossas Demandas Existenciais.

Diz ele e mudando de assunto agora para falar da relação dinheiro e felicidade:

“Muitas pessoas são infelizes justamente porque elas ignoram seu propósito em função do dinheiro.”

Sim, o dinheiro é um meio para se viver uma vida melhor. Tem, como vimos nos artigos anteriores, uma medida certa.

Um dos principais problemas na qualidade de vida de qualquer pessoa é justamente confundir o que é meio (ferramenta) e o que é fim (objetivo).

Os utensílios que estão em torno de nós viabilizando vidas melhores são apenas ferramentas para que possamos ir colocando para rodar nossas Demandas Existenciais.

Sabemos que nossas Demandas Existenciais estão sendo atingidas quando o BOMTRC está alto.

Não adianta, portanto, sair comprando coisas desnecessárias para mostrar para os outros o quanto você é o máximo e jogar toda a nossa tranquilidade pela janela.

Charlão defende também o Disciplinismo, um dos Princípios Intrapessoais do GFB 2.0.

Diz ele:

“Ter pequenas metas para conquistar um objetivo maior é muito mais fácil do que ficar sempre pensando naquele objetivo e não conseguir realizá-lo.”

Assim, todos os dias é bom ir realizando coisas, batendo palmas para os pequenos resultados, e ir avançando devagarinho.

Isso bate muito com a ideia do MVP:

“MVP é a sigla que representa o Mínimo Produto Viável – em inglês, Minimum Viable Product. De um jeito simples, podemos definir o MVP como uma versão enxuta de uma solução, que contém apenas suas funcionalidades básicas.”

Também conhecido como pilotos, experiências, que vão passo a passo nos permitindo cumprir nossas metas.

Diz ele:

“Você tem que comemorar cada passo!”

Aqui, cabe lembrar do Ritual Rivotril que falamos na semana passada, que é:

“Quais foram as cinco atividades Top de hoje?”

Coloquei na agenda para me lembrar e tenho feito este exercício diariamente.

Poderia, depois de uma semana de atividades, dizer que tenho percebido como momentos tops:

As minhas micro, médio e grandes vitórias nos diversos projetos que estou envolvido na minha vida;
Os encontros com pessoas próximas, que incluem conhecidos, amigos e os papos com os Bimodais, sejam eles Endógenos e Exógenos.

Tudo isso – aliado ao meu Ritual Rivotril do agradecimento – tem me feito me sentir mais proativo e praticar mais os princípios que me fazem bem.

Vejo também no texto de Charlão um aspecto Minimalista (apesar dele se referir bastante aos milionários – uma contradição que aparece ao longo do texto.)

O Minimalismo é outro dos Princípios Intrapessoais contidos no GFB 2.0.

Aqui temos um diamante do Minimalismo, retirado do Talmude, que pode ser melhorado:

“O homem rico é aquele que está satisfeito com o que possui.”

Acredito, entretanto, que podemos desenvolver mais isso.

Trocaria a expressão rico, por homem sábio. E não colocaria a expressão satisfeito, pois, como a vida, é um processo a satisfação de hoje não será a mesma de amanhã, pois as demandas objetivas e subjetivas mudam.

Diria assim que:

O sábio é aquele que não deixa que os desejos por coisas o tire do seu caminho principal.

O importante no Princípio Intrapessoal do Minimalismo no GFB 2.0 é o seguinte:

As coisas à nossa volta não devem ser compradas para serem exibidas aos outros, mas para melhorar a nossa vida;
E vão sempre na direção do menos para o mais conforto, nos permitindo mais e mais nos dedicar para aquilo que nos deixa mais feliz.

Diz ele:

“Você precisa se organizar para estabelecer quais são seus objetivos e não interessa se vai escrevê-los em um papel, na parede da sua casa ou tatuar nas suas costas. Trace as metas rumo aos objetivos que você deseja alcançar e em seguida revise tudo.”

Mas qual é o critério?

Isso tem que ser adaptado ao contexto, mas que para todos, independente do Viés Genético Inovador, será:

Garantir a sobrevivência, através de atividades remuneradas, cada vez mais próximas das suas Demandas Existenciais;
E garantir depois na quarta idade a independência financeira dos clientes externos.

Se temos, além disso, um Projeto de Felicidade Mais Disruptivo, é preciso dividir o Projetão e o Projetinho:

O Projetão – aquilo que pode ser uma visão geral do Legado Mais Amplo, tal como no meu caso, desenvolver a Ciência da Inovação Bimodal;
Os Projetinhos – organizar a escola para que isso seja possível e publicar livros regularmente.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

O que aprendi com este artigo?

Resumo feito pelo Chatinho:

Charlão defende o disciplinismo e aborda o conceito de evolução pessoal, destacando a importância de buscar a melhor versão de si mesmo. Ele também discute o propósito pessoal e a responsabilidade individual na busca por uma vida satisfatória. No entanto, suas ideias levantam questões sobre a singularização e a massificação da evolução pessoal, assim como a necessidade de adjetivação para tornar os conceitos mais específicos. Além disso, Charlão destaca a importância de assumir a responsabilidade pela própria vida e critica a tendência de culpar os outros pelos infortúnios pessoais. No entanto, suas ideias podem parecer um tanto quanto umbiguistas ao generalizar suas próprias experiências como aplicáveis a todos. É sugerido que a busca pelo propósito pessoal é uma jornada contínua e progressiva, que pode mudar com o tempo e as circunstâncias individuais.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Viver é justamente conseguir adequar, da melhor forma possível, a bagunça do mundo à nossa bagunça pessoal.
  2. Quando precisamos fazer determinadas mudanças mais profundas e estruturais, se a pessoa não dá o primeiro passo, todo esforço será inútil.
  3. Guias de Felicidade Mais Fortes precisam se utilizar do Atrativismo, pois as mudanças exigidas são mais estruturais e disruptivas.
  4. Viver é uma continuada e progressiva adequação da vida ao seu Projeto de Felicidade, quanto melhor isso for feito, mais a sua vida será melhor.
  5. Não entendemos que a civilização caminha, de forma saudável, continuada, sustentável e inteligente numa relação de equilíbrio entre Disruptores e Incrementadores.
  6. Quando temos diante de nós a opção de mudanças muito profundas, ou você está muito afim de encarar a brincadeira, ou nada ou ninguém irá convencê-lo.
  7. O que era ser incremental no Mundo 1.0 não é mais ser incremental no Mundo 2.0, todo mundo tem que aumentar, em alguma medida, a sua Taxa de Disrupção.
  8. Não se acha um propósito e pronto, mas o que temos é uma pesquisa continuada e progressiva, que vai mudando com o tempo, com a idade e as circunstâncias.

Os Mapas Mentais do Artigo:

 

Vamos ao Artigo:

“xxx”xxx.

Diria que Charlão – como ele como gosta de ser chamado – é um autor de Inovação Pessoal com o seguinte perfil:

Contador de Histórias – mais autobiográfica do que histórias de outros;
Um Coisitivista Moderado – pois baseia vários exemplos de uma vida boa não em pessoas comuns, mas em milionários;
Desenvolve, a meu ver, uma Taxa de Médio Didatismo, através de 18 princípios, que muitas vezes se repetem;
O livro, entretanto, desperta diversas conversas interessantes.

(Ele tirou o número 18 de uma referência da Torá, que considera 18 o número da vida e resolveu basear o livro dentro deste contexto.)

Vamos à análise.

Charles é um defensor ferrenho do Disciplinismo um dos Princípios Intrapessoais (Relação Eu-Eu) que propomos no PFB 2.0.

Como vemos nesta citação:

“Às vezes o mundo não te “quebra” na hora, ele vai te envergando aos poucos a ponto de você se sentir paralisado ou perdido . Nessas horas, a rotina e a disciplina são os melhores antídotos para você voltar para o “jogo” e reencontrar o caminho para a sua EVOLUÇÃO.”

O termo evolução cria uma certa polêmica, que aparece aqui e no próprio título do livro.

Diz CT: “A evolução pessoal refere-se ao processo contínuo de crescimento, desenvolvimento e aprimoramento de uma pessoa ao longo da vida. Envolve a busca por autoconhecimento, o estabelecimento de metas pessoais, o aprendizado constante, o desenvolvimento de habilidades, a superação de desafios e a busca pelo bem-estar emocional, mental e espiritual. A evolução pessoal pode ocorrer em diversas áreas da vida, como profissional, emocional, relacional, espiritual e física. É um processo individual e único para cada pessoa, e pode ser impulsionado por experiências, reflexões, feedbacks, educação formal e informal, entre outros fatores. Em essência, a evolução pessoal é o caminho pelo qual uma pessoa busca se tornar a melhor versão de si mesma.”

Gosto do final:

“A evolução pessoal é o caminho pelo qual uma pessoa busca se tornar a melhor versão de si mesma.”

Mas note que quando eu digo para alguém: “você precisa evoluir.” não está claro do que estou falando. Evoluir é um conceito em aberto.

Precisamos aqui, mais uma vez e como sempre, de adjetivos. O que sugere o TC e concordo com ele é a Evolução Personalizadora.

A Evolução Personalizadora ou Singularizadora – é aquela em que uma pessoa busca se tornar a melhor versão de si mesma.

Note que em um ambiente mais massificado, eu posso incentivar uma Evolução Massificadora, na qual todo mundo passa a pensar mais parecido com o centro.

Assim, temos que especificar:

A Evolução Personalizadora – na direção da Singularização;
A Evolução Massificadora – na direção da Massificação.

Diz CT: “A palavra “evolução” tem sua origem no latim “evolutio”, que significa “desdobramento” ou “desenrolar””.

Evolução é uma palavra em aberto, tal como falamos de um duto ou de uma estrada, que leva algo de um lugar para outro.

Evoluir precisa de definição do que consideramos é melhorar e de onde para onde sugerimos que se deve ir.

Dito isso, mudemos de assunto.

Charlão abraça também a ideia do Singularismo. Diz ele:

“Loucura: é assim que defino quando nós temos o propósito bem diante da nossa cara, mas não fazemos o que viemos fazer neste mundo.”

E aqui esbarramos no “propósito” – outro conceito problemático.

Note que aqui temos o problema do VD (Vício Dialógico) da Falta de Adjetivação, que pode causar confusão do que exatamente estamos falando quando nos referimos a “ter propósito” ou “o meu propósito”.

Diz o CT: “O propósito pode ser definido como a razão de ser ou o motivo subjacente que impulsiona uma pessoa, organização ou entidade a agir de determinada maneira ou a buscar certos objetivos.”

Dentro desse ponto de vista, no âmbito pessoal, todos nós temos um propósito nato: sobreviver da melhor forma possível.

Precisamos adjetivar para sermos mais específicos.

Temos os seguintes tipos de propósitos:

Propósitos Mais Singulares – aqueles que desenvolvemos projetos mais particulares em torno dos nossos Potenciais Singulares, tal como pintar, tocar um instrumento, nos aprofundar num assunto, ou mesmo escrever um livro, que nos permitem entrar em Estado de Fluxo;
Propósitos Menos Singulares – aqueles que desenvolvemos projetos mais comuns a todos os Sapiens, tal como ter filhos, deixar uma herança ou ser diretor de uma determinada empresa, que não nos levam necessariamente ao Estado de Fluxo.

Quando Charlão se refere a propósito me parece que ele está falando mais do primeiro do que do segundo.

Propósitos Mais Singulares tendem a deixar Legados Mais Amplos e Propósitos Menos Singulares tendem a deixar Legados Mais Restritos.

Quando ele defende que precisamos escolher “um propósito”, quer expressar que é preciso procurar um Propósito Mais Consciente e Mais Singular, que nos leve a deixar um Legado Mais Amplo.

Porém, nem todo mundo tem essa demanda.

E aqui temos um impasse na conversa de como vemos o Sapiens.

De maneira geral, no mainstream, temos a visão de que todo mundo é meio parecido.

Mas quando falamos em inovação, seja na camada grupal ou pessoal, é fundamental que façamos uma divisão de dois Vieses Genéticos Inovadores:

Disruptivos – que têm uma demanda muito maior por personalização;
Incrementais – que têm uma demanda muito menor por personalização.

E aqui temos uma divisão importante, que é um divisor de água na Ciência da Inovação:

Na Ciência da Inovação 1.0 – Todos os Sapiens tem um Viés Genético igual diante da Inovação;
Na Ciência da Inovação 2.0 – Temos dois Vieses Genéticos (Incrementais e Disruptivos) distintos que precisam ser a base para se pensar projetos tanto na Inovação Grupal quanto na pessoal.

Por isso, quando vamos conduzir pessoas em um Projeto de Felicidade Mais Forte diante do Digital é preciso:

Promover a reflexão sobre os novos Paradigmas da Ciência Social 2.0, que revê as bases de como o Sapiens caminha na Macro-Histórica, incorporando o papel da demografia, das mídias e dos novos modelos de cooperação;
Promover a reflexão sobre os novos Paradigmas da Ciência da Inovação 2.0, que revê as bases dos diferentes Vieses Genéticos do Sapiens;
E, por fim, promover a reflexão sobre o tema da Felicidade dentro deste novo contexto, unindo os Conceituadores do passado e do presente, dentro destes novos contextos.

Quando falamos que as pessoas têm a demanda por “ter propósito” – como sugere Charlão – temos que entender qual o Viés Genético de cada um, que vai impactar na demanda de mais ou menos disrupção nesse campo.

Voltemos ao Charlão, que complementa:

“Se no meu passado eu tivesse o conhecimento que vou compartilhar ao longo deste livro, eu teria seguido o meu propósito muito antes e evitado sofrer uma porrada de dores.”

O que ele está se referindo é Propósitos Mais Singulares, que nos deixam vivenciar nosso Estado de Fluxo.

É algo diretamente ligado à Inovação e a uma vida mais singular, que nem todo mundo deseja desenvolver.

Charlão adota o Modelo de Divulgação do Atrativismo, bem utilizado pelo AA (Alcoólicos Anônimos):

“Se você acha que a responsabilidade não é sua, já pode fechar este livro.”

Já falamos sobre isso, mas vale voltar.

Quando precisamos ou sugerimos métodos mais inovadores para que se faça determinadas mudanças mais profundas e estruturais, é preciso contar com uma vontade extra de quem vai se envolver no processo.

Se a pessoa não está disposta a dar o primeiro passo, é quase certo, que todo esforço de mudança será inútil.

Ou melhor.

Diante de qualquer saída de uma Matrix, sempre haverá a opção de duas pílulas:

A Vermelha – quero sair daqui agora e vou me esforçar para isso;
A Azul – quero continuar em Matriz e não venha com esse papo de pílula vermelha.

Aqui, temos a proposta do Método de Divulgação do Atrativismo e não do Convencismo, explico:

Método de Divulgação do Atrativismo – a pessoa é atraída sem grande esforço de divulgação, através do exemplo do sucesso de alguém, mais no boca a boca – mais adequado para mudanças mais estruturais e disruptivas, no qual há um grande esforço de cada um para promover as mudanças;
Método de Divulgação do Convencismo – a pessoa é atraída com grandes esforços de divulgação, via canais de mídia, digitais ou não – com uma série de estratégias de marketing – mais adequado para mudanças menos estruturais e disruptivas, no qual o esforço de cada um para promover mudanças é pequeno.

Os Guias de Felicidade Mais Fortes precisam se utilizar mais do Atrativismo e menos do Convencismo, pois as mudanças exigidas são mais estruturais e disruptivas.

Quando temos diante de nós a opção de mudanças muito profundas, ou você está muito afim de encarar a brincadeira, ou nada ou ninguém irá convencê-lo.

Vejamos o jeito radical de Charlão de praticar o Método Atrativista:

“Se você não acha que a responsabilidade (da sua vida) depende de você, mas sim da sua mãe, do seu pai, do avô, do marido, da mulher, do noivo ou da noiva, se você depende de alguém para que seus planos funcionem, ou culpa alguém por você não evoluir, não adianta nada seguir os princípios descritos neste livro, porque você acredita que não depende de você, mas sim de um terceiro.”

Diria que ele descreve alguém que ainda não está pronto para mudanças mais estruturais e disruptivas.

NO AA, um bom exemplo, da descentralização de Inovação Grupal, com impactos na Inovação Pessoal, temos a seguinte frase, que representa bem o Atrativismo:

“Se você bebe é um problema seu, se quer parar de beber é um problema nosso.”

É Atrativismo na veia.

O GFB 2.0 defende – dentro da nossa revisão dos Paradigmas da Felicidade Mais Mainstream – a mudança de postura entre Felicidade Chuva (vai cair é só rezar) para a Felicidade Chuveiro (boa parte depende do meu esforço).

O cliente de um GFMF precisa estar em um momento da vida em que ele quer mudar e está disposto a abraçar algo mais disruptivo e profundo.

Temos ainda, do ponto de vista geral, uma demanda pelo aumento de TODAS as pessoas por projetos de felicidade mais personalizados.

O que era ser incremental no Mundo 1.0 não é mais ser incremental no Mundo 2.0, todo mundo tem que aumentar, em alguma medida, a sua Taxa de Disrupção.

Por fim, temos, sim, a tendência – que deve ser combatida – de culpar os outros pelos nossos infortúnios e não assumir a responsabilidade sobre as nossas vidas.

Diz ele sobre esta visão responsável sobre as nossas vidas:

“Só conseguimos evoluir quando entendemos que ônus e bônus dependem apenas da nossa responsabilidade e de ninguém mais.”

Charlão defende a Singularização como o elemento principal para uma vida melhor:

“Ao entrarmos no nosso propósito, a vida começa a andar e a fazer sentido, por isso que, do momento que eu comecei a seguir o meu, em poucos anos a minha vida mudou.”

Diria apenas que a procura não do propósito, mas do Tapete de Aladim, é progressiva e pode mudar com o tempo.

Por exemplo, como é o caso dele, que deixou de ser Operacional e passou a ser Disseminador e Conceituador, escrevendo livros e fazendo palestras.

A descoberta de que a Conceituação, como foi o caso dele, faz mais a cabeça pode vir com o tempo.

O Propósito Mais Singular (Tapete de Aladim) não é algo que se descobre o pronto, mas é uma espécie de Doutorado Continuado, que leva a vida toda e vai mudando muito ou pouco com o tempo.

O que é preciso na procura do Projeto do Tapete de Aladim é algo assim:

Isso me deixa mais motivado do que aquilo – vou tornar isso mais presente na minha vida;
Isso já não me deixa mais motivado do que aquilo – vou tornar isso menos presente na minha vida.

Assim, podemos dizer que:

Não se acha um propósito e pronto, mas é uma pesquisa continuada e progressiva, que vai mudando com o tempo, com a idade e as circunstâncias.

Existem algumas variações relevantes na Pesquisa Continuada e Progressiva pela descoberta e manutenção da prática de subir no Tapete de Aladim:

O contexto geral onde estamos vivendo agora;
Nossa herança genética;
Nossa FOB;
Nosso momento dentro das 5 Idades, que é facilitado quando colocamos em prática a Visão Quinquenal da Vida.

(Visão Quinquenal da Vida – pensar a vida – com uma certa frequência – dentro do contexto de cinco em cinco anos para nos localizarmos dentro das 5 Idades.)

Nessa linha, diz ele:

“Se você tentar encaixar o mundo na sua vida, vai acabar bagunçando com ela.”

Acredito que a frase aqui ficou confusa.

Bimodalizo:

Viver é uma continuada e progressiva adequação da vida ao seu Projeto de Felicidade, quanto melhor isso for feito, mais a sua vida será melhor.

Viver é justamente conseguir adequar, da melhor forma possível, a bagunça do mundo à nossa bagunça pessoal.

Questiono ainda esta frase:

“Dispa-se do mundo para poder pensar no seu propósito.”

Bimodalizo da seguinte maneira:

Olhe o mundo, a partir dos seus Potenciais Singulares para ter uma relação mais saudável com ele.

Ninguém se despe do mundo, mas aprende a se vestir de tal forma que se consiga, da forma mais personalizada possível, passear por ele.

E aí temos uma certa viagem:

“Propósito: você está estragando a sua vida e a minha também. Daí nesse momento eu sei que vai questionar: “ Mas por que eu estou estragando a sua vida, Charles?” . É muito simples: porque todo mundo vem à Terra para cumprir algo. (…) Vamos pensar em termos energéticos. Todo mundo vem ao mundo para cumprir algo a fim de evoluir, logo, se você vem e não evolui está ferrando com a sua vida, com o mundo, e consequentemente atrapalhando a minha vida também.”

Diria que Charlão está cometendo o VD do Umbiguismo.

Considerar que – pelo fato dele ser Disruptivo e ter determinadas demandas – isso se aplica a todos os humanos na face da terra.

Muitas pessoas vão querer deixar Legados Mais Comuns, tal como filhos, netos, posses e não estão nem um pouco preocupados em algo mais subjetivo.

E isso não quer dizer que não se sintam felizes em alguma medida, a partir de seus parâmetros.

Não entendemos que a civilização caminha, de forma saudável, continuada, sustentável e inteligente numa relação de equilíbrio entre Disruptores e Incrementadores.

Na verdade, é preciso separar estes dois nichos:

A Felicidade Mais Afeita aos Incrementadores – com demanda de legados mais objetivos e mais próxima do Mainstream, com menos demanda por criatividade;
A Felicidade Mais Afeita aos Disruptores – com legados mais objetivos e mais próxima do Mainstream com mais demanda por criatividade.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

O que aprendi com este artigo?

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto faz uma análise crítica do livro de Jonathan Haidt, destacando sua abordagem menos didática e objetiva. Ele discute a ideia de que temos mais de uma mente, defendendo uma abordagem polilista da mente em oposição à abordagem monolista mais comum. Haidt argumenta que nossa racionalidade depende da sofisticação emocional e que devemos aprender a lidar com nossas emoções para tomar decisões melhores. Além disso, o texto aborda a importância da linguagem na terapia cognitiva e destaca a necessidade de aprender a negociar e gerenciar nossas diferentes facetas mentais. Também menciona a influência dos genes e discute temas como depressão e fofoca. Em suma, o autor defende uma abordagem integrativa que reconhece a complexidade da mente humana e a importância de desenvolver habilidades de autorregulação emocional e reflexão para uma vida mais satisfatória.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. O Eu é algo que não é a Mente Secundária, não é a Mente Primária, mas é um gerenciador de ambas.
  2. O que uma pessoa que toma atitudes melhores faz é sofisticar suas emoções, a partir do uso de uma Mente Mais Reflexiva.
  3. Uma pessoa mais esperta é aquela que desenvolveu a capacidade da boa negociação entre a Mente Secundária e a Primária.
  4. Todos nós somos vaidosos, pois queremos valorizar algo em nós.
  5. Todo o processo terapêutico, seja ele qual for – para que possamos lidar melhor com nossas emoções – é baseado ou na palavra oral ou na escrita.
  6. Quando falamos e escrevemos sobre o que estamos sentindo conseguimos lidar melhor com nossas emoções.
  7. Foi a linguagem que nos permitiu iniciar o desenvolvimento com mais desenvoltura da nossa Mente Secundária.
  8. É a linguagem que nos permite reduzir nossa Taxa de Zegapagodação.

Os Mapas Mentais do Artigo:

 

Vamos ao Artigo:

“A única viagem genuína consiste não em visitar terras desconhecidas, mas em enxergar o mundo com outros olhos.” – Marcel Proust.

Antes de começar a Bimodalização do livro “A Hipótese da Felicidade: encontrando a verdade moderna na sabedoria antiga“ de Jonathan Haidt, vou começar com um Parênteses dos Escritos.

Classificamos nos artigos anteriores os livros sobre Inovação Pessoal (ou sobre Felicidade), a partir da abordagem, dividido em Contadores de Histórias, Apresentadores de Pesquisa e Sintetizadores dos livros dos Contadores de Histórias e Apresentadores de Pesquisa (que é o nosso caso).

Porém, podemos agora analisar os mesmos autores pela preocupação didática que eles têm com o tema.

“Didático”, segundo o TC (Tio Chatinho) “é um adjetivo que se refere a algo que é adequado para ensinar ou transmitir conhecimento de forma clara, compreensível e organizada. Um material didático, por exemplo, é projetado para facilitar a aprendizagem de um determinado assunto. A palavra “didático” tem sua origem no termo grego “didaktikos”, que significa “próprio para ensinar” ou “relativo ao ensino”. Esse termo é derivado do verbo “didaskein”, que significa “ensinar” ou “instruir”.”

Assim, se analisarmos os Autores sobre Inovação Pessoal do ponto de vista do seu Didatismos teremos:

Autores sobre Inovação Pessoal Mais Didáticos – aqueles que se preocupam mais com a possibilidade do seu material ser usado para formação de Disseminadores e clientes finais;
Autores sobre Inovação Pessoal Menos Didáticos – aqueles que se preocupam pouco com a possibilidade do seu material ser usado para formação de Disseminadores e clientes finais;
Autores sobre Inovação Pessoal Muito Didáticos – aqueles que se preocupam bastante com a possibilidade do seu material ser usado para formação de Disseminadores e clientes finais.

O que seria, entretanto, um autor Muito Didático?
(Vou criar uma tabela que vou incorporar nos anexos para ir aperfeiçoando-a.)

Tabela de itens que caracterizam Autores sobre Inovação Pessoal Muito Didáticos:
Itens
Detalhamento
Criação de Glossário
de Conceitos Novos
Para que se possa entender os conceitos que vão sendo criados ao longo do tempo;
Situar a Narrativa dentro de uma determinada Ciência
Para que se possa sempre melhorá-la;
Comparar a abordagem com outras;
Para deixar claro que não é nem a única e nem a melhor, mas a mais melhor possível;
Apresentar sempre o que é mais comum, mais mainstream, e o que se apresenta de novo;
Justificando por que a novidade é uma abordagem melhor do que a que utilizamos de maneira geral;
Uma preocupação extrema com a precisão dos conceitos;

Para evitar Vícios Dialógicos de todos os tipos;
Preocupação extrema com a divisão das etapas para que possamos ser utilizadas em cursos;
Sempre partindo por uma determinada lógica, na qual o que vem primeiro é importante ser explicado antes para o que vem depois.

 

 

 

Deste ponto de vista, diria que o livro de Jonathan Haidt é de um Autor sobre Inovação Pessoal Menos Didático. Pouca preocupação com a disseminação posterior das suas ideias.

Um livro Menos Didático dificulta o trabalho de quem está querendo produzir algo Muito Didático, pois o tempo de garimpagem é muito maior.

Diria mais.

O livro de Haidt não é só Pouco Didático, mas também pouco objetivo. Ele fala de muita coisa e não se preocupou em organizar melhor, de sintetizar para facilitar a vida do leitor.

Podemos, assim, ainda dividir os livros, isso vale para qualquer abordagem sobre qualquer assunto:

Livros bem sintetizados – o autor precisou bem do que gostaria de falar – o que facilita e torna a leitura mais agradável;
Livros mal sintetizados – o autor NÃO precisou bem do que gostaria de falar – o que dificulta e torna a leitura não tão agradável.

O livro de Haidt não é só Pouco objetivo, mas também mal sintetizado.

Feita a análise dele como autor, vamos analisar o conteúdo.

Haidt é um autor Polilista.

O que significa isso?

Ele defende a ideia de que temos mais do que uma mente – o que reforça a abordagem Bimodal.

Deste ponto de vista temos duas abordagens possíveis na Inovação Pessoal:

Abordagem Mais Monolista da Mente – que é a mais comum, de que temos apenas uma mente que é capaz de controlar tudo dentro de nós, usada pela maioria das pessoas, que as impede de fazer revisões sobre seus Paradigmas e com menos facilidade de levar a vida;
Abordagem Mais Polilista da Mente – que é a menos comum, de que temos apenas mais do que uma mente que compreende e negocia com os nossos vários “Eus”, incapaz de controlar tudo dentro de nós, usada por menos pessoas, o que facilita as revisões sobre seus Paradigmas e com mais facilidade de levar a vida.

Quando alguém diz:

“Posso ver notícias da televisão o dia todo e isso não me afeta.” – temos nesta frase uma Abordagem Mais Monolista da Mente.

A pessoa tem a fantasia de que consegue controlar tudo dentro dela e ela, independente do que faça, não será afetada.

Na sua visão Polilista da Mente, Haidt nos diz o seguinte:

“Enquanto o resto de nós contempla o mundo, nossos cérebros emocionais, instantaneamente e automaticamente, avaliam as possibilidades apresentadas. Uma possibilidade costuma se sobressair para nós como a mais óbvia e mais adequada . Precisamos apenas utilizar a razão a fim de pesar os prós e os contras quando outras opções nos parecem igualmente boas.”

Assim, temos, conforme ele sugere, uma área mais emocional e outra mais reflexiva para que possamos tomar decisões.

Diz ele:

“A racionalidade humana depende criticamente da sofisticação emocional.”

Gosto disso, pois temos a falsa dicotomia entre razão e emoção.

Numa visão Polilista da Mente, o que observamos é que não temos uma Mente Totalmente Não Emocional.

Quando ele fala em sofisticação emocional, não estamos tratando de uma sofisticação racional.
O que uma pessoa que toma atitudes melhores faz é sofisticar suas emoções, a partir do uso de uma Mente Mais Reflexiva.

Uma Mente Mais Reflexiva não é uma Mente Totalmente Racional. Ela aprende a lidar com as emoções para que possa decidir melhor.

Uma Mente Mais Reflexiva é aquela que não se deixa levar TANTO pelas emoções, mas sempre um POUCO.

Diz Haidt:

“Os psicólogos começaram a perceber que há na mente dois sistemas de processamento funcionando integralmente: os processos controlados e os automáticos.”

Faria uma ressalva.

Colocaria o Mais na frente, pois sempre temos nos fenômenos Taxas e não Absolutismo, Mais Automático e Menos Automático.

Temos aqui o reforço do que temos dito na Narrativa Bimodal, que:

Temos duas Mentes: a Primária Mais Automática e a Secundária Mais Reflexiva.

Ele nos conta que:

“Os processos controlados têm limite — podemos pensar conscientemente sobre uma coisa de cada vez apenas — , mas os automáticos funcionam em paralelo a eles e comportam a execução de várias tarefas simultaneamente. Se a mente desenvolve centenas de operações a cada segundo, praticamente todas, menos uma, devem ser trabalhadas automaticamente.”

E ele destaca na história do Sapiens a importância da palavra:

“O ato de planejar algo complexo, o de pesar os prós e os contras de percursos diversos, ou o de analisar as causas de acertos e erros do passado, exige palavras.”

Por isso, podemos dizer que:

Todo o processo terapêutico, seja ele qual for – para que possamos lidar melhor com nossas emoções – é baseado ou na palavra oral ou na escrita.

Como outros autores, tal como Yuval Harari e Pierre Lévy, Haidt destaca a relevância da chegada da oralidade para o Sapiens:

“Qualquer que seja esse ponto na história, a linguagem, a racionalidade e o planejamento consciente chegaram no último momento da evolução.”

Aqui, temos um Vício Dialógico do Absolutismo.

Não é “a racionalidade e o planejamento consciente”, mas “mais racionalidade e o planejamento mais consciente.”

E continua:

“Qualquer que seja sua origem, a linguagem se constituiu numa ferramenta crucial que podia ser utilizada de novas formas, e a evolução selecionou aqueles indivíduos que faziam o melhor uso dela.”

Quando falamos e escrevemos sobre o que estamos sentindo conseguimos lidar melhor com nossas emoções.

Por isso, temos defendido o Cadernismo – a prática rotineira e regular – se possível todos os dias – de ter um Diário de Bordo para o desenvolvimento da sua Narrativa Diária e outro para os momentos de crise.

Foi a linguagem que nos permitiu iniciar o desenvolvimento com mais desenvoltura da nossa Mente Secundária.

Diz ele:

“Grande parte da terapia cognitiva consiste em treinar os pacientes a fim de que eles reconheçam esses pensamentos, tomem nota deles, nomeiem as distorções neles contidas e, por fim, encontrem maneiras alternativas e mais condizentes com a realidade de conceber o mundo.”

Bingo!

Diz Haidt:
“Uma utilidade da linguagem é que ela livrou parcialmente os humanos do “ controle pelos estímulos.”

É a linguagem que nos permite reduzir nossa Taxa de Zegapagodação.

Haidt chama a Mente Secundária de “O sistema controlado”.

Diz ele:

“O sistema controlado, no entanto, deve ser visto como um conselheiro. (…) Ele é o condutor montado nas costas do elefante para ajudá-lo a fazer as melhores escolhas.”

O autor chama a Mente Secundária de “elefante”.

Haidt admite que o condutor não consegue controlar totalmente o “elefante”:

“O condutor é capaz de enxergar mais à frente no futuro e de apreender conhecimentos valiosos ao dialogar com outros condutores, ou ao ler mapas, mas não pode obrigar o elefante a agir contra sua própria vontade.”

Aqui, temos claramente a ideia básica do Polilismo.

Nós não temos controle total sobre nossos vários Eus. Uma vida melhor é aquela em que:

Assumimos que somos vários Eus, como se fôssemos uma equipe;
Aprendemos a conhecer os nosso vários Eus, onde se inclui o nosso corpo;
Passamos a respeitá-los e a negociar com eles;
E, baseado nesse processo continuado e progressivo de negociação, vamos tomar decisões compatíveis com os limites e possibilidades da nossa equipe.

Não gosto da metáfora do elefante proposta por Haidt.

Prefiro a ideia – para facilitar a vida dos clientes – de canil e não de elefante.

Tanto a Mente Primária tem vários cachorrinhos como a própria Mente Secundária não é única.

Vejamos o que já intuí dentro das minhas Hipóteses Dedutivas.

Os Eus da Mente Secundária:

Eu Criativo – aquele responsável pelo desenvolvimento das suas atividades mais nobres, mais ligadas ao legado;
Eu Organizativo – tudo que precisa ser feito para que o Eu Criativo possa operar com tranquilidade.

Os Eus da Mente Primária:

Eu Emocional – responsável pelo fluxo das torneiras químicas das emoções positivas ou negativas;
Eu Corporal – responsável pelas dores, reflexos, gerenciamento do sono, da alimentação, respiração, batimento cardíaco.

Diz ele:

“O condutor é um conselheiro ou um servo; não um rei, presidente ou cocheiro com as mãos firmes nas rédeas.”

Vou Bimodalizar isso:

A Mente Secundária é uma gerente democrática, que aprende a lidar de forma amigável com a equipe interna.

Diz ele:

“Um indivíduo emocionalmente inteligente é provido de um condutor habilidoso que sabe distrair e persuadir o elefante, sem entrar num duelo de egos.”

Bimodalizo da seguinte forma:

Uma pessoa mais esperta é aquela que desenvolveu a capacidade da boa negociação entre a Mente Secundária e a Primária.

Diz Haidt:

“Eventos mundanos só nos afetam por meio de nossa interpretação acerca deles, de modo que, se podemos controlar nossas interpretações, podemos controlar o mundo.”

Eu não vou tão longe.

O que podemos dizer é:

Tudo que nossa Mente Primária nos informa é passível de uma interpretação mais reflexiva.

Quando desenvolvemos a capacidade de melhor interpretar as informações da Mente Primária, começamos a ter mais capacidade de gerenciar nossa Personal Equipe melhor.

Na verdade, temos o seguinte:

Quando nós dizemos Eu, o Eu é algo que não é a Mente Secundária, não é a Mente Primária, mas é um gerenciador de ambas.

Não gosto do conceito “ego”, pois dá margem a muita confusão.

O que temos quando falamos “ego” é a imagem que fazemos de nós mesmos, que acaba se refletindo na vaidade.

TC nos diz o seguinte sobre os dois conceitos:

“Ego: Refere-se à percepção que uma pessoa tem de si mesma, incluindo sua identidade, autoestima, e senso de individualidade. O ego é parte integrante da psicologia humana e está relacionado ao senso de autoconsciência e autoimagem. Um ego saudável é importante para a autoconfiança e o desenvolvimento pessoal, mas quando o ego se torna excessivo, pode levar à arrogância, à necessidade de superioridade e a problemas de relacionamento.

Vaidade: Refere-se à preocupação excessiva com a aparência física, status social, reconhecimento ou admiração dos outros. É uma forma de narcisismo, onde a pessoa busca constantemente validação externa e se preocupa exageradamente com sua imagem. A vaidade pode se manifestar de várias maneiras, como preocupação excessiva com a aparência, ostentação de bens materiais, busca constante por elogios e admiração, e desvalorização dos outros para se sentir superior.”

Na etimologia, vaidade “tem sua origem no latim “vanitas”, que significa “falta de substância, vazio, futilidade”. Esse termo latino, por sua vez, deriva de “vanus”, que significa “vazio, oco, sem valor”.”

Já no dicionário oferecido pelo Google:

“Vaidade é a valorização que se atribui à própria aparência, ou quaisquer outras qualidades físicas ou intelectuais, fundamentada no desejo de que tais qualidades sejam reconhecidas ou admiradas pelos outros.”

No dicionário, de uso corrente, a palavra “vaidade” não tem um caráter pejorativo, pois quando alguém diz que é vaidosa, está se valorizando.

Por isso, é preciso de adjetivação para não cairmos no VD da não adjetivação.

Todos nós somos vaidosos, pois queremos valorizar algo em nós.

O que diante do conceito Vaidade a proposta da seguinte divisão:

Vaidade Saudável – é aquela que administramos bens nossos potenciais e não temos uma preocupação excessiva com a opinião dos outros;
Vaidade Tóxica – é aquela que NÃO administramos bens nossos potenciais e temos uma preocupação excessiva com a opinião dos outros.

A expressão “ego inflado ou hiperinflado” fica melhor como Vaidade Tóxica.

Quando defendemos a Vaidade Saudável, tiramos o preconceito daqueles que criticam quem valoriza a si mesmo.

Diz ele:

“A terapia cognitiva funciona porque ensina o condutor a adestrar o elefante em vez de como derrotá-lo diretamente com argumentos.”

É exatamente esta a ideia do Polilismo Bimodal.

Nós não mandamos na nossa Personal Equipe, apenas aprendemos com o tempo a gerenciá-la.

Outros assuntos.

“Para a maioria das pessoas , o elefante enxerga coisas ruins de mais e coisas boas de menos.”

Por isso, precisamos criar Rituais Rivotril para estimular o enxergar coisas boas.

“Psicólogos clínicos dizem, às vezes, que há dois tipos de pessoas que buscam terapia: aqueles que precisam de mais disciplina e aqueles que precisam de mais soltura.”

Por fim, para fechar ele fala dos genes e seus efeitos nas pessoas.

Aqui, temos que entender algo mais complexo que é o perfil das pessoas, que podem ser influenciados por quatro fatores:

Fatores genéticos;
Fator da Formatação Básica Obrigatória Familiar;
Fator da Formatação Básica Obrigatória Educacional;
Fator da Formatação Básica Obrigatória Ambiental (da região que nasceu e vive).

Temos como perfis, já assimilados nas Hipóteses Dedutivas Bimodais:

Disruptivos e Incrementais;
Proativos e Reativos;
Mais Conceituais, Mais Disseminadores e Mais Operacionais.

Aqui temos um VD de uma Falsa Dicotomia.

Soltura não é a contraposição de Disciplina.

Acredito que temos uma contraposição entre:

Alta e baixa taxa de Criatividade;
Alta e baixa taxa de capacidade de realização.

Em ambos os casos, a disciplina é fundamental.

Diz TC:

“A disciplina pode ser definida como a capacidade de manter um comportamento ordenado e obedecer a regras ou códigos de conduta, geralmente em busca de um objetivo específico, como a autodisciplina para alcançar metas pessoais ou a disciplina em um grupo para manter a ordem e alcançar objetivos coletivos.

A etimologia da palavra “disciplina” remonta ao latim “disciplina”, que significa “instrução, treinamento, ensino”. Essa palavra latina é derivada do verbo “discere”, que significa “aprender”. Assim, originalmente, disciplina referia-se ao processo de aprendizado e educação. Ao longo do tempo, o termo evoluiu para incluir não apenas o ato de aprender, mas também o comportamento ordenado e a obediência a regras, que são essenciais para o processo de aprendizado e para alcançar objetivos específicos.”

O ideal, assim, quando as pessoas precisam de ajuda é a de ter uma Criatividade Saudável em contraposição a uma Criatividade Tóxica, vejamos a diferença:
Criatividade Saudável – aquela em que eu tenho ideias adequadas e as tiro do papel, colocando-as em projetos;
Criatividade Tóxica – aquela em que eu não tenho ideias, ou se tenho, não consigo tirá-las do papel.

Os opostos são:

Podemos ter pessoas que são menos criativas, que precisam desenvolver mais a sua capacidade criativa;
E pessoas que são mais criativas e que precisam desenvolver mais a sua capacidade de realização.

Para fechar, ele fala de Genes:

“Os genes não são como impressões digitais que especificam a estrutura de um ser humano; eles são mais como receitas para a produção de um indivíduo ao longo de muitos anos.”

Em diversos aspectos, são tendências que as pessoas têm.

Acho meio absurdo as pessoas falarem que temos genes de felicidade e genes de infelicidade.

Já que:

A felicidade se resume a você gerenciar da melhor maneira possível a sua Personal Equipe, a partir do que veio antes e do que pode ser criado.

Conhecer daquilo que você gosta e é capaz, nos permite ir além e ter uma vida melhor – dentro dos limites e possibilidades de cada um.

Ele diz:

“Pessoas depressivas estão sempre convictas de três máximas, conhecidas como a “tríade cognitiva” da depressão. São elas: “Eu não sirvo para nada”, “Meu mundo é sombrio” e “Meu futuro é desesperançoso”.”

Definiria esse perfil de forma estrutural como alguém mais Reativo do que Proativo, Mais Incremental do que Disruptivo.

Uma pessoa, assim, tem a tendência a viver mais tempo com esse tipo de comportamento.

Porém, todos nós passamos, de forma conjuntural, por momentos parecidos.

E ainda temos a conversa sobre a fofoca:

“Em suma, Dunbar propõe que a linguagem se desenvolveu porque viabilizou a prática da fofoca. Indivíduos aptos a compartilharem informações usando qualquer meio de comunicação obtinham vantagens em relação aos inaptos. Tão logo as pessoas começaram a fofocar, deu – se início a uma competição de quem dominava mais a arte da manipulação social , das agressões inseridas num relacionamento e na manutenção da reputação, e tudo isso requer ainda mais capacidade cerebral.”

A fofoca é algo que nos permite confiar mais ou menos nas pessoas e isso sempre ocorreu.

O que temos no Digital é uma fofoca baseada em estrelas e notas e é justamente essa Fofoca Curadora que nos permite criar uma nova Civilização.

Frases que reforçam o Honestismo:

“Aquilo que não desejas que seja feito a ti, não faças aos outros ” – Confúcio.
“O que é odioso para ti, não faças a teu próximo.” – Rabino HilLel.

Frases que embasam os VD:

“A esmagadora maioria da humanidade se satisfaz com as aparências como se correspondesse à realidade e é frequentemente mais influenciada pelo que aparenta ser do que pelo que é.” – Maquiavel.

Frases que reforçam o Polilismo Bimodal:

“A versão final da hipótese da felicidade é a de que a felicidade vem do meio – termo. A felicidade não é algo que se possa encontrar, adquirir ou alcançar diretamente.”

“Não podemos simplesmente escolher um destino e caminhar diretamente rumo a ele — o condutor não tem tanta autoridade. Contudo , ao analisarmos as maiores ideias da humanidade e o melhor que a ciência pode oferecer , podemos treinar o elefante, conhecer nossas possibilidades , assim como nossos limites , e viver sabiamente.”

 

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Resumo feito pelo Chatinho:

Na semana 11.4.1, o destaque foi a inspiração encontrada na leitura do livro de Gaziri, impulsionando melhorias no GFB 2.0. Houve uma reestruturação dos paradigmas em relação à sociedade pós-digital, ao sapiens e à felicidade, bem como uma mudança de “Atitudes” para “Princípios”. O foco agora é nos princípios como locomotiva dos hábitos, com ênfase no “Foquismo”. Na esfera educacional, a Bimodais está desenvolvendo uma abordagem inovadora, com metodologias diversas, e refletindo sobre a inovação bimodal na ciência social. Além disso, foram destacadas reflexões sobre a relação entre princípios e hábitos, a importância de administrar nossa química interna e a implementação de rituais diários para promover sentimentos positivos. Próximos passos incluem a bimodalização do livro “A hipótese da Felicidade” de Jonathan Haidt.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Todos nós precisamos gerar um Rivotril Orgânico – energias positivas para que possamos combater as negativas que volta e meia aparecem.
  2. É falsa a ideia de que eu sou bondoso e não quero nada em troca, isso não existe: eu quero me sentir bem depois que sou bondoso.
  3. Os princípios devem ser a locomotiva dos hábitos.
  4. Os princípios guiam minhas decisões, que viram, com o tempo, hábitos. Quanto melhores são, melhores serão as decisões e os respectivos hábitos.
  5. De maneira geral, uma pessoa que tem uma qualidade de vida pior, não reflete e modifica constantemente seus hábitos.
  6. O objetivo de um Projeto de Felicidade Mais Forte é tirar, cada vez mais, a pessoa de um Modus Carrossel e colocá-la no Modus Espiral.
  7. A Bondade Saudável é geradora de Rivotril Orgânico.
  8. A Ciência, por mais que se ignore isso, é um mercado como outro qualquer, no qual as pessoas procuram vender suas mercadorias – no caso Teorias e Metodologias.

Os Mapas Mentais do Artigo:

Vamos ao Artigo:

“Emoções positivas funcionam como uma “musculação” para o cérebro, deixando – o cada dia mais forte.”Gaziri.

Resumo do que foi top na semana 11.4.1.

A leitura do livro do Gaziri foi muito inspiradora.

Demos um bom upgrade no nosso GFB 2.0.

Hoje, a divisão que fazemos dele é a seguinte:

Novos Paradigmas que precisamos adotar sobre a Sociedade para entender o atual cenário Pós-Digital;
Novos Paradigmas que precisamos adotar sobre o Sapiens;
Novos Paradigmas que precisamos adotar sobre a Felicidade;
Novos Paradigmas que precisamos adotar sobre nossos Princípios e Condutas para que possamos ter uma melhoria na nossa Taxa de Felicidade
Novos Paradigmas que precisamos adotar sobre Métricas para medir a nossa Taxa de Felicidade.

Note que, a partir desta semana, estou trocando Atitudes por Princípios.

Tio Chatinho nos ajuda e diz que “A palavra “princípio” tem sua origem no latim “principium”, que por sua vez deriva de “princeps”, que significa o que vem “primeiro”, “o que vem antes”. “Princeps” é uma combinação de “primus” (primeiro) e “capere” (tomar), portanto, “aquele que toma o primeiro lugar” ou “o que vem primeiro”.”

Os princípios devem ser a locomotiva dos hábitos.

Gosto mais de princípio do que valores e crenças, que acabam nos levando para um tom mais religioso.

O conceito “Atitudes” se confunde um pouco com o conceito “hábitos”.

Note que eu tenho como Princípio do Foquismo.

O Foquismo é um Princípio Individual que me sugere me aproximar do que me faz bem e me afastar do que não faz. Vejamos:

O Foquismo tem um lado do Eu-Eu, quando escolho lugares, situações, conteúdos e conceitos que me fazem mais bem do que mal;
E tem também um lado Eu-Outros, quando escolho com que pessoas ou tipos de pessoas quero me relacionar.

Eu tomo decisões baseado no Foquismo, que vão criando hábitos, que vão gerando Sentimentos Mais Positivos do que Negativos.

A sequência num PFMF é a seguinte:

Eu abraço Princípios Mais Fortes;
Que me geram decisões mais adequadas;
Que criam hábitos;
E estes hábitos geram Sentimentos Mais Saudáveis.

Ou seja.

Os princípios guiam minhas decisões, que viram, com o tempo, hábitos. Quanto melhores são, melhores serão as decisões e os respectivos hábitos.

Mudando de assunto, falemos um pouco da escola.

Nós estamos vivendo na Bimodais uma experiência bem interessante e quando leio outros autores percebo a diferença da nossa maneira de produzir Narrativas Conceituais e os demais.

Nós estamos vivendo um case de uma Escola de Pensamento no Digital, que criou um modelo de desenvolvimento de pesquisa do ponto de vista operacional:

Baseado no Crowdfunding;
Totalmente Online, com raros momentos presenciais;
Baseamos nossa comunicação, via Zap, Telegram e Google Meet.

Fora a parte operacional, temos como desafio conceitual:

O desenvolvimento da Ciência da Inovação Bimodal com respectivos ajustes Ambientológicos de como encaixar isso na Ciência Social;
Baseados em diferentes Escolas de Pensamento: na Civilizacional e Organizacional (nos Canadenses/McLuhan com consideráveis adaptações) e na Pessoal (parte nos Canadenses, com pitadas de Mihaly e Seligman, com diferentes adaptações).

Neste contexto, temos desenvolvido uma série de Metodologias, que podemos dividi-las da seguinte maneira:

Metodologia da Produção do Conteúdo – onde e como o conteúdo é feito;
Metodologia da Disseminação do Conteúdo – como espalho ele para dentro e fora da escola;
Metodologia Didática – como organizo o aprendizado, através de imersões semestrais;
Metodologia Financeira – como geramos dinheiro para continuar operando e sobrevivendo;
Metodologia de Prospecção e Marketing – como divulgamos e geramos mais negócios.

Com este artigo, por exemplo, faço uma mudança na Metodologia de Produção de Conteúdo, incluindo as Metodologias da Bimodais no Anexo dos Escritos do Nepô.

Dito isso, voltemos a falar do diálogo, via leitura, com Luis Gazini, que nos inspirou a melhorar nossa narrativa.

Vou destacar abaixo o que foi top dos tops em termos de aprendizado esta semana:

Conseguimos ter clareza do perfil dos diferentes Conceituadores da Inovação Pessoal (também chamados de Conceituadores da Inovação Pessoal);
Uma reflexão, que gerou modificações grandes na relação entre Princípios e Hábitos, inclusive com detalhamento dos diferentes hábitos, tais como Mandamentos, Rituais Rivotril e Hábitos Corriqueiros em Espiral;
A ideia de que todos nós somos uma espécie de fábrica química, que precisa ser administrada e que um PFMF é uma atividade de produção constante de um Rivotril Orgânico – gerador de Sentimentos Mais Positivos para combater os Negativos e melhorar nossa qualidade de vida.

Nas últimas duas semanas depois das respectivas leituras estou experimentando dois novos Rituais Rivotril:

No final do dia, destaco os cinco momentos top;
O que me levou na manhã do dia seguinte agradecer aos envolvidos que me ajudaram de alguma forma no meus cinco momentos top do dia anterior;
E praticando todos os dias o “Já jogou algo fora hoje”.

Depois que passei a jogar coisas foras todos os dias, tive algumas sensações positivas e destaco:

Fiz um contato com o passado e fiz uma avaliação melhor sobre a minha vida, principalmente quando adentrei a gaveta das fotos e desenhos;
Recuperei coisas que não estavam mais sendo usadas;
Tenho separado muita coisa para dar para outras pessoas, aumentando o meu Gentilismo;
E tenho sido mais criativo com a casa, como se ela estivesse mais em movimento, deixando de ter aquela sensação estática do passado.

Ao destacar os momentos top do dia ao final de cada dia, posso aferir como vantagem:

Passei a reparar mais o que me motiva nos dias;
Vários momentos top foram de projetos que eu estou tocando, o que me incentiva ainda mais;
Parei para também pensar naquelas pessoas que me ajudaram a viver aqueles momentos tops;
Acho que, com tudo isso, melhorei minha capacidade de empatia e cresceu mais ainda a motivação, além de estar mais consciente sobre a minha vida.

Passei também a anotar na agenda momentos importantes das pessoas próximas, que é bom lembrar para perguntar como foi, tal como meu irmão fez uma pequena intervenção no olho e minha filha deu sua primeira aula.

Inclui três tópicos no item “Novos Paradigmas sobre o Sapiens”:

Somos fortemente impactados pelo amor recebido na nossa FBO – e isso define fortemente a nossa capacidade de abraçar PFs com mais ou menos autonomia;
Nossa Mente é uma comedora voraz de desafios – foi feita para ser desafiada. Se a gente não oferecer para ela desafios de qualidade, ela sai consumindo qualquer besteira, por isso é importante o Princípio Eu-Eu do Foquismo (foco em desafios mais saudáveis);
Melhorei bastante o Viés Genético Inovador Incremental e Disruptivo.

Vejamos a nova listagem dos Princípios:

Princípio Eu-Outros – Honestismo, Empatismo, Gentilismo e o Foquismo Eu-Outros;
Princípio Eu-Eu – o Coragismo, Aprendismo, Minimalismo, Disciplinismo, Foquismo Eu-Eu e o Empreendedorismo.

Do livro de Gazini o que levo:

A ideia dos cinco momentos top;
O amadurecimento de que somos uma fábrica química;
Fui provocado para falar mais de altruísmo, que preferi chamar de Gentilismo e incorporei no GFB 2.0.

Na semana que vem (11.4.2) vamos Bimodalizar o livro “A hipótese da Felicidade” de Jonathan Haidt.

Bora em frente.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

O que aprendi com este artigo?

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto aborda a continuação da bimodalização do livro “Os sete princípios da felicidade” de Luiz Gaziri. São explorados conceitos como hábitos, classificados em mais conscientes e mais inconscientes, e a importância de revisá-los constantemente para uma melhor qualidade de vida. Discute-se também a adaptação hedônica, que se refere à tendência das pessoas se acostumarem com mudanças em suas circunstâncias de vida, e a relação entre dinheiro, felicidade e a busca por prazeres de curto prazo. O texto destaca a importância de adotar uma abordagem mais sensibilista e endogenista para alcançar uma vida mais equilibrada e feliz, sugerindo práticas como o exercício da gratidão e a reflexão sobre os verdadeiros objetivos de vida.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. De maneira geral, uma pessoa que tem uma qualidade de vida pior, não reflete e modifica constantemente seus hábitos.
  2. Note que hoje temos muitas rotinas preventivas na sociedade da melhoria do cuidado com a saúde corporal e agora precisamos ter algo parecido na saúde mental.
  3. O objetivo de um Projeto de Felicidade Mais Forte é tirar, cada vez mais, a pessoa de um Modus Carrossel e colocá-la no Modus Espiral.
  4. Coisas são meios para que possamos gerar Sentimentos Mais Permanentes de Bem Estar, mas não o seu fim.
  5. Quando passamos a usar mais a Mente Secundária, por tendência, passamos a revisar com muito mais frequência nossos hábitos.
  6. Todos nós temos Projetos de Felicidade, sejam eles mais ou menos conscientes, mais ou menos fortes!
  7. O que vamos observar é que a síntese de toda a conversa sobre Felicidade se resume ao Gerenciamento Químico das nossas Emoções.
  8. Depois de determinado patamar em que os boletos estão sendo pagos, o dinheiro passa a ser, como deve ser, apenas um meio para que possamos gerar os Sentimentos Mais Permanentes de Bem Estar.

Os Mapas Mentais do Artigo:

Vamos ao Artigo:

“Emoções positivas funcionam como uma “musculação” para o cérebro, deixando – o cada dia mais forte.”Gaziri.

Vamos dar continuidade à Bimodalização do livro “Os sete princípios da felicidade” de Luiz Gaziri.

Este é o quarto e último artigo.

Primeiro Parênteses.

Quando resolvemos abordar um determinado fenômeno, não basta dizer que eu acho isso e aquilo sobre ele, que se deve fazer isso e aquilo diante dele.

Tem um trabalho metódico – e muitas vezes chato – de que é preciso ir classificando os conceitos para que se possa separar bem e evitar confusão entre eles.

Esta preocupação faz parte das atividades de um Conceituador de Excelência.

Segundo Parênteses.

Quando falamos em hábitos:

“Hábitos são padrões de comportamento automáticos e repetitivos que são adquiridos por meio da repetição regular de uma ação. Eles são formados quando uma atividade é realizada repetidamente em uma determinada situação ou contexto, levando à formação de associações mentais entre o estímulo (situação ou contexto) e a resposta (a ação realizada).”, segundo o Tio Chatinho.

Podemos, entretanto, definir diferentes tipos de hábitos, que vamos incorporando à nossa vida.

Primeira divisão é a de Hábitos:

Mais Conscientes – aqueles que adotamos depois de uma reflexão, a partir de problemas que tivemos com os antigos;
Mais Inconscientes – aqueles que adotamos sem muita reflexão.

De maneira geral uma pessoa que tem uma qualidade de vida pior:

Não revisa e modifica constantemente seus hábitos;
E os hábitos não são guiados por um Projeto de Felicidade Mais Forte, deixando, assim, que a Mente Primária exerça uma influência maior na sua vida, não adotando, assim, Princípios e Condutas mais consistentes.

Quando passamos a usar mais a Mente Secundária, por tendência, passamos a revisar com muito mais frequência nossos hábitos.

Quando pensamos em Hábitos Mais Conscientes, podemos ter, até o momento, a seguinte divisão:

Hábitos Corriqueiros – aqueles que usamos no dia a dia e podemos estar o tempo todo reavaliando se podem ser melhorados, tal como qual a forma que você cuida das tuas plantas;
Hábitos Mandamento – uma série de regras e normas que vão sendo criadas para evitar que determinados problemas mais graves não se repitam, tal como: quando for dormir fora de casa não esquecer de desligar o gás;
Hábitos Rituais Rivotril – são aqueles que criam determinadas rotinas que estão diretamente ligadas ao estímulo de Sentimentos Positivos, a partir de sugestões de Guias de Felicidade, tal como “no final do dia, lembre de cinco momentos especiais que ocorreram hoje”.

Podemos chamar, assim, os hábitos que estão diretamente ligados a um PFMF de Rituais Rivotril.

Um Ritual Rivotril – é aquele que cria determinadas rotinas conscientes e propositais que estão diretamente ligadas ao estímulo de Sentimentos Positivos, a partir de sugestões de Guias de Felicidade.

Exemplos de Rituais Rivotril diários, que eu tenho adotado:

Agradecer e perdoar;
Jogar algo fora;
Listar cinco coisas que você destaca como as melhores a cada dia;
Ter um caderno de crise e um de escritos para todo tipo de reflexões.

Note que hoje temos muitas rotinas preventivas na sociedade da melhoria do cuidado com a saúde corporal e agora precisamos ter algo parecido na saúde mental.

Essa é a proposta dos Conceituadores da Inovação Pessoal (que aparecem como Conceituadores de Felicidade, Psicologia Positiva, entre outras nomenclaturas.)

Terceiro Parênteses.

Podemos melhorar ainda o conceito dos Princípios.

Temos num GFMF dois tipos de Princípios, que vão guiar nossas Condutas:

Os Princípios Exógenos – aqueles que guiam a minha relação com os outros;
Os Princípios Endógenos – aqueles que guiam a minha relação comigo mesmo.

Vejamos a separação entre os Princípios Exógenos e os Princípios Endógenos no GFB 2.0:

Princípios Exógenos – o Honestismo, o Empatismo e o Gentilismo;
Princípios Endógenos – Coragismo, Aprendismo, Minimalismo, Disciplinismo, Foquismo e o Empreendedorismo.

Tais Princípios são as referências para que possamos criar nossos Hábitos.

Voltemos ao texto.

Gaziri defende um conceito denominado “adaptação hedônica” definida assim pelo Tio Chatinho:

“A adaptação hedônica é um fenômeno psicológico pelo qual as pessoas tendem a se acostumar com mudanças em suas circunstâncias de vida, tanto positivas quanto negativas, retornando gradualmente ao seu nível de felicidade anterior. Em outras palavras, as pessoas têm uma tendência natural a se adaptar a novas situações ao longo do tempo, o que pode diminuir a intensidade do impacto dessas situações em seu bem-estar emocional.”

O termo vem do hedonismo.

O hedonismo é uma prática que nos leva à procura contínua e sem fim das Emoções de Curto Prazo como o foco principal de um Projeto de Felicidade.

A adaptação hedônica nos leva a uma espécie de looping na confusão entre o meio e o fim, baseado num PF Mais Coisitivista e Mais Exógena.

No Hedonismo passo a focar o meu Projeto de Felicidade em coisas e ter como referência os outros.

E quanto mais coisas eu tenho, mais eu preciso ter, como se fosse um vício como outro qualquer.

A adaptação hedônica ocorre, assim, em Projetos de Felicidade Mais Coisititivas, Mais Exogenistas e com Métricas sempre de curto prazo, baseadas muito mais em prazeres do que em gratificações de médio e longo prazo.

Temos, por outro lado, em Projetos de Felicidade Mais Fortes escolhas Mais Sensibilistas, Mais Endogenistas e dando importância a gratificações mais de longo prazo.

Diz ele e já entrando na questão de dinheiro e posses:

“Pessoas que valorizam demasiadamente o sucesso financeiro são as que reportam mais insatisfação com as suas vidas, além de sofrerem mais de depressão, ansiedade e estresse.”

Repare que podemos Bimodalizar a frase da seguinte maneira:

Pessoas que adotam seu PF baseado mais em coisas do que em sensações reportam mais insatisfação com as suas vidas, além de sofrerem mais de depressão, ansiedade e estresse.

Diz ele:

“Ao supervalorizarem dinheiro, roupas, carros ou jóias, elas acabam se adaptando cada vez mais rápido a esses bens, e assim passam a precisar de mais bens para alcançar os seus níveis normais de felicidade – algo denominado pelos psicólogos de esteira hedônica.”

O problema é que a pessoa perde a noção do que é meio e do que é fim.

O que vamos observar é que a síntese de toda a conversa sobre Felicidade se resume ao Gerenciamento Químico das nossas Emoções.

Uma pessoa viciada em prazeres de curto prazo – seja ele qual for – entra em um modus carrossel e não no modus espiral, pois não consegue substituir a Emoção Química de curto para uma de longo.
Vejamos a diferença:

Modus Carrossel – minha vida é uma eterna repetição com muito pouca reflexão sobre a minha forma de agir e pensar;
Modus Espiral – minha vida passa a ser um processo constante de inovação com muita reflexão à procura de melhores formas de agir e pensar.

O objetivo de um Projeto de Felicidade Mais Forte é tirar, cada vez mais, a pessoa de um Modus Carrossel e colocá-la no Modus Espiral.

No Modus Espiral, passo a usar com muito mais frequência a minha Mente Secundária.

Prazeres de curto prazo nos levam ao Modus Carrossel e não são suficientes para que nosso equilíbrio químico se estabilize, criando uma rotina que nos leva cada vez mais para baixo.

Coisas são meios para que possamos gerar Sentimentos Mais Permanentes de Bem Estar, mas não o seu fim.

Uma vida melhor é aquela que os Sentimentos Positivos não são viciantes.

Quando falamos em dinheiro, temos que entender o seu papel como meio e não como um fim em si mesmo.

O dinheiro, com certeza, tem que ser o suficiente para pagar os boletos – se não o caos está estabelecido.

Diz ele, reforçando esta ideia:

“A insegurança financeira gera severas consequências psicológicas (…) sendo a principal fonte de estresse.”

(Diria que mais do que o dinheiro, ou além dele, é a saúde da pessoa ou de entes queridos próximos.)

Porém, podemos dizer que:

Depois de determinado patamar em que os boletos estão sendo pagos, o dinheiro passa a ser, como deve ser, apenas um meio para que possamos gerar os Sentimentos Mais Permanentes de Bem Estar.

Diz ele:

“O dinheiro e a felicidade crescem juntos até certo limite.”

Gaziri sugere um exercício que já vi em outros Conceituadores da Felicidade, que é o exercício de se colocar, de forma hipotética, dentro do seu futuro funeral.

É, sem dúvida, um bom exercício para definir que tipo de projeto de Felicidade você quer abraçar e, na sequência, começar a jornada de pesquisa dos seus Potenciais Singulares.

E para quem já está na jornada do seu PFMF, isso talvez possa ser um bom ritual/hábito a ser feito anualmente, talvez perto do seu aniversário, ou no final do ano.

Ele sugere o seguinte exercício:

“Todas as pessoas importantes que passaram pela sua vida vieram lhe prestar as suas últimas homenagens . O que você quer que elas lembrem a seu respeito no seu funeral? Se alguém discursasse sobre você nesse momento, o que gostaria que ela falasse? No dia da minha morte , quero ser lembrado por : ____________ Então, agora que você redefiniu o que é sucesso e definiu por quais comportamentos quer ser lembrado pelos demais , enumere quais são os seus verdadeiros objetivos de vida . Os meus principais objetivos de vida são:”

Papo do Caderno.

Um dos Rituais Rivotril que o GFB 2.0 sugere é termos um caderno, chamado Diário de Bordo – um de Crise e outro para o cotidiano.

A ideia é reforçada por Gaziri:

“Em um segundo estudo, em vez de escrever uma vez por semana sobre as suas gratidões , irritações ou comparações sociais, os participantes deveriam fazê-lo todos os dias. O resultado: ao analisar as variáveis, em comparação com o primeiro estudo, os cientistas descobriram que houve uma diferença significativa e ainda maior na relação entre as emoções positivas e negativas reportadas pelos participantes nas condições de gratidão e irritação.”

Outro Ritual Rivotril que ele sugere – e eu adotei – é o de, ao final do dia, listar cinco acontecimentos top. Diz ele:

“No Caderno de gratidão, no qual todas as noites, antes de dormir, você escreverá cinco fatos do seu dia pelos quais é grato. Esse exercício fará com que você passe a prestar mais atenção aos pequenos momentos da sua vida – como uma deliciosa refeição, um abraço do seu filho, um belo pôr do sol, uma conversa com o seu melhor amigo – e a apreciá-los novamente. Dessa forma, você irá reprogramar o seu cérebro para ter prazer mesmo com acontecimentos mundanos, que já não produziam mais efeito na sua felicidade. Adicionalmente , o caderno de gratidão força o seu cérebro a lembrar dos aspectos positivos da sua vida, o que ativa a produção de serotonina, um neurotransmissor responsável pelo aumento da motivação, força de vontade e humor. E para aqueles que acreditam que a felicidade é o resultado do alcance de um objetivo, a gratidão torna – se ainda mais positiva por nos levar a sermos felizes no presente, o que reduz nossa ansiedade.”

Temos aqui o reforço da produção do Rivotril Orgânico.

Quando eu coloco os cinco momentos tops do dia, reflito, além do meu esforço, quem mais me ajudou para que ele fosse possível.

Isso aumenta minha Taxa de Empatismo e me torna mais observador sobre como a minha vida não está tão ruim, ao contrário, como tem andado cada vez melhor.

Gaziri reflete sobre o exercício da Gratidão, no que chamamos Empatismo:

“Ser grato também é importante para conscientizá-lo de quantas coisas boas você já tem , assim sua satisfação com a vida aumenta. Quando o seu foco é viver acumulando bens e dinheiro , naturalmente você acaba se esquecendo daquilo que já possui, tornando-se um eterno insatisfeito para quem o consumismo é uma válvula de escape a essa frustração.”

E complementa:

“O pesquisador Glenn Fox, da Universidade do Sul da Califórnia, e seus colegas descobriram em um estudo similar que pessoas instruídas a sentir gratidão apresentam atividades cerebrais em áreas relacionadas à empatia, a entender a perspectiva dos outros e a sentimentos de alívio, o que sinaliza que ter gratidão pelos outros ajuda no relaxamento do corpo e na redução do estresse.”

É isso, que dizes?

 

 

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto explora a complexidade do conceito de altruísmo, ressaltando a importância de distinguir entre um altruísmo saudável e um altruísmo tóxico. Enquanto o altruísmo saudável envolve ajudar os outros de forma que gere sentimentos positivos tanto para quem doa quanto para quem recebe, o altruísmo tóxico pode resultar em dependência, intenções ocultas e prejuízos para ambas as partes envolvidas. O autor argumenta que a prática do altruísmo deve ser motivada pela busca da felicidade pessoal, sem ignorar as necessidades individuais. Além disso, destaca a importância da bondade como um traço de caráter que visa o bem-estar dos outros, mas também traz recompensas pessoais em forma de sentimentos positivos. O texto enfatiza que, ao praticar a bondade ou o altruísmo, é natural buscar o próprio bem-estar emocional como uma forma de recompensa, e que isso não diminui a genuinidade do ato.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. A Bondade Saudável é geradora de Rivotril Orgânico.
  2. Não temos – como repetimos várias vezes – verdades científicas, mas melhores verdades, que ajudam mais ou menos a compreensão e a nossa relação com determinados fenômenos.
  3. A Ciência, por mais que se ignore isso, é um mercado como outro qualquer, no qual as pessoas procuram vender suas mercadorias – no caso Teorias e Metodologias.
  4. Quando eu me coloco como uma ferramenta que foi criada para ajudar os outros, eu me anulo enquanto pessoa.
  5. É falsa a ideia de que eu sou bondoso e não quero nada em troca, isso não existe: eu quero me sentir bem depois que sou bondoso.
  6. É falso dizer que o Altruísmo é algo que a pessoa dá ao outro sem esperar nada. Sim, nada objetivo, mas algo subjetivo: se sentir bem.
  7. O Altruísmo não é, portanto, um gesto de bondade unilateral, de perde-ganha ou perde-perde, mas algo também do ganha-ganha.
  8. Todos nós precisamos gerar um Rivotril Orgânico – energias positivas para que possamos combater as negativas que volta e meia aparecem.

Os Mapas Mentais do Artigo:

Vamos ao Artigo:

“xxx”xxx.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto aborda a continuidade da bimodalização do livro “Os sete princípios da felicidade” de Luiz Gaziri, iniciando com reflexões sobre diferentes abordagens de autores que escrevem sobre felicidade. São destacadas as categorias de contadores de histórias, apresentadores de pesquisas e sintetizadores de conceituadores de felicidade. Em seguida, discute-se a diferença entre atitude e ação, enfatizando a importância das atitudes na formação de hábitos e rituais. São apresentados exemplos pessoais de como transformar atitudes conscientes em hábitos e rituais, visando aumentar a cota de sentimentos positivos. Além disso, são exploradas as relações entre atitudes, hábitos, rituais e mandamentos, destacando suas origens e transformações. O texto também questiona a ideia de que a felicidade é determinada principalmente pela genética, propondo uma reflexão sobre a relação entre viés genético, herança familiar e contextos de vida na busca pelo bem-estar.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Por mais boba que possa ser uma ação, ela é sempre precedida de uma determinada Atitude.
  2. As Atitudes Mais Conscientes precisam ser transformadas em Rituais e depois em Hábitos para que se tornem mais presentes nas nossas vidas.
  3. Coloquei na agenda um alerta diário “você já jogou algo fora hoje?” e todo dia dou uma micro geral de cinco minutos nas gavetas para me desfazer de algo.
  4. Emoções nada mais são do que químicas que são geradas dentro de nós. Uma vida melhor é aquela em que nós conseguimos controlar melhor esse processo .
  5. Nosso corpo gera químicas emocionais sobre as quais não temos controle direto, apenas indireto.
  6. Determinados hábitos, a partir das atitudes, geram químicas melhores ou piores ao longo da vida.
  7. A Felicidade é um processo que envolve a melhor relação possível com o nosso viés genético, com nossa FOB e o contexto geral em que vivemos.
  8. Apesar da nossa genética, da nossa FOB e do contexto, sempre temos margem para melhorar nosso bem estar, desde que tenhamos os GF adequados.

Os Mapas Mentais do Artigo:

 

Vamos ao Artigo:

“Sim, é possível ser inteligente e ser feliz. Filósofos sabiam disso, alguns críticos contemporâneos não.” – Leandro Karnal.

Vamos dar continuidade à Bimodalização do livro “Os sete princípios da felicidade” de Luiz Gaziri.

Este é o segundo artigo.

Comecemos com algumas reflexões sobre os autores que escrevem sobre felicidade.

Temos as seguintes e diferentes abordagens de diferentes Conceituadores sobre Felicidade:

Contadores de Histórias – no estilo Mark Manson, que baseia seu livro mais em histórias do que em pesquisas;
Apresentadores de Pesquisas – no estilo de Luiz Gaziri, Mckown ou Seligman, que baseiam seus livros mais em pesquisas do que em histórias;
Sintetizadores dos Conceituadores de Felicidade – que é o que temos feito, pois trabalhamos em cima dos outros dois estilos para nos guiar, inspirar e criticar e, com isso, vamos desenvolvendo nosso GFB 2.0.

Dito isso, vamos ver a diferença entre os quatro conceitos importantes, que aparecem no título deste artigo, inspirados pela leitura de Gaziri.

Segundo Tio Chatinho:

“A palavra “atitude” tem origem no latim “aptitudo”, que significa “aptidão”, “disposição” ou “propensão”. Essa palavra deriva do verbo “aptare”, que significa “ajustar” ou “adaptar”. Ao longo do tempo, a palavra “atitude” evoluiu para adquirir o significado específico de disposição mental ou emocional em relação a algo.”

Perguntei pela diferença entre ação e atitude e eis o que ele me disse:

Atitude refere-se à disposição mental, emocional ou comportamental em relação a algo. É uma predisposição interna que influencia como uma pessoa percebe, interpreta e responde a situações, pessoas ou eventos. É influenciada por crenças, valores, experiências passadas e contextos sociais. As atitudes podem ou não se traduzir em ações concretas;
Ação refere-se ao comportamento observável ou atividade realizada por uma pessoa. Envolve a execução de uma tarefa, o desempenho de uma atividade ou a tomada de medidas em resposta a uma situação. As ações podem ser influenciadas por atitudes, mas também podem ser realizadas independentemente delas. Nem toda atitude resulta em ação, e nem toda ação é necessariamente precedida por uma atitude específica.

Uma Atitude, assim, é uma espécie de visão geral que guia nossas ações.

Discordo, entretanto, da ideia de que “Nem toda atitude resulta em ação, e nem toda ação é necessariamente precedida por uma atitude específica.”

Por mais boba que possa ser uma ação, ela é sempre precedida de uma determinada Atitude mais ou menos consciente.

O que varia nas Atitudes é o grau de consciência, assim temos:

Atitudes Mais Conscientes – aquelas que são mais refletidas e guiam de forma mais consciente nossas ações;
Atitudes Mais Inconscientes – aquelas que são menos refletidas e guiam de forma menos consciente nossas ações.

O que temos, porém, como desafio é o seguinte:

As Atitudes Mais Conscientes precisam ser transformadas em Rituais e depois em Hábitos para que se tornem mais presentes nas nossas vidas.

Se quiser passar a ter uma Atitude Mais Minimalista, ela não se tornará mais presente se não criar um hábito de jogar as coisas fora regularmente.

Nesta direção fiz o seguinte:

Coloquei na agenda um alerta diário “você já jogou algo fora hoje?” e todo dia dou uma micro geral de cinco minutos nas gavetas para me desfazer de algo.

O ato minimalista diário tem tido os seguintes resultados:

Vejo o meu ambiente como algo vivo e não parado e morto;
Estou descobrindo coisas que não usava e passei a usar;
Organizando melhor o espaço;
Enviando lembranças para amigos e parentes;
E, de maneira geral, o mais importante, gerando Sentimentos Positivos diariamente.

Note que eu defini o Minimalismo como uma das Atitudes Estruturais no meu PF e isso só se tornou algo concreto e palpável com os Atos Minimalistas Diário.

Qual é o objetivo? Aumentar a minha cota de Sentimentos Positivos.

Vejamos a diferença entre os dois tipos de Atitudes, quanto a geração de sentimentos:

Atitudes Mais Positivas, geram Hábitos Mais Saudáveis, que geram Sentimentos Mais Positivos, aumentando a minha cota de Sentimentos Positivos ao longo dos dias;
Atitudes Mais Negativas, geram Hábitos Mais Tóxicos, que geram Sentimentos Mais Negativos, aumentando a minha cota de Sentimentos Negativos ao longo dos dias.

Pelo que li no Gaziri, aprendi isso com ele:

Emoções nada mais são do que químicas que são geradas dentro de nós. Uma vida melhor é aquela em que nós conseguimos controlar melhor esse processo químico.

Quando afirmamos, por exemplo, que o Sapiens é Polilista e não Monolista vai nessa direção.

Nosso corpo gera químicas sobre as quais não temos controle direto, apenas indireto.

Determinados hábitos, a partir das atitudes, geram químicas melhores ou piores ao longo da vida.

E qual seria a diferença entre hábitos, rituais e mandamentos?

Vamos voltar ao ponto.

Quando definimos no GFB 2.0 uma série de Atitudes Estruturais, percebemos que transformá-las em hábitos fazem bem para nossa vida.

Uma Atitude Estrutural, assim, precisa ser transformada em um hábito para que ela tenha efeitos objetivos no nosso Projeto de Felicidade.

Quando eu sugiro uma Atitude de Empatismo – aumentar a nossa empatia, por exemplo, há uma sugestão de criar hábitos de agradecimento e de perdão.

No início, tais hábitos terão um tom mais de ritual, pois estarão sendo colocados dentro da nossa rotina, mas, aos poucos, vão se transformando em hábitos.

Um Ritual, assim, é o início de um hábito, que, aos poucos vai sendo incorporado na nossa vida e vai se Desritualizando.

Mandamentos, entretanto, é uma outra coisa.

Mandamentos são regras que estabelecemos para nós, a partir de determinados erros que cometemos para que eles não se repitam, que também vai se transformar em um hábito.

Tanto o Mandamento quanto um Ritual são hábitos que criamos, mas variam, a partir de sua origem:

Um Mandamento parte de um aprendizado em cima de um erro que cometemos e aquilo passa a ser uma regra imutável para que ele não se repita;
Um Ritual parte de um ensinamento em cima de sugestões que recebemos de alguém que faz sentido, passamos a fazê-lo e, aos poucos, ela se torna um hábito normal.

Um mandamento que criei, por exemplo, é o de NUNCA deixar uma panela em cima do fogão, pois uma queimou.

Ou ainda.

Quando vou dormir fora, sempre desligo o gás da casa para evitar qualquer tipo de problema.

Ou no xadrez, sempre avançar o peão das pontas do tabuleiro, antes de dar o roque, para evitar um cheque mate bobo que já levei muitas vezes quando não faço isso. 😉

Vejamos, então a diferença do título do artigo:

Atitude – visão mais ampla sobre hábitos que devem ser criados para termos uma vida melhor, a serem incorporados nas nossas vidas;
Hábitos – ações rotineiras que vão sendo incorporadas na nossa vida, de forma mais ou menos conscientes;
Rituais – novos hábitos, que ganham um status mais pomposo no início para serem incorporados nas nossas vidas e, aos poucos, vão se tornando normais;
Mandamentos – hábitos que surgem a partir de erros cometidos e que foram assimilados e apreendidos, visando não repeti-los.

Um Mandamento surge da seguinte maneira:

Cometo um erro e me pergunto “como isso nunca mais vai acontecer na minha vida?”;
Crio, então, um hábito para evitar que o erro ocorra e vou testando se precisa ser aperfeiçoado.

Rituais, assim, vêm mais de sugestões exógenas e Mandamentos vêm mais dos erros que cometemos – ambos, entretanto, se transformam em hábitos com origens distintas.

Deixemos assim por enquanto e podemos melhorar mais adiante.

Voltemos ao texto de Gaziri.

Diz ele, reforçando um pouco o tal poder dos hábitos:

“Um artigo científico publicado pelos pesquisadores Sonja Lyubomirsky, Kennon Sheldon e David Schkade demonstrou que o sucesso está nas nossas escolhas diárias.”

Bimodalizaria isso e diria:

Uma vida melhor está diretamente ligada ao Projeto de Felicidade escolhido, que inclui visão e atitudes (hábitos, rituais e mandamentos).

O uso do conceito de sucesso é muito amplo e dá margem a muita confusão – trocá-lo por “uma vida melhor” dá menos margem a erros. Sugiro evitar.

Diz Gaziri:

“Pesquisa revelou que 50% da nossa felicidade é genética, ou seja, imutável. Outros 10% apresentam ligação com as circunstâncias atuais da vida.”

Não compro essa ideia e isso nos dá possibilidade de uma boa reflexão.

Diria que sim, concordo que temos entre os Sapiens determinados viés genéticos, que precisam ser conhecidos para que possamos nos situar melhor dentro dos PFs.

Diante da Inovação, temos dois Vieses Genéticos Inovadores bem marcantes:

Um Viés Genético Mais Disruptivo – que torna a pessoa com maior gosto por desafio e com tendência mais proativa – em função de uma capacidade abstrativa maior, que lhe permite se distanciar com mais facilidade da Mente Primária, onde estão armazenados os Paradigmas da FBO;
Um Viés Genético Mais Incremental – que torna a pessoa com menor gosto por desafio e com tendência mais reativa – em função de uma capacidade abstrativa menor, que lhe permite se distanciar com mais dificuldade da Mente Primária, onde estão armazenados os Paradigmas da FBO.

Cada um destes perfis, a partir do Viés Genético Inovador, precisa fazer adaptações ao seu Projeto de Felicidade para que possa aumentar o seu bem estar.

Diria ainda que em cima deste Viés Genético Inovador ainda temos o fator do ressentimento com a FBO:

Um Viés Mais Ressentido com a FBO (Formatação Básica Obrigatória) – que torna a pessoa mais ressentida com o pouco amor que recebeu dos pais;
Um Viés Menos Ressentido com a FOB (Formatação Básica Obrigatória) – que torna a pessoa menos ressentida com o amor razoável ou satisfatório que recebeu dos pais.

Algumas regras na relação com PFMF:

Uma pessoa que tem um Viés Mais Ressentido com a FBO terá maiores dificuldades para adotar Projetos de Felicidade Mais Fortes;
Uma pessoa com um Viés Genético Inovador Mais Disruptivo terá uma demanda maior por deixar legados mais subjetivos e uma demanda maior por criatividade.

Todos nós precisamos aprender a nos relacionar melhor com o Viés Genético e com a herança da FOB para que possamos adaptar o Guia de Felicidade da melhor forma possível.

Portanto, a meu ver, a frase “50% da nossa felicidade é genética” não faz sentido.

A Felicidade é um processo que envolve a melhor relação possível com o nosso viés genético, com nossa FOB e o contexto geral em que vivemos.

Apesar da nossa genética, da nossa FOB e do contexto, sempre temos margem para melhorar nosso bem estar, desde que tenhamos os Guias de Felicidade Mais Fortes, sempre com um grau de ajustes para o nosso perfil.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto introduz a iniciativa de bimodalizar o livro “Os sete princípios da felicidade” de Luiz Gaziri, destacando diferentes abordagens na literatura sobre felicidade. São discutidos ajustes para a estrutura básica do projeto de felicidade, incluindo reflexões sobre a natureza do sapiens e da felicidade, bem como sobre as atitudes e métricas relevantes. O autor ressalta a importância de uma abordagem polilista da felicidade, enfatizando a necessidade de conhecer e atender aos diversos “eus” internos. Além disso, são questionadas afirmações de “caminhos verdadeiros” para a felicidade, destacando a complexidade do tema. O texto também sugere uma bimodalização das ideias de Gaziri, reinterpretando conceitos como o sucesso causado pela felicidade e os benefícios das relações pessoais.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Ninguém tem o verdadeiro caminho para absolutamente nada. O que temos são sugestões das melhores formas de agir e pensar, que consideramos a melhor possível, sempre sujeita a ajustes.
  2. Na verdade, o discurso marqueteiro se confunde um pouco com o religioso, no qual você não quer que as pessoas façam escolhas reflexivas, mas emocionais.
  3. Nestes momentos de Renascença Civilizacional, temos um boom exponencial do retorno conversa sobre Felicidade, com ênfase a Felicidade Mais Singularizadora.
  4. Nós temos a fantasia, na visão Monolista do Sapiens, de que nós controlamos todos os nossos Eus Internos.
  5. Temos a ingênua fantasia de que eu posso, por exemplo, passar a tarde ouvindo desgraça na televisão e que isso não vai afetar em absolutamente nada meu humor.
  6. Preciso conhecer meus Eus Internos para que eu possa dar a eles o que eles gostam.
  7. Quando meus Eus Internos gostam do que eu faço geram Emoções e Sentimentos Mais Positivos, que permitam que eu mantenha a minha Taxa de Bem Estar mais alta.
  8. Quando eu abraço um Projeto de Felicidade Mais Forte, passo a gerar um Bem Estar Maior e a minha mente fica muito mais produtiva.

Os Mapas Mentais do Artigo:

Vamos ao Artigo:

“Não tenho dúvida de que ser infeliz é uma zona muito interessante de conforto.” Leandro Karnal

Vamos iniciar a Bimodalização do livro “Os sete princípios da felicidade” de Luiz Gaziri.

Este é o primeiro artigo.

Comecemos com algumas reflexões sobre os autores que escrevem sobre felicidade.

Temos as seguintes abordagens, todos na direção de sugestões de conduta entre os Conceituadores sobre Felicidade:

Contadores de Histórias – no estilo Mark Manson;
Apresentadores de Pesquisas – no estilo de Luiz Gaziri, Mckown ou Seligman;
Sintetizadores Gerais – que é o que temos feito, pois trabalhamos em cima dos outros dois estilos.

Lendo Gaziri, antes de começar a comentar seu livro, tive alguns insights.

O primeiro deles é de que nosso GFB 2.0 precisa reorganizar sua estrutura básica.

Precisamos dividi-lo da seguinte maneira sempre deixando claro que é o nosso ponto de vista, que consideramos mais adequado para desenvolver um Projeto de Felicidade Mais Forte:

Quem é o Sapiens?
Em que momento Civilizacional estamos dentro da nova visão da Ciência Social 2.0?
O que é a Felicidade?
Como começar e quais os parâmetros mais adequados para ir procurando e praticando ao longo da vida os seus Potenciais Singulares?
Quais são as melhores Atitudes a serem feitas (com seus respectivos hábitos e rituais)?
Quais são as melhores Métricas Estruturais e Existenciais para saber se tudo anda bem?

Na abordagem de “Quem é o Sapiens?” precisamos detalhar:

Somos Polilistas – precisamos aprender a lidar com nossos vários Eus;
Somos Bimentais – precisamos aprender a lidar com nossas duas Mentes (a primária e a secundária);
Somos Inovadores – que se dividem em dois tipos de perfis bem diferenciados: os mais incrementais e os mais disruptivos.

Na abordagem de “O que é Felicidade?” precisamos detalhar:

Todos temos Projetos de Felicidade – não é uma escolha, a diferença é o grau de consciência e qualidade de cada projeto;
A escolha Endogenista – mais de dentro para fora do que de fora para dentro;
A escolha Singularista – na direção da descoberta progressiva e no desenvolvimento ativo de nossos Potenciais Singulares;
A escolha Sensitivista – mais baseada nas sensações do que em coisas;
A escolha de Longo Prazo – com projeto com foco mais estrutural do que conjuntural.

Feito estes ajustes, que serão incorporados ao nosso GFB 2.0 no final de abril, vamos ao texto de Gaziri.

Gaziri é um Conceituador de Felicidade Apresentador de Pesquisas.

Ele apresenta várias e vai criando sínteses do que ele chamou de “Os Sete Princípios”.

De maneira geral, temos uma certa embolação entre a divisão necessária entre uma nova visão do Sapiens, da Felicidade e das Atitudes a serem adotadas.

Porém, podemos Bimodalizar várias sugestões, tornando o nosso GFB 2.0 cada vez mais completo e forte.

Gaziri, dentro da linha de um Conceituador de Felicidade Apresentador de Pesquisas nos diz:

“Nesse tempo (vários anos) eu percorri cada linha de dezenas de milhares de artigos científicos sobre felicidade, motivação, neurologia, vendas, marketing, recursos humanos, negociação, psicologia, economia comportamental, medicina, gestão de equipes, tecnologia, processo decisório, formação de hábitos, planejamento.”

O autor não só leu os artigos, mas também visitou pesquisadores de todo o mundo para produzir o seu livro.

Ele diz:

“Consegui organizar tudo o que eu conhecia sobre felicidade numa sequência lógica, além de obter uma clareza enorme sobre os verdadeiros caminhos para a felicidade.”

E ele complementa mais adiante:

“…apresentando para você os caminhos corretos e mais curtos.”

Aqui, como temos visto nos Vícios Dialógicos, temos o problema da afirmação “verdadeiros caminhos” ou “caminhos corretos”.

Ninguém tem o verdadeiro caminho para absolutamente nada. O que temos são sugestões das melhores formas de agir e pensar, que consideramos a melhor possível, sempre sujeita a ajustes.

Desconfie de alguém que diz que tem os ““verdadeiros caminhos” sobre qualquer coisa.

A afirmação de Gaziri nos permitiu descobrir mais um VD (Vício Dialógico) o dos Marqueteiros:

VD dos Marqueteiros:
Defender que o que ele nos traz é o melhor de tudo que há sem alternativas;
““Consegui organizar tudo o que eu conhecia sobre felicidade numa sequência lógica, além de obter uma clareza enorme sobre os verdadeiros caminhos para a felicidade.”
Vontade de vender mais, criando a falsa ideia de que o seu modelo é o único e insubstituível. Isso na venda de um tênis faz sentido, mas no campo da conceituação é algo que não se pode fazer.

Na verdade, o discurso marqueteiro se confunde um pouco com o religioso, no qual você não quer que as pessoas façam escolhas reflexivas, mas emocionais.

Ele diz:

“E tudo o que fiz até aqui tem um propósito único: disponibilizar ao público brasileiro, pela primeira vez, as mais relevantes e recentes descobertas da ciência sobre o que devemos fazer para ter uma vida fantástica.”

Eu Bimodalizaria o termo “vida fantástica” por vida melhor ou vida boa, pois fantástico, segundo o Tio Chatinho:

“”Fantástico” é um adjetivo que descreve algo que é extraordinário, maravilhoso, surpreendente ou incrível.”

O adjetivo “fantástico”, na linha mais marqueteira do que científica, briga, aliás, com o conteúdo do livro, que tem várias sugestões interessantes.

No prefácio, Leandro Karnal chama Jean Paul Sartre (1905-1980) que defende que todo o Sapiens que não quer se Sapientizar (se tornar o Sapiens mais único que possa ser) age de má-fé.

Karnal critica e concordamos com ele que a Felicidade é tratada com algo menor, classificada sempre de “auto-ajuda”. Diz ele:

“A alegria, a felicidade, todo sorriso esboçado ou imaginado são classificados como autoajuda . Assim pensam muitos hoje, naturalmente, com imensa facilidade para a dor e grande dificuldade para a vida feliz. Com esse julgamento, condenam uma parte expressiva de filósofos que trataram da felicidade, como Aristóteles ou Epicteto.”

Temos dito que a conversa sobre Felicidade tende a ter a seguinte regra na sociedade:

Quando temos aumento da Centralização dos Ambientes de Sobrevivência, temos um menosprezo da conversa sobre Felicidade e um incentivo, quando se conversa sobre, de uma Felicidade Mais Massificada;
Quando temos aumento da Descentralização dos Ambientes de Sobrevivência, temos um retorno da conversa sobre Felicidade e um incentivo a uma Felicidade Mais Singularizada.

Hoje, algo que situamos dentro do GFB 2.0, dentro do tópico “Em que momento Civilizacional estamos dentro da nova visão da Ciência Social 2.0?” percebemos a passagem da Crise Civilizacional para a Renascença.

Nestes momentos de Renascença Civilizacional, temos um boom exponencial do retorno conversa sobre Felicidade, com ênfase a Felicidade Mais Singularizadora.
Gaziri nos diz:

“Muitos estudos demonstram que emoções positivas aumentam a atividade do córtex pré-frontal – área do cérebro responsável pelo planejamento, pensamento racional, projeção do futuro, argumentação, aprendizado, criatividade, tomada de decisões, linguagem e outras atividades complexas. Essas descobertas revelam algo fantástico: o nosso cérebro funciona melhor quando estamos felizes.”

Concordo com ele, mas diria isso de forma diferente.

Note que temos a ilusão de que somos muito mais Monolistas do que Polilistas.

O que isso quer dizer?

Nós temos a fantasia, na visão Monolista do Sapiens, de que nós controlamos todos os nossos Eus Internos.

Temos a ingênua fantasia de que eu posso, por exemplo, passar a tarde ouvindo desgraça na televisão e que isso não vai afetar em absolutamente nada meu humor.

Na visão Polilista da Felicidade, eu percebo que:

Preciso conhecer meus Eus Internos para que eu possa dar a eles o que eles gostam;
E, em contrapartida, quando meus Eus Internos gostam do que eu faço geram Emoções e Sentimentos Mais Positivos, que permitam que eu mantenha a minha Taxa de Bem Estar mais alta.

Note que Bimodalizando o que diz Gaziri podemos dizer que:

Eu passo a fazer ações (atitudes, hábitos e rituais) que agradam meus Eus Internos, que, por gratidão, geram emoções positivas e, com isso, meu córtex pré-frontal (onde está minha Mente Secundária) funciona melhor, aumentando minha Taxa de Bem Estar.

Diz ele, invertendo a lógica mais mainstream:

“O sucesso não causa Felicidade é a Felicidade que causa o sucesso.”

Vamos Bimodalizar isso.

Quando eu abraço um Projeto de Felicidade Mais Forte, passo a gerar um Bem Estar Maior e a minha mente fica muito mais produtiva.

A dupla de vôlei (Mente Mais Produtiva e Bem Estar Maior) me permite traçar metas e alcançá-las de forma mais fácil, aumentando a qualidade da minha vida.

Diz ele:

“Pessoas felizes apresentam mais chances de ter ótimas relações de amizade, excelentes relacionamentos conjugais, salários maiores, melhor desempenho no trabalho, mais criatividade, saúde, otimismo, energia e altruísmo do que aquelas que vivenciam emoções positivas com menos frequência.”

Vamos Bimodalizar isso:

Não existe o termo “pessoas felizes.” Felicidade é um processo progressivo e continuado que tem por trás teorias e metodologias mais fracas ou mais fortes.

Pessoas que abraçam Projetos de Felicidades Mais Fortes – pois todos temos algum projeto de Felicidade, mais ou menos conscientes, têm a chance de ter uma qualidade de vida melhor.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto discute a importância do Diálogo Mais Saudável, ressaltando a necessidade de inovação como seu epicentro. Propõe-se a mudança de nomenclatura de “Ciência Social” para “Ciência da Inovação”, com suas respectivas variações. Divide-se os participantes do diálogo entre Disruptivos e Incrementais, destacando a importância de entender as diferenças entre eles. O autor sugere que os guias de felicidade devem considerar essas distinções, oferecendo abordagens diferentes para cada perfil. Além disso, explora a etimologia e a definição de diálogo, ressaltando sua importância na troca de ideias e na busca por uma vida melhor. Apresenta também uma lista de vícios dialógicos comuns e propõe maneiras de evitá-los para garantir um diálogo mais saudável e produtivo.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Não se pode em um Diálogo Saudável alguém ter falado “porta”, a pessoa entendeu “morta” e se começa a debater o futuro da “porca”
  2. Quando pensamos em qualquer Camada Inovadora da sociedade não podemos ter a ilusão de que não existe a diferença entre Disruptivos e Incrementais.
  3. Dialogamos para que, através da conversa, da interação, da troca de conhecimentos possamos viver melhor.
  4. O Diálogo é uma ferramenta humana de troca de Paradigmas para que possamos ter vidas melhores, descartando Paradigmas Mais Atrapalhantes do que Ajudantes.
  5. Quando vamos a um botequim o objetivo é ter uma conversa e, por outro lado, em uma sala de aula esperamos ter um diálogo.
  6. Diálogo, assim, diferente de uma conversa precisa de teorias e metodologias para que ele seja mais produtivo, mais saudável.
  7. O Diálogo tem como objetivo ajudar as pessoas a entender e lidar melhor com determinado fenômeno.
  8. Para que se inicie um Diálogo Mais Saudável, portanto, é preciso haver por parte de ambos os lados a intenção de aprender com as trocas.

Os Mapas Mentais do Artigo:

 

Vamos ao Artigo:

“xxx”xxx.

“O conhecimento é como uma correnteza; quem dela se afasta, cada vez mais se perde.” – Bacon.

Primeiro Parênteses dos Escritos:

Note que o Sapiens é a espécie mais inovadora do planeta.

Por causa disso, quando falamos em Ciência Social precisamos ter como epicentro a inovação.

Tio Chatinho nos ajuda a definir o que é a Ciência Social:

“Ciência social é um campo acadêmico que estuda diversas dimensões da sociedade humana e das interações sociais. Ela busca compreender os padrões, estruturas e dinâmicas sociais que moldam a vida em sociedade. As ciências sociais incluem disciplinas como sociologia, antropologia, economia, ciência política, psicologia social, geografia humana, entre outras.”

Note que a Ciência Social é a mãe e as Ciências Sociais são as filhas.

Minha sugestão é pararmos de falar de Ciência Social e passarmos a chamar de Ciência da Inovação com suas respectivas variações.

Vejamos:

Ciências da Inovação Civilizacional: Geografia, História;
Ciências da Inovação Grupal: Economia, Política;
Ciências da Inovação Pessoal: Psicologia.

Repare que quando pensamos em um Sapiens não Sapiens puro, mas um Sapiens Inovador, teremos que fazer uma distinção entre dois perfis bem distintos:

Os Disruptivos – aqueles que por algum motivo, genético, de formação, ou outro qualquer, que rompem com os Paradigmas da sociedade;
Os Incrementais – aqueles que por algum motivo, genético, de formação, ou outro qualquer, que dão continuidade aos Paradigmas da sociedade que se mostram mais adequados.

Quando pensamos em qualquer Camada Inovadora da sociedade não podemos ter a ilusão de que não existe a diferença entre Disruptivos e Incrementais.

Na minha forma de pensar ainda Dedutiva (sem pesquisa), acredito que:

Os Disruptivos nascem com uma capacidade abstrativa maior;
Por causa disso conseguem enxergar mais longe ou de fora a Mente Primária com a Mente Secundária;
E, assim, conseguem entender que os Paradigmas existentes podem ser alterados.

Por isso, quando conversamos sobre Guias de Felicidade será preciso abordar dois tipos de guias:

Os Guias de Felicidade para pessoas Mais Disruptivas – que terão um foco maior na criatividade e nos aspectos das Métricas Mais Estruturais;
Os Guias de Felicidade para pessoas Mais Incrementais – que terão um foco menor na criatividade e estarão mais procurando atingir Métricas Mais Conjunturais.

Diria que o GFB 2.0 tem dois tipos de clientes: aqueles que querem ter uma Vida Boa ou Significativa.

Os que querem ter uma Vida Boa usarão o GFB 2.0 e descartarão a parte da criatividade e das Métricas Existenciais e os que se propõem a ter uma Vida Significativa vão usá-lo integralmente.

Seligman faz uma divisão interessante – que incorporamos na nossa Narrativa. Ele sugere que podemos ter três tipos de vida possíveis diante da Felicidade:

A agradável – mais voltada aos prazeres;
A boa – que além dos prazeres, ainda está repleta de gratificações;
A significativa – que além dos prazeres e repleta de gratificações ainda está preocupada em deixar legados.

Acredito que um Disruptivo sempre estará à procura da Mais Significativa, pois tem uma demanda maior por deixar legados do que um Incremental.

Você pode me perguntar: é possível que uma pessoa com Perfil Incremental possa aumentar a sua Taxa de Disruptividade? Com certeza!

E se uma pessoa Incremental e uma Disruptiva adotarem métodos similares para ampliar a sua Disruptividade? Acredito que o Disruptivo irá sempre além na sua vocação disruptora.

Dito isso, vamos ao tema do artigo.

Diálogo é definido assim pelo Tio Chatinho:

“Diálogo é uma interação entre duas ou mais pessoas, geralmente envolvendo a troca de ideias, opiniões, informações ou sentimentos. É um processo de comunicação no qual as partes envolvidas compartilham suas perspectivas, escutam ativamente os pontos de vista dos outros e buscam entender e chegar a um entendimento comum. O diálogo pode ocorrer de várias formas, como conversas face a face, discussões em grupo, debates, trocas de mensagens escritas ou qualquer outra forma de comunicação onde haja interação entre as partes. O objetivo do diálogo muitas vezes é resolver conflitos, gerar insights, promover o entendimento mútuo ou simplesmente fortalecer os laços sociais.”

Peço ao Tio que me dê a etimologia:

“A palavra “diálogo” tem origem no grego antigo, onde é formada pela junção dos termos “dia”, que significa “através” ou “entre”, e “logos”, que pode ser traduzido como “palavra”, “discurso” ou “razão”. Assim, “diálogo” literalmente significa “através das palavras” ou “conversa entre duas ou mais pessoas”. O conceito de diálogo é fundamental em diversas áreas, desde a filosofia até a comunicação interpessoal, representando a troca de ideias, informações e perspectivas entre os participantes.”

Falta uma coisa importante na definição de diálogo do Tio Chatinho.

Por quê dialogamos? Qual é o objetivo de dialogar?

Dialogamos para que, através da conversa, da interação, da troca de conhecimentos possamos viver melhor.

O Diálogo é uma ferramenta humana de troca de Paradigmas para que possamos ter vidas melhores, descartando Paradigmas Mais Atrapalhantes do que Ajudantes.

Porém, nem toda a conversa é um diálogo.

Ainda pedindo ao Tio a comparação, ele me diz:

““Conversa: uma conversa é uma troca informal de palavras entre duas ou mais pessoas. Pode ser casual, abordando uma variedade de tópicos, e não necessariamente segue uma estrutura ou propósito específico. Uma conversa pode ser simplesmente uma troca de informações ou uma interação social sem um objetivo particular em mente.

Diálogo: im diálogo, por outro lado, implica uma troca mais profunda e significativa entre os participantes. Envolve uma comunicação mais direcionada, onde os indivíduos estão ativamente envolvidos na exploração de ideias, opiniões e perspectivas. Um diálogo muitas vezes tem um propósito específico, como resolver um conflito, tomar uma decisão conjunta, ou explorar questões mais complexas.”

Assim, podemos dizer que:

Quando vamos a um botequim o objetivo é ter uma conversa e, por outro lado, em uma sala de aula esperamos ter um diálogo.

Diálogo, assim, diferente de uma conversa precisa de teorias e metodologias para que ele seja mais produtivo, mais saudável. Vejamos:

Do ponto de vista Essenciológico (dos fins) – o Diálogo tem como objetivo ajudar as pessoas a entender e lidar melhor com determinado fenômeno;
Do ponto de vista Metodológico (dos meios) – o Diálogo precisa cumprir determinadas regras para que ele possa ocorrer.

O primeiro passo para se estabelecer um Diálogo é o seguinte:

Um Diálogo não visa jogar conversa fora, mas que ambos os lados estão ali para aprender algo com ele.

Assim, para que um diálogo ocorra é preciso que as pessoas envolvidas, meio que façam um juramento entre elas, do tipo:

“Quero através do Diálogo que vai ocorrer aprender algo.”

Isso implica considerar os seguintes Pré-Requisitos Estruturais Para um Diálogo:

Estar disposto a considerar o ponto de vista de todos os participantes;
Estar aberto para rever algo nos seus próprios paradigmas daquele fenômeno que será analisado.

Se alguém não considera relevante a opinião de um ou demais participantes e está fechado para qualquer aprendizado, não se deve começar o Diálogo.

No máximo, que teremos é uma conversa, que pode ser, inclusive, estressante.

Dito isso, passada a fase em que todos consideram que os Pré-Requisitos Estruturais Para um Diálogo foram atendidos, passamos à Metodologia do Diálogo.

Conforme os Pré-Requisitos sejam atendidos e que tenhamos Metodologias do Diálogo Mais Fortes, temos a chance de termos um Diálogo Mais Saudável e vice-versa.

Diria que temos dois tipos de Diálogos:

No Diálogo Mais Saudável – os Pré-Requisitos foram atendidos de forma satisfatória e as Metodologias usadas são as Mais Fortes;
No Diálogo Mais Tóxico – os Pré-Requisitos NÃO foram atendidos de forma satisfatória e as Metodologias usadas são Mais Fracas.

Para que se inicie um Diálogo Mais Saudável, portanto, é preciso haver por parte de ambos os lados a intenção de aprender com as trocas.

Se não há a intenção por parte de alguém ou de todos de aprender, estamos diante de um provável Diálogo Tóxico, que não vale ser levado adiante.

Vai haver um desgaste desnecessário que não vai levar ninguém a lugar nenhum.

Quando temos diante de nós alguém que não quer aprender com um diálogo e já tem uma posição formada sobre aquele tema, é melhor evitar.

Diálogos Saudáveis são aqueles que todos aprendem com o processo, mesmo quem tem mais conteúdo, pois passa a conhecer as dúvidas, perguntas e, com tudo isso, melhora sua capacidade de entender o fenômeno e explicá-lo.

Dito isso, como detalhei antes – e melhoro agora – temos algumas etapas de um Diálogo Mais Saudável:

A apresentação dos argumentos iniciais por alguém de como entende e sugere lidar melhor com determinado fenômeno;
Em seguida, feita a apresentação inicial, a abertura de um espaço de troca para medir a compreensão pelos presentes do que foi dito para que não haja ruído entre o que foi dito e o que foi entendido (Não se pode em um Diálogo Saudável alguém ter falado “porta”, a pessoa entendeu “morta” e se começa a debater o futuro da “porca”;)
Na sequência, a abre-se o espaço para levantamento primeiro das possíveis concordâncias e depois das possíveis discordâncias, procurando entender aquilo que é passível de ajustes entre as partes e o que não haverá concordância, pelo menos, naquele momento;
Por fim, é feita a avaliação final do que as partes aprenderam com o diálogo e como cada um saiu mais ou menos aprimorado, a partir das trocas e o que pode ser melhorado não só em termos de conteúdo, mas da própria metodologia do diálogo.

Porém, um dos problemas principais dos Diálogos é a existência de Vícios Dialógicos recorrentes, que precisam ser conhecidos para que possam ser identificados quando aparecem para ser evitados.

Vícios Dialógicos são chamados de falácias.

Tio Chatinho define Falácia desse jeito:

“Falácias são argumentos logicamente inválidos que, apesar de parecerem persuasivos à primeira vista, são fundamentados em raciocínios defeituosos, incorretos ou enganosos.”

Vícios Dialógicos, ou falácias, podem ser evitados se tivermos a noção de quais são os mais comuns para que possamos logo quando surgem:

Serem identificados;
Questionados;
E, se possível, superados.

Note, entretanto, que Vícios Dialógicos não surgem porque a pessoa quer, mas é um sintoma dos Paradigmas (formas de sentir, pensar e agir) que fazem parte do repertório de alguém.

Fiz uma listagem inicial dos Vícios Dialógicos que já tinha identificado e contei com o apoio do Tio Chatinho para aperfeiçoá-los. Vou citar os que aparecem e as possíveis causas de por que eles surgem:

Os Vícios Dialógicos mais comuns e como evitá-los – Parte I
Vícios Dialógicos (VD)
Detalhamento
Exemplo
Possível Causa

VD Meio-Fim
Se perder daquilo que é o fundamental (o para onde?) para o como (como chegar lá);
Não perceber que a Ciência visa tornar o Sapiens mais feliz e não conhecer por conhecer;
Vir de um ambiente muito centralizado e/ou burocratizado, no qual os fins se confundiram com os meios;

VD
Parte-Todo

Considerar aspectos particulares sem que se tenha a noção do todo;
Questionar possíveis problemas particulares e específicos da Internet, sem entender o conjunto de benefícios que ela traz;
Vir de um ambiente muito centralizado e/ou burocratizado, no qual os fins se confundiram com os meios;

VD
Mensageiro-
Mensagem
(Falácia ad hominem)
Questionar o mensageiro, sem avaliar a mensagem que ele traz;
“Quem é você para questionar tal coisa e tal coisa?”
Aversão à inovação, não estar aberto ao conteúdo das ideias novas e estar muito envolvido com a versão mais mainstream dos Paradigmas;

VD
Falsa Dicotomia
(Bacon chamava isso de Ídolos do Mercado)

Criar uma comparação entre duas coisas que não fazem sentido;
Ciência Pura versus Aplicada, quando na verdade são duas camadas a Teórica e a Metodológica;
Ocorre mais com conceituadores, que se dedicam pouco a construção de conceitos mais fortes;

VD Não Adjetivação
(Bacon chamava isso de Ídolos do Mercado)
Atribuir valores inexistentes a substantivos que carecem de adjetivação, atribuindo valores inexistentes a conceitos neutros;
Egoísmo, que precisa ser definido como Tóxico e Saudável, pois todos somos egoístas por necessidade;

Muito usado na manipulação por interesses diversos do Mainstream;

 

 

 

 

 

Os Vícios nos Diálogos mais comuns e como evitá-los – Parte II
Falácia
Detalhamento
Exemplo
Possível Causa

VD do
Endeusamento
(Falácia da falsa autoridade)
Endeusar autoridades e considerar que tudo que vem delas é uma verdade absoluta;

“Isso é verdade, pois foi fulano que falou.”;
Incapacidade de uso da Mente Secundária, com uma visão mais massificada do que personalizada dos Paradigmas que usa;

VD
do Mainstream

Seguir o mainstream sem questionamento;
“Isso é verdade, pois todo mundo acha isso”;

Incapacidade de uso da Mente Secundária, com uma visão mais massificada do que personalizada dos Paradigmas que usa;

 

VD
da Antiguidade

Não admitir questionar alguma coisa pela sua antiguidade;
“Isso já é assim há muito tempo, por que vamos questionar isso agora?”
Aversão à inovação, não estar aberto ao conteúdo das ideias novas e estar muito envolvido com a versão mais mainstream dos Paradigmas;

VD do Umbigo
(Bacon chamava isso de Ídolos da Caverna)
Considerar que algo é melhor, pois você acha que é melhor para você;
“Se é bom para mim, com certeza, isso vale para todo mundo”;

Baixa Taxa de Empatia;

VD
Foto-Filme

Analisar determinada situação não como um processo, mas como se fosse algo que já é definitivo;
“O Youtube está centralizando demais e isso é péssimo” – como se não pudesse haver a descentralização do Youtube em um novo projeto similar, via Blockchain.
Incapacidade de uso da Mente Secundária, com uma visão mais massificada do que personalizada dos Paradigmas que usa;

 

 

 

 

 

Os Vícios nos Diálogos mais comuns e como evitá-los – Parte III
Falácia
Detalhamento
Exemplo
Possível Causa

VD
(Bacon chamava isso de Ídolos da Tribo)

Apelar para a fé em algo, sem que se apresente evidências lógicas para a defesa do argumento;

“Eu creio nisso com toda a minha certeza”;

Incapacidade de sair de um determinado Dogmatismo;

VD
da Ideologia
(Bacon chamava isso de
Ídolos do Teatro)

Apelar para ideologias políticas fechadas sem que se apresente evidências lógicas para a defesa do argumento;

“Isso é verdade, pois meu grupo político acredita fortemente nisso”;

 

Incapacidade de sair de um determinado Dogmatismo;

 

 

 

 

 

 

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto discute sobre a distinção entre otimismo e pessimismo, refletindo sobre as ideias de Martin Seligman e fazendo uma análise crítica. Inclui uma reflexão sobre a diferença entre atitude e sentimento, destacando que o otimismo não é uma sensação, mas uma atitude. O autor propõe a divisão entre métricas conjunturais e estruturais para avaliar a felicidade. Além disso, aborda a possibilidade de aprender e cultivar o otimismo ao longo da vida, mesmo considerando influências genéticas e ambientais. No entanto, há uma confusão percebida pelo autor em relação às definições de proatividade e reatividade e ele propõe uma análise genética e contextual desses conceitos.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. O otimismo, assim, é filho de uma Atitude Mais Proativa.
  2. Te pergunto: consigo acordar de manhã e dizer para mim mesmo: agora eu vou ser mais otimista em relação a isso ou aquilo?”
  3. Considero, diferente do Seligman, que o Otimismo é um Sentimento e NÃO uma Atitude.
  4. Tudo que não consigo gerar diretamente é um Sentimento. E tudo aquilo que eu posso atuar diretamente é uma Atitude.
  5. Geneticamente falando, podemos dizer que os Disruptores tendem a ser mais corajosos e os Incrementadores, menos.
  6. Sentimentos Positivos Mais Permanentes se tornam mais comuns, conforme eu escolho a minha forma de ver a vida e as atitudes que tomo ao longo dela.
  7. Um Guia de Felicidade nada mais é do que um cardápio com sugestões para que estes Sentimentos Positivos Mais Permanentes estejam cada vez mais presentes ao longo da vida.
  8. Pessoas que têm atitudes mais Reativas diante da vida, tendem a ser mais pessimistas, pois se sentem mais controladas pelo ambiente.

Vamos ao Artigo:

“Mais palavras foram escritas para definir felicidade do que sobre praticamente qualquer outra questão filosófica.“Seligman.

Vamos continuar a Bimodalização do livro “Felicidade Autêntica: use a psicologia positiva para alcançar todo seu potencial” de Martin Seligman.

Este é o terceiro artigo.

Permitam um Parênteses dos Escritos.

Acabei de incluir o Otimismo como uma das métricas do nosso GFB 2.0.

(Agora a sigla que era TBMRC passou a ser BOMTRC, sendo o “O” o Otimismo. Comento mais sobre isso mais adiante.)

E me veio a questão: o otimismo é uma Sensação ou uma Atitude?

Assumo que:

Considero, diferente do Seligman, que o Otimismo é um Sentimento e NÃO uma Atitude.

Qual é a diferença relevante e importante entre Atitude e Sentimento?

Atitude é tudo aquilo que está sobre o meu controle – para aquilo que eu posso dizer sim ou não;
Sentimentos, onde se incluem as emoções e/ou sensações mais rápidas, é algo que vem de dentro para fora sobre as quais o meu controle é menor ou quase nenhum – é feito de forma indireta.

Te pergunto: consigo acordar de manhã e dizer para mim mesmo: agora eu vou ser mais otimista em relação a isso ou aquilo?

Tudo que não consigo diretamente definir é um Sentimento. E tudo aquilo que eu posso atuar diretamente é uma Atitude.

Quando Seligman nos seus livros se refere ao otimismo, a meu ver, ele se confundiu, pois deveria ter chamado de proatividade – uma Atitude Corajosa, vejamos as alternativas:

Uma Atitude Mais Corajosa diante da vida, que pode também ser chamada de Proativa é aquela que procuramos encarar todas as intempéries e problemas como desafios. Tal atitude aumenta nossa Taxa de Otimismo;
Uma Atitude Mais Medrosa diante da vida, que pode também ser chamada de Reativa é aquela que todas as intempéries e problemas são vistas como grandes montanhas inescaláveis. Tal atitude aumenta nossa Taxa de Pessimismo.

O que está a meu alcance é procurar aumentar a minha capacidade de ter Atitudes Mais Corajosas diante da vida, que farão com que minha Taxa de Otimismo suba.

Na lógica de um Guia de Felicidade Mais Forte temos o seguinte:

É bom tomar determinadas atitudes para que possamos reduzir e gerenciar melhor as emoções e sentimentos negativos;
É bom tomar determinadas atitudes para que possamos aumentar a quantidade e permanência das emoções e sentimentos negativos.

Sentimentos Positivos Mais Permanentes se tornam mais comuns, conforme escolho a minha forma de ver a vida e as atitudes mais ou menos corajosas que tomo ao longo dela.

Um Guia de Felicidade – seja ele qual for – nada mais é do que um cardápio com sugestões para que os Sentimentos Positivos Mais Permanentes estejam cada vez mais presentes.

Fechado o parênteses, vou abrir outro.

Fiz uma mudança relevante na nova versão do GFB 2.0 de ontem para hoje.

Mudei as métricas, chamando-as de Conjunturais e Estruturais;
As Conjunturais são agora chamadas de BOMTRC, mudei a ordem para incluir otimismo (acho que ficou melhor);
E criei Métricas Estruturais, que é uma novidade no GFB 2.0, que apresento da seguinte maneira: “As Métricas Estruturais são aquelas que você percebe que com o tempo está deixando um legado transcendente, no qual a sua Singularidade está não só preenchendo um vazio seu, deixando algo para depois que você partiu, que ajude ao Sapiens, de alguma forma, a viver melhor.”
Separemos, então, do por que a separação entre Métricas Conjunturais e Estruturais:

Métricas Conjunturais de Guias de Felicidade – medidas em semanas, meses ou anos, que geram Sentimentos Mais Permanentes Positivos;
Métricas Estruturais de Guias de Felicidade – medidas ao longo da vida que geram Sentimentos Mais Existenciais Mais Positivos.

Eis a nova tabela e a nova sigla:

Métricas Estruturais do GFB 2.0 (medida apenas no médio e no longo prazo):
Como medir melhor o seu Projeto de Felicidade Como medir melhor o seu Projeto de Felicidade de forma mais estrutural? (CLT) (op
Medição
Detalhamento

Completude

A sensação mais ampla e geral de que você está sendo o melhor Sapiens com tudo aquilo que você tinha dentro de você;
Legado
A sensação de que a sua contribuição fica para a melhoria de alguma forma da espécie, independente se será usada ou não por alguém;
Transcendência
A sensação de que algo mais subjetivo depois que você partir.

 

 

 

Mais um Parênteses:
Meu estilo de Conceituação é muito mais Dedutivista do que Indutivista. O que procuro desenvolver são hipóteses iniciais para que possam ser compravdas mais adiante com pesquisas.
Muitos dos autores que lemos, trabalham com pesquisas já feitas para comprovar o que estão dizendo.

Porém, como estamos dentro de uma Renascença Civilizacional, na qual precisamos rever Paradigmas Estruturais, a atitude Dedutivista é a mais adequada.

Por quê?

Precisamos partir de novas premissas para, depois de criar novas hipóteses, aí sim, voltar para as pesquisas.

Muito do que falo por aqui são intuições hipotéticas, principalmente agora no campo da Inovação Pessoal, que para que possam ser consolidadas, aí sim, será preciso um trabalho de indução.

Voltemos agora ao Seligman.
Diria em uma avaliação geral que Seligman tem um grande mérito e alguns defeitos:

O grande mérito – a coragem e a sensibilidade de perceber que a Psicologia (ou a Inovação Pessoal) precisava tomar outro rumo diante de um novo cenário;
Alguns defeitos – um certo descuido na precisão dos conceitos e pouca organização do seu Guia, que dificulta um pouco a sua disseminação.

Dito isso, vamos em frente.

Ele faz uma distinção entre gratificação e prazer.

Tio Chatinho ao me responder sobre a diferença entre gratificação e prazer, me permitiu fazer a seguinte divisão:

Gratificação é algo mais subjetivo, mais mental, mais abstrato, mais de longo prazo;
Prazer algo mais objetivo, mais corporal, mais sensitivo, mais de curtíssimo prazo.

Na Bimodais, dividimos isso em Emoções sempre de curto prazo, Sentimentos Mais Momentâneos ou Mais Continuados.

Vejamos um exemplo:

“Eu me senti super gratificado por ter tirado uma boa nota na prova e, com certeza, vou beber uma cerveja geladinha para comemorar com o maior prazer.”

Seligman acredita que a gratificação está ligada às atividades mais nobres e menos passageiras e o prazer ao cotidiano e aos prazeres mais momentâneos.

Já Bimodalizamos bem a diferença.

E aí entramos em algo bem interessante sobre otimismo e pessimismo.

Diz ele:

“Os otimistas tendem a considerar seus problemas passageiros, controláveis e específicos de determinada situação. Os pessimistas, ao contrário, acreditam que seus problemas vão durar para sempre, vão afetar tudo que fazem e são incontroláveis.”

Vamos ao Tio Chatinho:

Seligman, conhecido por suas contribuições para a psicologia positiva, não afirma que as pessoas nascem otimistas ou pessimistas de forma inata. Em vez disso, ele argumenta que o otimismo pode ser aprendido e cultivado ao longo da vida.

O autor propõe a teoria do “desamparo aprendido”, que sugere que as pessoas podem aprender a se sentir impotentes e desamparadas diante de eventos adversos.

Em contraposição, também desenvolveu a teoria do “otimismo aprendido”, que destaca a capacidade das pessoas de desenvolver uma visão mais positiva da vida e de si mesmas.

De acordo com Seligman, o otimismo aprendido envolve mudar a maneira como interpretamos os eventos, de modo que possamos ver as dificuldades como temporárias e específicas, em vez de permanentes e generalizadas.

Ele argumenta que o otimismo pode ser promovido por meio de técnicas como a identificação e a reestruturação de pensamentos negativos, a prática de gratidão e a busca por soluções ativas para os problemas.

Portanto, embora Seligman reconheça que algumas pessoas possam ter uma predisposição para o otimismo com base em fatores genéticos ou ambientais, ele enfatiza que o otimismo é uma habilidade que pode ser desenvolvida e fortalecida ao longo da vida.

Acho algo meio confuso.

Vejamos a etimologia de Otimismo e Pessimismo, segundo o Tio Chatinho:

“A palavra “otimismo” tem sua origem no latim “optimus”, que significa “melhor” ou “o mais excelente”. O termo “optimus” é o superlativo de “bonus”, que significa “bom”. Portanto, “otimismo” originalmente se referia à crença ou disposição de esperar pelo melhor resultado ou de ver as coisas sob uma luz positiva e favorável.”

A palavra “pessimismo” também tem origem no latim. Ela deriva de “pessimus”, que significa “o pior” ou “o mais desfavorável”, sendo o superlativo de “malus”, que significa “mau” ou “ruim”. Assim, “pessimismo” originalmente se referia à crença ou disposição de esperar pelo pior resultado possível ou de ver as coisas sob uma perspectiva negativa e desfavorável.

Diria que:

O que podemos extrair de tudo isso da conversa de Seligman sobre Otimismo e Pessimismo?

Existe uma tendência genética, Bimodalizando tudo isso, de pessoas que têm mais facilidade ou menos de ter Atitudes Mais Corajosas diante da vida;
Existe uma tendência, a partir da Formatação Básica Obrigatória (FBO), que influencia também a Taxa de Atitudes Mais Corajosas diante da vida;
E, por fim, a possibilidade do uso de Guias de Felicidade para aumentar as Atitudes Mais Corajosas diante da vida.

Geneticamente falando, podemos dizer que os Disruptores tendem a ser mais corajosos e os Incrementadores, menos.

Que o mais importante na FBO é como a família recebe seu filho, que passa a ter algumas possíveis sensações em relação à recepção dos pais com a chegada de cada um ao planeta:

Adoraram – a tendência é que os Problemas Emocionais sejam menores e menos Estruturais;
Ficaram indiferentes – a tendência é que os Problemas Emocionais possam ser mais ou menos Estruturais, conforme o perfil genético;
Detestaram – a tendência é que os Problemas Emocionais sejam maiores e mais Estruturais e ainda mais agravados pelo perfil genético da pessoa.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto discorre sobre o Guia de Felicidade Bimodal 2.0 (GFB 2.0) e sua abordagem singularista, que prioriza o desenvolvimento dos potenciais individuais para gerar bem-estar contínuo. Destaca a ideia de desafios em espiral, em que cada etapa concluída leva à seguinte, refletindo a jornada de desenvolvimento pessoal. O GFB 2.0 é apresentado como uma resposta à crescente complexidade da sociedade, proporcionando uma visão diferenciada que considera a descentralização resultante do avanço digital. Argumenta que, com mais escolhas, surge a necessidade de guias de felicidade mais fortes, capazes de ajudar o Sapiens 2.0 a navegar por esse novo cenário mais complexo. O texto ressalta a importância de adaptar teorias e metodologias de felicidade ao contexto atual, reconhecendo a singularidade e autonomia do indivíduo. No âmbito da inovação pessoal, destaca a disseminação crescente de guias de felicidade e a necessidade de profissionais mais qualificados para lidar com questões emocionais. O GFB 2.0 é apresentado como um guia simples e profundo, dividido em três camadas: Visão, Atitudes e Métricas, que buscam proporcionar uma vida melhor e um bem-estar continuado.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. A chegada de uma nova mídia gera um movimento exponencial de mais descentralização na Civilização.
  2. A descentralização da sociedade aumenta de forma radical as escolhas do Sapiens.
  3. E o aumento das escolhas do Sapiens nos leva a uma forte demanda por Guias de Felicidade Mais Fortes.
  4. Quanto mais gente tivermos no mundo, mais descentralizado terá que ser o Ambiente de Sobrevivência!
  5. O grande desafio dos Profissionais da Inovação Pessoal é oferecer Teorias, Metodologias e Consultorias sobre Felicidade de qualidade em larga escala.
  6. O Sapiens 1.0 teve muito menos chance de ser singular do que tem e terá o 2.0.
  7. A pergunta: onde estou e para onde quero ir está cada vez mais difícil de ser respondida, devido ao aumento exponencial das opções.
  8. É da escolha de bons Guias de Felicidade que dependerá a qualidade de vida do Sapiens 2.0.
  9. A nossa meta no desenvolvimento do GFB 2.0 é unir profundidade com simplicidade.

Vamos ao Artigo:

“Quanto mais escolhas temos na vida, mais precisamos saber para onde queremos ir.” – Roy Bennett.

Permitam um Parênteses dos Escritos:

Tenho desenvolvido o GFB 2.0 e, ao mesmo tempo, tenho utilizado ele na minha vida.

Nossa principal escolha dentro do GFB 2.0 é a sua Abordagem (ou se quiserem viés) Mais Singularista.

Abordagem (ou se quiserem viés) Mais Singularista – aquele que prioriza como os desafios escolhidos dentro de um Guia de Felicidade o desenvolvimento dos Potenciais Singulares de cada pessoa, como gerador de Sensações Permanentes Positivas, gerando um Bem Estar Continuado.

Quando entramos dentro da jornada do GFB 2.0, não temos um desafio final e definitivo, mas um modelo de Desafio em Espiral.

A escolha de Desafios em Espiral significa:

Desafios em Espiral – quando concluímos uma determinada etapa, passamos para a seguinte, tendo consciência que só vamos parar quando não tivermos mais condições físicas e mentais para prosseguir adiante.

Assim, passada a minha fase do estudo do Digital com um foco maior nas organizações percebi que estava desenvolvendo a nova Ciência da Inovação e coloquei uma certa lógica no meu processo de Desafios em Espiral.

Os Desafios em Espiral que eu escolhi me mantêm com uma Taxa de TBMRC lá em cima e me permite viver um Bem Estar Continuado com efeitos positivos em todas as áreas da minha vida.

Fecha parênteses.
Como já virou tradição dentro da Bimodais, na última quarta do mês fazemos uma live e neste dia faço mais uma revisão no nosso Guia de Felicidade Bimodal 2.0 (GFB 2.0).

O Guia faz parte da pesquisa que estamos fazendo há mais de três anos dentro da Ciência da Inovação Pessoal.

A Ciência da Inovação Pessoal é uma das três camadas do nosso Projetão, que é o desenvolvimento da Ciência da Inovação Bimodal – uma das abordagens possíveis no campo da inovação, que contém ainda duas outras camadas: a Civilizacional e a Grupal (onde se encaixam as Organizações tanto formais quanto as informais).

Estamos nesta altura do campeonato na versão 2.1 do GFB 2.0 e a nossa meta é termos uma para ser impressa no final de setembro deste ano, quando faremos o encontro presencial anual da escola em Teresópolis.

Diferente dos demais Guias de Felicidade que circulam no mercado – com cada vez mais frequência devido à demanda – o GFB 2.0 consegue ser único a relacionar as seguintes constatações:

A chegada de uma nova mídia gera um movimento exponencial de mais descentralização na Civilização;
A descentralização da sociedade aumenta de forma radical as escolhas do Sapiens;
E o aumento das escolhas do Sapiens nos leva a uma forte demanda por Guias de Felicidade Mais Fortes.

Assim, constatamos que o boom da conversa sobre Felicidade que temos assistido tem um bom motivo:

O Sapiens 2.0 está meio perdido diante de tantas escolhas que precisa fazer neste novo cenário.

Como está escrito no GFB 2.0:

“A forma mais sustentável e inteligente de lidar melhor com o aumento da Complexidade Demográfica sempre foi e sempre será na ampliação da participação das pessoas tanto nas operações quanto nas decisões!”

A Civilização 2.0, que se inicia com o Digital, nos traz um Ambiente de Sobrevivência DDI – muito mais Dinâmico, Descentralizado e Inovador (DDI).

Lá no GFB 2.0 está escrito:

“O Sapiens 2.0 está tendo que fazer – dentro deste mundo digital mais descentralizado – muito mais escolhas do que teve o 1.0.”

Fato é que na visão do Motor da História Bimodal percebemos o seguinte:

Quanto mais gente tivermos no mundo, mais descentralizado terá que ser o Ambiente de Sobrevivência!;
E quanto mais descentralizado for o Ambiente mais e mais precisaremos de Guias de Felicidade Mais Fortes.

Num mundo com mais escolhas passamos a ter um problema de guia, como diz Bennett:

“Quanto mais escolhas temos na vida, mais precisamos saber para onde queremos ir.” – Roy Bennett.

E aí temos algo interessante se analisarmos a Macro História humana.

O Sapiens vai, aos poucos, ganhando cada vez mais autonomia e o que era referência de “vida melhor ou vida boa” no passado vai ficando obsoleto.

Neste momento de entrada em uma nova Civilização, temos dois movimentos nas reflexões sobre a Felicidade dentro da Renascença Civilizacional Digital:

Por um lado, passamos a resgatar os Conceituadores do passado que abordaram o tema da Inovação Pessoal (em geral filósofos no campo da Felicidade) para absorver Teorias e Metodologias mais adequadas;
E, por outro, adaptamos essas Teorias e Metodologias mais adequadas sobre Felicidade dentro de um novo contexto, questionando antigas abordagens psicológicas, de auto-ajuda e de melhoria pessoal.

É preciso entender que o novo e ainda pouco estudado Sapiens 2.0 tem como grande diferença, o seguinte (algo inédito na Macro História humana):

A possibilidade de atingir Taxas de Singularidade antes impossível para o Sapiens 1.0;
E a possibilidade de que tais Taxas de Singularidade sejam muito mais massificadas na sociedade como nunca antes vista na nossa jornada.

Podemos dizer que:

O grande desafio dos Profissionais da Inovação Pessoal é oferecer Teorias, Metodologias e Consultorias sobre Felicidade de qualidade em larga escala.

O Sapiens 1.0 teve muito menos chance de ser singular do que tem e terá o 2.0.

As oportunidades e escolhas que teve o Sapiens 1.0 fizeram com que os Guias de Felicidade, até o momento, não tivessem:

A qualidade que se exige neste novo cenário;
E a quantidade de pessoas que precisa destes Guias de Felicidade Mais Fortes com mais qualidade.

Temos e teremos cada vez mais na Inovação Pessoal 2.0 (onde se inclui os campos da auto-ajuda, psicologia, Recursos Humanos e similares) as seguintes tendências e desafios:

A disseminação e consumo de cada vez maior de Guias de Felicidade;
O uso de Inteligência Artificial (máquinas que aprendem e decidem com o uso) para ajudar no aperfeiçoamento e massificação dos Guias;
A formação de profissionais de Inovação Pessoal, divididos em dois grandes grupos: os Preventistas (que lidarão com o público geral, com capacidade de uso dos guias de forma mais autônoma com problemas emocionais mais conjunturais) e os Pósventivas (que lidarão com um público particular, que estão incapacitados por algum motivo do uso autônomo dos guias de felicidade com problemas emocionais mais estruturais);
E, por fim, uma especialização cada vez maior dos Inovadores Pessoais (principalmente os Pósventistas) para ajudar nos diferentes e variados problemas emocionais mais estruturais).

O GFB 2.0 pretende ser um guia muito fácil de ser usado.

A nossa meta no desenvolvimento do GFB 2.0 é unir profundidade com simplicidade.

Por isso, adotamos o método universal do desenvolvimento de projetos em três camadas (Para onde? Como fazer? e Como medir?) que dão certo – seja em que área for – aplicando este modelo no GFB 2.0 da seguinte forma:

Visão (Para onde?) – como devemos encarar o desafio da Felicidade nas nossas vidas?;
Atitudes (Como fazer para tornar o projeto de Felicidade escolhido uma realidade?) – quais hábitos devemos criar para ter uma Vida Melhor com um Bem Estar Continuado?;
Métrica – (Como saber que estamos indo bem ou mal?) – quais são as métricas escolhidas para que possamos nos referenciar de como estamos indo?

Na Visão (Para onde?), é preciso, antes de tudo, entender o contexto do cenário geral, a chegada do Sapiens 2.0 e sua demanda emergente por Guias de Felicidades Mais Fortes.

Tendo isso bem amadurecido, caminhamos para os Paradigmas Mais Fortes sobre Felicidade, que fiz a seguinte síntese, que pode ser um rap ou um funk:

A rota do Chuveiro com duas mentes, de dentro para fora com muita singularidade, com uma pitada missionária, atendendo aos vários Eus, de forma Sensitivista, sempre focado no longo prazo.

Para facilitar eis um poema:

Estava eu no Chuveiro,
com minhas duas mentes,
passando um sabonete endogenista,
um shampoo singularista,
olhando para uma janela meio missionária,
quando meus vários Eus,
meio sensitivistas
vieram falar no longo prazo.

Neste poema estão sugestões de escolhas que valem para todos os Sapiens.

Depois disso, é preciso escolher o seu norte e os seus Potenciais Singulares.

Coloquei como novidade para identificar o perfil de cada pessoa para que ela possa se situar um pouco:

Você gosta de começar projetos, organizar projetos ou operar em projetos bem organizados?
Você se vê mais hoje e no futuro como um operador, disseminador ou um conceituador?
Em que fase da sua vida está na segunda (gerando sua própria grana), terceira (já criando alternativas longe do mainstream inicial), quarta (já com independência financeira) ou quinta idade (nos últimos retoques para deixar o seu recado final)?
Quais são as atividades profissionais e de lazer que fazem com que você esqueça do tempo?
Que tipo de relações te fazem muito mais bem do que mal?

Depois disso, caímos para as atitudes.

E aí vamos de novo facilitar a vida.

Vai aí de foco, empatia, honestidade, coragem, empreendedorismo, aprendizado, disciplina e minimalismo?

Isso dá uma sigla:

CHAMEDFE – Coragem, Honestidade, Aprendizado, Minimalismo, Empatia, Disciplina, Foco e Empreendedorismo.

Por fim, chegamos às métricas:

TBMRC – que são os Sentimentos Mais Permanentes que um projeto mais forte de felicidade deve visar: Tranquilidade, Bom Humor, Motivação, Resiliência e Criatividade.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto discute a diferença entre emoções e sentimentos, destacando que as emoções são respostas instintivas e automáticas a estímulos, enquanto os sentimentos são experiências conscientes e duradouras, resultantes da interpretação e reflexão sobre as emoções. Ele enfatiza a importância de desafios de alta qualidade para o cérebro, que estimulam o desenvolvimento de potenciais individuais. Além disso, aborda a ideia de felicidade autêntica, sugerindo que ela está mais ligada a sentimentos duradouros do que a emoções passageiras, e critica a busca por prazeres momentâneos que não promovem o bem-estar a longo prazo. O texto também menciona a necessidade de lidar com a finitude da vida e buscar uma transcendência subjetiva através da potencialização da singularidade. 

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Potencializar ao máximo a minha Singularidade, me tira a sensação de que a minha vida não serviu para nada.
  2. De maneira geral, a atitude mais comum diante da finitude é ignorá-la completamente.
  3. O Sapiens é a única espécie viva que tem consciência da morte.
  4. Um dos elementos fundamentais para viver mais é abraçar e seguir as recomendações de Guias de Felicidade Mais Fortes.
  5. Uma pessoa que tem uma vida melhor é aquela que oferece para a sua mente Desafios de Alta Qualidade.
  6. O que define a qualidade de vida de uma pessoa, assim, está diretamente ligada à qualidade dos desafios que o cérebro enfrenta no seu dia a dia.
  7. O cérebro é, assim, uma espécie de estômago dos desafios que digere aqueles que você coloca dentro dele.
  8. O cérebro respira, assim, desafios o tempo todo. Ele foi feito para ser desafiado.

Vamos ao Artigo:

“Para cada cem artigos de jornal sobre tristeza, apenas um é escrito sobre felicidade.“ Seligman.

Vamos continuar a Bimodalização do livro “Felicidade Autêntica: use a psicologia positiva para alcançar todo seu potencial” de Martin Seligman.

Este é o segundo artigo.

Permitam um Parênteses dos Escritos.

Quando temos contato com um autor, temos dois tipos de inspiração:

Inspiração Direta – vinculada diretamente a algo que você leu, a partir de um trecho lido;
Inspiração Indireta – não vinculada diretamente a algo que você leu, mas um insight que vem a partir do contato com o autor, algo que fica reverberando na sua cabeça.

Dito isto, fecho o parênteses, para falar de uma Inspiração Indireta, que tive lendo e BImodalizando o Seligman.

Vamos partir da seguinte premissa de que cada parte do corpo cumpre uma função na nossa sobrevivência.

Se o pulmão é responsável pela respiração, o cérebro foi feito para nos ajudar a pensar, escolher e decidir.

O cérebro respira, assim, desafios o tempo todo. Ele foi feito para ser desafiado.

Segundo o Tio Chatinho, “um desafio pode ser definido como uma tarefa, objetivo ou situação que requer esforço, habilidade e determinação para ser superado ou alcançado.”

Assim, podemos dizer que:
O cérebro – querendo você ou não – está o tempo todo procurando desafios.

O cérebro é, assim, uma espécie de estômago dos desafios que digere aqueles que você coloca dentro dele.

Viver é estar o tempo todo sendo desafiado de forma mais ou menos radical, conforme a vida que você leva.

O que define a qualidade de vida de uma pessoa, assim, está diretamente ligada à qualidade dos desafios que o cérebro enfrenta no seu dia a dia.

Assim, podemos definir desafios da seguinte forma:

Desafios de Baixa Qualidade, Fracos ou Tóxicos – são aqueles Exógenos, Massificados, Mais Involuntários e Inalcançáveis, que NÃO ajudam no desenvolvimento dos seus Potenciais Singulares;
Desafios de Alta Qualidade, Fortes ou Saudáveis – são aqueles Endógenos, Personalizados, Mais Voluntários e Alcançáveis, que ajudam no desenvolvimento dos seus Potenciais Singulares.

Uma pessoa que tem uma vida melhor é aquela que oferece para a sua mente Desafios de Alta Qualidade.

Dito isso, voltemos ao texto de Seligman.

Seligman explica que pessoas que vivem vidas melhores, de mais qualidade, tendem a viver mais.

Portanto, podemos dizer que:

Um dos elementos fundamentais para se viver mais é abraçar e seguir Guias de Felicidade Mais Fortes.

Por que?

Uma vida boa gera por mais tempo Sentimentos Positivos Estruturais, que têm uma função importante na nossa saúde física e mental.

Seligman faz, como nós também de outra forma, uma separação entre as emoções e sentimentos mais passageiros dos mais permanentes.

Ele detalha:

“A primeira parte deste livro trata dessas emoções positivas passageiras: contentamento, tranquilidade, alegria, prazer, satisfação, serenidade, esperança e euforia.”

Aqui, vamos ter que melhorar isso, pois tá meio bagunçado.

O primeiro passo é definir a diferença entre emoção e sentimento.

Segundo o Tio Chatinho:

“Emoção: emoções são respostas automáticas e instintivas a estímulos internos ou externos. Elas são reações rápidas do sistema nervoso a algo percebido como significativo para a sobrevivência ou bem-estar. As emoções tendem a ser breves e intensas. Exemplos de emoções incluem medo, raiva, alegria, tristeza e surpresa.

Sentimento: sentimentos são experiências conscientes e subjetivas que surgem a partir da interpretação e reflexão sobre as emoções. Eles são mais duradouros do que as emoções e geralmente envolvem uma compreensão mais complexa do contexto emocional. Os sentimentos podem ser influenciados por fatores cognitivos, culturais e sociais. Exemplos de sentimentos incluem amor, gratidão, culpa e nostalgia.”

Deste ponto de vista, podemos dizer que a diferença entre emoção e sentimento é a seguinte, Bimodalizando o Tio Chatinho:

Emoção – algo mais rápido e passageiro, mais automático, que vem do latim emovere, gerar um movimento, que está muito mais ligado às nossas respostas automáticas, tal como medo, surpresa, raiva;
Sentimento – algo mais lento e permanente, menos automático, que vem do latim sentimentum, que vai mais na linha de perceber e experimentar, tal como contentamento, tranquilidade/serenidade, satisfação, esperança, bom humor, motivação, resiliência e criatividade.

Quando falamos em Felicidade, basicamente, estamos mais falando de Sentimentos do que de Emoções.

Ou melhor.

Estamos falando da geração de Sentimentos Positivos Mais Permanentes e de um melhor gerenciamento das Emoções, que são sempre mais passageiras.

Porém, é preciso saber que Sentimentos Positivos ou Negativos podem ser mais Permanentes ou Passageiros.
Posso me sentir mais criativo ao longo de várias décadas ou me sentir mais criativo ao longo de duas semanas.

O mesmo podemos dizer da Motivação.

Posso me sentir motivado em dois dias ou motivado ao longo de várias décadas.

Assim, é preciso adjetivar os Sentimentos, sejam eles Positivos ou Negativos:

Sentimentos Mais de Longo Prazo ou Mais Permanentes – aqueles que se mantém constante na vida de uma pessoa, sejam eles negativos ou positivos;
Sentimentos Mais de Curto Prazo ou Mais Momentâneos – aqueles que se mantém por pouco tempo na vida de uma pessoa, sejam eles negativos ou positivos.

Quando falamos em TBMRC, estamos nos referindo a Sentimentos Mais de Longo Prazo e não de Curto.

E essa separação entre Sentimentos de Longo e de Curto Prazo estarão diretamente ligados à conversa sobre Felicidade. Vejamos a diferença:

A Felicidade Mais Conjuntural é baseada apenas e fortemente em Sentimentos mais Momentâneos e mesmo em algumas Emoções;
A Felicidade Mais Estrutural é baseada mais fortemente e apenas em Sentimentos mais Permanentes e não em Emoções.

Quando Seligman afirma, como já coloquei acima:

“A primeira parte deste livro trata dessas emoções positivas passageiras: contentamento, tranquilidade, alegria, prazer, satisfação, serenidade, esperança e euforia.”

Noto, claramente, uma certa confusão, que vai gerar problemas de compreensão.

Emoções são sempre passageiras, sejam elas positivas ou negativas.

Quando elas são avaliadas, refletidas e permanecem se tornam sentimentos.

Vejamos os exemplos:

“Eu levei um susto quando vi você ontem no meio do mercado.” – Emoção.
“Fiquei com uma sensação de culpa, pois acho que fiz uma brincadeira indevida.” – Sentimento Mais Passageiro.
“Porém, escrevi tudo no meu caderno, aprendi muito e continuo com minha Tranquilidade.” – Sentimento Mais Permanente.

Note que Seligman chama de emoção aquilo que não é necessariamente emoção:

“Contentamento, tranquilidade, alegria, prazer, satisfação, serenidade, esperança e euforia.”

Note que precisamos definir Sentimentos Univalentes e Bivalentes:

Sentimentos Univalentes – não precisam de adjetivação, tal como: prazer, alegria, euforia, que podem durar até horas e sempre são de curto prazo. Não são emoções, pois emoções são instantâneas e bem rápidas, tal como susto, surpresa, que são medidas em minutos;
Sentimentos Bivalentes – precisam de adjetivação, tal como: contentamento, tranquilidade, serenidade e esperança, que podem durar pouco ou muito tempo, conforme a medição.

Uma definição mais clara entre emoção e sentimento faltou a Seligman e depois entre Sentimentos Uni e Bivalentes, que vai definir precisamente se são de curto ou longo prazo.

Não posso dizer que tranquilidade é um sentimento de curto ou de longo prazo, a não ser que possamos situar o contexto:

Longo Prazo: “Estou tendo uma vida mais tranquila, desde que abracei um Guia Mais Forte de Felicidade.”
Curto Prazo: “Toda vez que vou ao Jardim Botânico e vejo as árvores, me sinto mais tranquilo.”

Ele cita, já mudando de assunto:

“Inventamos uma série de atalhos que levam ao bem-estar; drogas, chocolate, sexo sem compromisso, compras, masturbação e televisão são alguns exemplos. (Isso não significa que você deve abandoná-los completamente.)”

Aqui temos um outro problema.

Não podemos falar em bem estar sem adjetivos.

Bem Estar de Curto e de Longo Prazo.

Ele se refere a um bem estar de curto prazo, quando procuro gerar emoções e Sentimentos Mais Momentâneos.
Não acho que o problema seja a droga, sexo ou o rock and roll.

Quando a pessoa está conseguindo praticar um projeto de vida mais significativo, com alta taxa de TBMRC, a tendência é que ela consiga dizer não para determinados desejos que fazem, no longo prazo, mais mal do que bem.

Pode, assim, moderar determinadas vontades, tal como, a de comer chocolate, de beber, de se drogar, de fazer compras, de fazer sexo sem sentido.

O objetivo de um Projeto de Felicidade Mais Forte é justamente permitir que as pessoas possam dizer não com mais facilidade para o que é atrapalhante e sim para ajudante.

Eu diria em resumo que:

Um Projeto de Bem Estar Mais Continuado não baseia o seu epicentro em Sentimentos Mais Momentâneos, mas sim em Sentimentos Mais Permanentes.

Ele comenta:

“A crença de que existem maneiras rápidas de alcançar felicidade, alegria, entusiasmo, conforto e euforia, em vez de conquistar esses sentimentos pelo exercício de forças e virtudes pessoais, cria legiões de pessoas que, em meio a grandes riquezas, definham espiritualmente.”

A afirmação me parece confusa.

Maneiras rápidas de alcançar a felicidade é vago.

Maneiras de alcançar a Felicidade Mais Conjuntural é mais preciso.

As maneiras de alcançar a Felicidade Mais Conjuntural demanda determinados métodos e hábitos, que se baseiam em Projetos de Felicidade Mais Fracos.

Porém, vale dizer:

Todos nós, temos somos obrigados a desenvolver um Guia de Felicidade, criando rituais, hábitos, rotinas, visões que resultam em determinada qualidade de vida.

O que temos são Guias de Felicidade Mais Fracos ou Fortes, que vão determinar o tipo de vida que cada pessoa leva.

Guias de Felicidade Mais Fracos vão estimular sentimentos mais passageiros e não outros mais permanentes.
A pessoa com Guias de Felicidade Mais Fracos vai ficar mais vulnerável a determinados apelos, que podem fazer mais mal do que bem no longo prazo da sua vida.

Quando Seligman fala de “em vez de conquistar esses sentimentos pelo exercício de forças e virtudes pessoais”, ele sugere, Bimodalizando a frase, que se utilize de um novo Guia de Felicidade Mais Forte.

Forças e virtudes pessoais são baseadas em visões e atitudes, que devem estar contidas em Guias de Felicidades Mais Fortes.

Ele diz:

“…cria legiões de pessoas que, em meio a grandes riquezas, definham espiritualmente.”

Aqui, temos uma conversa interessante e cabe um Parênteses dos Escritos.

O Sapiens é a única espécie viva que tem consciência da morte.

Quando falamos em Projetos de Vida Mais Fortes – aqueles em que se tem um Bem Estar Mais Continuado ou uma Vida Mais Boa – OBRIGATORIAMENTE temos que aprender a gerenciar a nossa finitude.

Em outras palavras:

Quem quer ter uma vida melhor, precisa gerenciar, de forma mais adequada, a sua finitude!

De maneira geral, a atitude mais comum diante da finitude é ignorá-la completamente.

Porém, num Projeto de Vida Mais Forte precisamos aprender a lidar com a Finitude, refletindo sobre ela.

Por isso, quando falamos em deixar um legado, no fundo, estamos procurando criar uma forma de nos relacionar melhor com a finitude.

Quando eu passo a desenvolver a minha Singularidade, através de algum tipo de projeto tangível, eu me relaciono melhor com a finitude, pois crio uma sensação positiva de transcendência.

Segundo Tio Chatinho “a transcendência refere-se à ideia de ir além dos limites normais ou usuais, seja física, espiritual, intelectual ou emocionalmente.”
Estar potencializando o máximo a minha Singularidade, me tira a ideia de que a minha vida não serviu para nada. Ou de que depois que eu for embora, nada restará da minha existência.

Muitos apostam a transcendência em coisas objetivas e aí temos uma divisão:

Transcendência Objetiva – aquela em que eu procuro deixar filhos, patrimônio;
Transcendência Subjetiva – aquela em que eu procuro deixar atitudes, conceitos, vivências, trabalhos artísticos.

A Potencialização da Singularidade aposta em uma Transcendência Subjetiva, na qual eu saio da vida com a sensação de que consegui ir mais fundo possível na minha capacidade de ser Sapiens.

A Potencialização da Singularidade me tira uma sensação de vazio, que só aumenta quando as idades vão passando.

Quando temos Projetos de Felicidade Não Singularistas, pode cair a ficha, quando ficamos mais velhos, que não conseguimos ser tudo que poderíamos ter sido.

Voltemos ao texto.

Diz Seligman:

“Emoção positiva desligada do exercício do caráter leva ao vazio, à inverdade, à depressão e, à medida que envelhecemos, à corrosão de toda realização que buscamos até nosso último suspiro.”

Eu não gosto das expressões “Emoção Positiva” e nem de “exercício do caráter “, prefiro Bimodalizar como Sensações Mais Permanentes e Potencialização da Singularidade.

Vejamos como fica a frase:

“Sensações Mais Permanentes baseadas na Potencialização da Singularidade nos tira do vazio, da inverdade, da depressão e, à medida que envelhecemos, à corrosão de toda realização que buscamos até nosso último suspiro.”

O conceito “emoções positivas” é vago, pois é preciso definir se são de curto ou do longo prazo. O exercício do caráter também me parece vago.

Diz o Tio Chatinho:

“O caráter refere-se ao conjunto de traços distintivos e qualidades morais que definem uma pessoa.“

Não faz sentido falar em exercício do caráter, pois seria como falar em alongar o músculo. É preciso definir que músculo estamos falando e de que tipo de alongamento.

Na Bimodais, definimos que a melhor forma de um Sapiens se situar na vida é a Potencialização de sua Singularidade, através de atividades relevantes para a sociedade, o que viabiliza que a atividade se torne permanente.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto apresenta uma análise sobre a abordagem de Martin Seligman na Psicologia Positiva, destacando sua proposta de transição de uma felicidade mais conjuntural para uma mais estrutural. Nepô defende uma nova abordagem para a psicologia que ele chama de Inovação Pessoal. Ele critica a Psicologia 1.0 por focar muito no passado em detrimento do presente e do futuro, argumentando que o autoconhecimento deve ser voltado para aumentar a felicidade.  O texto também discute a necessidade de independência dos clientes na busca pela felicidade, apontando que os sintomas emocionais podem ser minimizados com a adoção de novos paradigmas mais fortes sobre felicidade.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Ambientes de Sobrevivência Mais Centralizados reduzem as escolhas das pessoas e, por sua vez, a demanda de bússolas internas mais consistentes..
  2. O objetivo da Inovação Pessoal – ou se quiserem da Psicologia 2.0 – é o de ajudar na independência dos clientes, dotando-os de Guias de Felicidade Mais Fortes!
  3. Os sintomas – que podem ter causas diversas – podem ser minimizados quando a pessoa passa a ter novos Paradigmas Mais Fortes sobre Felicidade.
  4. Seligman questiona a Psicologia 1.0, pois considera que está centrada em um Sapiens que é muito mais escravo do passado do que deveria.
  5. Não é que o passado não importe, mas o relevante é saber – apesar do passado – o que podemos fazer para viver uma vida boa no presente e futuro.
  6. Seligman acredita que ajudar as pessoas apenas focado em entender o passado é muito pouco produtivo.
  7. A Psicologia 1.0 se perdeu no como e é preciso resgatar o para onde.
  8. As pessoas não querem se autoconhecer por se autoconhecer, mas se autoconhecer para serem mais felizes.

Vamos ao Artigo:

“Nosso conhecimento sobre a construção da felicidade é deficiente.“Seligman.

Vamos começar a Bimodalização do livro “Felicidade Autêntica: use a psicologia positiva para alcançar todo seu potencial” de Martin Seligman.

Seligman é um autor importante para o projeto Bimodal, pois ele percebe a demanda da sociedade por uma mudança profunda de uma Felicidade Mais Conjuntural para uma Mais Estrutural.

E, por causa disso, defende uma nova abordagem para a Psicologia – que Bimodalizamos como Inovação Pessoal.

E aqui vamos operar com uma primeira regra relevante:

Quando temos a centralização dos Ambientes de Sobrevivência, seja ela local ou civilizacional, aumentamos a Taxa da Felicidade Mais Conjuntural;
Quando temos a descentralização dos Ambientes de Sobrevivência, seja ela local ou civilizacional, aumentamos a Taxa da Felicidade Mais Estrutural.

Vejamos a diferença entre as duas Felicidades:

Felicidade Mais Conjuntural – aquela que é praticada e medida mais no curto prazo do que no longo prazo, que podemos chamar de prazeres e alegrias momentâneos, que são, em geral, menos projetadas e conscientes;
Felicidade Mais Estrutural – aquela que é medida mais no longo do que no curto prazo, que podemos chamar de projetos de legados com mais significância, que são mais projetadas e conscientes.

Ambientes de Sobrevivência Mais Centralizados incentivam e abafam as Singularidades das pessoas, tendo como consequência o aumento da Taxa da Felicidade Mais Conjuntural.
Estamos, assim, com o Mundo Digital tendo a exponencial demanda da passagem de uma Felicidade Mais Conjuntural para uma Mais Estrutural.

Ambientes de Sobrevivência Mais Centralizados reduzem as escolhas das pessoas e, por sua vez, a demanda de bússolas internas mais consistentes.

Seligman percebe tudo isso de forma mais Percepcionista do que Padronista.

Seligman ainda opera dentro da Ciência Social 1.0 e não percebe que a sua proposta de uma Psicologia Positiva surge como forte demanda por causa das novas mídias.

Assim, na Bimodalização do seu livro, vamos colher diversos frutos relevantes, mas precisamos fazer duas adaptações importantes:

Se analisarmos apenas do ponto de vista da abordagem tradicional da Psicologia, podemos sugerir a passagem da Psicologia 1.0 para a 2.0, já dentro da Ciência Social 2.0.

Vejamos a diferença das duas Psicologias:

Psicologia 1.0 – que opera teorias e metodologias ainda dentro dos Paradigmas Estruturais da Ciência Social 1.0, ignorando o papel do novo tripé do Motor da História (Demografia-Mídias-Novos Modelos Estruturais de Cooperação);
Psicologia 2.0 – que opera teorias e metodologias já dentro dos Paradigmas Estruturais da Ciência Social 2.0, incorporando o papel do novo tripé do Motor da História (Demografia-Mídias-Novos Modelos Estruturais de Cooperação).

Se analisarmos, entretanto, de forma mais ampla e já dentro da Ciência da Inovação, que substitui a Ciência Social, podemos sugerir o seguinte:

Passar a englobar a Psicologia e todas as Teorias e Metodologias, que visam melhorar a qualidade da Saúde Emocional e Mental das pessoas da Ciência da Inovação Pessoal.

Vejamos o que está no Glossário, até aqui:

Ciência da Inovação Pessoal – visa melhorar a qualidade da Saúde Emocional e Mental das pessoas, através da criação de teorias e metodologias, incorporando do passado tanto os ensinamentos dos Filósofos da Felicidade, quanto dos Psicólogos. É uma das camadas da Ciência da Inovação, sendo a Civilizacional e a Grupal/Organizacional – as outras duas.
Assim, quando se fala em Psicologia, do ponto de vista Bimodal, estamos nos referindo à Ciência da Inovação Pessoal.

A proposta e os argumentos da Psicologia Positiva de Seligman estão muito afinados com as demandas do Sapiens 2.0 por uma Felicidade Mais Estrutural.

Me permitam um Parênteses nos Escritos.

Meu método de leitura tem se aperfeiçoado da seguinte maneira:

Quando leio, não reflito muito, apenas faço marcas para que eu possa aprofundar depois por aqui, junto com os Bimodais;
Com isso, eu acelero a capacidade de ler (ou se quiserem marcar o fundamental) e apenas parar para pensar ao longo dos Escritos do Nepô.

Vamos ao autor.

“Novas pesquisas demonstram que sua cota de felicidade pode ser aumentada e estendida.”

Seligman tem um grande mérito.

Ele une os Conceituadores de Inovação Pessoal do passado com o do presente e do futuro. Hoje, temos um problema da Falácia Meio-Fim no campo da Psicologia.

Na Falácia Meio-Fim alguém confunde os meios com os fins, se concentra nos métodos ou processos (no como) utilizados para atingir um objetivo, em vez de focar no próprio objetivo em si (no para onde).

Quando alguém procura algum tipo de tratamento para melhorar a sua saúde mental e emocional, o que ele demanda:

Não é se conhecer melhor para se conhecer melhor, futucando o passado num projeto sem fim, que dura anos e não muda a sua vida de forma significativa;
Mas é se conhecer melhor para que possa aumentar a sua Taxa de Felicidade tanto a Mais Conjuntural, quanto a mais Estrutural.

Seligman critica bastante a Psicologia 1.0, muito preocupada em ficar futucando o passado e não preparando as pessoas para viver melhor no presente e futuro.

Ele diz, ao comentar determinadas afirmações por Doris Kearns Goodwin, uma renomada cientista política (representante da visão mainstream da Psicologia 1.0):

“Analisando a dedicação de Eleanor em ajudar os negros, pobres e deficientes, Goodwin conclui que foi “para compensar o narcisismo da mãe e o alcoolismo do pai ”. Em momento algum Goodwin considera a possibilidade de que, no fundo, Eleanor Roosevelt fosse movida pela virtude.”

E segue:

“…a bondade tem de estar assentada sobre um motivo oculto e negativo.”

Ele defende que “não existe o menor indício de que força e virtude tenham motivações negativas.”

Seligman questiona a Psicologia 1.0, pois considera que está centrada em um Sapiens que é muito mais escravo do passado do que deveria.

Diria que:

Não é que o passado não importe, mas o relevante é saber – apesar do passado – o que podemos fazer para viver uma vida boa no presente e futuro.

Seligman acredita que ajudar as pessoas apenas focado em entender o passado é muito pouco produtivo.

A sua mensagem principal pode ser sintetizada da seguinte maneira:

A Psicologia 1.0 se perdeu no como e é preciso resgatar o para onde;
As pessoas não querem se autoconhecer por se autoconhecer, mas se autoconhecer para serem mais felizes.

O autoconhecimento que não seja voltado para o aumento da felicidade gera uma co-dependência entre o cliente e o Inovador Pessoal.

Em todas as atividades humanas em que o objetivo não esteja claro, com métricas bem definidas de melhoria de qualidade de vida, se cria um verdadeiro saco sem fundo.

Muito do que vemos hoje na ciência – principalmente no Brasil – é justamente isso: pesquisar por pesquisar e não pesquisar para ajudar os outros a entender e lidar melhor com os fenômenos.

Mais uma regra:

Ambientes de Sobrevivência Mais Centralizados nos levam ao aumento exponencial da Falácia Meio-Fim.
Temos neste caso o aumento de atividades que só servem aos interesses do fornecedor e não dos clientes, que são enrolados pela Falácia Meio-Fim.

Voltemos ao Seligman:

“A psicologia positiva tem três pilares: o primeiro é o estudo da emoção positiva; o segundo é o estudo dos traços positivos, principalmente forças e virtudes, mas também as “capacidades”, como a inteligência e a aptidão física; o terceiro é o estudo das instituições positivas, como a democracia, a família e a liberdade, que dão suporte às virtudes que, por sua vez, apoiam as emoções positivas.”

Bimodalizemos.

No terceiro item, ele se refere aos Ambientes de Sobrevivência e defende aqueles que geram mais descentralização. Seligman deixa claro ao longo do texto que é um Descentralizador.

O que ele chama de Instituições Positivas, no nosso entender, está se referindo as mais Descentralizadoras.

Coloquei no Glossário Bimodal:

Descentralizador – pessoa que tem como viés político a ideia de que Ambientes de Sobrevivência mais Descentralizados são mais sustentáveis para que o Sapiens possa viver melhor.

Seligman na Psicologia Positiva faz uma distinção entre três camadas:

Emoção positiva – sensações conjunturais;
Traços positivos – as atitudes que geram forças e virtudes;
E as capacidades – que são as Singularidades de cada um tal com o tipo de inteligência e a aptidão física particular.

Diz ele:

“As experiências que induzem emoções positivas fazem as emoções negativas se dissiparem rapidamente. As forças e as virtudes, como veremos, funcionam como um escudo contra a infelicidade e as desordens psicológicas.”

Quando temos um Gatilho Estressor que gera emoções negativas, precisamos, por exemplo, procurar caminhar em um lugar calmo para gerar emoções positivas.

Isso é um ping-pong rápido.

Porém, quando ele se refere à forças e virtudes, estamos falando de Atitudes Mais Estruturais.

Atualizei o Glossário Bimodal:

Atitudes Mais Estruturais – aquelas que são reforçadas por hábitos e rituais, que reforçam nosso Projeto de Felicidade Mais Forte, servindo como um escudo para as adversidades e nos guiando nas diferentes encruzilhadas que teremos pela frente.

Ele diz:

“Os melhores terapeutas não curam simplesmente os sintomas; eles ajudam a identificar e construir forças e virtudes.”

Bimodalizo isso da seguinte maneira.

Os melhores Profissionais da Inovação Pessoal não se preocupam apenas com os sintomas, mas vão às causas: uma vida sem um Guia de Felicidade Mais Forte.

E sigo.

Guias de Felicidade Mais Fortes apontam as melhores Visões sobre Felicidade, Atitudes Mais Estruturais e Métricas Mais Consistentes para tornar a vida das pessoas melhor.

Os sintomas – que podem ter causas diversas – podem ser minimizados quando a pessoa passa a ter novos Paradigmas Mais Fortes sobre Felicidade.

O objetivo da Inovação Pessoal – ou se quiserem da Psicologia 2.0 – é o de ajudar na independência dos clientes, dotando-os de Guias de Felicidade Mais Fortes!

Dependendo da profundidade e da complexidade dos sintomas emocionais, a independência pode levar mais ou menos tempo, mas o objetivo é sempre procurar que ela ocorra.

Seligman, talvez inspirado por Abraham Harold Maslow (1908-70) sugere as seguintes camadas:

“…os campos do prazer e da gratificação, segue pelos planaltos da força e da virtude e, finalmente, alcança os picos da realização duradoura: significado e propósito.”

Aqui vou detalhar melhor o que diz Seligman, me antecipando a alguns conceitos que veremos mais à frente.

Temos na nossa vida dois tipos de Sensações:

Sensações Voluntárias e Mais Pontuais – aquelas que eu controlo diretamente, através de algumas ações mais conjunturais;
Sensações Involuntárias e Mais Permanentes – aquelas que eu controlo indiretamente, através de algumas atitudes e hábitos mais constantes e estruturais.

Vejamos a diferença:

Um Projeto de Vida Mais Fraco é marcado por Sensações Voluntárias e Mais Pontuais (alegria e prazeres dos mais variados);
Um Projeto de Vida Mais Forte é marcado por Sensações Involuntárias e Mais Permanentes (Tranquilidade, Bom Humor, Motivação, Resiliência e Criatividade).

Sensações Voluntárias e Mais Pontuais são mais fáceis de serem conseguidas, bastando fazer programas para que elas sejam geradas.

Sensações Involuntárias e Mais Permanentes, entretanto, precisam de um Projeto de Felicidade Mais Forte, que defina Atitudes Estruturais para que elas possam acontecer.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto introduz uma nova abordagem na Metodologia de Conteúdo da Bimodais, explorando diferentes metodologias na Escola Bimodal, como disseminação, formação e sustentação financeira. A mudança proposta inclui avaliar semanalmente as reverberações do conteúdo abordado. O foco principal é a introdução de rituais rotineiros para consolidar atitudes desejadas, como o emprego do empatismo, associado a práticas como escuta ativa, exercícios de imaginação, atos de gentileza e feedback construtivo. Destaca-se a importância de desenvolver uma postura de Certeza Provisória Razoável, permitindo diálogos saudáveis e empáticos, enquanto se reconhece a diversidade de perspectivas e se evita o dogmatismo. O texto conclui com reflexões sobre o aprimoramento da empatia e a prática do altruísmo saudável.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Rituais Rotineiros são aqueles que adotamos para reforçar as atitudes escolhidas.
  2. Para desenvolver o Empatismo, precisamos de um Ritual Rotineiro, que desenvolva o Perdão e o Agradecimento.
  3. No Facilitismo pode se estabelecer o Ritual Rotineiro do Minimalismo, que é jogar frequentemente coisas que não tem utilidade fora.
  4. Nosso Eu Organizativo, tem dentro dele um personagem, que vou chamar de Eu Arrumador, que precisa estar o tempo todo sendo chamado para trabalhar.
  5. Quando eu jogo algo não utilizado fora, o Eu Arrumador desperta de um sonho profundo e o que eu começo a arrumar em “a”, quando vejo, ele está ajeitando algo em “b”.
  6. Diria que a Certeza Provisória Razoável cria a dicotomia com a Certeza Absoluta Incontestável.
  7. A Escuta Ativa deve ser seguida de uma Avaliação Ativa da capacidade do outro em manter um Diálogo Saudável.
  8. Na próxima revisão que fizer no livro “Felicidade 2.0” para cada Atitude Estrutural pensar em um Ritual Rotineiro para que ela se torne cada vez mais presente nas nossas vidas.

Vamos ao Artigo:

“Faça a cada dia algo que o aproxime um pouco mais de um amanhã melhor.“Doug Firebaugh.

Vou introduzir uma novidade hoje na Metodologia de Conteúdo da Bimodais.

Temos na Escola as seguintes variações metodológicas:

Metodologia de Conteúdo da Bimodais – os Escritos do Nepô, o critério de Bimodalização dos livros de outros autores;
Metodologia de Disseminação do Conteúdo da Bimodais – o envio para os grupos, para as Mídias Digitais, o material que vai para o blog, os Mapas Mentais, as Sínteses dos Artigos, o Resumo dos Chatboxes;
Metodologia de Formação dos Bimodais – as imersões semestrais, o grupo de formação dos Mentores de Felicidade, as Mentorias Individuais;
Metodologia de Sustentação Financeira da Bimodais – o pagamento semestral dos Bimodais, as contribuições, via pix.

Vou experimentar no artigo da sexta-feira, quando for o caso, fazer uma avaliação do que tratamos na semana, as reverberações que apareceram.

Isso é uma alteração na Metodologia de Conteúdo, que tem se caracterizado na décima primeira imersão, na maior parte dos artigos, a Bimodalização de Artigos de outros autores.

Um primeiro ponto relevante veio com o artigo “Jogue fora algo todos os dias!”, quando eu sugeri uma rotina periódica para arrumar o ambiente à nossa volta.

Talvez, depois de um período diário, podemos passar para uma rotina semanal ou mensal, conforme cada pessoa.

Porém, me ocorreu algo interessante, que é a seguinte:

A consolidação de determinadas atitudes só se tornam sustentáveis com a criação de determinados Rituais Rotineiros.

Rituais Rotineiros são aqueles que adotamos para reforçar as atitudes escolhidas.

E isso altera a forma de pensar as Atitudes do nosso GFB 2.0.

Para cada atitude seria de bom tom propor criar um Ritual Rotineiro.

Quando comentei no artigo anterior sobre o Ritual do Perdão e Agradecimento, podemos passar a chamar a atitude de Empatismo.

Empatismo é procurar desenvolver a capacidade de se relacionar bem com os outros. Esta é a meta.

Para desenvolver o Empatismo, precisamos de um Ritual Rotineiro, que desenvolva o Perdão e o Agradecimento.

Isso vale para outras atitudes.

No Facilitismo pode se estabelecer o Ritual Rotineiro do Minimalismo, que é jogar frequentemente coisas que não tem utilidade fora.

Quando comecei a praticar o Ritual Rotineiro do Minimalismo fui descobrindo uma série de vacilos que eu estava cometendo em casa.

Nosso Eu Organizativo, tem dentro dele um personagem, que vou chamar de Eu Arrumador, que precisa estar o tempo todo sendo chamado para trabalhar.

Quando eu jogo algo não utilizado fora, o Eu Arrumador desperta de um sonho profundo e o que eu começo a arrumar em “a”, quando vejo, ele está ajeitando algo em “b”.

Assim, podemos dizer que:

Os Rituais Rotineiros servem para manter ativos um conjunto grande de personagens que existem na nossa mente, que precisam ser chamados para trabalhar.

Na próxima revisão que fizer no livro “Felicidade 2.0” para cada Atitude Estrutural pensar em um Ritual Rotineiro para que ela se torne cada vez mais presente nas nossas vidas.

O tema aqui, entretanto, é a Empatia, que nos faz criar o Empatismo, que é a procura de aumentar a nossa empatia pelas outras pessoas.

Empatia, segundo o Tio Chatinho, é:
“A empatia é a capacidade de compreender e compartilhar os sentimentos e perspectivas de outra pessoa. Envolve a habilidade de se colocar no lugar do outro, reconhecendo suas emoções, pensamentos e experiências, sem julgamento. A empatia é fundamental para construir relacionamentos saudáveis, promover a compreensão mútua e demonstrar apoio e solidariedade aos outros.”

Basicamente, quando ele diz “se colocar no lugar do outro” precisamos:

Entender que todos nós somos humanos, sujeitos a não usar bem nossa Mente Secundária;
Pessoas que cometem erros poderiam evitá-los se pudessem usar melhor a sua Mente Secundária, responsável pela revisão da Mente Primária;
Quando se perdoa alguém, não está se perdoando a pessoa, mas a incapacidade dela de usar melhor a Mente Secundária, que é algo que todos nós precisamos aprimorar ao longo de toda a vida;
O agradecimento a todos que nos fazem bem cria um reconhecimento do esforço do outro, que pode ser retribuído por atitudes similares.

Pergunto ao Tio Chatinho a melhor forma de aprimorar a Empatia e ele me diz:

Praticar a escuta ativa: Incentive a pessoa a ouvir atentamente o que os outros têm a dizer, sem interromper ou julgar. Isso ajuda a compreender melhor as emoções e perspectivas dos outros;
Exercitar a imaginação: Incentive a pessoa a se colocar no lugar do outro imaginando como se sentiria em determinadas situações. Isso pode ajudá-la a entender melhor as emoções e experiências dos outros;
Promover a prática da empatia: Incentive a pessoa a praticar atos de gentileza e compaixão no seu dia a dia, como ajudar um amigo em dificuldades ou ser voluntário em causas sociais. Isso pode ajudá-la a cultivar um senso de conexão e empatia com os outros.
Fornecer feedback construtivo: Dê feedback à pessoa sobre suas interações sociais, destacando quando ela demonstra empatia e sugerindo maneiras de melhorar sua capacidade de se relacionar com os outros.

Vamos pensar um pouco sobre tudo isso.

Praticar a escuta ativa: Incentive a pessoa a ouvir atentamente o que os outros têm a dizer, sem interromper ou julgar. Isso ajuda a compreender melhor as emoções e perspectivas dos outros.

Para que isso seja feito, é preciso que você esteja desenvolvendo o Aprendismo, que é uma atitude aberta diante da vida, usando como Ética do Conhecimento a Certeza Provisória Razoável.

Obviamente, que muitas vezes para se estabelecer um Diálogo Saudável os dois lados devem estar abertos para a Certeza Provisória Razoável.

Uma boa tática, sugerida inclusive por vários autores, é aprender a perguntar e criar metodologias para testar o Grau de Dogmatismo do outro lado.

Diz o Tio Chatinho sobre Dogmatismo:

“O dogmatismo é uma atitude mental caracterizada pela adoção inquestionável de certas crenças, ideias ou princípios, sem considerar evidências contrárias ou estar aberto a questionamentos. Uma pessoa dogmática tende a defender suas convicções de forma inflexível, muitas vezes recusando-se a considerar pontos de vista alternativos ou novas informações que possam desafiar suas crenças estabelecidas. O dogmatismo pode limitar o pensamento crítico e impedir o progresso, pois impede a pessoa de explorar diferentes perspectivas e atualizar suas crenças com base em novas evidências ou experiências.”

Diria que a Certeza Provisória Razoável cria a dicotomia com a Certeza Absoluta Incontestável.

A Escuta Ativa não significa que vamos ter uma Conversa Ativa.

A Escuta Ativa deve ser seguida de uma Avaliação Ativa da capacidade do outro em manter um Diálogo Saudável.

Quando os dois lados operam na Certeza Provisória Razoável e desenvolvem Metodologias para se estabelecer um Diálogo Saudável a coisa anda.

O método de um Diálogo Saudável é o seguinte:

Apresentação dos Argumentos por alguém;
Abertura de espaço para a compreensão e consolidação de que todos compreenderam o que foi dito, através da conversa;
Abertura de espaço para levantamento das discordâncias e concordâncias, procurando entender aquilo que é passível de ajustes e o que não haverá concordâncias;
Avaliação final do que as partes aprenderam com o diálogo.

Voltemos ao Tio Chatinho:

Exercitar a imaginação: Incentive a pessoa a se colocar no lugar do outro imaginando como se sentiria em determinadas situações. Isso pode ajudá-la a entender melhor as emoções e experiências dos outros;

Se colocar no lugar do outro implica em:

Entender, de forma razoável, seu papel no mundo, entendendo os diferentes nichos que você pertence;
Compreender que existem outros perfis, de outros nichos;
E ir, aos poucos, praticando o exercício de Catalogação de Perfis para que possa entender como aquela pessoa Paradigma.

Aqui, talvez caiba fazer o Ritual da Catalogação de Perfis, pois isso ajuda não só a você se conhecer cada vez mais, como também as outras pessoas.

Tio Chatinho:

“Promover a prática da empatia: Incentive a pessoa a praticar atos de gentileza e compaixão no seu dia a dia, como ajudar um amigo em dificuldades ou ser voluntário em causas sociais. Isso pode ajudá-la a cultivar um senso de conexão e empatia com os outros.”

Aqui, temos a solidariedade a pessoas que podemos estar passando dificuldade.

Isso exige um grau de análise para que se possa ajudar a quem está num momento difícil e vai se independer, sem que se crie uma relação de co-dependência.

Por fim, diz o Tio Chatinho:

“Fornecer feedback construtivo: Dê feedback à pessoa sobre suas interações sociais, destacando quando ela demonstra empatia e sugerindo maneiras de melhorar sua capacidade de se relacionar com os outros.”

Aqui, vale um Papo Reto.

Quando a pessoa faz com você algo que ela não gostaria que fizessem com ela.

Porém, a pessoa não se toca que te magoou, pois não consegue se colocar no seu lugar.

É preciso, com tudo isso, desenvolver o Pilates da Empatia.

Vejamos aqui as bases do Pilates da Empatia:

Procure conhecer mais os diferentes perfis existente no seu entorno para entender melhor os Paradigmas alheios, incluindo os seus próprios;
Entenda que não é com todo mundo que você poderá ter Diálogos Mais Saudáveis, mas com quem se pode, aprenda técnicas para que isso se torne possível;
Pratique o Altruísmo Saudável é bom, aquele que você não cria a co-dependência dos beneficiados com esse tipo de atitude.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto é um resumo do conceito de “Essencialismo” de Greg McKeown, focando em questões como simplificação, minimização de tarefas, e maximização do foco nas coisas essenciais. Destaca a importância de perguntar sobre os problemas que realmente queremos para nossas vidas e a necessidade de criar rotinas minimalistas. Discute-se também a ideia de alavancar ações para reduzir esforços futuros e a importância de dizer não para aquilo que não contribui para o nosso crescimento pessoal. O texto enfatiza a necessidade de foco e destaca frases de McKeown e outros autores sobre o tema.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Criei uma Rotina Minimalista de todo dia jogar uma coisinha fora.
  2. Quando aliei o Ritual Diário do Perdão e do Agradecimento com o alongamento dos músculos das pernas não deixei mais de esquecer de alongar.
  3. O que posso aprender com os meus erros e os dos outros para que eu não os repita no futuro?
  4. É bom se perguntar o tempo todo sobre nossas rotinas – aquilo que posso deixar de fazer e como tornar mais fácil o que faço?
  5. Acredito que esse espírito Facilitista é algo interessante nos fazendo sempre nos perguntar: como isso pode ser muito mais fácil ao longo do tempo?
  6. Criei um alarme anti-reclamação dentro de mim e quando me pego reclamando, logo me policio “pare de reclamar” e me pergunto: o que aprendi com aquela situação?
  7. Quando não estamos desenvolvendo nossos Potenciais Singulares, abre-se um vazio existencial, que precisa ser preenchido com alguma coisa.
  8. Quem tem um Projeto de Felicidade Mais Forte tem mais facilidade de focar no que é mais importante e vice-versa.

Vamos ao Artigo:

“Precisamos estar dispostos a nos perguntar: “ Que problema realmente queremos para nossas vidas?” – McKeown.

Vamos terminar com este artigo a Bimodalização do livro “Essencialismo: A disciplinada busca por menos ” de Greg McKeown.

Este é o terceiro artigo sobre o livro. Fizemos antes uma Bimodalização do segundo livro dele, “Sem Esforço”.

Antes de começar, deixa eu fazer um Parênteses nos Escritos:

Diferente das outras Camadas da Inovação, a Inovação Pessoal permite que eu possa testar as sugestões das melhores condutas que proponho por aqui.

Sim, a ideia aqui está longe de ser propor para outros o que você não faz na sua própria vida.

Por isso, não só eu procuro, como nas outras camadas, uma lógica, mas ver como isso reverbera na minha vida.

Um segundo ponto é o seguinte.

Quatro diagnósticos são importantes para nos situarmos diante de um Guia de Felicidade para entender as Conjunturalidades e as Estruturalidades de alguém.

Podemos situar as Estrutarilidades da seguinte maneira:

Grau de Inquietude – a demanda por desafios, que define o perfil mais ou menos inquieto da pessoa;
Grau de Disruptividade – a demanda por projetos novos ou lidar com ambientes bagunçados.

Podemos situar as Conjunturalidades da seguinte maneira:

Perfil da Idade – que vai da primeira à quinta, sempre tendo como referência a capacidade de autonomia de sobrevivência;
Perfil de Atividades Profissionais – identificamos três grandes atividades, que são os Conceituadores (que criam conceitos), Disseminadores (que disseminam os conceitos existentes) e Operadores (que operam os conceitos existentes).

Detalhemos agora os Perfis de Idade:

Primeira – até a pessoa começar a ter condições de sobreviver com seus próprio recursos;
Segunda – até a pessoa já estar sobrevivendo com seus próprios recursos;
Terceira – escolhas na vida que se afastam de forma mais radical das primeiras escolhas;
Quarta – a pessoa conseguir não precisar depender mais de clientes externos;
Quinta – a fase final na qual estamos nos preparando para deixar os últimos legados e ir embora.

É importante que possamos ter uma visão mais ampla da nossa vida, tal como um Plano Quinquenal de Vida.

O Plano Quinquenal de Vida faz com que possamos pensar nossa existência em ciclos de cinco anos, nos situando nos diferentes ciclos tal como mudanças de Perfil Profissional e nos Perfis de Idade.

Dito isso, vamos em frente para fechar a Bimodalização do McKeown.

Primeiro, quero destacar algumas mudanças na minha rotina, a partir da leitura dos livros de McKeown.

Criei uma Rotina Minimalista de todo dia jogar uma coisa fora.

Note que não é uma mega arrumação, mas um ritual de se desfazer de algo todos os dias.

O que acho positivo ao me desfazer todo dia de algo?

Todo dia algo no seu ambiente vai ser analisado e alterado, o que nos coloca despertos e não relaxados diante do nosso em torno;
Não há a possibilidade de jogar algo fora e não arrumar, de alguma forma, aquele canto que aquilo estava;
Acabamos descobrindo coisas que podem ser úteis e que estavam ignoradas na desarrumação.

Passei a chamar isso de Ritual Minimalista Diário.

Eu iniciei por uma gaveta e ao mesmo tempo que ia escolhendo o que jogar fora, comecei a pensar num uso melhor do que ia ficar e não ia ser jogado fora.

O exercício do Ritual Minimalista Diário nos permite muscular a Mente Primária nos tornando mais conscientes do nosso em torno.

Não precisa ser muita coisa, apenas uma coisinha por dia, já é o suficiente.

Isso nos torna mais resilientes, inclusive, para outros tipos de mudanças, tal como a dos Paradigmas.

Criar rituais, inclusive, é uma das propostas de McKeown que eu já fazia, mas não dava este nome.

É bom dar nome aos bois em tudo que fazemos na vida.

Aqui criei o Ritual Diário do Perdão e do Agradecimento tanto aos que nos ajudam hoje e nos ajudaram ontem, bem como, nos perdoar e perdoar a quem nos fez mal recentemente ou no passado.

Faço o Ritual Diário do Perdão e do Agradecimento quando alongo meus músculos todos os dias de manhã.

Quando aliei o Ritual Diário do Perdão e do Agradecimento com o alongamento dos músculos das pernas não deixei mais de esquecer de alongar.

No Ritual Diário do Perdão e do Agradecimento o que faço?

Agradeço a todos que me ajudaram a chegar onde cheguei, principalmente meus pais, que já faleceram, mas também a todos que no dia anterior estiveram comigo e demonstraram algum tipo de carinho;
E perdoo também as pessoas por não usarem de forma mais adequada a Mente Secundária, bem como a mim mesmo, pelos erros do passado e os mais recentes.

Isso faz com que eu agradeça as pessoas e fique mais atento ao que recebo de atenção e carinho todos os dias, aumentando com tudo isso minha capacidade de resiliência comigo e com os outros.

Percebo os meus equívocos e nos outros e passo a encarar tudo isso como parte integrante do jogo e fico sempre me perguntando:

O que posso aprender com os meus erros e os dos outros para que eu não os repita no futuro?

Outro ponto que gostei e adotei do McKeown foi a proposta geral do Facilitismo.

É bom se perguntar o tempo todo sobre nossas rotinas – aquilo que posso deixar de fazer e como tornar mais fácil o que faço?

Dei um upgrade aqui, por exemplo, nas listas de divulgação dos meus artigos no Whatsapp de mais de dez para apenas duas – o que reduziu bastante o trabalho de divulgação.

Por fim, estou muito mais atento para quando faço reclamações.

Criei um Alarme Anti-reclamação dentro de mim e quando me pego reclamando, logo me policio “pare de reclamar” e me pergunto: o que aprendi com aquela situação?

(Alarme Anti-reclamação – ferramenta interna que nos permite observar que estamos reclamando e procurar transformar isso em aprendizado.)

Dito isso, vamos concluir a análise do McKeown.

Ele fala um pouco do papel – que vou Bimodalizar aqui – da Ação Alavanca.

Segundo o Tio Chatinho:

“A alavanca é uma das máquinas simples mais importantes e fundamentais da física e da engenharia. Sua importância reside em sua capacidade de amplificar a força aplicada para mover ou levantar objetos.”

Na verdade, o epicentro do Facilitismo é o de ampliar a força para reduzir o esforço, usando alavancas subjetivas na nossa vida pessoal.

Fiz aqui nesta linha, por exemplo, um projeto para minha geladeira.

A geladeira é pequena e eu precisava pensar em lugares e recipientes específicos para os alimentos – o tempo para achar algo e preparar a salada estava maior do que eu gostaria.

Desenhei o projeto, fui comprar os recipientes e, depois disso, ganhei bastante tempo ao preparar o almoço e a janta.

O projeto geladeira foi um exemplo típico de Ação Alavanca, deu um trabalhinho na entrada e evitou um trabalho maior ao longo do tempo.

Lembro ainda da presilha na parte debaixo da porta que coloquei para que não batesse com o vento, algo comum aqui no condomínio, que venta bastante.

E ainda o esforço que fiz de colocar um filtro na torneira que evitou que eu precisasse comprar um garrafão de água quinzenalmente.

São Ações Alavanca que foram feitas uma vez e evitaram que problemas repetidos se perpetuassem.

Acredito que esse espírito Facilitista é algo interessante nos fazendo sempre nos perguntar: como isso pode ser muito mais fácil ao longo do tempo?

Diz ele:

“Sem dúvida, o trabalho árduo é importante. Porém, mais esforço não gera necessariamente mais resultado. “ Menos porém melhor ”, sim.”

Ele sugere que fiquemos atento ao que é vital e o que não é:

“A distinção entre as “ muitas coisas triviais ” e as “ poucas vitais ” pode ser aplicada a todo tipo de realização humana.”// “De acordo com essa lei, alguns esforços produzem exponencialmente mais resultados do que outros.”

Um mantra de McKeown, dentro do seu Minimalismo das Atitudes, é o constante aprendizado de dizer não para tudo aquilo que não faz parte da nossa caminhada.

Eu Bimodalizo isso:

Se você não diz sim para a sua Singularidade, você não consegue dizer não para ninguém.

Diz ele:

“Muita gente capaz é impedida de chegar a um nível mais alto de contribuição porque não consegue abandonar a crença de que tudo é importante.”

Na verdade, digo o seguinte:

Quando entramos em um Projeto de Pesquisa da Singularização, vamos, ao mesmo tempo, criando o nosso universo e vai aumentando, aos poucos, a nossa capacidade de dizer não.
Quando não estamos desenvolvendo nossos Potenciais Singulares, abre-se um vazio existencial, que precisa ser preenchido com alguma coisa.

Ele se pergunta:

“Você já conviveu com alguém que está sempre tentando encaixar só mais uma coisinha nas 24 horas do dia ?”

E afirma:

“A realidade é que, por definição, dizer sim a uma oportunidade exige dizer não a várias outras.”

E aí entramos na questão do foco, que chamamos de Foquismo.

Não existe o foco que cai do céu. O foco é o resultado de um Projeto de Felicidade Mais Forte, que gera projetos de Singularização.

Diz ele:

“Sim, foco é algo que temos. Mas também é algo que produzimos.”

Quem tem um Projeto de Felicidade Mais Forte tem mais facilidade de focar no que é mais importante e vice-versa.

Frases de McKeown:

“Uma pequena vitória concreta dá impulso e aumenta a fé no sucesso futuro.”

“A rotina é uma das ferramentas mais poderosas para remover obstáculos.” Sem ela, a atração das distrações não essenciais nos domina. “

“A maioria dos indivíduos criativos logo descobre qual é seu melhor ritmo para dormir, comer e trabalhar e obedece a ele mesmo quando é tentador fazer outra coisa.”

Frases de outros:

“Faça a cada dia algo que o aproxime um pouco mais de um amanhã melhor.” – Doug Firebaugh.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Os Mapas Mentais do Artigo:

 

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto introduz a discussão sobre a bimodalização do livro “Psicologia positiva: uma mudança de perspectiva” de Evandro Borges, abordando inicialmente a necessidade de questionar conceitos tradicionais como Filosofia e Psicologia diante da Renascença Civilizacional Digital. Explora-se a transição de um momento civilizacional normal para um extraordinário, onde se propõe a criação de novos paradigmas estruturais para enfrentar os desafios da Civilização 2.0. O texto defende a adjetivação dos conceitos de felicidade e bem-estar, destacando a importância para uma compreensão mais precisa. Questiona a eficácia da Psicologia Positiva em lidar com os desafios da era moderna, propondo uma migração da Psicologia para o campo da Inovação Pessoal. Argumenta que a Psicologia Positiva é uma abordagem inicial na tentativa de superar a crise da Psicologia, porém ainda precária, propondo a criação de uma Ciência da Inovação Pessoal mais abrangente e integradora.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Da mesma forma, que a Inteligência Artificial é uma macrotendência futura, diria que a explosão exponencial de guias da felicidade no campo da Inovação Pessoal é também.
  2. O Sapiens 2.0 precisa de guias mais fortes de felicidade para que possa enfrentar seus novos desafios.
  3. A sugestão é migrar a Psicologia para o campo da Inovação Pessoal, criando, simplesmente, uma nova ciência.
  4. A dicotomia Bem Estar e Felicidade é ruim, enganosa e atrapalhante.
  5. A Psicologia Positiva é uma proposta ainda meio tosca da profunda revisão que a Psicologia terá que passar diante da Civilização 2.0.
  6. O ideal na batalha pela Inovação Pessoal é que as pessoas consigam de forma mais autônoma seguir os Guias de Felicidade Mais Fortes.
  7. Precisamos de um campo mais amplo e mais abrangente, que mais ajuda do que atrapalhe nessa jornada humana por vidas melhores.
  8. O que ocorre é que estas sugestões de vida melhores acabaram encalhando nas praias dos clubinhos fechados da Filosofia e da Psicologia.

Vamos ao Artigo:

Ignorar anomalias é manter-se cego às oportunidades do avanço científico.” – Thomas Kuhn.

Hoje começamos a Bimodalização do livro “Psicologia positiva: uma mudança de perspectiva” de Evandro Borges.

Permitam um primeiro Parênteses dos Escritos.

Parece estranho e fora de propósito, a princípio, alguém questionar conceitos ou campos de estudos tradicionais como Filosofia ou Psicologia como tenho feito por aqui.

Aqui, entretanto, isso se torna normal e natural, pois dentro da Ciência da Inovação Civilizacional conseguimos enxergar a Renascença Civilizacional Digital.

O que é isso?

O Sapiens, de tempos em tempos, promove uma Guinada Civilizacional, que é um ajuste entre uma determinada Complexidade Demográfica menos para uma mais complexa.

Se adaptarmos as ideias de um dos nosso Padrinhos, Thomas Kuhn (1922-96), podemos dizer que vivemos hoje uma Macro Anomalia dos Paradigmas da Civilização 1.0 e precisamos criar, em vários campos, os novos Paradigmas Estruturais da Civilização 2.0.

Isso afeta, principalmente, a Ciência Social geral, bem como, as Ciências Sociais correlatas.

Vivemos, assim, ainda inspirados em Kuhn, a passagem de um Momento Civilizacional Normal para um Momento Civilizacional Extraordinário.

Uma Renascença Civilizacional, fenômeno recorrente, tem a função de criar novos Paradigmas Estruturais para que possamos viver em novas Eras Civilizacionais.

Assim, o que parece meio loucura ou totalmente estranho em um Momento Civilizacional Normal, vai ser considerado natural, se olharmos do ponto de vista do Momento Civilizacional Extraordinário.

A Filosofia, por exemplo, é filha da Renascença Civilizacional da Escrita Manuscrita, quando os conceituadores gregos passaram a utilizá-la.

Tanto que Sócrates (470-399 a.C.) se recusou a usar a escrita e preferiu apenas falar e discursar.

Portanto, questionar, como faço neste artigo a Ciência Psicologia faz parte deste momento em que tudo se abre para esse tipo de revisão.

Permitam agora um segundo Parênteses dos Escritos.

Tenho dito que um dos meus Tapetes de Aladim (Estado de Fluxo) é justamente o prazer de organizar Ambientes de Diálogos confusos, que mais atrapalham do que ajudam.

Posso dizer para vocês que neste caso a Psicologia está nestas condições, principalmente, todo o embate entre a Psicologia Positiva e a tradicional.

Há ali sensações que fazem sentido, mas as conclusões e propostas precisam ser melhoradas.

Fecha parênteses.

Vamos ao texto.

Borges, logo no prefácio, afirma que:

“O tema central da psicologia positiva não é a felicidade, mas o bem-estar. O conceito de felicidade é subjetivo e não pode ser aplicado a todos, uma vez que cada indivíduo possui sua própria percepção de mundo.”

Aqui temos falhas lógicas na frase de Borges: “O conceito de felicidade é subjetivo”.

Sim, e eu diria que o de Bem Estar também. E por isso temos que aprofundar um pouco a diferença entre os dois.

Bem Estar e Felicidade se enquadram no que podemos chamar de Conceitos Corriqueiros, de largo uso, que precisam, quando vão ser tratados de forma mais científica, serem adjetivados.

O que nos diz o Tio Chatinho sobre a diferença entre os dois?

“Felicidade e bem-estar são conceitos relacionados, mas não são idênticos. Aqui estão as principais diferenças entre eles:

Felicidade: a felicidade é geralmente considerada uma emoção ou um estado emocional positivo e subjetivo. Envolve sentir prazer, contentamento, alegria e satisfação com a vida. A felicidade pode ser influenciada por eventos específicos, circunstâncias externas, relacionamentos, conquistas pessoais, entre outros fatores. É mais imediata e pode flutuar ao longo do tempo.

Bem-estar: O bem-estar é um conceito mais abrangente e holístico, que engloba diferentes aspectos da vida de uma pessoa. Geralmente é dividido em bem-estar subjetivo, bem-estar psicológico e bem-estar social. O bem-estar subjetivo refere-se à avaliação subjetiva que uma pessoa faz de sua própria vida, incluindo sentimentos de felicidade, satisfação e significado. O bem-estar psicológico inclui aspectos como autoestima, autonomia, resiliência e autoaceitação. Já o bem-estar social envolve qualidade dos relacionamentos interpessoais, apoio social e senso de pertencimento.

Em resumo, enquanto a felicidade se concentra mais em sentimentos positivos e emoções momentâneas, o bem-estar aborda uma perspectiva mais ampla e duradoura do estado de vida de uma pessoa, incluindo aspectos emocionais, psicológicos e sociais.”

Vamos ver o que nos diz o Tio Gemini:

“Diferença entre felicidade e bem-estar:

Embora muitas vezes usados como sinônimos, felicidade e bem-estar são conceitos distintos com algumas nuances importantes:

1. Foco:

Felicidade: Emoção intensa e fugaz, relacionada a momentos específicos de alegria, contentamento e satisfação. É um estado psicológico subjetivo e momentâneo.

Bem-estar: Estado mais amplo e duradouro, que engloba a felicidade, mas também outros aspectos como: Saúde física e mental, segurança, satisfação com a vida em geral, sentido de propósito, relacionamentos saudáveis e realização pessoal.

2. Duração:

Felicidade: Vem em ondas, podendo durar segundos, horas ou dias. É passageira e influenciada por eventos externos.

Bem-estar: É um estado mais constante e duradouro, mesmo que oscilações ocorram. É construído ao longo do tempo e depende de hábitos e escolhas.

3. Medição:

Felicidade: Difícil de medir objetivamente. Questionários e escalas subjetivas podem ser usados para avaliar a percepção individual de felicidade.
Bem-estar: Mais fácil de mensurar. Indicadores como PIB per capita, Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e Esperanza de vida podem ser usados para avaliar o bem-estar de uma população.
4. Busca:

Felicidade: Muitas vezes vista como um objetivo final, algo a ser perseguido incansavelmente. Essa busca pode gerar frustração e infelicidade.

Bem-estar: Envolve um processo contínuo de autoconhecimento, desenvolvimento pessoal e busca por uma vida com mais significado e propósito.

Em resumo:

A felicidade é como um raio de sol que ilumina a vida, enquanto o bem-estar é como um clima ameno e agradável que nos permite aproveitar cada dia com mais plenitude.

Ambos são importantes para uma vida plena, mas a busca pelo bem-estar pode ser mais gratificante e sustentável a longo prazo.

Exemplos:

Felicidade: Ganhar na loteria, se casar com o amor da sua vida, receber uma boa notícia. Bem-estar: Dormir bem, se alimentar de forma saudável, praticar atividades físicas, ter relacionamentos saudáveis, se sentir realizado no trabalho, ter um senso de propósito na vida.”

Vejamos o dicionário online o conceito felicidade:

“Sensação real de satisfação plena; bem-estar. Estado de contentamento, de satisfação; júbilo. Condição da pessoa feliz, satisfeita, alegre, contente; alegria.”

Aqui, temos claramente um problema de adjetivação, que é bem comum em conceitos muito usados e que acabam sendo evitados.

Note que para demonstrar a confusão eu pergunto ao Tio Gemini a diferença entre Alegria e Felicidade, eis a resposta:

“Alegria: Emoção intensa e efêmera, como um pico de felicidade. É uma explosão de contentamento e júbilo. Felicidade: Emoção mais suave e duradoura. É um estado de satisfação e bem-estar mais constante. Duração: Alegria: Passageira e fugaz. Dura segundos, minutos ou horas, dependendo da intensidade do estímulo. Felicidade: Mais duradoura, podendo durar dias, semanas ou até meses. É um estado mais persistente.”

Já o Tio Chatinho nos diz:

“Alegria: Refere-se a um estado emocional de contentamento, prazer ou satisfação momentânea. A alegria pode ser causada por eventos específicos, como encontrar um amigo querido, alcançar um objetivo ou experimentar algo agradável. É uma emoção transitória e pode ser mais efêmera do que a felicidade. Alegria é frequentemente associada a momentos de prazer ou realização pessoal. Felicidade: É uma condição mais duradoura e abrangente de bem-estar emocional e satisfação com a vida como um todo. A felicidade pode incluir sentimentos de alegria, mas vai além disso, incorporando um senso geral de propósito, significado e contentamento com a vida. Está mais relacionada à percepção de como a vida está indo, em vez de apenas emoções momentâneas.”

Quando eu peço aos chatboxes a diferença entre Felicidade e Alegria, a Felicidade deixa de ser de curto prazo e passa a ser um bem estar de longo prazo – o que demonstra claramente a confusão do uso dos dois termos.

A melhor forma de evitar confusão entre Conceitos Batidos é adjetivá-los.

(Conceitos Batidos ou Corriqueiros – muito usados e que precisam de adjetivações para que possam ser aplicados de forma mais adequada, tal como felicidade, bem estar e egoísmo.)

Não podemos, por exemplo, falar em egoísmo sem colocar logo em seguida os adjetivos tóxico e saudável, como nos ensinou uma de nossas Madrinhas, Ayn Rand (1905-1982).

Pelo que vimos no detalhamento acima, os dois chatboxes consideram o seguinte (algo que vamos discordar mais à frente):

Felicidade são sensações que nos invadem no curto prazo;
E Bem Estar passa a ser sinônimo de longo prazo.

Podemos perguntar para alguém se ela está se sentindo bem, se está com um bem estar e ela responder que sim, pensando apenas naquela semana.

O termo de Felicidade e Bem Estar precisam, assim, de adjetivações para um uso mais interno e científico dos mesmos:

Felicidade Mais Conjuntural – de curto prazo, que seria o Bem Estar Conjuntural;
Felicidade Mais Estrutural – de longo prazo, que seria o Bem Estar Estrutural.

Em ambos os casos, vamos precisar dos adjetivos Conjuntural (de curto prazo) e Estrutural (de longo prazo).

Sim, temos usado o termo Felicidade sem adjetivos, neste caso, é um Conceito Mais de Sala.

Vejamos a diferença entre Conceito de Sala e Cozinha:

Conceitos de Sala – menos explicativos, mais abertos, utilizados em um público mais geral, com menos demanda de clareza mais científica em momentos que não se tem muito tempo para um detalhamento maior, como em palestras ou em áudios e vídeos mais curtos;
Conceitos de Sala – mais explicativos, mais fechados, utilizados em um público mais especializado, com mais demanda de clareza mais científica em momentos que se tem mais tempo para um detalhamento maior, como em cursos ou em áudios e vídeos mais longos.

Sob este ponto de vista, Felicidade e Bem Estar sem adjetivações são mais Conceitos de Sala e como adjetivações de Cozinha.

Nós usamos o conceito Felicidade sem adjetivos, mas deixamos claro, quando temos mais tempo para explicações, de que se trata da procura da Felicidade e do Bem Estar Estrutural, de longo prazo, e não da Felicidade ou do Bem Estar Conjuntural, de curto.

Quando Borges diz:

“O tema central da psicologia positiva não é a felicidade, mas o bem-estar.”

Podemos traduzir que o objetivo do que ele quer expressar é gerar uma sensação positiva no longo prazo – uma Felicidade (ou um Bem Estar) Mais Estrutural do que Conjuntural.

Dessa forma, podemos dizer que:

A dicotomia Bem Estar e Felicidade é ruim, enganosa e atrapalhante.

Na sequência, o próprio Borges usa o conceito de “Felicidade Plena”:

“A felicidade plena, a meu ver, é um estado mental que depende de fatores internos e externos, como relacionamentos positivos que agreguem emoções positivas, como alegria, coragem, motivação, inspiração, sentimento de ser acolhido e amparado, dentre outros.”

Felicidade Plena é a Felicidade Mais Estrutural de longo prazo.

A Psicologia Positiva, assim, quer propor Teorias e Metodologias para que possamos ter uma Felicidade Estrutural de longo prazo.

Obviamente, que o Ambiente de Diálogo está bagunçado e precisa de ajustes.

O que coloquei no Glossário Bimodal sobre Felicidade, a partir destas reflexões:

Felicidade – estado de bem estar que pode ser visto e avaliado no curto Felicidade Mais Conjuntural e no longo Felicidade Mais Estrutural. Nosso GFB 2.0 visa ajudar em ambos os casos, mas principalmente no segundo.

Quando defendemos a ideia de um Guia da Felicidade Bimodal 2.0 está implícito que estamos nos referindo à Felicidade Mais Estrutural do que a Felicidade Mais Conjuntural.

E se formos falar de Bem Estar, nos referimos a um Bem Estar Continuado e não Momentâneo.

Mudemos de assunto.

Diz Borges:

“O conceito de felicidade é subjetivo e não pode ser aplicado a todos, uma vez que cada indivíduo possui sua própria percepção de mundo.”

Aqui vamos esbarrar no problema da nossa relação com a realidade.

Sim, todos temos percepções diferentes, mas existem coisas que são comuns a todos.

Se você pular da janela do décimo andar, você pode ter a percepção de que dá para pular, mas a realidade vai te mostrar que esta percepção é inadequada.

O que nós temos de diferente uns dos outros não é a percepção, mas Singularidades.

O objetivo da Ciência da Inovação Pessoal é justamente o de sugerir percepções, ou Paradigmas como prefiro, que levem as pessoas a terem vidas melhores. E que tais sugestões sejam adaptadas às Singularidades de cada pessoa.

Paradigmas (ou percepções) são criados para serem testados e avaliados se estão adequados para a nossa compreensão e relação com a realidade.

O papel das ciências é nos ajudar a entender e lidar melhor com os fenômenos, evitando que determinadas percepções sejam utilizadas, pois mais atrapalham do que ajudam.

Questionando Borges eu modifico a frase dele da seguinte forma:

“O conceito de felicidade é subjetivo e não pode ser aplicado a todos, uma vez que cada indivíduo possui sua própria percepção de mundo.”

Sugestões mais fortes sobre uma vida mais feliz podem ser aplicadas a todos, desde que se deixe claro que cada um vive em determinados contextos e com a sua Singularidade – o que exige adaptações.

E aqui temos um impasse na conversa sobre felicidade, pois há uma visão de que cada um tem a sua e não se pode sugerir nada para ninguém.

O que é um erro.

É preciso separar duas coisas Sugestões Gerais sobre Felicidade das Adaptações Específicas da Felicidade, vejamos:

Sugestões Gerais sobre Felicidade – recomendações de visão, atitudes e métricas que foram se mostrando mais consistentes ao longo do tempo;
Adaptações Específicas da Felicidade – a partir das Sugestões Gerais sobre Felicidade, as adaptações que cada pessoa fará, a partir do seu contexto e das suas Singularidades.

Todos temos uma percepção de mundo, um caminho a ser trilhado, mas existem teorias e metodologias que, se bem usadas, podem ajudar a todos, independente das suas idiossincrasias.

Podemos seguir determinados Guias de Felicidade Mais Fortes, que nos ajudam a ter estilos de vida que funcionaram mais do que os outros.

Outro assunto, já dentro do contexto do título.

O tema do livro de Borges é a Psicologia Positiva.

A Psicologia Positiva, segundo Tio Chatinho é:

“A Psicologia Positiva é uma área da psicologia que se concentra no estudo e promoção dos aspectos positivos da experiência humana, como felicidade, bem-estar, resiliência e qualidade de vida. Em vez de se concentrar apenas nos problemas e patologias, como fazem algumas abordagens tradicionais da psicologia, a Psicologia Positiva busca entender o que faz as pessoas prosperarem e florescerem. Essa abordagem foi popularizada pelo psicólogo Martin Seligman na virada do século XXI. Ele propôs que a psicologia deveria se concentrar não apenas em corrigir as deficiências e patologias, mas também em cultivar as virtudes e forças humanas. Assim, a Psicologia Positiva investiga temas como gratidão, otimismo, engajamento, relacionamentos positivos e propósito de vida. Essa área da psicologia se tornou bastante influente, tanto na pesquisa acadêmica quanto na aplicação prática em áreas como aconselhamento, coaching, educação e desenvolvimento organizacional. O objetivo geral da Psicologia Positiva é promover uma vida mais satisfatória, significativa e gratificante para as pessoas.”

Qual é o problema que vejo aqui?

A Psicologia – uma nova ciência contemporânea – surgiu com a mesma intenção de antes, da época de Sócrates e anteriores, melhorar ainda mais o trabalho dos filósofos “os médicos da alma” na direção de gerar um Bem Estar Continuado.

É o que nos diz o Tio Chatinho:

“A psicologia como disciplina formal surgiu no final do século XIX, embora suas raízes remontem a tempos antigos com filósofos como Sócrates, Platão e Aristóteles que exploraram questões relacionadas à mente e ao comportamento humano. No entanto, foi no século XIX que a psicologia começou a se desenvolver como uma disciplina científica distinta. Wilhelm Wundt, frequentemente considerado o pai da psicologia moderna, fundou o primeiro laboratório de psicologia experimental em Leipzig, Alemanha, em 1879. Desde então, a psicologia tem evoluído e se ramificado em várias escolas de pensamento e áreas de especialização.”

A batalha do ser humano para viver vidas mais plenas, significativas e saudáveis, portanto, NÃO começou com a Psicologia, mas há milênios atrás.

Quando alguns Conceituadores começaram a conversa da Psicologia Positiva, na verdade, estão propondo – de alguma forma – o resgate das antigas propostas de sugestões de vida melhor.

A Psicologia Positiva é uma proposta ainda meio tosca da profunda revisão que a Psicologia terá que passar diante da Civilização 2.0.

Diz Borges:

“A grande maioria das grades curriculares que hoje integram os cursos superiores de psicologia estão atreladas às teorias do início do Século XX, enquanto que a psicologia aplicada na prática se faz necessária para pessoas do Século XXI. E isso é um desafio para qualquer psicólogo. Como podemos, então, utilizarmos de ferramentas tão antigas em tempos modernos e globalizados onde a informação corre na velocidade da luz?”

O que a Psicologia Positiva diagnostica bem a crise da Psicologia e o que ela não resolve bem como solução?

A Psicologia Positiva identifica bem o problema limitante da atual Psicologia (que seria Negativa) de apenas pensar neste campo de forma pósventiva, na cura das “doenças psicológicas” na vida das pessoas;
Porém, sugere a criação de um novo ramo da Psicologia, que tem um nome inadequado, deveria ser Preventiva, e não propõe de forma explícita um resgate dos conceituadores do passado que se dedicaram à felicidade e o bem estar;
Por fim, ainda opera com a Ciência Social 1.0 e não enxerga a Guinada Civilizacional que estamos passando, a Ciência Social 2.0, que demanda o surgimento da Ciência da Inovação Pessoal.

A Psicologia Positiva é o início da tentativa de superar a crise da psicologia, mas de forma ainda precária.

Se eu digo que vou criar a Psicologia Positiva estou me opondo a que? A Psicologia Negativa, certo?

Pela lógica, passaríamos a ter a Psicologia Positiva e a Psicologia Negativa.

A “Psicologia Negativa” é aquela que parte dos problemas e a Psicologia Positiva partiria para evitar que as pessoas tenham problemas.

O que é algo estranho.

O que temos, na verdade, são duas abordagens quando pensamos nas duas Psicologias do jeito que está no livro de Borges:

A Psicologia Preventiva (e não Positiva) – que oferece uma série de Teorias e Metodologias para que as pessoas possam levar vidas melhores de forma autônoma e independente;
A Psicologia Pósventiva (e não Negativa) – que oferece Teorias e Metodologias para aqueles que NÃO conseguem levar vidas melhores de forma autônoma e independente.

Assim, é falsa a dicotomia entre a Psicologia Positiva e a Negativa, sendo uma apoiadora da outra.

Quando alguém, por exemplo, abraçar e seguir um Guia da Felicidade de forma autônoma, ele pode contar com apoio de Profissionais da Inovação Pessoal preventivos;
Quando alguém, por exemplo, NÃO consegue abraçar e seguir um Guia da Felicidade de forma autônoma, ele pode contar com apoio de Profissionais da Inovação Pessoal Pósventivos.

O ideal na batalha pela Inovação Pessoal, entretanto, é que as pessoas consigam de forma mais autônoma seguir os Guias de Felicidade Mais Fortes.

O que temos, assim, na verdade, no novo campo da Ciência da Inovação Pessoal são diferentes abordagens dos Guias de Felicidade Mais Fortes.

Note, assim, que estou aqui questionando não só a dicotomia Psicologia Positiva versus Negativa, mostrando que é Preventiva e Pósventiva, mas não só isso.

Introduzo a proposta mais ampla de rever a Ciência Psicologia.

A sugestão é migrar a Psicologia para o novo campo da Ciência da Inovação Pessoal, criando, simplesmente, uma nova ciência, de forma mais ampla e completa. Vantagens:

A Ciência da Inovação Pessoal é um subcampo de algo maior que é a Ciência da Inovação (que substitui a Ciência Social), na qual temos a Ciência da Inovação Civilizacional, que nos ajuda a entender de forma mais clara o contexto;
A Ciência da Inovação Pessoal abarca todos os Conceituadores do presente e do passado que tiveram foco na melhoria da qualidade de vidas das pessoas, separando-os em preventivos e pósventivos (exclusivo dos ex-psicólogos);
E a ideia de que é necessário a criação de diferentes Guias de Felicidade, a serem escolhidos a critérios dos clientes, para que as pessoas possam ter vidas mais adequadas neste novo conceito de um Ambiente Civilizacional mais descentralizado e, portanto, com muito mais escolhas.

Acredito que a ideia de um campo de estudo denominado Psicologia, nesta altura do campeonato, mais atrapalha do que ajuda!

Proponho migrar a Psicologia para o campo da Inovação Pessoal, que é muito mais abrangente, complementar, facilitando em muito o resgate histórico dos antigos conceituadores do passado.

Por quê?

Note que desde o início dos tempos, o tema de vidas melhores e mais felizes vem sendo tema dos principais pensadores.

Tudo isso não pode ser perdido.

O que ocorre é que estas sugestões de vida melhores acabaram encalhando nas praias dos clubinhos fechados que se tornaram a Filosofia e a Psicologia. Vejamos:

Quando alguém fala em Felicidade é papo de Filosofia e auto-ajuda e não de psicólogos;
Quando alguém fala em depressão, neurose e problemas de todos os tipos é papo de Psicólogo e não de projetos de Felicidade não conhecidos, fracos ou mal utilizados.

Todos os pensadores do passado, onde se incluem Filósofos e Psicólogos, tiveram e têm apenas uma meta: ajudar as pessoas a terem vidas melhores. Certo?

Precisamos de um campo mais amplo e mais abrangente, que mais ajuda do que atrapalha nessa jornada humana por vidas melhores.

Sim, podemos dizer que as propostas de Sócrates, por exemplo, por vidas melhores, estava dentro da ideia de levar as pessoas a inovar na vida pessoal. Assim como tudo que Freud e seus seguidores propuseram depois.

A Ciência da Inovação Pessoal é uma proposta de um novo Ambiente de Diálogo, que une, de forma mais adequada, filósofos, psicólogos e vários outros conceituadores e profissionais que têm como missão levar vidas melhores para as pessoas.

A Ciência da Inovação Pessoal resgata Teorias e Metodologias do passado e do presente e as une em um campo único, dividido apenas entre as ações preventivas e pósventivas.

Qual a diferença?

Guias de Felicidade são gerados para que possam servir de bússola para a vida das pessoas de forma autônoma e independente.

Inclusive para amplo uso, desde cedo pelas crianças.

Quando alguém não conseguir abraçar determinado guia, de forma autônoma, que é uma ferramenta preventiva, pode recorrer a um especialista para uma ação pósventiva.

Sim, teremos diversas abordagens dentro da Ciência da Inovação Pessoal, que serão diferenciadas pelos Guias de Felicidade propostos.

Profissionais da Ciência da Inovação se diferenciam pelos Guias propostas, que vão ser considerados mais fracos ou mais fortes.

Os Guias de Felicidade se dividem e se dividirão, conforme respondemos a seguinte questão: que atividades um Sapiens deve fazer, independente das suas particularidades, para ter uma vida mais plena no longo prazo?

A Bimodais, por exemplo, respondeu a esta questão, defendendo que a principal missão do Sapiens, independente do seu perfil particular, é procurar desenvolver, ao máximo, o seu Potencial Singular.

Temos, portanto, aqui dentro da Ciência da Inovação Pessoal Bimodal um viés Singularista, que se reflete no nosso GFB 2.0.

Nós optamos pela linha Singularista proposta por Mihaly Csikszentmihalyi (1934-2021), que defende que o Sapiens deve procurar aquilo que o deixa em Estado de Fluxo.

O Estado de Fluxo, segundo ele, interpretação nossa, ocorre quando as pessoas conseguem colocar para rodar o seu Potencial Singular.

Borges se pergunta:

“Como podemos, então, utilizarmos de ferramentas tão antigas em tempos modernos e globalizados onde a informação corre na velocidade da luz?”

Sim, a resposta que ele sugere ainda não é a ideal, mas já aponta a necessidade de uma revisão geral da Psicologia.

Na Ciência da Inovação, concordo com ele, precisamos: “uma compreensão mais ampla de “saúde mental”, ao invés do modelo tradicional de “doença mental”.”

Na verdade, é preciso dividir em duas etapas as atividades.

Os Profissionais da Inovação Pessoal devem sempre procurar gerar a independência de seus clientes para que eles usem sozinhos os Guias da Felicidade.

Quando não conseguem, precisam de abordagens mais profundas, pósventistas, sempre com o foco de ajudar ao uso autônomo dos Guias da Felicidade.

Veja o que diz Seligman um dos principais conceituadores da Psicologia Positiva:

“O tema da psicologia positiva deveria ser a felicidade, que o principal critério para a mensuração da felicidade seria a satisfação com a vida e que o objetivo da psicologia positiva era aumentar essa satisfação com a vida.”

Diz Borges, ainda na falsa dicotomia Felicidade/Bem Estar:

“O autor reavalia tais concepções e então chega a conclusão de que atualmente o tema central da psicologia positiva deva estar focado no bem-estar, que o principal critério para a mensuração do bem-estar é o florescimento, e que o objetivo da psicologia positiva é aumentar esse florescimento. A psicologia Positiva é, portanto, uma mudança de perspectiva do modelo tradicional de psicologia. Ela nasce de uma necessidade de se investigar as origens da saúde, ao invés de buscar o que há de “doente” nas pessoas.”

Nada melhor do que a citação acima para definir a Inovação Pessoal Preventiva.

E ainda esta que vai abaixo:

“Aqui o foco seria a potencialização do que ainda há de saudável no indivíduo, explorando suas forças pessoas, ao passo que a outra alternativa seria a de minimizar o que há de “doente”.”

Ele se pergunta:

“Seria a depressão apenas uma consequência da presença de aspectos negativos na vida do indivíduo, ou seria também decorrente da ausência de aspectos positivos?”

Sim, o que temos hoje na sociedade é o isolamento da ideia de Felicidade Estrutural, como algo menor e sem importância, retirando todo o ensinamento do passado nesse campo.

É preciso resgatar tudo isso e disseminar estas Teorias e Metodologias para que se reduza a necessidade do papel dos Profissionais da Inovação Pessoal Pósventivas.

Termino o texto assim.

O Sapiens 2.0 precisa de guias mais fortes de felicidade para que possa enfrentar seus novos desafios.

Hoje, os “médicos da alma” estão muito mais preocupados em resolver os problemas de guias fracos de felicidade e não criar guias mais fortes para que isso não ocorra.

Da mesma forma, que a Inteligência Artificial é uma macrotendência futura, diria que a explosão exponencial de guias da felicidade no campo da Inovação Pessoal é também.

É isso, que dizes?

 

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto aborda a continuação da análise do livro “Essencialismo: a disciplinada busca por menos” de Greg McKeown, enfocando a construção de um Guia de Felicidade Bimodal 2.0. Destaca a importância da escolha com o uso da mente secundária. O texto discute a relação entre descentralização do ambiente de sobrevivência, escolhas na vida e projetos de felicidade mais fortes. Também aborda a distinção entre essencialismo e singularidade, destacando o minimalismo como uma ferramenta para alcançar a singularidade. Sugere-se o uso do diário como uma forma de exercitar a mente secundária e lidar com crises. O texto finaliza com frases de autores diversos e reflexões sobre escolhas, estratégia e conhecimento.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Quanto mais um Ambiente de Sobrevivência é descentralizado, mais escolhas passamos a ter na vida.
  2. Não existe a possibilidade de escolher entre “a” e “b” se não temos critérios internos consistentes e adequados para saber de onde estamos e para onde vamos.
  3. Todos nós temos na vida, querendo ou não, algum tipo de Projeto de Felicidade, o que varia é a qualidade dos mesmos.
  4. Um Mentor da Felicidade não vai, assim, te ajudar a ter um Projeto de Felicidade, mas sugerir revisões neste que você já tem.
  5. O Essencialismo é uma ferramenta para que possamos colocar para rodar nosso projeto de singularidade e não o contrário.
  6. O Sapiens, na nossa visão, não quer ser essencial, mas singular.
  7. Temos recomendado FORTEMENTE o uso da escrita para fazer uma espécie de Pilates da Mente Secundária.
  8. O que torna o Sapiens mais Sapiens é a sua capacidade de Singularização.

Vamos ao Artigo:

“Estratégia é fazer escolhas, é abrir mão, é escolher deliberadamente ser diferente.” –  Michael Porter.

“Estratégia é fazer escolhas, é abrir mão, é escolher deliberadamente ser diferente.” – Michael Porter.

Vamos continuar Bimodalização do livro “Essencialismo: A disciplinada busca por menos ” de Greg McKeown.

Este é o segundo artigo sobre o livro. Fizemos antes uma análise completa do segundo livro dele, “Sem Esforço”.

Repito: gostei bem mais do primeiro do que do segundo.

Note algo importante.

Para construir nosso Guia de Felicidade Bimodal 2.0 temos Bimodalizado um conjunto enorme de autores do passado e do presente.

Queremos extrair deles Teorias e Metodologias que nos ajudem a fazer o melhor guia possível, complementando nosso grande desafio atual: o desenvolvimento da Ciência da Inovação Bimodal, nas suas três camadas:

Civilizacional – como o Sapiens inova na Macro-História e em que momento estamos nessa jornada?
Grupal – como o Sapiens inova em atividades grupais e o que pode ser feito dentro do atual contexto?
Pessoal – como o Sapiens inova na sua vida pessoal e o que pode ser feito dentro do atual contexto?

Comecemos a presente Bimodalização de McKeown com o papo de escolha.

“Costumamos pensar que a escolha é uma coisa, mas na verdade é uma ação. Não se trata apenas de algo que possuímos, mas de algo que fazemos. Essa experiência me levou à compreensão libertadora de que, embora nem sempre tenhamos controle sobre as opções, sempre temos controle sobre qual delas escolhemos.”

O interessante aqui é entender que podemos escolher menos ou podemos escolher mais.

A escolha tem uma Taxa que varia, conforme utilizamos a Mente Secundária.

Quanto mais usamos a Mente Secundária e refletimos sobre nossos Paradigmas da Mente Primária, mais escolhas temos (e vice-versa);
Quanto menos usamos a Mente Secundária e pouco refletimos sobre nossos Paradigmas da Mente Primária, menos escolhas temos.

Quem se deixar levar pela Mente Primária, em uma vida mais Zecapagodada, reduz a taxa de escolhas.

Uma pessoa Zecapagodada é aquela que mais deixa a vida levar ela e não cria critérios próprios para mais levar a sua vida.

Diria até que:

O GFB 2.0 é uma tentativa de antídoto contra o Zecapagodamento das pessoas.

Aqui, podemos aplicar a regra da relação escolhas e topologia do Ambiente de Sobrevivência, segundo a Ciência da Inovação Bimodal:

Quanto mais um Ambiente de Sobrevivência é descentralizado, mais escolhas passamos a ter na vida;
Quanto mais um Ambiente de Sobrevivência é centralizado, menos escolhas passamos a ter na vida.

E aí passamos a ter outra regra na relação das Topologias do Ambiente de Sobrevivência com os Projetos de Felicidade:

Quanto mais escolhas passamos a ter na vida, em função de um Ambiente Mais Descentralizado, mais temos a demanda por Projetos de Felicidade Mais Fortes;
Quanto mais um Ambiente de Sobrevivência é Centralizado, menos temos a demanda por Projetos de Felicidade Mais Fortes.

A explosão exponencial da conversa sobre a Felicidade que temos visto hoje no Mundo Digital pode ser explicada pela Descentralização Civilizacional que estamos vivendo.

A Civilização 2.0 tem como marca principal um exponencial aumento da descentralização e, por sua vez:

Um aumento, na mesma proporção das escolhas do Sapiens;
E, como consequência, as demandas por Projetos de Felicidade Mais Fortes.

Não existe a possibilidade de escolher entre “a” e “b” se não temos critérios internos consistentes e adequados para saber de onde estamos e para onde vamos.

O aumento da Taxa de Opções na Civilização 2.0 gera uma urgente e obrigatória necessidade da criação de projetos de Felicidade Mais Fortes.

E aqui temos uma novidade na nossa Narrativa Bimodal.

Todos nós temos na vida, querendo ou não, algum tipo de Projeto de Felicidade, o que varia é a qualidade dos mesmos.

Todo mundo cria critérios para fazer as suas escolhas e a bússola desses critérios são os Projetos de Felicidade que estão dentro de cada pessoa.

Assim, você não vai escolher um Guia de Felicidade, mas revisar aquele que existe dentro de você para saber se ele está te ajudando ou te atrapalhando!

Projetos de Felicidades Mais Fortes nos permitem escolher melhor e, como diz McKeown, passamos a ter:

“O poder invencível de escolher ter escolha.”

Quanto mais desenvolvermos um Projeto de Felicidade Mais Forte, mais as escolhas melhoram de qualidade e mais escolhas passamos a ter.

Um Mentor da Felicidade não vai, assim, te ajudar a ter um Projeto de Felicidade, mas sugerir revisões neste que você já tem.

Num Projeto de Felicidade Mais Inconsciente ou Mais Fraco fazemos escolhas menos conscientes – o que nos faz ser levados pelo fluxo dos outros.

Um dos problemas de uma vida de baixa qualidade de felicidade, é não focar na nossa Singularidade e querer ser bom em tudo.

Diz ele:

“Vemos que essa compulsão por fazer mais é uma cortina de fumaça.”

E aqui cabe uma definição importante na divisão dos diferentes Guias de Felicidade.

Existem algumas questões fundamentais que vão dar o tom nos diferentes Guia de Felicidade:

O que torna o Sapiens mais Sapiens?
O que só o Sapiens pode fazer e as outras espécies não podem?
O que no final das nossas vidas podemos dizer que cumprimos, o máximo possível, com nossos potenciais?

Todos os Guias de Felicidade vão variar, conforme as respostas das perguntas acima.

McKeown, por exemplo, acredita que o que torna o Sapiens mais Sapiens é fazer o essencial, ser Essencialista. Repare que é uma resposta fraca para esta pergunta forte.

A Bimodais vai na outra linha.

O que torna o Sapiens mais Sapiens é a sua capacidade de Singularização.

Procurar fazer escolhas melhores é uma das Atitudes Estruturais de um Projeto Forte de Singularização, mas não é o foco principal.

O que nos diz o Tio Chatinho sobre isso:

“Quando alguém confunde os meios com os fins, é comum referir-se a essa confusão como “meio-fim” ou “falácia meio-fim”. Isso ocorre quando alguém se concentra nos métodos ou processos utilizados para atingir um objetivo, em vez de focar no próprio objetivo em si. Em outras palavras, uma pessoa pode se perder nos detalhes do processo e acabar esquecendo qual é o propósito final ou objetivo maior. Esse conceito é importante em diversas áreas, incluindo gestão, psicologia, e filosofia, pois ressalta a importância de manter o foco nos resultados desejados, em vez de se prender aos meios para alcançá-los.”

A Falácia Meio-Fim, assim, pode ter dois problemas:

Falácia Meio-Fim por falta de reflexão sobre o Fundamental – quando se sai fazendo as coisas sem um norte;
Falácia Meio-Fim por escolha equivocada do Fundamental – quando até se pensa, mas se tem uma avaliação equivocada da Essenciologia da Fenômeno.

A resposta Bimodal para a questão “O que torna o Sapiens mais Sapiens?” é a Singularidade e não a Essencialidade.

Quando alguém diz que é preciso focar no Essencial é preciso, por razões lógicas, definir o que é essencial.

Por isso, gostei mais do segundo livro de McKeown do que o deste primeiro.

O segundo livro foi mais Metodológico com sugestões de atitudes, este primeiro peca na questão Essenciológica do Sapiens.

O Sapiens, na nossa visão, não quer ser essencial, mas singular.

Como nos ensinou Mihaly Csikszentmihalyi (1934-2021):

Quando o Sapiens está cumprindo a sua nobre missão de potencializar a sua Singularidade, o corpo e a mente agradecem com Sensações Positivas.

Diria mais:

A potencialização da Singularidade, entretanto, é uma pesquisa continuada e progressiva, pois:

O contexto muda e nós temos que nos adaptar;
Nós aprendemos com o tempo e mudamos;
E nós, querendo ou não, envelhecemos e mudamos.

Quando não estamos desenvolvendo a nossa Pesquisa Continuada e Progressiva da Potencialização da Singularidade, as coisas não vão tão bem.

Por quê?

Determinadas sensações positivas que poderiam estar invadindo nossa mente e corpo não vêm.

Quando definimos a métrica do TBMRC, procuramos justamente definir estas Sensações Positivas, que todo mundo almeja: Tranquilidade, Bom Humor, Motivação, Resiliência e Criatividade.

O TBMRC sobre quando, de forma continuada, quando estamos tocando de forma proativa nossa Pesquisa da Singularidade.

Num projeto de vida sem o foco na Singularidade, fazemos muito de qualquer coisa e pouco ou nada de forma excepcional.
Nosso Eu Criativo passa a não mais ser desafiado a dar o máximo que ele consegue e, aos poucos, de tanta raiva ele vai ficando preguiçoso e gerando Sensações Negativas.

Nestes casos, a pessoa diz sim e não de forma invertida:

Uma pessoa que conduz um Projeto de Felicidade Mais Forte aprende a dizer muito mais não para os outros e muitos mais sim para ele mesmo;
Uma pessoa que conduz um Projeto de Felicidade Mais Fraco aprende a dizer muito mais sim para os outros e muito mais não para ele mesmo.

Diz McKeown ao defender o Essencialismo:

“Passamos a examinar o ambiente com novos olhos, indo atrás das poucas coisas vitais e eliminando com entusiasmo as muitas triviais.”

Sim, mas o essencialismo pelo essencialismo não nos leva a lugar nenhum.

O Essencialismo é uma ferramenta para que possamos colocar para rodar nosso projeto de singularidade e não o contrário.

McKeown, na verdade, quando fala do Essencialismo, está sugerindo uma atitude Minimalista, mas não só em relação às coisas, mas à própria vida.

O Essencialismo McKeownliano nada mais é do que um Minimalismo Existencial!

Porém, o Minimalismo não pode ser visto como um fim, mas como meio para que possamos cumprir nossa jornada de Singularização.

O Minimalismo, assim, se divide em:

Minimalismo de Consumo – consumir apenas aquilo que precisamos;
Minimalismo de Posse – ficar apenas com aquilo que realmente usamos e descartar o que não;
Minimalismo de Atividades – realizar atividades que realmente nos agreguem algo positivo.

No livro de McKeown as coisas ficaram um pouco emboladas.

Repito:

Minimalismo e Essencialismo são ferramentas na direção da Singularidade e não o fim de um projeto de vida.

Papo de Diário.

Diz ele:

“Uma das maneiras mais óbvias e eficazes de se tornar jornalista da própria vida é , simplesmente, manter um diário.” // “Pense no diário como um dispositivo de armazenamento para fazer backup do disco rígido defeituoso do cérebro.” // Evite escrever muitos até que o registro diário se torne um hábito.”

Temos recomendado FORTEMENTE o uso da escrita para fazer uma espécie de Pilates da Mente Secundária.

Escrever faz uma musculação da Mente Secundária.

Algumas descobertas recentes sobre isso.

No Diário de Bordo da Rotina sugiro colocar na agenda e escrever uma vez por semana, nem que seja um parágrafo e publicar em algum lugar.

A publicação de trechos do Diário de Bordo da Rotina responsabiliza o texto e obriga o autor a caprichar e não divagar.

Sugiro, entretanto, separar em dois rituais distintos:

O Ritual do Diário da Rotina – que deve ser feito com planejamento e regularidade específica, este com vistas à publicação;
O Ritual do Diário da Crise – que deve ser feito quando temos um Fator Estressor, este com vista a reduzir os efeitos das sensações negativas, que vêm com a crise.

Uma novidade que surgiu na mentoria com o David Afonso foi a seguinte:

O Ritual Diário da Rotina é feito pelo Eu Criativo com o foco no nosso Projeto de Singularidade Principal;
O Ritual Diário da Crise é feito pelo Eu Organizativo com o foco no suporte ao Eu Criativo para que ele continue produtivo e nas crises nas quais se perde o foco do nosso Projeto Principal de Singularidade.

Frases:

“Meu primeiro ato de livre-arbítrio será acreditar no livre-arbítrio.” – William James;
“Sem grande solidão , nenhum trabalho sério é possível.” – Pablo Picasso;
“Onde está o conhecimento que perdemos com informações ? – T.S. Eliot;

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

“O texto destaca a importância da escolha consciente de um “Guia de Felicidade” para alcançar um bem-estar continuado na vida das pessoas, enfatizando a Potencialização da Singularidade como um caminho para isso. O autor discute a disseminação de Guias da Felicidade através do convencimento ou atração, e critica a abordagem do Essencialismo de McKeown, argumentando que a singularização deve ser o objetivo principal em vez de simplesmente focar no essencial.”

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Todos os Sapiens, de forma consciente ou inconsciente, optam por um determinado Guia de Felicidade .
  2. Uma vida com um bem estar continuado – na nossa opinião – é aquela que caminhamos na direção da Potencialização da nossa Singularidade.
  3. Apostamos que as pessoas que escolherem o GFB 2.0 conseguirão Taxas de Bem Estar maiores dentro da Civilização 2.0.
  4. O trabalho de Mentores da Felicidade, seja de que Guia da Felicidade for, não pode ser de convencimento, mas de atração.
  5. Se você não tem um Guia de Felicidade Forte é um problema seu, mas se quer ter um é problema nosso!
  6. O Sapiens 2.0 terá que ter Guias de Felicidade muito Mais Fortes do que o 1.0, pois terá que escolher muito mais.
  7. Teus Cachorrinho Internos balançam, ou não, o rabinho para as atividades que você faz ou vai fazer na direção de cada vez mais Singularidade?
  8. Quanto mais escolhas temos que fazer na vida, mais nos obriga a saber para onde queremos ir.

Vamos ao Artigo:

“Se não estabelecermos prioridades, alguém fará isso por nós.” – McKeown.

Vamos começar Bimodalização do livro “Essencialismo: A disciplinada busca por menos ” de Greg McKeown.

Este é o primeiro artigo sobre o livro.

Nos artigos anteriores, Bimodalizamos o segundo livro dele e, por ter sido tão bom, resolvi analisar o primeiro.

Na verdade, McKeown lançou o “Essencialismo” com uma proposta geral de visão de vida dentro da Inovação Pessoal e o “Sem Esforço” vai mais na linha das atitudes.

Confesso que gostei mais do segundo do que do primeiro.

E aqui temos uma discussão interessante.

Dentro do Guia de Felicidade 2.0 da Bimodais, podemos dizer o seguinte – e isso é uma escolha:

Uma vida com um bem estar continuado – na nossa opinião – é aquela que caminhamos na direção da Potencialização da Singularidade.

A Potencialização da Singularidade tem as seguintes vantagens, do ponto de vista do Bem Estar Continuado na vida das pessoas:

Cria um senso de propósito;
Nos permite subir com frequência nos nossos Tapetes de Aladim;
E, com isso, Gera Energias Positivas, aumentando a Taxa do TBMRC (Tranquilidade, Bom Humor, Motivação, Resiliência e Criatividade).

Note que:

Todos os Sapiens, de forma consciente ou inconsciente, optam por um determinado Guia de Felicidade ou, se quiserem, da procura de teorias e metodologias para o aumento da Taxa de Bem Estar.

É bom dizer que:

Você já escolheu um Guia de Felicidade, resta saber o seguinte:

Foi mais ou menos consciente?
O Guia de Felicidade que você escolheu é mais Forte ou Mais Fraco?
Te trará mais ou menos Felicidade?

O que estamos propondo com o GFB 2.0 é:

Uma escolha mais consciente e menos inconsciente;
Um tipo de abordagem dentre outras tantas possíveis;
Dentro da nossa abordagem a escolha da Potencialização da Singularidade como eixo central – algo cada vez mais demandando na Civilização 2.0.

Apostamos que as pessoas que escolherem o GFB 2.0 conseguirão Taxas de Bem Estar maiores dentro da Civilização 2.0.

A escolha de um Guia de Felicidade de forma mais consciente, entretanto, não pode ser uma imposição, mas sempre uma escolha de cada pessoa.

Por isso, o trabalho de Mentores da Felicidade, seja de que Guia da Felicidade for, não pode ser de convencimento, mas de atração.

(Mentor da Felicidade – um profissional da Inovação Pessoal que dissemina determinado Guia da Felicidade.)

Como nos ensina – e nós adaptamos do pessoal do Alcoólicos Anônimos (AA):

Se você não tem um Guia de Felicidade Forte é um problema seu, mas se quer ter um é problema nosso!

Assim, temos duas propostas de disseminação de Guias da Felicidade:

Disseminação de Guias de Felicidade, via Convencimento – aquela que aposta no convencimento;
Disseminação de Guias de Felicidade, via Atração – aquela que aposta no convencimento.
Querendo, ou não, McKeown nos seus dois livros desenvolveu um Guia de Felicidade, a meu ver, com Teorias Fracas e dicas interessantes de metodologia.

McKeown me parece mais um Percepcionista do que um Padronista e mais é mais um Fenomenológico do que um Ambientológico.

O que discordo, basicamente, da parte teórica de McKeown?

O Essencialismo – focar no essencial – não deve ser o foco principal de um Guia de Felicidade Mais Forte.

Focar no Essencial é uma Atitude Estrutural – que nós chamamos de Foquismo, mas isso não é um fim, mas um meio para se ter uma vida melhor.

É preciso dizer o que é essencial.

Como nos ajuda o Tio Chatinho:

“O termo “essencial” refere-se a algo que é fundamental, indispensável ou necessário para uma determinada finalidade, contexto ou situação.”

Cada Guia de Felicidade vai sugerir Essencialidades diferentes. Essencializar, assim, obrigatoriamente precisa definir essencializar o que exatamente?

Na nossa visão do GFB 2.0, o aumento da Singularização é o objetivo principal – é aquilo que deve ser essencializado.

Singularizar é algo muito mais objetivo e concreto do que Essencializar sem foco!

Temos que focar nas atividades principais, mas a referência sempre precisa ser na Potencialização da Singularização.

Dito isso, vejamos o que podemos aproveitar do livro Essencialismo do McKeown.

“Quando nos permitimos parar de tentar fazer tudo e deixar de dizer sim a todos é que conseguimos oferecer nossa contribuição máxima àquilo que realmente importa.”

Sim, concordo, mas é preciso definir os critérios para saber o que realmente importa.

Por isso, o GFB 2.0 abraçou as teorias de Mihaly Csikszentmihalyi (1934-2021) do Flow – Estado de Fluxo.

Passamos a ter um norte para saber como você pode se Singularizar:

Teus Cachorrinho Internos balançam, ou não, o rabinho para as atividades que você faz ou vai fazer na direção de cada vez mais Singularidade?

A referência do que mais importa vem de dentro para fora, quando você sente que está aumentando a Taxa de TBMRC.

Caso contrário, você sugere que é importante focar no essencial, mas não sugere meios mais fáceis para que as pessoas definam, pelos seus critérios, a sua essencialidade.

Portanto, é importante dar referências Endógenas para que cada pessoa defina a sua essencialidade, através da Potencialização da Singularidade.

Diz ele:

“O essencialismo não trata de fazer mais; trata de fazer as coisas certas. Também não é fazer menos só por fazer menos. É investir tempo e energia da forma mais sábia possível para dar sua contribuição máxima fazendo apenas o essencial.”

Eu diria.

É focar na Singularidade, deixando de lado o que não nos ajuda nessa direção.

McKeown comenta que quando a sua filha nasceu ele estava totalmente envolvido com o trabalho e não priorizou o nascimento dela.

Diria que temos aí algo relevante a ser separado:

A procura da Potencialização da Singularidade é o nosso guia mais geral para definir nossas atividades profissionais e de lazer – a missão;
O Foquismo procura tornar relevante as relações em torno de nós, que envolve família, amigos e conhecidos.

As duas atividades são complementares.

Quando estamos subindo cada vez mais no Tapete de Aladim, as energias positivas que isso gera nos permite ter relações melhores e mais saudáveis em torno de nós – e vice-versa.

Diz ele:

“Quanto mais escolhas somos forçados a fazer, mais a qualidade das decisões se deteriora.”

Aqui, temos o eixo principal da relevância do GFB 2.0.

A chegada da Civilização 2.0 nos leva a uma explosão exponencial das escolhas.

Quanto mais escolhas temos que fazer na vida, mais nos obriga a saber para onde queremos ir.

O Sapiens 2.0 terá que ter Guias de Felicidade muito Mais Fortes do que o 1.0, pois terá que escolher muito mais.

Ele diz:

“Certa vez, uma enfermeira australiana chamada Bronnie Ware, que cuidava de pacientes em estágio terminal, resolveu registrar os arrependimentos que mais ouvia dos doentes. No topo da lista estava: “Queria ter tido a coragem de levar uma vida significativa para mim, não a vida que os outros esperavam que eu levasse.”

Uma vida mais Endógena, desenvolvendo o seu potencial.

Frases:

“Diga-me: o que planeja fazer com sua vida única, fantástica e preciosa?” – Mary Oliver.

“É a capacidade de escolher que nos torna humanos”. — Madeleine L’Engle.

É isso, que dizes?

 

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto discute a natureza da Filosofia e propõe uma abordagem alternativa chamada Essenciologia. Argumenta que o termo “Filosofia” gera confusão, pois sua origem como “amor à sabedoria” não reflete completamente sua prática contemporânea. Em vez disso, propõe-se o uso da Essenciologia, que se concentra na essência dos fenômenos, evitando assim a ambiguidade associada à Filosofia. Ao analisar os campos tradicionais da Filosofia, como Metafísica, Epistemologia e Ética, sugere-se que cada um seja substituído por uma disciplina correspondente em uma abordagem Essenciológica. Argumenta que isso levaria a uma compreensão mais clara e eficaz dos fenômenos e evitará mal-entendidos conceituais.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Está na hora de parar de falar em Filosofia e aproveitarmos mais dos ensinamentos dos conceituadores antigos e não perder tanto tempo com papo furado.
  2. Quando falamos em “Filosofia” (amor à sabedoria) estamos querendo dizer o amor à reflexão, ao pensar sobre os paradigmas, a levar uma vida menos Zecapagodada.
  3. Filosofar é sinônimo de refletir sobre algo. E o ato de refletir não é um campo de estudo, apenas uma atividade básica humana para viver melhor.
  4. De repente, estão debaixo do mesmo guarda-chuva conceituadores que refletem sobre fenômenos totalmente distintos, pois não conseguimos sair da banheira de piche do nome Filosofia.
  5. A Essenciologia é uma das etapas de qualquer conversa sobre qualquer assunto.
  6. A Essenciologia não é uma atividade, como a de refletir, mas uma proposta de abordagem sobre o estudo dos fenômenos.
  7. O primeiro passo de qualquer reflexão sobre qualquer fenômeno demanda que procuremos a essência do mesmo para evitar que nos percamos no caminho.
  8. O que acaba ocorrendo com o termo “Filosofia” – um Conceito Fraco – é que temos muito mais confusão do que compreensão.

Vamos ao Artigo:

“Os ídolos do mercado são criados pelas palavras e conceitos que usamos para descrever e interpretar o mundo, muitas vezes obscurecendo a realidade em vez de revelá-la.”Francis Bacon.

O que diz o Tio Chatinho sobre Filosofia?

“A filosofia é uma disciplina intelectual que busca compreender e questionar aspectos fundamentais da existência humana, da realidade, do conhecimento, da moral e da ética, entre outros temas. Ela se distingue por sua abordagem crítica e reflexiva, buscando investigar questões através da razão, da argumentação lógica e da análise conceitual. A filosofia não se limita a responder perguntas específicas, mas sim a explorar a natureza do conhecimento, da verdade e da realidade de forma geral. Ao longo da história, a filosofia se ramificou em diversas escolas de pensamento e tradições, cada uma com suas próprias abordagens e métodos. A palavra “filosofia” tem origem no grego antigo. É composta por duas palavras gregas: “philos”, que significa “amor” ou “amigo”, e “sophia”, que significa “sabedoria”. Portanto, literalmente, “filosofia” pode ser traduzida como “amor à sabedoria”. Essa etimologia reflete a ideia central da disciplina, que é o desejo humano de buscar e apreciar o conhecimento e a compreensão do mundo ao seu redor.”

Comecemos nosso processo de Bimodalização do conceito.

Está na hora de parar de falar em Filosofia e aproveitarmos mais dos ensinamentos dos conceituadores antigos e não perder tanto tempo com papo furado.

Vamos analisar o texto do Tio Chatinho:

“A filosofia é uma disciplina intelectual…”

Todas as disciplinas são intelectuais, conceituais.

“(…) que busca compreender e questionar aspectos fundamentais da existência humana, da realidade, do conhecimento, da moral e da ética, entre outros temas.”

Note, entretanto, que a origem do termo não quer dizer isso.
“Filosofia” pode ser traduzida como “amor à sabedoria.”

Na origem da palavra, o que nossos antepassados quiseram ao criar a atividade filosófica é refletir sobre a vida.

Quando falamos em “Filosofia” (amor à sabedoria) estamos querendo dizer o amor à reflexão, ao pensar sobre os paradigmas, a levar uma vida menos Zecapagodada.

Filosofar é sinônimo de refletir sobre algo. E o ato de refletir não é um campo de estudo, apenas uma atividade básica humana para viver melhor.

Como nos ensina Francis Bacon (1561-1626) – também chamado de Filósofo – quando questiona os Conceitos Mais Fracos (que ele chama de Ídolos do Mercado, no sentido de feira, praça, lugar em que se conversa muito) é o seguinte, segundo Tio Chatinho:

“Ídolos do Mercado são os erros que surgem da comunicação e da linguagem. Bacon argumenta que as palavras têm significados diferentes para pessoas diferentes, levando a mal-entendidos e confusões.”

Note que o termo “Filosofia” gera justamente essa confusão, pois na origem Filosofia é uma atividade (gosta de refletir sobre) e não um campo de estudo.

Se eu quero “questionar aspectos fundamentais da existência humana, da realidade, do conhecimento, da moral e da ética, entre outros temas.”, estou preocupado com a essência das coisas.

Daí a sugestão de trabalhar com a ideia da Essenciologia.

Veja que o Tio Chatinho praticamente repete na Essenciologia o que disse para a Filosofia:

“A Essenciologia é uma área de estudo que se concentra na essência ou na natureza fundamental das coisas. É uma disciplina interdisciplinar que busca compreender os princípios essenciais subjacentes à existência e à realidade. A Essenciologia pode abordar uma variedade de tópicos, incluindo a essência do ser humano, a essência da consciência, a essência da vida, entre outros.”

Quando foi criada, o objetivo da Filosofia era estimular que as pessoas refletissem sobre os Paradigmas Mais Fracos, adotassem os Mais Fortes para que cada pessoa e a sociedade vivessem melhor.

Com o tempo, o exercício da reflexão continuado foi criando Ambientes de Diálogo (também chamados Ciências) que foram ocupando o espaço da Filosofia.

É um erro gigante transformar a Filosofia em um campo de estudos, com este nome, pois hoje mais atrapalha do que ajuda.

Quando falamos, por exemplo, de Epistemologia (a área da filosofia que se dedica ao estudo do conhecimento), na verdade, estamos abordando a Ciência das Ciências ou a Ciência do Conhecimento.

Por que precisamos usar o termo Epistemologia?

Thomas Kuhn (1922-96), um dos nossos padrinhos não é um Epistemólogo, mas um Cientista do Conhecimento com um foco específico no Conhecimento Científico.

Ele não é um filósofo, assim como Bacon, quando escreve sobre os Ídolos não é um filósofo, mas um dos pioneiros da Ciência do Conhecimento.

Bem diferente de alguém que trabalha na Ciência da Inovação Pessoal e desenvolver propostas para a Felicidade.

De repente, estão debaixo do mesmo guarda-chuva conceituadores que refletem sobre fenômenos totalmente distintos, pois não conseguimos sair da banheira de piche do nome Filosofia.

Voltemos à definição de Filosofia do Tio Chatinho:

“Ela se distingue por sua abordagem crítica e reflexiva, buscando investigar questões através da razão, da argumentação lógica e da análise conceitual.“

Isso não é e nunca foi exclusividade da Filosofia, mas de todas as ciências, que visam oferecer “abordagem crítica e reflexiva, buscando investigar questões através da razão, da argumentação lógica e da análise conceitual.”

Não tem diferença.

O que a Essenciologia faz é se concentrar em um aspecto específico, que aparece em todos os estudos de todos os fenômenos, quando se pergunta: qual é a essência do que estamos abordando?

A Essenciologia é, assim, também não um campo de estudos, mas uma camada da análise de qualquer fenômeno.
Exemplo?

O que estamos vivendo neste novo século em termos de grandes mudanças civilizacionais?

Neste momento, passamos a conversar sobre a essência do fenômeno, que tem colocado a sociedade em processo de disrupção para o qual temos diversas opiniões distintas: Revolução do Conhecimento? Industrial? Midiática?

A Essenciologia é uma das etapas de qualquer conversa sobre qualquer assunto.

O que você está sentindo? Qual é a origem desta febre? De onde vem e qual é o vírus desta Pandemia?

Diz o Tio Chatinho:

“A filosofia não se limita a responder perguntas específicas, mas sim a explorar a natureza do conhecimento, da verdade e da realidade de forma geral.”

Ou seja, ela procura a essência das coisas, por isso, o termo mais adequado e menos confuso é Essenciologia.

A Essenciologia não é uma atividade, como a de refletir, mas uma proposta de abordagem sobre o estudo dos fenômenos.

Que sugere o seguinte:

O primeiro passo de qualquer reflexão sobre qualquer fenômeno demanda que procuremos a essência do mesmo para evitar que nos percamos no caminho.

Assim, temos o seguinte na jornada humana por refletir melhor:

Há sempre no estudo de todos os fenômenos o aspecto Essenciológico, fundamental para que possamos começar o diálogo e a pesquisa e evitar confusões do que estamos falando;
Criamos diversas Ciências, que foram ocupando o espaço do que foi iniciado pelos Ex-Filósofos.

 

Vejamos aqui os campos da Filosofia, segundo
o Tio Chatinho, e as Ciências que passaram a cuidar deles:
Metafísica: Investiga a natureza da realidade, a existência, o ser e o não ser.

Essenciologia Geral
Epistemologia: Estuda a natureza, origens e limites do conhecimento humano.// Filosofia da ciência: Analisa os métodos, as teorias e os fundamentos da ciência.
Ciência do Conhecimento, com desdobramento na Ciência das Ciências;
Ética: Examina questões sobre o que é certo e errado, bom e mau, e os princípios que guiam a conduta moral.
Ciência da Inovação Pessoal (quando se trata de cada pessoa)
Lógica: Trata da estrutura do raciocínio válido e da argumentação correta.
Um dos campos da Ciência do Conhecimento;
Filosofia da mente: Explora a natureza da mente, da consciência, da cognição e do pensamento.
Ciência da Mente, onde se inclui a Neurociência e a Psicologia, que fazem parte da Ciência da Inovação Pessoal;
Filosofia política: Investigação sobre a natureza do poder, autoridade, justiça e a organização da sociedade.

Ciência Política
Estética: Estuda a natureza da beleza, da arte e da experiência estética.

Ciência das Artes ou da Criatividade

 

 

Quando alguém se diz um filósofo, ele aborda qual destas questões?

Não nos interessa a história da filosofia, mas a história da caminhada do conhecimento humano, que é muito mais ampla.

O que acaba ocorrendo com o termo “Filosofia” – um Conceito Fraco – é que temos muito mais confusão do que compreensão.

Bacon, por exemplo, foi um Cientista do Conhecimento e não um filósofo. Se ele escreveu sobre Felicidade, por exemplo, entrou também no Campo da Inovação Pessoal.
O foco de todos os Ambientes de Diálogos Científicos é o seguinte:

Escolher um fenômeno relevante;
Nos ajudar a pensar e lidar melhor com ele;
E, quando é uma Ciência Mais Forte, apontar as diferentes abordagens, compará-las e defender a que considera que contém as Melhores Verdades.

Muitos autores questionam algo dentro da filosofia, mas não o próprio uso do conceito de filosofia. Quem sabe possamos conhecer aqueles que concordem com este artigo.

Alguma sugestão?

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto resume os principais conceitos abordados por Greg McKeown em seu livro “Sem esforço: torne mais fácil o que é mais importante”, destacando a importância da simplicidade, da experimentação e da prevenção na busca por uma vida mais eficiente e realizada. McKeown enfatiza a necessidade de agir mesmo diante do medo de errar, promovendo uma abordagem gradual e consistente para alcançar objetivos. Além disso, destaca a importância de aprender com os erros e de buscar constantemente melhorias, adotando uma postura de tosquicidade experimental e evitando o perfeccionismo tóxico. O texto ressalta ainda a relevância de incorporar clássicos na leitura e de simplificar tarefas para aumentar a eficácia e reduzir o estresse. Em suma, o resumo destaca a importância de adotar uma abordagem mais simples e pragmática para alcançar o sucesso e a felicidade na vida pessoal e profissional.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Não deixe que os clubinhos científicos impeçam você de fazer milk shake de autores.”
  2. A ideia para sair do V zero é arranjar algo bem simples para sair do zero para o 1 e não sair do zero para o 10.
  3. O Ciclista Precipitado é aquele cara que compra tudo para andar de bicicleta e não anda nada, pois está cansado de tudo que comprou.
  4. Problema recorrente: a minha vida está ruim, mas a culpa nunca é minha, sempre é de alguém que não deixa ela melhorar.
  5. Devemos procurar facilitar nossas atividades, não querendo desenhar castelos coloridos e sofisticados, quando podemos fazer casas simples em preto e branco.
  6. Na Tosquicidade Experimental, hoje vai ser melhor que ontem e pior que amanhã.
  7. Os hábitos são escolhidos para que ajudem e não atrapalhem a melhor jornada.
  8. Toda a criatividade, no fundo, está intimamente ligada à nossa capacidade de questionar a autoridade da Mente Primária.

Vamos ao Artigo:

“xxx”xxx.

“Não há maestria sem erros.” – Greg McKeown.

Vamos continuar a Bimodalização do ótimo livro “Sem esforço: torne mais fácil o que é mais importante” de Greg McKeown.

Este é o quarto e último texto sobre o livro.

Primeiro, retomamos a conversa do artigo anterior quando, inspirado por ele, cheguei à conclusão de que estamos fazendo na Bimodal – no campo da Inovação Pessoal – é um Guia da Felicidade e que, basicamente, temos dois tipos de Guias da Felicidade disponíveis no mercado – os Mais Inspirativo e os Mais Formativos.

Ambos os tipos de Guias da Felicidade querem incentivar mudanças na vida das pessoas:

Os Mais Inspirativos se preocupam menos com a estrutura, procuram contar mais estórias e não se preocupam muito com o uso do mesmo por Mentores da Felicidade;
Os Mais Formativos se preocupam mais com a estrutura, procuram contar menos histórias e se preocupam bastante com o uso do mesmo por Mentores da Felicidade.

Os Guias de Felicidade Mais Formativos, entretanto, bebem da fonte dos Mais Inspirativos e procuram organizar as melhores ideias e sugestões para uma disseminação mais fácil e efetiva.

É o que temos feito dentro do Guia de Felicidade 2.0 Bimodal.

Chegar a esta conclusão e a este conceito “Guia de Felicidade 2.0 Bimodal” já foi resultado da Bimodalização de McKeown.

Se você me perguntar o que mais de interessante vi em McKeown, de pronto, até agora diria:

O Alarme Anti-Reclamação – que é estar sempre atento por transformar reclamações em agradecimentos pelo aprendizado;
O Jogo de Tênis das Relações – com bola perto, bola longe e bola na rede;
A criação de uma rotina de jogar sistematicamente coisas fora;
O retorno da conversa sobre tronco, galhos e folhas – o que é mais essencial do que é menos;
A inclusão da Atitude Estrutural do Facilitismo, separando o Esforço Saudável (alinhado com um Guia de Felicidade) e um Esforço Tóxico (não alinhado);
Tornar divertida e principalmente ritualizar as Chatices Relevantes;
O reforço de que é importante dar intervalos para que o Eu Criativo possa produzir melhor;
A inclusão da Atitude Estrutural do Perdonismo, com melhoria dos conceitos dos dois tipos de perdão, Perdão com ou sem Aproximação e ainda, como novidade, as Desculpas Passivas e Ativas;
O surgimento dos conceitos de Mentores da Felicidade Dependentistas e Independentistas;
E, por fim, na conversa sobre dar conselhos ou fazer perguntas, os conceitos de Conselhos Saudáveis (que não criam dependência e estabelecem uma relação saudável) e Conselhos Tóxicos (que criam dependência e estabelecem uma relação tóxica).

É a primeira vez que faço um resumo desse tipo nos Escritos e me parece uma boa ideia para consolidar os aprendizados.

Diria mais.

Se analisar o que aprendo com os diferentes autores de Inovação Pessoal, poderia dizer que tenho diferentes tipos de aprendizado:

Aprendizados Novos – aquelas ideias que veem e que não existiam antes;
Reforço dos Aprendizados já existentes – aquelas ideias que melhoram o que já existia;
E o aprofundamento de determinados conceitos que não foram sugeridos pelo autor, mas surgem pelo próprio exercício da minha reflexão, no exercício de estar escrevendo.

Se reorganizar o que aprendi com McKeown, diria o seguinte:

Aprendizados Novos inspirados diretamente ou indiretamente por ele – Alarme Anti-Reclamação, Jogo de Tênis das Relações, Ritualizar as Chatices Relevantes, a Atitude do Facilitismo e e separar Conselhos Tóxicos e Saudáveis;
Reforço dos Aprendizados – rotina de jogar coisas fora, papo de tronco, galho e folhas, intervalar a criatividade, oficializar o Perdonismo, as Desculpas Passivas e Ativas;
E o surgimento dos conceitos, que não estão em McKeown, dos Mentores das Felicidade Dependentistas e Independentistas.

Dito isso, retomemos a Bimodalização do texto e vejamos o que ainda podemos aprender com McKeown.

McKeown aborda a questão do primeiro passo, que é sair de uma posição de não ação para a ação.

A ideia para sair do V zero é arranjar algo bem simples: pular para o 1 e não ficar imaginando sair do zero e ir para o 10 direto.

O negócio é um passo a passo.

Ele diz:

“Se o primeiro passo não parecer factível, muita gente vai simplesmente desistir antes mesmo de começar.”

Quando bate aquela sensação de inação, procure algo simples para começar a caminhar e nada grandioso.

Ele sugere a incorporação desse tipo de prática das startups:

“Embora essa prática seja desproporcionalmente comum no mundo das startups, a mesma ideia pode se aplicar a qualquer meta ou projeto essencial.”

Ele complementa:

“Em vez de procrastinar, de desperdiçar uma imensa quantidade de tempo e esforço planejando um milhão de cenários possíveis ou de avançar a todo vapor com o risco de viajar quilômetros pelo caminho errado, podemos optar pela primeira ação mínima viável: a ação que nos permitirá obter o aprendizado máximo com o esforço mínimo.”

Falamos disso no artigo passado quando criamos a metáfora do Ciclista Precipitado:

O Ciclista Precipitado é aquele cara que compra tudo para andar de bicicleta e não anda nada, pois está cansado de tudo que comprou.

McKeown luta contra a procrastinação:

“Por mais simples que o passo seja, mais fácil ainda é não dar nenhum passo.”

Eu diria mais.

Por tendência, procrastinamos naquilo que podemos modificar e ficamos procurando problemas imexíveis para nos preocupar, reclamando de tudo e de todos.

Problema recorrente: a minha vida está ruim, mas a culpa nunca é minha, sempre é de alguém que não deixa ela melhorar.

Ele defende a ideia de que não devemos colocar “cabelo em ovo”.

Ou seja.

Devemos procurar facilitar nossas atividades, não querendo desenhar castelos coloridos e sofisticados, quando podemos fazer casas simples em preto e branco.

Entra aqui a Atitude Estrutural do Facilitismo, que já vimos anteriormente.

Aqui, basicamente, ele aborda a questão de tarefas que temos que cumprir a pedido de alguém:

“Meu melhor amigo de infância sempre estudava menos tempo do que eu, mas tirava notas melhores.”//”Quando a professora lhe pedia alguma coisa, ele fazia o que era solicitado e nada mais.”// “Se alguém pedir que você faça X nada nos leva ou tem razão suficiente para fazer Y.”.

Podemos chamar isso da Tática do Mínimo Esforço Necessário Mais Eficaz.

(A Tática do Mínimo Esforço Necessário Mais Eficaz significa fazer o melhor possível, dentro do tempo e recursos disponíveis, sem achar que isso não é o bastante.)

Ele complementa:

“Raramente é necessário fazer um esforço além do que é essencial. E fazer o esforço mínimo é melhor do que não chegar a lugar nenhum.”

Ele defende que, antes de sair fazendo tudo que nem loucos é preciso questionar:
“Ficamos tão acostumados com a complexidade de todos os processos da vida que raramente paramos para questioná-la.”

Voltamos a questão que é preciso colocar a Mente Secundária para rodar, antes de sair que nem um maluco cumprindo tarefas e se perguntar:

Eu preciso fazer isso?
Se sim, qual é o jeito mais fácil para ter o melhor resultado?
E qual é o primeiro passo mais viável para começar?

E aí temos um diamante, na citação de Andy Benoit:

“A maioria dos gênios não prospera por desconstruir complexidades intrincadas, mas por aproveitar simplicidades despercebidas.”

Toda a criatividade, no fundo, está intimamente ligada à nossa capacidade de questionar a autoridade da Mente Primária, que, muitas vezes, manda em nós de forma discreta e invisível.

Nossas teorias sobre a Inovação Civilizacional, por exemplo, aprimorando os canadenses, se encaixa bem nisso: procurar o óbvio no não óbvio, em na Simplicidade Despercebida.

Diria que, quando olhamos a Macro História e as Revoluções de Mídia, perceber o Fator Causante do aumento demográfico é uma Simplicidade Despercebida.

Perceber o efeito população nas Revoluções de Mídia é algo simples, meio óbvio, mas demandou muita limpeza de Piche Paradigmático do Mainstream para poder chegar a isso.

O que é reforçado por esta frase:

“Pegar a “novidade extrema” e encaixá-la na “convencionalidade profunda.” – Brian Uzzi.

(Piche Paradigmático do Mainstream (Conceito de Sala) – os conceitos que ficam colados na nossa Mente Primária que são muito difíceis de serem localizados e “limpos”)

E ainda:

“A troca de ideias entre disciplinas gera novidades.”

Fazemos muito isso na Bimodais.

McKeown defende a ideia da Tosquicidade Experimental.

(Tosquicidade Experimental é o direito de sermos toscos, de saber que estamos fazendo algo provisório e que pode ser melhorado.)

Diz ele:

“Dê uma chance ao tosco, “por mais feio que seja”, para que você possa cair, consertar, modificar e reprojetar depressa. É um caminho muito mais fácil para aprender, crescer e progredir no que é essencial.”

Esse caminho da Tosquicidade Experimental me levou a denominar o meu Blog de “Nepôsts – Rascunhos Compartilhados”.

São anotações que faço e compartilho com outras pessoas, mas assumo claramente que estão sempre em processo de mudança.

A Tosquicidade Experimental visa combater o Perfeccionismo Tóxico:

“As pessoas mais perfeccionistas tendem a ter dificuldade com a ideia de começar com algo tosco.”// “Quando aceitamos a imperfeição , quando temos a coragem de ser tosco , conseguimos dar o primeiro passo. E , assim que começamos , ficamos um pouco menos toscos , depois menos ainda . Mais cedo ou mais tarde , de um início tosco virão avanços excepcionais e sem esforço nas coisas que mais importam.”

(Perfeccionismo Tóxico – hábito de querer que tudo que fazemos fique perfeito e acaba não sendo feito e não se trabalha por versões em etapas em um processo de melhoria continuada.)

A meu ver, uma pessoa que pratica uma alta taxa de Perfeccionismo Tóxico não está em processo de Pesquisa da Singularidade.

Quando estamos pesquisando nossa Singularidade, sabemos que tudo são etapas de melhoria contínua e o que fazemos hoje pode ser melhorado amanhã.

Na Tosquicidade Experimental, hoje vai ser melhor que ontem e pior que amanhã.

Ele fecha:

“Não há aprendizado sem a coragem de ser tosco.”

E defende que:

“Dar a si mesmo permissão para errar exige coragem.”

Ter coragem é uma das Atitudes Estruturais sugeridas no Guia de Felicidade 2.0 Bimodal.

Defende ainda que devemos procurar ser persistentes e manter um ritmo contínuo ao longo do tempo. Não recomenda grandes saltos, mas pequenos pulinhos.

Aqui, podemos dizer que o que ele sugere está dentro do nosso conceito de Rotina Espiral, mas tem algo que se acrescenta que é uma Rotina Espiral Firme, Constante e Sustentável.

Talvez mais.

Uma Rotina Espiral, sempre progressiva, precisa ser feita que na maior parte das vezes é com pequenos passos, mas de forma constante e firme.

Nessa direção, ele lembra a história da conquista do Polo Sul feita por Roald Amundsen, um explorador polar norueguês, em dezembro de 1911. Ele liderou uma expedição bem-sucedida que alcançou o objetivo antes de qualquer outra equipe, incluindo a liderada por Robert Falcon Scott, que chegou lá apenas algumas semanas depois, em janeiro de 1912.

Amundsen optou, ao invés de avançar sem critérios, insistir que o seu exatos 24 quilômetros por dia, nem mais, nem menos .

“Em última análise , estabelecer um ritmo firme, constante e sustentável foi o que permitiu ao grupo norueguês alcançar o destino sem esforço excepcional.”

A dinâmica de manter uma rotina progressiva e constante é um dos temas centrais dos livros de Joel Moraes, que consta na Bibliografia Bimodal abaixo.

“Quando você vai devagar, tudo é mais tranquilo.”

Greg McKeown defende, assim, a escolha de hábitos saudáveis, pois:

“Você cria um hábito uma vez e ele vai servi-lo a vida inteira.”

Diria que é algo mais amplo.

A escolha de Atitudes Estruturais Mais Fortes geram Hábitos Provisórios, que podem ir sendo aperfeiçoados no tempo, conforme vão ajudando ou atrapalhando nossas vidas.

Ou seja.

Nós nunca podemos dizer que temos hábitos permanentes, mas sempre provisórios, que precisam ser ajustados conforme a sua eficácia.

Porém, os hábitos são filhos da nossa Missão de Vida e das Atitudes Estruturais. São escolhidos para que ajudem e não atrapalhem na melhor jornada.

Tópicos restantes:

Ensinar a ensinar:

“Ensine os outros a ensinar e você causará um impacto.”

É o que estamos tentando fazer no Projeto de Felicidade 2.0 Bimodal na formação dos disseminadores.

E isso se complementa aqui:

“Quanto mais ensinamos, mais aprendemos.”

Por isso, uma das metodologias na formação dos Mentores da Felicidade 2.0 Bimodal tem sido esta: arranjar rápido um mentorado para consolidar os conceitos na sua vida e na dos outros.

Procure os troncos e não os galhos

A visão geral, que reforça o que já vimos nos artigos anteriores:

“Há mil que podam os galhos do mal e um que tenta arrancá-los pela raiz.” – Henry David Thoreau.

Isso se aplica na conceituação:

“Redija a história certa uma vez e ela poderá viver milênios.”

Quando trabalhamos com os padrões, conseguimos superar as percepções.

A história mais certa é baseada em padrões e não em percepções.
Diz ele:

“Quando compreendemos as coisas em seu nível mais fundamental, podemos aplicá-las de um jeito novo e surpreendente.”

Sim, voltamos na procura de padrões.

“Em outras palavras, quando temos fundamentos sólidos de conhecimento, há onde pendurar as informações adicionais que aprendemos. Podemos ancorá-las nos modelos mentais que já compreendemos.”

E mais:

”Faça questão de entender os princípios fundamentais, isto é, o tronco e os galhos grandes, antes de chegar às folhas/detalhes, ou elas não terão onde se pendurar.”

Aqui, temos um reforço do que temos dito, que vou organizar abaixo sobre a atividade científica, que:

Não procura a verdade, mas as melhores verdades;
Que o estudo de cada fenômeno, gera um grande Ambiente de Diálogo, com diversas Escolas de Pensamento, cada uma com um determinado Núcleo Duro, sugerindo teorias e metodologias específicas para que possamos entender e lidar melhor com ele;
Que temos, assim, que escolher entre as Escolas de Pensamento aquelas que nos parecem as mais adequadas para nos guiar na compreensão e relação com o fenômeno;
Que as Escolas de Pensamento (com respectivos Conceituadores) são aqueles que se baseiam mais em Padrões do que em Percepções;
Que é preciso escolher aquelas que têm os Padrões Mais Fortes, baseados na Recorrência Histórica;
Sem dúvida, viver é escolher e é da escolha das Escolas de Pensamento disponíveis, que muito da sua qualidade de vida dependerá.

“Pode haver um milhão de métodos, mas os princípios são poucos. Quem compreende os princípios pode escolher com sucesso seus próprios métodos. Quem experimenta métodos ignorando os princípios com certeza terá problemas.”

Sugiro trocar Princípios por Padrões Fortes.

Na clientela:

“O empreendedor que descobre o que seus clientes realmente querem pode aplicar esse conhecimento a qualquer número de produtos e serviços variados.”

Problemas são para serem resolvidos e não postergados:

“Resolver o problema antes que aconteça poupa tempo e evita aborrecimentos intermináveis mais tarde.”

Aqui cabe pensar se não vale a pena criar uma Atitude do Preventivismo – que é procurar se antecipar aos problemas?

“Ataque o problema pela raiz e você impedirá que ele ressurja várias vezes.”

O Preventivismo tem essa função: ao invés de ficar arrancando folhas, partir logo para cortar a raiz de algo que está nos prejudicando.

Papo de Disrupção Conceitual:

“Geralmente as melhores ideias novas surgem da combinação de conhecimento existente num campo com uma “invasão de combinações incomuns” de outras disciplinas.”

Ou seja.

Não deixe que os clubinhos científicos impeçam você de fazer milk shake de autores.

Papo da relevância da leitura:

“Ler um livro está entre as atividades com mais alavancagem da face da Terra.”

Ler, entretanto, tem que ser uma ferramenta de melhoria endógena:

“Leia para absorver (e não para ticar o título em uma lista).”

Dica de método de leitura:

“Quando termino de ler um livro, gosto de reservar 10 minutos para resumir o que aprendi com ele numa única página, com minhas próprias palavras.”

Sugestão que fazemos na escrita do Diário de Bordo Rotineiro.

Leia os clássicos:

“Quanto mais antigo o livro, maior a probabilidade de continuar relevante no futuro.”

Essa é uma boa dica.

Facilite a vida:

“A vida não precisa ser tão dura e complicada quanto a tornamos.”

Mais uma frase que reforça o Facilitismo.

“Meça duas vezes, corte uma só.”

Outra. Ou seja, pense bem antes de sair fazendo.

Na mesma linha:

“A meta é encontrar o maior incômodo que possa ser resolvido no menor tempo.”// “Mas o que geralmente deixamos de reconhecer é que algumas tarefas que no momento parecem “não valer a pena” podem nos poupar 100 vezes o tempo e a irritação no longo prazo.” // “Mas o esforço que investimos em automatizar nossas tarefas banais porém essenciais gera benefícios significativos e que serão repetidos mais tarde.”

Como diz Roberto e Erasmo Carlos na música “Sua Estupidez”:

“Quantas vezes eu tentei falar.
Que no mundo não há mais lugar.
Pra quem toma decisões na vida sem pensar.

Reforço do Potencial da Singularidade:

“O objetivo final é identificar conhecimentos que sejam só seus e avançar a partir deles.”// “O conhecimento pode abrir a porta para uma oportunidade , mas o conhecimento exclusivo produz oportunidades perpétuas.”

E a defesa das precisões dos conceitos:

“Mensagens precisam ser não só fáceis de entender como também difíceis de serem mal-interpretadas.”

Veremos isso mais à frente quando aprofundarmos as sugestões de Francis Bacon (1561 – 1626).

Frases relevantes:

“Prevenir uma crise agora é sempre mais fácil do que administrá-la no futuro.”

“Há duas maneiras de abordar a realização de tarefa: o jeito difícil é com esforço e sem poder; o jeito fácil é com poder e sem esforço.”

A vida passada cometendo erros é, além de mais digna, mais útil do que uma vida passada sem fazer nada.” – George Bernard Shaw.

Resumo dos novos Aprendizados e Conceitos com este artigo:

Simplicidade Despercebida – quando descobrimos obviedades em determinado fenômeno, que não eram tão evidentes dentro do pensamento mainstream (incorporação direta do que sugere McKeown);
Piche Paradigmático do Mainstream (Conceito de Sala) – os conceitos que ficam colados na nossa Mente Primária que são muito difíceis de serem localizados e “limpos” (adaptação direta do que sugere McKeown);
Tosquicidade Experimental é o direito de sermos toscos, de saber que estamos fazendo algo provisório e que pode ser melhorado (adaptação direta do que sugere McKeown);
Perfeccionismo Tóxico – hábito de querer que tudo que fazemos fique perfeito e acaba não sendo feito e não se trabalha por versões em etapas em um processo de melhoria continuada (adaptação direta do que sugere McKeown);
Rotina Espiral – melhoria do Conceito Bimodal, agregando a ideia dos pequenos passos;
Preventivismo – ao invés de ficar arrancando folhas, partir logo para cortar a raiz de algo – se for possível e viável – que está nos prejudicando;
Agregue clássicos na leitura rotineira – para que possamos nos aproveitar de ideias raízes, que perduraram no tempo por algum motivo (incorporação direta do que sugere McKeown).

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto apresenta uma reflexão sobre a importância de desenvolver uma voz interior e a capacidade de resolver problemas por si mesmo, destacando a abordagem do livro “Sem esforço: torne mais fácil o que é mais importante” de Greg McKeown. Ele ressalta a necessidade de escrever para potencializar a criatividade e discute a aplicação do conceito de “contratar devagar, demitir depressa” na vida pessoal, enfatizando a importância de experimentar novas experiências antes de investir nelas. Além disso, aborda a ideia de projetos pessoais e organizacionais, destacando a importância da atitude do “foquismo” e a necessidade de evitar o “zumbilismo” nas relações. Por fim, discute a abordagem de McKeown sobre a prática de oferecer perguntas em vez de conselhos para ajudar os outros a encontrar soluções por si mesmos. O texto propõe uma visão bimodal dos conselhos, distinguindo entre conselhos saudáveis, que promovem independência, e conselhos tóxicos, que geram dependência.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. O objetivo de um Mentor da Felicidade é, basicamente, ajudar a pessoa a desenvolver de forma progressiva e cada vez melhor o uso da sua Mente Secundária.
  2. Quanto menos tempo e dinheiro gastamos para saber se tal coisa nos ajuda a ser mais felizes, melhor.
  3. Antes de decidir que você vai ser um ciclista e investir na compra de uma bicicleta – a mais cara do planeta e das roupas mais sofisticadas – alugue uma antes para ver se tudo isso faz sentido.
  4. Se o que foi mostrado por alguém nos faz mais mal do que bem é um alerta para ligar nosso sinal amarelo ou vermelho diante do outro.
  5. Nem tudo que posso modificar eu quero modificar.
  6. Se chove, não reclame da chuva, apenas veja qual é a melhor forma de se relacionar e tirar proveito dela.
  7. Sim, é preciso se afastar de pessoas tóxicas, mas não entrar na pilha de que é preciso puni-las ou se se vingar delas.
  8. O Eu Criativo é um popstar cheio de demandas e idiossincrasias, que precisam ser atendidas.

Vamos ao Artigo:

“Cada um de nós tem um mestre interior, uma voz da verdade, que oferece a orientação e o poder de que precisamos para resolver nossos problemas.”Parker J. Palmer.

Vamos continuar a Bimodalização do ótimo livro “Sem esforço: torne mais fácil o que é mais importante” de Greg McKeown.

Este é o terceiro texto sobre o livro.

Como é de praxe, permitam dois Parênteses dos Escritos.

O primeiro é dizer o quanto é importante depois da leitura de um livro, sentar e desenvolver um texto no seu Diário de Bordo da Rotina.

O livro de McKeown me inspirou bastante e a cada comentário dele, meu Eu Criativo foi criando conceitos e consolidando outros que ainda estavam meio perdidos.

Se eu tivesse lido o livro de McKeown e NÃO tivesse produzido os textos que fiz, me lembraria vagamente e não teria criado nada como estou fazendo agora.

Escrever é algo que nos potencializa demais.

Diria que:

Quando você escreve – ainda mais com um conceituador inspirador, como é o caso do McKeown – parece que o seu Eu Criativo toma uma espécie de droga da criatividade e você voa.

Segundo Parênteses.

Hoje, estava pensando que, na verdade, um Inovador Pessoal tem como missão reduzir a Primarização e aumentar a Secundarização dos Paradigmas, tanto dele quanto dos seus clientes.

Um Inovador Pessoal tem, assim, como missão reduzir as Primarices e aumentar as Secundarizes dos Paradigmas. A saber:

Primarices dos Paradigmas – que não sofreram revisão da Mente Secundária e estão atrapalhando a vida da pessoa;
Secundarices dos Paradigmas – que vem sofrendo revisão pela Mente Secundária e se tornando mais ajudantes do que Atrapalhantes na vida da pessoa.

Fecha o parênteses.

Voltemos ao livro de McKeown.

Façamos aqui uma divisão importante.

Primeiro passemos a chamar, de maneira geral, o Projeto de Felicidade Bimodal de um Guia da Felicidade.

Um Guia da Felicidade é mais do que uma Metodologia apenas – como vinha chamando antes -, pois contém também teorias sobre o tema.

Tio Chatinho nos diz que um guia tem como objetivo:

“Fornecer informações detalhadas e instruções sobre um assunto específico.”

Podemos, assim, dividir os Guias da Felicidade em dois tipos:

Guias da Felicidade Mais Inspirativos – com mais histórias e algumas sugestões de conduta, mas não estruturados para uma disseminação mais efetiva;
Guias da Felicidade Mais Formativos – com menos histórias e com teorias e metodologias, incluindo sugestões de conduta, mais estruturados para uma disseminação mais efetiva.

Diria, assim, que o livro de McKeown é um Guia de Felicidade Mais Inspirativo, como é a obra – que gosto bastante – de Mark Manson.

O projeto de Inovação Pessoal da Bimodais, entretanto, visa a criação de um Guia de Felicidade Mais Formativo, mais preocupado em desenvolver teorias e metodologias e facilitar o trabalho dos Disseminadores que vão utilizá-lo.
Assim, um Guia de Felicidade Mais Formativo perde em popularidade, mas ganha um diferencial na capilaridade.

Entremos, finalmente, no conteúdo do livro.

Ele sugere o seguinte como metáfora:

“Contrate devagar, demita depressa.”

Como isso se aplica à Inovação Pessoal Bimodal?

Diria que as escolhas que são mais duradouras ou estruturais precisam ser bem testadas para que se melhore a relação de custo/benefício.

Quando queremos experimentar algo novo, é bom saber se aquilo vai realmente nos tornar mais felizes.

Assim, podemos dizer que:

Quanto menos tempo e dinheiro gastamos para saber se tal coisa nos ajuda a ser mais felizes, melhor.

Seria a aplicação do conceito do MVP (Produto Mínimo Viável de Eric Ries) nas decisões que fazemos na nossa vida pessoal.

Antes de decidir que você vai ser um ciclista e investir na compra de uma bicicleta – a mais cara do planeta e das roupas mais sofisticadas – alugue uma antes para ver se tudo isso faz sentido.

No Guia de Felicidade Bimodal destacamos a importância da Atitude do Aprendismo.

Tudo que fazemos na vida precisa ser visto como um projeto, tanto no curto, no médio e no longo prazo.

Tenho feito, por exemplo, Projeções Quinquenais da minha trajetória de cinco anos.

(Projeções Quinquenais – avaliar nossas vidas numa perspectiva de cinco em cinco anos, que nos permite ter uma visão mais ampla dos desafios.)

Determinados desafios são vistos de forma mais fácil, quando percebo que é mais uma etapa do meu Projeto Quinquenal.

Podemos, entretanto, detalhar dois tipos de Projetos ao longo da vida, tocados pelo Eu Criativo ou pelo Eu Organizativo:

Projetos do Eu Criativo – diretamente ligados ao desenvolvimento dos nossos Potenciais Singulares;
Projetos do Eu Organizativo – que dão suporte ao Eu Criativo para que ele possa continuar criando com liberdade e com o mínimo stress.

Eu, por exemplo, estou procurando minha terceira pilateira, depois de passar por outras duas. É a versão 3.0 na minha tentativa de lidar melhor com o meu corpo.

É um Projeto do meu Eu Organizativo, que tem como responsabilidade deixar meu corpo mais inteiro para não perturbar a produção do meu Eu Criativo.

O desenvolvimento da Ciência da Inovação Bimodal é um projeto do meu Eu Criativo, que só se torna possível pelo esforço que o meu Eu Organizativo faz todos os dias.

Note que.

Num projeto de melhoria do corpo de uma pessoa que entra na Quarta Idade (que já bate 63 rumo aos 64) não é de fazer Pilates pelo Pilates, mas criar condições para lidar melhor com o meu corpo.

E existem vários estilos de Pilateiros e estou aprendendo e procurando o que mais faz sentido para mim, tendo como referência a redução das dores do corpo – naturais dessa idade.

Outro aspecto da frase: “contrate devagar e demita rápido” pode ser aplicado à Atitude do Foquismo – uma das atitudes sugeridas no Guia Bimodal da Felicidade 2.0.

O Guia Bimodal da Felicidade 2.0 se divide em três camadas, quando o foco é o cliente final:

Missão – a pesquisa progressiva e permanente que cada pessoa precisa fazer para conhecer e desenvolver, ao máximo, os respectivos Potenciais Singulares;
Atitudes – aquelas que devo praticar para dar consistência ao meu Projeto de Felicidade Mais Forte;
Métricas – as referências Endógenas (de dentro para fora) para saber se estou indo bem ou mal ao longo do caminho.

Um Projeto de Felicidade Mais Forte demanda que façamos boas escolhas dos lugares, situações, conteúdos, produtos, serviços, atividades e pessoas que vamos nos relacionar e consumir.

Temos que desenvolver a habilidade de reduzir o máximo possível o tempo para identificar aquilo que nos faz mais bem do que mal e o que faz mais mal do que bem.

Diz ele sobre pessoas tóxicas, citando Maya Angelou:

“Quando alguém lhe mostra quem é, acredite na primeira vez.”.

Diria que:

Se o que foi mostrado por alguém nos faz mais mal do que bem é um alerta para ligar nosso sinal amarelo ou vermelho diante desta pessoa.

Aqui, podemos resgatar o Mantra da Potência dos Alcoólicos Anônimos (AA):

Serenidade para o que não posso modificar, coragem para o que posso e sabedoria para perceber a diferença.

Podemos melhorar isso.

Serenidade para o que não posso modificar, coragem para o que posso (e quero) e sabedoria para perceber a diferença.

Repare que:

Nem tudo que posso modificar eu quero modificar.

Além disso, a possibilidade de serenidade para o imexível é trazida por McKeown, quando nos traz a frase de Henry Wadsworth Longfellow sobre isso:

“A melhor coisa que se pode fazer quando chove é deixar chover.”

Resume bem a ideia de que é preciso desenvolver a serenidade para o que não podemos modificar.

Se chove, não reclame da chuva, apenas veja qual é a melhor forma de se relacionar e tirar proveito dela.

Nessa linha, no Foquismo – outra atitude básica do GFB 2.0 – podemos defender que:

Sim, é preciso se afastar de pessoas tóxicas, mas não entrar na pilha de que é preciso puni-las ou se se vingar delas.

É preciso praticar o Perdonismo, que significa escolher entre duas opções:

Perdoar e continuar o relacionamento, aceitando que os problemas gerados não vão se repetir em função de pedido de Desculpa Proativa;
Perdoar e estabelecer um novo relacionamento mais distante (que pode até ser nenhum relacionamento), percebendo que o que houve foi uma Desculpa Reativa.

(Perdonismo – perdoar quem te magoou, sem afastamento ou como afastamento parcial ou total, evitando vingança ou tentativas de mudar quem não quer ser mudado.)

Qual a diferença entre os três tipos de Desculpas?

Sem Desculpa nenhuma – a pessoa te magoa, sabe que você se magoou e simplesmente não pede nenhuma desculpa;
Desculpa Passiva – a pessoa te magoou, sabe que você se magoou e pediu uma desculpa, mas de forma protocolar sem assumir o erro ou apresentar a vontade de desenvolver ações razoáveis e plausíveis de superá-los para que não se repitam;
Desculpa Proativa – a pessoa te magoou, sabe que você se magoou e pediu desculpa, procurando assumir o erro e apresentando a vontade de desenvolver ações razoáveis e plausíveis de superá-los.

Conforme a gravidade da mágoa e da desculpa se avalia como se estabelece a nova relação: sinal verde, amarelo ou vermelho?

Às vezes a desculpa é ruim, mas a mágoa foi pequena.
Outras vezes a desculpa até foi boa, mas a mágoa é muito grande.

Reforçando essa ideia diz McKeown:

“Quando nos livramos de nossa necessidade de punir quem nos magoou, não é o culpado que se liberta. Somos nós.”

Mudando de assunto.

McKeown repete um pouco a conversa da Julia Cameron da necessidade de criar tempos entre as atividades profissionais para aumentar a Taxa da Criatividade.

Ele diz:

“Na verdade, um estudo constatou que os atletas, músicos, jogadores de xadrez e escritores de melhor desempenho aprimoraram suas habilidades da mesma maneira: praticando pela manhã, em três sessões de 60 a 90 minutos, com intervalos entre elas. Por outro lado, os que faziam intervalos em menos quantidade ou mais curtos não tinham um desempenho tão bom.”

Por que isso?

O Eu Criativo, já disse isso, é um popstar cheio de demandas e idiossincrasias, que precisam ser atendidas.

O Eu Criativo não gosta de ser forçado a nada, ele prefere e gosta de comandar o show.

Porém, o Eu Criativo tem que ser usado para os fins e o Eu Organizativo para os meios.

Quando nossa vida perde um pouco o rumo, muitas das vezes é quando temos a inversão dos papéis: o Eu Criativo passa a organizar as coisas e o Eu Organizativo fica encarregado de criar.

Eu, na minha rotina, trabalho em três ciclos: bem de madrugada, depois que eu caminho e, por fim, depois de uma soneca pós-almoço.

Vou na linha de McKeown:

“O jeito mais fácil é recarregar continuamente nossa energia física e mental realizando pausas curtas . Planeje esses intervalos ao longo do dia. (…) Dedique as manhãs ao trabalho essencial. Decomponha esse trabalho em três sessões de, no máximo, 90 minutos cada. Faça um breve intervalo (10 a 15 minutos) entre as sessões para descansar e se recuperar .”

Com isso, não forço a barra do Eu Criativo e ao longo do dia e ainda jogo perguntas para que ele possa me responder questões que vão aparecendo. Ele gosta disso.

Quando é chamado para trabalhar, ele vem cheio de disposição.

Diz McKeown, citando Anders Ericsson, o principal autor do estudo da Criatividade Intervalada:

“Para maximizar os ganhos da prática a longo prazo, os indivíduos devem evitar a exaustão e limitar a prática a um volume do qual possam se recuperar por completo diária ou semanalmente.”

(Criatividade Intervalada – aquela que defende intervalos no trabalho para que o Eu Criativo possa respirar e voltar com carga total.)

A dica para não haver stress:

“Não faça hoje mais do que conseguiria recuperar completamente hoje. Esta semana, não faça mais do que conseguiria se recuperar completamente esta semana.”

E ainda:

“Quando temos dificuldades , em vez de redobrar o esforço , deveríamos considerar interromper a ação, mesmo que por um minuto.”

O outro assunto relevante de McKeown é o problema do Zumbilismo.

Diz ele:

“Com muita frequência, estamos fisicamente com as pessoas, mas não mentalmente presente com elas.”

Nos encontros presenciais é saudável que desliguemos os celulares.

Procurar focar na conversa para evitar:

“Escutar não é difícil; difícil é evitar que nossa mente fique vagando. (…) Estar presente no momento não é difícil; difícil é não pensar no passado e no futuro o tempo inteiro.”

Portanto, se você consegue se concentrar com determinadas pessoas e outras não é um sinal de que o papo com estas últimas não anda bacana.

Agora, se você não consegue se concentrar no papo com ninguém, é um sinal que você está com um problema de foco.

Ou está se relacionando com as pessoas erradas ou precisa revisar um pouco aspectos mais profundos da sua vida.

E aí entramos em um dos diamantes do livro de McKeown, que é o jogo de tênis das relações, que eu vou Bimodalizar aqui:

Respostas com a bola perto – quando a pessoa responde bem perto do que você disse e com isso temos um upgrade no papo;
Repostas com a bola longe – quando a pessoa responde distante, mas mesmo assim ainda dá para ir adiante, mas com mais esforço, sinal de que a coisa não vai tão bem;
Repostas na rede – quando a pessoa não responde ou te dá um retorno em que claramente não está escutando o que você disse antes, num sinal de “não estou gostando nada dos teus papos”.

Vou transcrever o que McKeown disse sobre isso na íntegra:

“O primeiro tipo de reação é o que eles chamam de “voltar-se para”. É quando você chega em casa, dá um beijinho no rosto da pessoa amada e diz algo como: “ Hoje o dia está lindo, não acha? ” Ao que a pessoa amada responde: “Concordo. Lindo mesmo ! Vamos abrir as janelas. ” Aqui, o parceiro é como a pessoa no outro lado da quadra que recebe seu saque e rebate a bola diretamente para onde você está. Não poderia ser mais fácil rebater de volta, e assim o jogo continua.

O segundo tipo de reação é “voltar-se contra”. É quando o parceiro responde ao comentário sobre o tempo dizendo algo como : “ Acha mesmo ? Está quente demais para mim hoje. Não gosto nem um pouco dessa umidade!” Nesse caso, a pessoa rebateu a bola, mas para o lado oposto da quadra, e você tem que correr para alcançá-la. O jogo pode continuar, porém é mais extenuante.

O terceiro tipo de reação é “dar as costas” ou “afastar-se”. É quando seu parceiro não reage ao comentário sobre o tempo e rebate com algo inteiramente diferente , como : “ Você já levou o carro para trocar o óleo?” A bola acabou de ser lançada diretamente na rede . Ponto encerrado . Será preciso juntar energia (mental e física) para retomar o jogo.”

Isso vale para as relações pessoas e profissionais também, ainda mais quando estamos procurando clientes.

Os clientes mais adequados são aqueles que rebatem perto de onde você está e permitem que o jogo funcione de forma menos estressante.

O cliente vê valor no que você está oferecendo e está disposto a comprar.

É da capacidade que temos de avaliar bem quem está do outro lado da quadra que definimos o Foquismo das Relações que vale tanto para as informais como para as profissionais.

Ele diz o seguinte:

“Quando duas pessoas não se enxergam. Não estão no mesmo jogo, talvez nem no mesmo esporte. É como se ambos olhassem a mesma parede e um dissesse que é azul enquanto o outro insiste que é vermelha”.

As relações mais saudáveis são aquelas em que as rebatidas das bolas ficam mais perto, pois exigem menos esforço.

Ele conclui:

“Não precisamos concordar em tudo com a outra pessoa. Mas temos que estar presentes com ela, realmente notá-la, dar-lhe toda a nossa atenção – talvez nem sempre, mas com a máxima frequência possível.”

Assim, um sinal de que estamos vivendo uma relação mais saudável é analisar o quanto estamos nos esforçando na quadra para rebater as bolas que vem do outro lado – e vice-versa.

Por fim, vamos falar do título do artigo da questão de dar conselhos ou fazer perguntas.

O problema das pessoas é, segundo McKeown, “quando temem ser julgadas, as pessoas abafam sua voz interior.”

Por isso, ele sugere que evitemos dar conselhos, mas optemos por oferecer perguntas francas para que a pessoa possa pensar sobre os problemas.

Ele cita o exemplo da prática dos protestantes quacres chamada Comitê de Clareza.

“O propósito do comitê não é lhe dizer o que fazer. O propósito é ajudar a pessoa a descobrir por ela mesma. Para isso, o comitê deve remover da equação qualquer julgamento.”

Ele complementa:

“Os anciãos do comitê “podem fazer “perguntas francas” para esclarecer determinadas questões e podem reproduzir ou repetir o que ouviram. Opiniões, conselhos e julgamentos não são permitidos.”

Ele continua:

“Segundo Parker J. Palmer, especialista no processo do Comitê de Clareza, “cada um de nós tem um mestre interior, uma voz da verdade, que oferece a orientação e o poder de que precisamos para resolver nossos problemas”. A intenção do exercício é ajudar a pessoa a amplificar essa voz interior e a obter clareza para saber como avançar.”

Basicamente, Bimodalizando o assunto, podemos dizer que a voz interior nada mais é do que o desenvolvimento progressivo e continuado da Mente Secundária.

Eu diria que podemos fazer algo nem tanto ao mar nem tanto à terra.

Tenho uma amiga do condomínio, que tem dificuldade de falar dela mesma. E ela vem se abrindo comigo.

Eu sugeri – como faço com todos meus mentorandos – que passem a ter um Diário de Bordo da Rotina para começar uma conversa com ele mesmo.

Isso é fundamental para desenvolver a Mente Secundária.

Ela tem me dito que tem feito perguntas para ela mesma e procurado dar respostas no seu Diário de Bordo.

Porém, sugestões e conselhos têm feito bem a ela, depois que passamos a ter mais intimidade e ela passou a confiar mais nos meus Paradigmas.

Vou fazer um parênteses aqui:

Sugiro, como já dissemos, dois diários de bordo, vou melhorar o detalhamento:

Diário de Bordo da Rotina – o ideal é que seja feito para que outras pessoas possam ler, colocado na Internet, para que tenha uma formalização e uma preocupação maior com o texto, potencializando a Mente Secundária;
Diário de Bordo das Crises – é mais para rascunhos, não é para ser mostrado para outras pessoas, nem colocado na Internet, serve para a recuperação de controle, para que a Mente Secundária possa começar a atuar em situações de alto stress.

Voltando.

O objetivo de um Mentor da Felicidade é, basicamente, ajudar a pessoa a desenvolver de forma progressiva e cada vez melhor o uso da sua Mente Secundária.

Um psicólogo – que chamamos de Mentor da Felicidade Pósventivo – nada mais é do que alguém que faz o papel que deveria estar sendo feito pela Mente Secundária da pessoa.

Temos, assim, dois tipos de Mentores da Felicidade, sejam eles Preventivos ou Pósventivos Dependentistas e Independentistas:

Mentores da Felicidade Dependentistas – que suas teorias e métodos acabam por criar uma dependência dos clientes, ocupando ele o lugar da Mente Secundária e não desenvolvendo a do seu cliente;
Mentores da Felicidade Independentistas – que com as teorias e métodos escolhidos visa estimular a independência dos clientes, que passam a desenvolver com mais facilidade a sua Mente Secundária.

E por sua vez, vamos explicar de novo a diferença entre Mentores da Felicidade Preventivos e Pósventivos:

Mentores da Felicidade Preventivos – que trabalham a partir de um Guia da Felicidade com clientes que conseguem usá-lo de forma mais independente, pois tem problemas emocionais mais conjunturais;
Mentores da Felicidade Independentistas – que trabalham a partir de um Guia da Felicidade com clientes que NÃO conseguem usá-lo de forma mais independente, pois tem problemas emocionais mais estruturais.

Quando sugerimos a criação de Diários de Bordo da Rotina e das Crises estamos oferecendo elementos para que essa independência seja feita.

Mais ainda.

Quando oferecemos um Guia da Felicidade para a pessoa, estamos oferecendo bases para que ela possa, de forma mais independente, abraçar um Projeto de Felicidade de forma mais consciente.

(Guia da Felicidade – teorias e métodos para que a pessoa possa, de forma mais independente e consciente, escolher formas de ser mais feliz.)

Se sugerimos em um Guia da Felicidade o desenvolvimento por conta própria seus Diários de Bordo (Rotineiro e de Crise) e oferecemos alguns conselhos que não gerem dependência, me parece que temos Conselhos Saudáveis.

Vamos separar, assim os dois tipos de conselho:

Conselhos Saudáveis – aqueles que NÃO geram dependência e são feitos como sugestão para se abraçar um Guia de Felicidade, criando, assim, uma independência;
Conselhos Tóxicos – aqueles que geram dependência e NÃO são feitos para que a pessoa abrace um Guia de Felicidade, criando, assim, uma dependência.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto aborda a importância de assumir a responsabilidade por nossas emoções e ações, especialmente em contextos de empreendedorismo e desenvolvimento pessoal. A ideia central é que enfrentar as “Chatices Relevantes” da vida, seja no âmbito profissional ou pessoal, é essencial para o crescimento e a realização. Isso envolve encarar desafios, criar rituais e minimizar reclamações, transformando problemas em oportunidades de aprendizado e gratidão. O autor destaca a necessidade de desenvolver um “Eu Organizativo” forte para suportar e facilitar o trabalho do “Eu Criativo”. Além disso, ressalta a importância de abandonar paradigmas obsoletos e adotar uma mentalidade mais proativa e agradecida. Em suma, o texto enfatiza a importância do crescimento pessoal e da responsabilidade emocional para uma vida mais significativa e satisfatória.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. O Mundo Digital está obrigando o Sapiens 1.0 a se adultizar!
  2. Se considero que é o outro o culpado de tudo que acontece na minha vida, eu me declaro totalmente inocente dos problemas que tenho!
  3. O papel do Eu Organizativo é arrumar o ambiente para que o Eu Criativo possa produzir com tranquilidade.
  4. Numa vida mais proativa temos a enorme tarefa de transformar problemas em desafios.
  5. Você pode ignorar as suas Chatices Relevantes, mas não ignorar as consequências de ter ignorado as Chatices Relevantes.
  6. As Chatices Relevantes estão aí fazendo passeata debaixo da sua janela gritando para que sejam melhor gerenciadas.
  7. Num Projeto Missionário de Vida o Eu Criativo é um verdadeiro popstar da nossa mente e deve ser tratado como um príncipe.
  8. Quanto mais desenvolvemos nosso Personal Universo, menos o Ambiente de Sobrevivência tem o poder de nos desestabilizar.

Vamos ao Artigo:

“Se temos alguém em quem jogar a culpa , não precisamos assumir a responsabilidade pela nossa raiva.”Greg McKeown.

Permitam um Parênteses dos Escritos.

No ótimo diálogo que venho mantendo com o Bimodal Fábio Mendes, temos falado muito sobre a Missão Existencial das pessoas.

Na verdade, nosso Projeto Bimodal de Felicidade 2.0 o foco é desenvolver um Estilo de Vida Missionário – aquele em que a pessoa consegue desenvolver seus Potenciais Singulares.

Temos ainda os Estilos de Vida Sobrevivente e o Instagrante. No Sobrevivente, não há Projeto de Vida mais Consciente e no Instagrante, os Projetos de Vida são mais Coisisistas e Exógenos, voltados para os outros.

Quando pensamos no Estilo de Vida Missionário, a missão é uma só: um projeto de pesquisa progressivo e continuado para desenvolver, ao máximo, o Potencial Singular de cada pessoa.

Temos uma gama de variações nesse processo de Pesquisa de Vida:

O Perfil da Idade – que vai da primeira à quinta;
O Perfil Inovador – com maior ou menor sede de desafios;
O Perfil de Atividades – que varia entre Operador, Disseminador e Conceituador.

Além disso, temos duas Missões diferentes:

Missão Endógena – cuja a referência é exclusivamente de atendimento a seus clientes internos, na direção de menos para mais desenvolvimento dos Potenciais Singulares;
Missão Exógena – cuja referência é exclusivamente de atendimento a seus clientes externos, na direção de ajudar as pessoas a serem mais felizes diante de qualquer fenômeno.

Tudo isso nos leva a diferentes equações que podem variar também pelos fatores do Ambiente de Sobrevivência, que pode ser mais ou menos centralizado, mais ou menos incentivador da originalidade ou da massificação.

Este é o desafio que cada pessoa e os Coachings da Inovação Pessoal (sejam eles Preventivos ou Pósventivos) têm pela frente.

Fecho o parênteses.

Vamos continuar a Bimodalização do ótimo livro “Sem esforço: torne mais fácil o que é mais importante” de Greg McKeown.

Este é o segundo texto sobre o livro.

Tive uma vivência que vale compartilhar para iniciar nossa conversa.

Minha fisioterapeuta montou um consultório, deixou de ser carteira assinada e neste momento deixou de ser apenas fisioterapeuta e passou a ser também uma empreendedora.

O trabalho de fisioterapia é feito pelo Eu Criativo e o empreendedorismo quem toca é o Eu Organizativo.

Uma série de coisas chatas – como nos alerta Eric Ries – passa a ser um problema de um empreendedor, que não é mais um trabalhador de carteira assinada, como, por exemplo, entender as lógicas dos reembolsos dos planos de saúde para ajudar os pacientes.

A atividade empreendedora se assemelha à saída da casa dos pais, quando a louça passa a não mais ser limpa, como mágica, sozinha.

O desafio da atividade empreendedora está justamente no desafio do desenvolvimento maior do Eu Organizativo.

O papel do Eu Organizativo é arrumar o ambiente para que o Eu Criativo possa produzir com tranquilidade.

Ela se vê, entretanto, apenas como uma fisioterapeuta pura, não empreendedora e não como uma fisioterapeuta-empreendedora.

A chatice do reembolso dos planos é algo visto como não preocupação, pois ela se enxerga apenas como fisioterapeuta.

Um diferencial competitivo como empreendedora que poderia ser entender os reembolsos de cada plano para ajudar os seus clientes é visto como algo chato.

É chato entender sobre reembolsos e plano de saúde?

Sim, é muito chato, mas isso passa a ser muito importante para o sucesso do negócio de uma fisio-empreendedora, pois todo mundo que tem plano quer ter o maior reembolso possível e isso depende basicamente do detalhamento do relatório da fisioterapeuta.

Eric Ries aborda a questão fundamental do empreendedorismo, que é aprender com o tempo a lidar com as coisas chatas.

Bimodalizamos isso como Chatices Relevantes, que precisam ser encaradas e o tema volta aqui no diálogo que estamos tendo com o livro do McKeown.

Ele diz:

“Ao mesmo tempo, todos temos atividades importantes que não fazemos com regularidade porque fugimos ativamente delas. Pode ser se exercitar, calcular as finanças, lavar a louça depois do jantar, responder a e-mails , frequentar reuniões ou acordar os filhos adolescentes para irem à escola. Nem toda atividade essencial é inerentemente prazerosa.”

Todos nós temos as nossas Cavernas do Dragão, nas quais estão escondidas muitas Chatices Relevantes que precisam ser gerenciadas.

Num mundo mais empreendedor, cada pessoa, mesmo com carteira assinada, precisa aprender a desenvolver o seu Eu Organizativo.

O Mundo Digital está obrigando o Sapiens 1.0 a se adultizar!

(Adultizar – aumentar a capacidade do Eu Organizativo de lidar com as Chatices Relevantes da vida para permitir que nosso Eu Criativo possa se desenvolver ao máximo.)

Fato é que existem também muitas Chatices Irrelevantes que podem ser ignoradas e descartadas para que possamos nos concentrar, ao máximo, nas Chatices Relevantes.

Precisamos desenvolver, entretanto, a arte de lidar melhor com as Chatices Relevantes para que elas não nos devorem mais adiante.

Bimodalizando aqui com uma das frases mais interessantes de um dos nossos Padrinhos (no caso Madrinha), Ayn Rand (1905-82):

Você pode ignorar as suas Chatices Relevantes, mas não ignorar as consequências de ter ignorado as Chatices Relevantes.

As Chatices Relevantes estão aí fazendo passeata debaixo da sua janela gritando para que sejam melhor gerenciadas.

Chatices Relevantes ficam a cargo do Eu Organizativo, que deve fazer o seu trabalho bem feito, deixando o Eu Criativo trabalhar com o mínimo stress possível.

Bom saber o seguinte:

Num Projeto Missionário de Vida, o Eu Criativo é um verdadeiro popstar da nossa mente e deve ser tratado como um príncipe.

Temos duas escolhas diante das Chatices Relevantes, como disse em artigos anteriores:

Encarar diretamente as Chatices Relevantes – tornando-as menos chatas, através de vários estratagemas, tais como ritualizando-as ou criando formas de torná-las mais divertidas;
Terceirizar as Chatices Relevantes – repassando-as para pessoas especializadas, quando for possível.

Exemplos dos meus desafios ao lidar com as Chatices Relevantes:

Eu, por exemplo, ao encarar Chatices Relevantes diretamente sempre lavo louça ouvindo os meus áudios que fiz momentos antes para a escola – o que torna o trabalho bem mais tranquilo e prazeroso;
E ao encarar Chatices Relevantes indiretamente passei para a minha contadora a feitura do meu imposto de renda, pois não tenho paciência para fazê-lo e para uma advogada o problema da aposentadoria.

McKeown, por exemplo, resolveu, quando tinha que fazer várias ligações chatas, telefonar para sua lista de contatos da banheira:

“Em questão de segundos, tive a ideia de fazer as chamadas na banheira. Isso mudou toda a experiência.”

A ideia de tornar divertida as Chatices Relevantes o faz perguntar:

“Quanto tempo você perde tentando se forçar a fazer as coisas importantes porém difíceis usando a pura determinação em vez de torná-las divertidas?”

Deixamos de encarar Chatices Relevantes justamente pela sensação ruim que causam, pois todo mundo detesta visitar as Cavernas de Dragão!

Outro ponto interessante nas sugestões de McKeown, além de tornar divertidas as Chatices Relevantes, ele sugere criar rituais:

“Os rituais facilitam a manutenção dos hábitos essenciais por lhes incutir significado.”

Um exemplo que ocorreu na minha vida foi quando ritualizei antes da caminhada matutina, pedindo perdão e agradecimentos, ao mesmo tempo que alongo os músculos.

Transformei o alongamento em um ritual de agradecimento e perdão, tanto de situações e pessoas do passado como do presente.

Depois da ritualização do alongamento é muito raro eu deixar de fazer.

Ele diz sobre isso:

“Por mais bobos que esses comportamentos pareçam para quem vê de fora, fazê- los com regularidade nos dá firmeza, alivia a ansiedade e nos devolve ao Estado Sem Esforço de um jeito que, em geral, só nós mesmos compreendemos.”

Ele ainda diz sobre os rituais:

“Eles têm o poder de transformar uma tarefa maçante numa experiência que traz alegria.”

E fecha o assunto uma Frase Diamante:

“Nossos rituais são hábitos em que pusemos nossa impressão digital. São hábitos com alma”.

Quando colocamos “alma” nos nossos hábitos estamos:

Acionando a Mente Secundária para nos tirar do automatismo do Zecapagodismo da Mente Primária;
Personalizando hábitos corriqueiros, na verdade, tornando nossa vida cada vez mais única e original, criando um universo próprio.

Quando passamos a praticar um Projeto de Felicidade Mais Forte, singularizando nossa vida, temos essa sensação de estar criando um Universo Paralelo dentro do Universo em que todos vivem.

Quanto mais desenvolvemos nosso Personal Universo, menos o Ambiente de Sobrevivência tem o poder de nos desestabilizar.

Voltando aos rituais.

Com o exercício dos rituais transformando coisas chatas em algo menos chato, baixamos a taxa de chatice, tornando-as mais palatáveis.

McKeown tem também uma vertente Minimalista de sugerir descartes daquilo que não vamos mais usar.

Ele sugere que devemos descartar o desnecessário e nesse ato final devemos “agradecer aos itens que estamos descartando pelo trabalho prestado.”

Ontem, quando escrevi este artigo, joguei fora uma sandália que estava no Rio e eu trouxe para Teresópolis.

Fiquei umas semanas olhando para ela, antes de jogar fora. Fiz o seguinte Exercício Minimalista:

(Exercício Minimalista – saber se vamos, ou não, jogar algo fora, nos perguntando: eu compraria algo assim agora? Vou usar em um futuro perto ou longe? Vale a pena deixar isso aqui ocupando espaço com tão pouco uso?)

O que eu me perguntei no meu Exercício Minimalista?

Eu compraria hoje esta sandália? Não.
Em que momentos eu poderia usar esta sandália comprada tempos atrás? Quase nunca, ou nunca!
Vale a pena deixar isso aqui ocupando espaço com tão pouco uso? Não, não vale não.

As situações de uso que me vieram à mente eram tão remotas, que eu avaliei que ia ocupar um lugar na casa desnecessário.

Mais.

O ato de jogar fora, me fez pensar nos meus calçados, na forma como os estou usando e na possibilidade de alguém achar a sandália e usá-la de forma muito mais intensa do que eu.

Deixei no lixo para que ela fosse reenergizada pelo pé de outra pessoa.

Outro ponto abordado no livro é a questão da superação dos Paradigmas Obsoletos que ficam na Mente Primária.

De certa forma, o mesmo exercício de procurar jogar fora coisas objetivas e, por outro lado, as subjetivas, algo que está ocupando espaço e atrapalhando nossa vida.

Existem, assim, dois tipos de Minimalismos, que dialogam e têm uma sinergia entre si:

Minimalismo Objetivo – jogar fora coisas concretas e palpáveis, que estão ocupando espaço no nosso ambiente físico e não estão sendo utilizados e não vão;
Minimalismo Subjetivo – jogar fora coisas subjetivas e não palpáveis, que estão ocupando espaço no nosso ambiente mental e estão mais atrapalhando do que ajudando.

Ele diz:

“Você tem algum item assim, que mora em sua mente sem pagar aluguel? Metas, sugestões ou ideias obsoletas.” // “Mentalidades que já perderam qualquer utilidade mas são parte tua há tanto tempo que você mal repara nelas?”

Aqui, temos a análise Bimodal da Bimodalidade da Mente, que percebe as Mentes Primária e a Secundária.

Amadurecer, na visão Bimodal, em direção a uma vida melhor e mais significativa é o ato progressivo e continuado de rever os Paradigmas Atrapalhantes que estão na Mente Primária.

Ele gosta de usar também a metáfora do computador, algo que volta e meia aparece por aqui nos textos Bimodais:

“Esses intrusos (Os Paradigmas Atrapalhantes – inclusão minha) são como aplicativos desnecessários que ficam rodando em segundo plano no computador, deixando todas as outras funcionalidades mais lentas.”

E acredito que aqui podemos melhorar a ideia.

O Sistema Operacional da Mente tem códigos que fazem com que nossos Paradigmas Estruturais guiem nossa forma de sentir, pensar e agir.

Os Códigos do Sistema Operacional da Mente, de maneira geral, são um misto daquilo que nos passaram e continuam operando e daquilo que já tivemos demanda e capacidade de revisar.

Quando estes Paradigmas Estruturais contém bugs, nós precisamos de um esforço grande para alterá-los para que possamos ter uma vida melhor e mais significativa.

Vejamos a diferença dos Sistemas Operacionais da Mente:

Sistema Operacional da Mente Menos Forte – nos leva a pensar e agir de forma menos adequada para a nossa felicidade;
Sistema Operacional da Mente Mais Forte – nos leva a pensar e agir de forma mais adequada para a nossa felicidade.

Quando nossa Mente é ocupada por Paradigmas Mais Fracos ocorre:

Perdemos a capacidade de pensar e agir melhor;
Decidimos de forma mais equivocada;
Ficamos mais lentos e mesmo mais procrastinadores na vida.

Um Sistema Operacional da Mente Mais Forte nos leva ao contrário:

Melhoramos gradativamente a capacidade de pensar e agir melhor;
Decidimos de forma cada vez mais adequada;
Ficamos mais ágeis e mais proativos diante da vida.

Quando nossa mente é tomada pelos Paradigmas Mais Fracos saímos do Modus Mutante para o Modus Reclamante:

Modus Mutante – procuramos encarar todos os problemas de forma proativa, observando como podemos superá-los;
Modus Reclamante – procuramos culpar os outros pelos problemas de forma reativa, entrando num processo de reclamação permanente.

Diz ele:

“Na verdade, reclamar é uma das coisas mais fáceis de fazer. É tão fácil que muita gente faz isso sem parar.”

Se considero que é o outro o culpado de tudo que acontece na minha vida, eu me declaro totalmente inocente dos problemas que tenho!

McKeown afirma que o Modus Reclamante (conceito que criei a partir dele) tem um efeito espiral:

“Você já percebeu que, quanto mais reclama – e quanto mais lê e ouve outras pessoas reclamarem –, mais fácil fica encontrar motivo para reclamar? Por outro lado, já percebeu que, quanto mais agradecido fica, mais coisas tem a agradecer?”

Um dos principais diamantes do livro de McKeown é justamente a ideia de migrar do Modus Reclamante para o Modus Agradecente.

Diz ele:

“A gratidão é poderosa e catalítica. Ela tira das emoções negativas o oxigênio que precisam para sobreviver. Também gera um sistema positivo e auto sustentável onde e quando é aplicada.”

Por mais que a situação possa ser bizarra, você pode procurar ver o que aprendeu.

Exemplo?

Meu plano de saúde, conforme falei com a atendente do 0800, me disse que o reembolso da fisioterapia era de R$ 50,00 reais e, na realidade, eles depositaram apenas R$ 12,00.

Tenho todo o motivo para reclamar deles para todo mundo, mas pensei que estava em um processo novo que é o de fazer fisioterapias fora do plano e tenho um período de aprendizado até que me torne mestre no assunto.

Agradeci o aprendizado de algo que é meio absurdo, mas que é real e preciso arranjar formas de não repetir o mesmo procedimento – até mesmo trocar de plano.

Diz ele – o que achei bem útil:

“Reclamar também cria um ciclo auto sustentável. Só que, em vez de facilitar , esse sistema dificulta fazer o que tem importância . É uma “ espiral descendente.”

Reclamar nos leva a uma atitude muito mais passiva do que ativa.

A melhor forma de sair do Modus Reclamante ou do Reclamismo é partir para o Aprendismo, que nos coloca a seguinte questão: o que aprendi com tal situação para que ela não se repita?

A reclamação gera um rancor que vai aumentando e não diminuindo.

Ele sugere:

“O primeiro passo para isso é se perguntar: Para que função contratei esse rancor?”.

O rancor é uma emoção negativa, que passa a pingar na nossa pia. Precisamos fechar a torneira,evitando reclamar e procurando os aprendizados!

Ele diz:

“No início, nos sentimos superiores e até poderosos com isso. Temos uma sensação de controle, mas ela é falsa e fugidia porque, na verdade, é o rancor que nos controla.”

Ele sugere que criemos uma espécie de Alarme Interno Anti-reclamação (o conceito eu criei, a partir dele) para que toda vez que você perceber que vai reclamar de algo, se perguntar: Como posso transformar isso em um agradecimento?

Diz ele com a frase que abre o artigo:

“Se temos alguém em quem jogar a culpa, não precisamos assumir a responsabilidade pela nossa raiva.”

Uma vida mais proativa está justamente na capacidade que passamos a desenvolver de transformar problemas em desafios.

Amanhã, continuaremos Bimodalizando o Mckeown.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto descreve o início da análise do livro “Sem esforço: torne mais fácil o que é mais importante” de Greg McKeown, apresentado como uma leitura recomendada por João Vitor de Barros Baptista. McKeown aborda a questão de por que pessoas inteligentes levam vidas insatisfatórias, enfatizando a importância de usar o conhecimento com sabedoria. Ele propõe uma abordagem de “sem esforço” para alcançar resultados significativos, questionando o conceito de que o bom sempre requer muito esforço. A ideia central é simplificar a vida focando no essencial e questionando premissas que tornam as coisas mais difíceis do que precisam ser. A mensagem destaca a importância de praticar o “Facilitismo” e questionar o “Dificultismo”, buscando formas mais eficazes e menos exaustivas de realizar atividades.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. A Sabedoria, assim, é o uso do conhecimento para que possamos ter vidas melhores e mais significativas.
  2. O tronco num Projeto de Felicidade Mais Forte é manter alto as sensações positivas e o resto são galhos e folhas.
  3. O fim é o que nos deixa mais felizes e os meios são as ferramentas que precisamos usar para chegar nesse objetivo.
  4. Você deve comprar uma roupa que te gere uma sensação positiva e não para mostrar aos amigos que você está na moda.
  5. Quando não definimos adequadamente nossa Missão de Vida (desenvolver nossos Potenciais Singulares) ficamos perdidos.
  6. O Estado de Fluxo é alcançado quando colocamos nossos Potenciais Singulares para rodar – o que gera uma sensação de bem estar para as outras horas do dia.
  7. O Esforço Tóxico é o que podemos chamar de Sacrifício sem sentido.
  8. A base do Facilitismo é: antes de sair fazendo , use a Mente Secundária para que o Esforço seja mais Saudável do que Tóxico.

Vamos ao Artigo:

“Trabalho não precisa ser sinônimo de dificuldade.” Greg McKeown.

Vamos iniciar a Bimodalização do ótimo livro “Sem esforço: torne mais fácil o que é mais importante” de Greg McKeown.

O livro foi uma indicação do Bimodal Endógeno João Vitor de Barros Baptista.

O livro de McKeown tem um estilo mais vendável que é o de contar uma estória e depois refletir sobre ela, colocando a minha Narrativa.

É um tipo de livro que ganha mais leitores, mas perde um pouco na direção de preparar uma metodologia.

Uma pessoa que queira aplicar o livro dele, como um coaching de Felicidade, terá o trabalho de reorganizar tudo para que possa aplicar.

Uma das principais perguntas do trabalho de McKeown é a seguinte: por que pessoas tão inteligentes levam vidas tão ruins?

Uma primeira resposta seria a seguinte:

As pessoas usam o conhecimento de forma pouco sábia.

Vejamos, antes de tudo, a diferença entre dado, informação, conhecimento e sabedoria, comparando tudo isso com a chuva que começa a cair:

Dado – a gota que cai na mão logo cedo – é chuva e não um pingo de ar condicionado;
Informação – sim, é chuva;
Conhecimento – quando chove deste jeito, a experiência e o que li me diz, que vai demorar bastante, levando a manhã toda;
Sabedoria – acho melhor não sair de casa, pois tudo vai ficar alagado rapidinho e vou aproveitar para fazer algumas pendências e sair só de tarde.

A Sabedoria, assim, é o uso mais adequado do conhecimento para que possamos ter vidas melhores e mais significativas.

Os dois livros de McKeown (o outro é sobre Essencialismo) que vou comentar na sequência visam ajudar as pessoas a serem mais felizes.

McKeown é um Cientista da Inovação Pessoal, que reforça bastante a Narrativa Bimodal e acrescenta uma série de boas dicas.

O livro Sem Esforço pode ser resumido pela seguinte frase:

“Quando simplesmente não dá para se esforçar mais, é hora de procurar um caminho diferente.”

McKeown questiona alguns pensamentos Mainstream:

De que o bom é sempre algo que dá muito trabalho;
Quando as coisas são feitas de forma mais simples e fácil não são boas;
E que quanto mais fazemos, melhores somos, sem que foquemos no que é essencial.

Que se resume na seguinte frase: “O burnout não é uma medalha de honra.”

Ele afirma que é preciso aprender a dosar o esforço, pois “quanto mais cansados ficamos, mais o retorno sobre esse esforço diminui.”

Ele diz:

“Quando a gente prioriza o que é mais importante, há espaço na vida não só para o que mais valorizamos como para outras coisas. Caso contrário, você fará o que for trivial, porém ficará sem espaço para o que realmente importa.”

Aqui, cabe uma metáfora que ele usa bastante no livro da separação entre o tronco, os galhos e as folhas das árvores:

O tronco – são as essências, aquilo que deve ser avaliado primeiro;
Os galhos – fazem parte do que deve ser avaliado depois;
As folhas – por fim, as folhas devem ser vistas.

A separação entre tronco, galhos e folhas vale para tudo, principalmente, naquilo que é mais relevante e importante quando pensamos nas nossas vidas.

No Projeto de Felicidade 2.0 Bimodal, por exemplo, destacamos a importância das Métricas da Felicidade baseadas em Sensações.

O objetivo em um Projeto de Felicidade Mais Forte é manter alta a Métrica TBMRC (Tranquilidade, Bom Humor, Motivação, Resiliência e Criatividade).

O tronco num Projeto de Felicidade Mais Forte é manter alto as sensações positivas e o resto é galhos e folhas.

O que McKeown nos sugere é que não devemos confundir o que é fim do que é meio. O fim é o que nos deixa mais felizes e os meios são as ferramentas que precisamos usar para chegar nesse objetivo.

Coisas são ferramentas para gerar sensações positivas e não um fim em si mesmo.

Você deve comprar uma roupa que te gere uma sensação positiva e não para mostrar aos amigos que você está na moda.

McKeown divide seus dois livros da seguinte maneira: “Essencialismo era sobre fazer as coisas certas. Sem esforço é sobre fazê-las do jeito certo.”

Podemos Bimodalizar os dois termos de McKeown da seguinte maneira:

Essencialismo é definir a nossa missão, aquilo que devemos realmente fazer para tirar e conseguir manter nossos Potenciais Singulares fora do armário;
Sem Esforço é um conjunto de sugestões de melhorias nas atitudes para que nossos Potenciais Singulares possam ser praticados.

Ele diz:

“Em vez de tentar obter resultados melhores nos esforçando ainda mais, podemos transformar as atividades mais essenciais nas mais fáceis de serem executadas.”

Ele sugere, assim, que passemos a procurar usar a Mente Secundária o tempo todo para ver de que forma podemos simplificar nossa missão de vida.

O que estamos fazendo hoje que pode ser feito de forma mais fácil sem prejudicar, ao contrário, melhorando o resultado final?

O primeiro grande problema é que quando não definimos adequadamente nossa Missão de Vida (desenvolver nossos Potenciais Singulares) ficamos perdidos.

Como diz Sêneca (4 a.C – 65 d.C):

“Se um homem não sabe a que porto se dirige, nenhum vento lhe será favorável.”

Bimodalizando McKeown de forma ainda mais sintética:

O Essencialismo de McKeown bimodalizado é focar nos Potenciais Singulares;
O Sem Esforço é procurar simplificar as atitudes para que isso seja feito de forma cada vez melhor.

A proposta de fazer as coisas sem esforço propõe o questionamento do perfeccionismo e se alinha com o Eric Ries (que inclusive é citado no livro).

McKeown defende que o cérebro precisa estar o mais limpo possível para que possamos nos dedicar ao que é mais essencial.

Diz ele:

“Quando seu cérebro está cheio de tralha – como premissas equivocadas, emoções negativas e padrões de pensamento tóxicos –, você tem menos energia mental disponível para realizar o que é mais essencial.”

Note o que McKeown sugere:

Premissas equivocadas – visões sobre a vida e a felicidade que não nos levam ao aumento da Taxa de TBMRC;
Pensamentos Tóxicos – paradigmas que estão armazenados na Mente Primária que não são questionados;
Emoções Negativas – geradas por contato com pessoas, situações, lugares, atividades e conteúdos tóxicos ou desnecessários que precisam ser afastados.

Diz ele:

“O cérebro é programado para priorizar as emoções com elevado “ valor afetivo ” – como medo , ressentimento ou raiva – , essas emoções fortes geralmente vencem a disputa, nos deixando com ainda menos recursos mentais para dedicar às coisas que importam.”

Chamamos isso de Gatilho Estressor fatos que nos abrem as torneiras das Emoções Negativas, que precisam ser processados pelo Diário de Bordo das Crises.

Com a prática, aos poucos, vamos aprendendo a evitar e lidar com determinados Gatilhos Estressores e ficamos mais resilientes para os novos que ainda não conhecemos.

Diz ele:

“O Estado Sem Esforço é aquele em que você está fisicamente descansado, emocionalmente aliviado e mentalmente energizado. Está cem por cento presente, atento e focado no que é essencial naquele momento. É capaz de fazer com facilidade o que mais importa.”

Aqui vou discordar um pouco de McKeown.

O que ele chama de Estado Sem Esforço é a procura de um Bem Estar Continuado, algo que ocorre ao longo do tempo, quando conseguimos manter nossa Taxa de TBMRC lá em cima.

Porém, é preciso não confundir com o que Mihaly chama de Estado de Fluxo.

O Estado de Fluxo é alcançado quando colocamos nossos Potenciais Singulares para rodar – o que gera uma sensação de bem estar para as outras horas do dia.

Não diria que a procura da redução do esforço gera um “estado”.

Visões e Atitudes mais adequadas nos permitem praticar nossos Potenciais Singulares e isso nos leva a uma sensação de Bem Estar Continuado.

O que McKeown chama de Estado Sem Esforço nós optamos por chamar de Bem Estar Continuado, que pode ser medido ao longo do tempo.

“Sem Esforço” de McKeown sugere gerar uma Atitude Existencial que podemos chamar de Facilitismo – a procura o tempo todo por tornar mais fácil aquilo que fazemos.

Tal Atitude Existencial – Facilitismo – não constava até aqui do Projeto Bimodal de Felicidade 2.0.

Ele questiona uma tendência que temos de nos sacrificar sem necessidade:

“Muitas vezes sacrificamos nosso tempo, nossa energia e até nossa sanidade mental por acreditar que o sacrifício é essencial por si só.”

E complementa:

“É quase uma lei natural para algumas pessoas: se uma coisa é fácil, então ela não é tão importante.”// “É como se todos aceitássemos automaticamente que o jeito “ certo ” é , de forma inevitável, o mais difícil.”

O que nos leva a dizer que o Facilitismo procura questionar o Dificultismo, que é, no popular, colocar cabelo em ovo.

Diz ele:

“Tornamos as coisas mais complicadas do que precisam ser.”

Que é bem expresso nesta frase:

“Nem paramos para pensar que algo essencial e valioso pode ser feito com facilidade.”

Diria que temos dois tipos de Esforços:

Esforço Saudável – aquele que está alinhado a um Projeto de Felicidade Mais Forte, que vai aumentar nossa Taxa de TBMRC;
Esforço Tóxico – aquele que NÃO está alinhado a um Projeto de Felicidade Mais Forte, que NÃO vai aumentar nossa Taxa de TBMRC.

O Esforço Tóxico é o que podemos chamar de Sacrifício sem sentido.

Para que possamos praticar o Facilitismo ele sugere que é preciso sempre questionar as premissas.

Diz ele:

“Você se surpreenderia com a frequência com que surge uma solução mais fácil quando as premissas que fazem o problema parecer difícil são eliminadas.”

Eu resumiria algumas questões para a mudança de premissas diante de atividades, a base do Facilitismo:

Eu preciso fazer isso?
Caso sim, como eu faço o menor esforço possível para chegar no melhor resultado?

A base do Facilitismo é antes de sair fazendo uso da Mente Secundária para que o Esforço seja mais Saudável do que Tóxico.

Moral da história: antes de sair fazendo coisas que nem um maluco coloque a mente secundária para funcionar!

Frases que vale à pena compartilhar:

“Nossa perpetuação como espécie vem da preferência inata pelo caminho de menor esforço.” – McKeown;

“Para que vivemos, se não para tornar a vida menos difícil uns para os outros?” – George Eliot;

“É uma ilusão coletiva achar que o excesso de trabalho e o esgotamento são o preço que precisamos pagar para sermos bem-sucedidos.” – Arianna Huffington.

É isso, que dizes?

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto aborda a questão do futuro da educação diante do mundo digital, apresentando análises de dois chatbots, Gemini e ChatGPT, sobre as possibilidades e desafios desse cenário. O autor argumenta que a discussão sobre o futuro da educação deve ir além das tecnologias e repensar os paradigmas educacionais vigentes à luz da Ciência Social 2.0, visando preparar o Sapiens 2.0 para ser mais autônomo, responsável e adaptável.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Mudou a mídia, mudou o modelo de educação!
  2. O primeiro passo, do primeiro passo, do primeiro passo para poder começar a sair da atual crise da é rever os Paradigmas da Ciência Social.
  3. As mídias são uma espécie de prótese do nosso cérebro, que influenciam fortemente a forma como sobrevivemos.
  4. O Sapiens Oral era um, o Escrito era outro e o Digital mais um, completamente diferente!
  5. Mudou a mídia, Mudou o Sapiens!
  6. Quanto mais complexidade demográfica temos, mais cada Sapiens precisará assumir mais responsabilidades!
  7. O Sapiens não cria tecnologias por que gosta delas, mas por trás dela tem uma demanda de ser mais feliz do que foi no passado!
  8. Nós não estamos fazendo a Revolução Digital para ser mais tecnológicos, estamos fazendo tudo isso, pois queremos viver melhor num mundo mais habitado!

Vamos ao Artigo:

“Os alunos do futuro serão mais autônomos e responsáveis por sua própria aprendizagem.” Clay Shirky.

Recebi um convite para participar de mais um evento, entre tantos que já participei, abordando o futuro da educação.

Vale voltar ao tema.

Resolvi entender como o Mainstream pensa sobre o assunto, perguntando aos meus chatboxes preferidos (Gemini e ChatGPT) o que acham sobre isso.

A pergunta foi: “Qual é o futuro da educação diante do mundo digital?”

Comecemos com o Tio Gemini.

A resposta completa:

“O futuro da educação diante do mundo digital é promissor e cheio de possibilidades. A tecnologia já está moldando a maneira como aprendemos e ensinamos e essa tendência só vai se fortalecer nos próximos anos.

Algumas das principais tendências que podemos esperar para o futuro da educação incluem:

Aprendizagem personalizada: a tecnologia permitirá que os alunos aprendam no seu próprio ritmo e de acordo com suas necessidades individuais. Isso significa que cada aluno poderá ter um plano de aprendizado personalizado, com conteúdos e atividades que sejam relevantes para seus interesses e objetivos;

Aprendizagem experiencial: a realidade virtual, a realidade aumentada e outras tecnologias imersivas proporcionarão aos alunos experiências de aprendizado mais realistas e envolventes. Isso permitirá que os alunos aprendam de forma mais profunda e significativa;
Aprendizagem colaborativa: as ferramentas digitais facilitarão a colaboração entre alunos, tanto dentro como fora da sala de aula. Isso permitirá que os alunos desenvolvam habilidades importantes para o futuro, como comunicação, trabalho em equipe e resolução de problemas;

Aprendizagem ao longo da vida: a educação não se limitará mais à sala de aula. As pessoas poderão aprender em qualquer lugar e a qualquer hora, por meio de dispositivos móveis e plataformas online. Isso significa que a educação estará disponível para todos, independentemente de sua idade, localização ou situação socioeconômica;

Para que essas tendências se tornem realidade, é importante que os governos, as escolas e os educadores invistam em tecnologia e na formação de professores. É necessário também garantir que todos os alunos tenham acesso à internet e aos dispositivos digitais.

O futuro da educação é promissor, mas também é desafiador. É importante que todos os envolvidos no processo educacional se preparem para as mudanças que estão por vir.

Algumas das principais vantagens da educação digital incluem:

Maior acessibilidade: a educação digital torna a educação mais acessível para todos, independentemente de sua localização, idade ou situação socioeconômica;

Maior flexibilidade: a educação digital permite que os alunos aprendam no seu próprio ritmo e de acordo com suas necessidades individuais;

Maior engajamento: as ferramentas digitais podem tornar o aprendizado mais envolvente e divertido para os alunos;

Melhores resultados: estudos demonstram que a educação digital pode melhorar os resultados de aprendizagem dos alunos;

No entanto, a educação digital também apresenta alguns desafios, como:

Falta de acesso à tecnologia: nem todos os alunos têm acesso à internet e aos dispositivos digitais;

Falta de formação de professores: nem todos os professores estão preparados para usar a tecnologia de forma eficaz na sala de aula;

Distrações digitais: as ferramentas digitais podem ser uma distração para os alunos se não forem usadas de forma adequada;
É importante que os governos, as escolas e os educadores trabalhem juntos para superar esses desafios e garantir que todos os alunos tenham acesso a uma educação digital de qualidade.

O futuro da educação é digital, e as possibilidades são infinitas. Com planejamento e investimento, podemos garantir que todos os alunos tenham as ferramentas e os recursos de que precisam para ter sucesso no mundo digital.”

Continuemos com o Tio Chatinho.

A resposta completa:

“O futuro da educação diante do mundo digital é complexo e em constante evolução. Aqui estão algumas tendências e possíveis cenários que podem moldar o futuro da educação:

Aprendizagem Online: a educação online continuará a crescer, oferecendo acesso a recursos educacionais para pessoas em todo o mundo. Plataformas de aprendizagem online, cursos em vídeo, tutoriais interativos e recursos educacionais abertos (OER) desempenharão um papel significativo na disseminação do conhecimento.

Personalização e Adaptabilidade: a tecnologia permitirá a personalização do processo de aprendizagem, adaptando o conteúdo e as atividades de acordo com as necessidades individuais dos alunos. Sistemas de aprendizagem adaptativa e inteligência artificial ajudarão os educadores a oferecer uma experiência educacional mais personalizada.

Realidade Virtual e Aumentada: a realidade virtual e aumentada serão cada vez mais integradas ao ambiente educacional, proporcionando experiências imersivas e interativas. Isso pode incluir visitas virtuais a lugares distantes, simulações práticas e experiências de aprendizagem colaborativa.

Colaboração Online e Aprendizagem Social: Plataformas de colaboração online e redes sociais educacionais facilitarão a colaboração entre alunos e professores, permitindo a troca de ideias, discussões em grupo e projetos colaborativos.

Avaliação Contínua e Formativa: a tecnologia permitirá formas mais eficazes de avaliação contínua e formativa, fornecendo feedback imediato aos alunos e ajudando os educadores a identificar áreas de melhoria.

Desenvolvimento de Habilidades do Século XXI: a educação do futuro priorizará o desenvolvimento de habilidades do século XXI, como pensamento crítico, resolução de problemas, criatividade, colaboração e competência digital.

Acesso Universal: a tecnologia pode ajudar a reduzir as disparidades no acesso à educação, proporcionando oportunidades de aprendizagem para grupos marginalizados e em regiões remotas.

Desafios Éticos e de Privacidade: a uso de tecnologia na educação também levanta questões éticas e de privacidade que precisam ser abordadas, incluindo a proteção dos dados dos alunos e a equidade no acesso.

Em resumo, o futuro da educação no mundo digital será caracterizado pela flexibilidade, personalização, colaboração e uso criativo da tecnologia para promover experiências educacionais significativas e acessíveis a todos.

Vejamos agora o que é comum nas duas Abordagens do ponto de vista das possibilidades:

Aprendizagem, via telas, através de equipamentos digitais;
Tendência à Personalização;
Uso de Tecnologias 3D;
Maior cooperação entre os aprendizes;
Avaliação continuada;
Preparação para novas habilidades demandadas no novo século;
Acesso à distância.
Aprendizagem continuada;
Maior Flexibilidade;
Melhores resultados.

Vejamos agora o que é comum nas duas Abordagens do ponto de vista das preocupações:

Equidade do acesso;
Privacidade;
Falta de preparação dos educadores;
Evitar a distração digital.

O que comento das análises dos dois chatboxes sobre a educação?

São visões percepcionistas e não padronistas;
Olham o curto prazo e não o longo;
Veem as possibilidades das tecnologias, mas não as demandas do Sapiens 2.0;
Continuam imersos nos Paradigmas da Ciência Social 1.0.

Antes de tudo, é preciso iniciar a conversa sobre o futuro da educação pela Ciência Social.

Explica, Nepô!

O Sapiens não cria tecnologias por que gosta delas, mas por trás dela tem uma demanda de ser mais feliz do que foi no passado!

Quem olha para as tecnologias e só para elas, não percebe que há uma intenção por trás delas, na direção de menos para mais felicidade!

Nós não estamos fazendo a Revolução Digital para ser mais tecnológicos, estamos fazendo tudo isso, pois queremos viver melhor num mundo mais habitado!

Vejamos agora os impasses da visão sobre educação.

Note que toda a conversa sobre a educação do passado, do presente e do futuro é baseada nos Paradigmas Educacionais Vigentes.

Os Paradigmas Educacionais Vigentes têm como base o Motor da História 1.0.

O Modelo Educacional atual foi criado no ano tal, melhorou nisso e naquilo e pode melhorar de tal e tal forma.

Mas por que o atual Modelo Educacional foi criado? Qual foi a mudança que ocorreu no passado, que nos permitiu a criação das atuais escolas?

Se olharmos o passado, veremos que o boom educacional surge com a chegada da Prensa de Gutemberg (1396-1468).

Todo o modelo educacional antes da Prensa era baseado na Escrita Manuscrita e na Oralidade – o que limitava tremendamente a expansão do ensino.

Antes disso, todo o aprendizado era apenas oral.

Me parece óbvio dizer que:

Mudou a mídia, mudou o modelo de educação!

Porém, diferente do que vemos nos textos dos chatboxes acima, as tecnologias não fazem as mudanças, elas permitem que ela seja feita, a partir de novos paradigmas!

Entre as novas Tecnopossibilidades que as novas tecnologias oferecem e o uso mais adequado delas temos um oceano profundo!

O primeiro passo, do primeiro passo, do primeiro passo para poder começar a sair da atual crise da é rever os Paradigmas da Ciência Social.

As mídias são uma espécie de prótese do nosso cérebro, que influenciam fortemente a forma como sobrevivemos.

O Sapiens Oral era um, o Escrito era outro e o Digital mais um, completamente diferente!

Mudou a mídia, Mudou o Sapiens!

Assim, a conversa sobre o Futuro da Educação não pode ser voltada para o que é melhor para os educadores ou para o ambiente educacional. É algo que vai em outra direção:

É preciso discutir qual é o papel da educação para a sobrevivência do Sapiens;
Entender quais são as demandas do Sapiens 2.0;
E moldar o novo ambiente educacional para atender a estas demandas.

As tecnologias atuais permitem muita coisa, mas é preciso compreender os reais motivos que nos levam a fazer a atual Revolução Digital.

O Sapiens 2.0 tem como missão ajudar, de forma muito mais intensa e participativa, a decidir e operar os processos da sociedade para que possamos lidar com um mundo muito mais habitado.

Quanto mais complexidade demográfica temos, mais cada Sapiens precisará assumir mais responsabilidades!

O que precisamos dos educadores é bolar formas para preparar o Sapiens 2.0 para que consiga ser:

Mais autônomo;
Mais singular;
Mais responsável;
Mais reflexivo;
Mais proativo;
Mais empreendedor;
Mais Aprendiz;
Mais Flexível.

A formação dos educadores hoje está sendo feita:

Dentro da Ciência Social 1.0, que ficou obsoleta;
Dentro da Educação 1.0, que por ser filha da Ciência Social 1.0, também ficou obsoleta.

A formação dos novos educadores precisa ser feita:

Dentro da Ciência Social 2.0, que percebe o papel das mídias na história e a macro tendência à Descentralização Progressiva;
Dentro da Educação 2.0 – filha da Ciência Social 2.0 – apontando na direção de uma formação voltada para o Sapiens 2.0, preparando-o para ser muito mais autônomo do que o 1.0.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.) 

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto aborda a influência da mídia na sociedade, principalmente sob a perspectiva de Marshall McLuhan, destacando a ideia de que as mudanças na mídia provocam mudanças na mente e na sociedade como um todo. McLuhan é visto como um pioneiro na compreensão da relação entre mídia, mente e inovação pessoal. O texto também discute a importância de entender os meios de comunicação e seu impacto na civilização, defendendo a necessidade de uma abordagem científica consistente para compreender as mudanças sociais. Além disso, destaca a necessidade de descentralização progressiva das operações e decisões da sociedade, em resposta à crescente complexidade demográfica. A Bimodais, uma escola de pensamento inspirada em McLuhan e Harold Innis, busca aprimorar a compreensão desses fenômenos e desenvolver a ciência da inovação – de forma mais consistente.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. O recado do mundo Digital é: precisamos de ajuda para poder lidar melhor com esta nova Complexidade Demográfica de oito bilhões de Sapiens.
  2. Quanto mais Sapiens tivermos no planeta, mais e mais a sociedade terá que descentralizar as operações e as decisões. Isto não é um desejo e não uma profecia, mas um prognóstico.
  3. A única forma sustentável do Sapiens lidar com mais complexidade, é aumentando a participação das pessoas nas decisões e nas operações.
  4. Muita gente procura entender o Digital na base das sensações e não dos padrões.
  5. Quando um fenômeno tem repetições ao longo do tempo, há sempre um motivo para a recorrência. E o papel do cientista é descobri-lo!
  6. É por causa da Macro Anomalia da Ciência Social que temos hoje Administradores, Educadores, Economistas, Psicólogos, entre outros, tão perdidos diante deste novo cenário.
  7. Podemos afirmar que quando um fenômeno tem repetições ao longo do tempo, há algum motivo para a recorrência.
  8. Vivemos hoje, assim, uma Forte Anomalia da Ciência Social, pois com o ferramental que temos não conseguimos entender o atual cenário e projetá-lo para frente.

Vamos ao Artigo:

“Mudou a Mídia, Mudou a Mente” McLuhan.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.)

Os Mapas Mentais do Artigo:

 

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto aborda uma série de reflexões sobre a abordagem de temas diversos, desde o uso excessivo de celulares em escolas até a busca pela felicidade em diferentes fases da vida. Há uma discussão sobre a importância da filosofia, especialmente no contexto da felicidade, e como as metodologias propostas sobre o tema muitas vezes perderam relevância. O autor destaca a necessidade de projetos de felicidade mais consistentes em uma era de muitas escolhas, relacionando as diferentes idades com esses projetos. Ele também discute a bimodalização de conceitos em relação ao livro de Eric Ries, “A Startup Enxuta”, enfatizando a importância do aprendizado consistente e da adaptação contínua, tanto em startups quanto na vida pessoal. Ao longo do texto, são apresentadas diversas citações e insights sobre inovação, aprendizado, e tomada de decisões, com ênfase na necessidade de testar ideias, aprender com os erros e buscar métricas mais significativas para avaliar o progresso e a felicidade.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. A Filosofia que deveria ser um meio para que as pessoas tivessem vidas melhores passou a ter um fim em si mesmo.
  2. Hoje, com a chegada da Civilização 2.0, os jovens passaram a ter um ambiente muito mais complexo do que seus antepassados e precisam, desde cedo, receber sugestões de Projetos de Felicidade Mais Fortes.
  3. O fracasso-limão de ontem precisa virar a limonada-mandamento de amanhã.
  4. As Chatices Relevantes quando NÃO tratadas de forma adequada se tornam nossas principais fraquezas.
  5. Se você, por exemplo, quer virar um ciclista antes de comprar a dita cuja e todos os aparatos para virar um, alugue uma bicicleta e veja como se sente.
  6. À medida que entendemos melhor nossos clientes internos (nossos cachorrinhos), podemos fazer escolhas melhores.
  7. Uma vida mais infeliz é justamente aquela que aprendemos muito pouco com nossos erros.
  8. Uma Sabedoria Mais Forte nos leva a encarar a vida como um experimento que pode ser cada vez mais aprimorado.

O artigo faz parte de qual linha de pesquisa Bimodal?

Vamos ao Artigo:

É comum os clientes não saberem o que querem.Eric Ries.

Vamos aos parênteses antes de terminar a Bimodalização final do Ries.

Com os Escritos do Nepô estou mais solto e vou abordando assuntos, que não dariam um artigo completo, por enquanto, mas meio artigos.

São sacadas que quero registrar, compartilhar com os Bimodais e que podem servir de prévia para o artigo principal.

Um áudio de 18 minutos todos os dias exige um conjunto de temas para que fique do jeito que considero excelente.

Por isso os Parênteses que vou passar a chamar e colocar no Glossário Bimodal os Parênteses dos Escritos.

Ficou assim:

Parênteses dos Escritos – temas mais soltos e ainda em formulação inicial que entram na frente do tema principal de cada um dos tópicos dos Escritos do Nepô.

Na mentoria que tenho feito com o Fábio Mendes, temos conversado sobre um problema em uma escola que está muito preocupada com o excessivo uso do celular.

Notem que são poucas as escolas que se dedicam ao tema da Felicidade, de forma bem estruturada e continuada.

Muitas vezes os jovens, um pouco mais maduros, recebem aulas de Filosofia, de maneira geral a história dos filósofos e não aquilo que eles realmente queriam repassar para os seus descendentes.

A Filosofia (o amor à sabedoria) foi um nome inicial e genérico para que pudéssemos começar a jornada das ciências com diversos focos, que foram virando Ambientes de Diálogo específicos posteriormente.

Muitos dos filósofos (médicos da alma, segundo Sócrates) se dedicaram ao tema da Felicidade com o objetivo de tornar melhor a vida das pessoas.

Porém, com o tempo, a coisa se desvirtuou e as teorias e metodologias propostas sobre Felicidade deixaram de ter importância.

A Filosofia que deveria ser um meio para que as pessoas tivessem vidas melhores passou a ser um fim em si mesmo.

As pessoas estudam – ERRADAMENTE – os Cientistas da Inovação Pessoal (ex-Filósofos da Felicidade), na maior parte das vezes, para entender os filósofos e não para ter vidas melhores.

Hoje, com a chegada da Civilização 2.0, os jovens passaram a ter um ambiente muito mais complexo do que seus antepassados e precisam, desde cedo, receber sugestões de Projetos de Felicidade Mais Fortes.

Temos no Mundo Pós-Digital um boom de escolhas e para que possamos tomar decisões melhores é preciso ter critérios mais consistentes de Felicidade.

Outro parênteses:

Quando falamos sobre Projetos de Felicidade, temos que situar um pouco a questão da idade.

Hoje, as pessoas tendem a chegar, com mais facilidade, a mais de 80 anos – o que não era tão comum no passado.

Primeiro, é preciso repensar um pouco, a partir disso, o que podemos chamar de graduações de idades e como pensar a Felicidade nesse novo contexto.

Segundo o Tio Gemini temos a seguinte divisão entre as diferentes faixas etárias:

“A segunda idade, também conhecida como adultez, é a fase da vida que se inicia após a adolescência e se estende até a velhice. Não existe um consenso sobre a idade exata em que ela começa e termina, mas geralmente é considerada como o período entre 20 e 59 anos.”
“A Terceira Idade é a fase da vida que se inicia após a aposentadoria, geralmente entre 60 e 80 anos. É um período de grandes mudanças, tanto físicas quanto sociais, mas também de novas oportunidades e experiências.”
“A quarta idade é um termo utilizado para se referir às pessoas com mais de 80 anos. É uma fase da vida marcada por um declínio gradual das funções físicas e cognitivas, mas também por um grande potencial para o crescimento pessoal e espiritual.”

Acredito, entretanto, que podemos falar de cinco idades e não quatro.

Assim, temos Cinco Idades, sempre referenciadas pela capacidade que temos de nos auto-sustentar – o foco aqui é mais o trabalho:

A Primeira Idade – marcada pela dependência financeira dos pais;
A Segunda Idade- quando passamos a gerar nossa própria renda;
A Terceira Idade- quando começamos a procurar novos caminhos profissionais, nos distanciando dos Paradigmas Profissionais Iniciais;
A Quarta Idade – quando iniciamos a jornada da aposentadoria e podemos – se quisermos continuar trabalhando – não depender de clientes externos;
A Quinta Idade (e última) – quando concluímos nossa estada por aqui.

Como isso se relaciona com a Felicidade?

Vejamos as relações das Idades com Projetos de Felicidade:

É muito importante dotar a Primeira Idade de Projetos de Felicidade Mais Fortes para que a pessoa possa planejar bem as etapas seguintes;
Na Segunda Idade, a tendência é que sejamos mais operacionais e que haja uma forte influência da família, amigos, parentes nas escolhas profissionais;
Na Terceira Idade, começamos a querer nos distanciar dos possíveis equívocos iniciais e procurar mais Singularidade nas nossas atividades;
Na Quarta Idade, com a aposentadoria, começa a pesar mais do que antes querer deixar um legado, pois começamos a realizar que o fim está mais perto;
Na Quinta Idade, há a possibilidade de consolidar o legado, dando a ele os retoques finais.

Na Mentoria com a Fernanda Pompeu, falamos bastante da Felicidade na Quarta Idade (pós 60) e veio a seguinte divisão:

Felicidade da Quarta Idade com Independência Financeira – na qual a pessoa já não precisa mais de grana para sobreviver;
Felicidade da Quarta Idade com Dependência Financeira – na qual a pessoa ainda precisa gerar grana para sobreviver.

No caso da Felicidade da Quarta Idade com Independência Financeira nos leva a uma dedicação única e exclusiva na geração do Legado Final.
Legado Final – aquele que a pessoa começa a se preocupar com mais intensidade, a partir da Quarta Idade.

Fechemos os Parênteses dos Escritos e entremos agora na finalização da Bimodalização do livro de Ries.

Este é o terceiro e último artigo no qual vamos Bimodalizar o livro “A startup enxuta: Como usar a inovação contínua para criar negócios radicalmente bem-sucedidos ” de Eric Ries.

No artigo passado, falamos da demanda por um Aprendizado Mais Consistente e um Menos Consistente.

Deixa eu detalhar mais e melhor isso agora.

Vamos chamar de Aprendizado Mais Forte e Mais Fraco da seguinte maneira:

Num Aprendizado Mais Forte – aprendemos mais rápido, com menos esforço de energia, tempo e dinheiro, e criamos Mandamentos Existenciais para que determinados problemas não se repitam ou quando ocorrerem possamos ter uma nova atitude diante deles. Aqui, temos um uso maior da Mente Secundária;
Num Aprendizado Mais Fraco – aprendemos de forma mais lenta, com muito mais esforço de energia, tempo e dinheiro, e NÃO criamos Mandamentos Existenciais para que determinados problemas não se repitam ou quando ocorrerem possamos ter uma nova atitude diante deles. Aqui, temos um uso menor da Mente Secundária.

Num mundo mais dinâmico – é o que nos ensina Eric Ries – precisamos operar com Aprendizados Muito Mais Fortes do que no passado.

O que Eric Ries deseja com o movimento da Startup Enxuta é basicamente desenvolver métodos de Aprendizado Mais Fortes em um Ambiente de Sobrevivência muito mais dinâmico.

O epicentro de um Projeto de Felicidade Mais Forte, aliás, sem dúvida, se baseia em Métodos de Aprendizados Mais Fortes.

Cada situação que vivemos precisa ser analisada de forma metódica para que possamos lidar com algo parecido no futuro de forma diferente.

O primeiro passo para um Projeto de Felicidade Mais Forte, Bimodalizando Ries, é não nos deixar levar apenas pelo Eu Criativo sem acionar o nosso Eu Organizativo.

O Eu Criativo e o Eu Organizativo – proativos – são os personagens principais da Mente Secundária.

Uma vida mais consistente e significativa está justamente na capacidade que temos de criar uma harmonia entre os dois.

Ries nos lembra que na vida temos muitas Chatices Relevantes que precisam ser administradas – apesar de serem muito chatas.

As Chatices Relevantes quando não tratadas de forma adequada se tornam nossas principais fraquezas.

O Eu Organizativo tem que aprender a gerenciar as Chatices Relevantes para que o Eu Criativo possa continuar produzindo de forma excelente.

E aí entra, basicamente, a qualidade do aprendizado.

Um Aprendizado mais Forte, assim, nos faz caminhar na seguinte direção:

Um trabalho conjunto entre o Eu Criativo e o Eu Organizativo;
Encarar de frente as Chatices Relevantes e aprender a deixar de lado as Chatices Irrelevantes;
Ter consciência do que podemos gerenciar diretamente das Chatices Relevantes e o que deve ser terceirizado por pessoas mais capacitadas do que nós para lidar com elas;
Reduzir, ao máximo, o tempo e o custo entre a ação e o Aprendizado Mais Forte, decidindo se devemos acionar a pivotação (mudar) ou a persistência (insistir).

Ries chama o processo do Aprendizado Mais Forte de “testes de ciclo rápido.”

Se você, por exemplo, pensa em fazer determinadas mudanças na sua vida, seja em qualquer campo: de moradia, de trabalho, de relações, a pergunta que deve fazer é a seguinte:

Como posso saber como me sinto – da forma mais rápida e barata possível – para saber se tal escolha é adequada ou não para mim?

Isso faz com que possamos avaliar, segundo Ries:

“Precisamos descobrir quais elementos da nossa estratégia estão funcionando para concretizar nossa visão e quais são simplesmente loucura.”

Isso vale para a Inovação Grupal, mas também para a Pessoal.

Diz ele:

“Precisamos descobrir se estamos num caminho que levará a construir um negócio sustentável.”

Eu Bimodalizo e faço a transposição para a Inovação Pessoal:

Precisamos descobrir se determinada decisão que vamos tomar nos levará a vida mais adequada e sustentável.

Ries chama tudo isso de Aprendizagem Validada:

“Não é uma racionalização a posteriori e não é uma boa história contada para disfarçar algo que deu errado. É um método rigoroso para demonstrar o progresso quando estamos entranhados no solo de incerteza extrema onde as startups brotam. É o processo de demonstrar empiricamente que uma equipe descobriu verdades valiosas sobre as perspectivas de negócio presentes e futuras de uma startup. É mais concreto, mais exato e mais rápido que os prognósticos de mercado ou o planejamento empresarial clássico.”

Isso vale muito para nossa vida.

Se você, por exemplo, quer virar um ciclista antes de comprar a dita cuja e todos os aparatos para virar um, alugue uma bicicleta e veja como se sente.

Você pode descobrir que ser um ciclista não vai te fazer bem seja objetivamente ou subjetivamente e o sonho ciclístico que podia ser um gasto enorme de tempo e dinheiro pode se reduzir tremendamente.

Ries se pergunta:

“Quais dos nossos esforços criam valor e quais são desperdícios?”

O que devemos incorporar nas nossas vidas e o que devemos descartar, a partir da Sensações Positivas ou Negativas que surgiram ao longo do processo?

Diz ele:

“Na maioria das vezes, os clientes não sabem antever o que desejam.”

Eu digo o mesmo sobre as escolhas que fazemos nas nossas vidas.

Na maioria das vezes, nós não sabemos o que nos faz mais bem do que mal e isso precisa ser testado – de forma mais reflexiva – para que possamos ir aprimorando nossos caminhos.

Diz Reis:

“À medida que entendíamos melhor nossos clientes, pudemos melhorar os produtos. E, ao fazermos isso, as métricas essenciais do negócio mudaram.”

Diria o mesmo sobre a Felicidade. Bimodalizando e Pessoalizando a frase:

À medida que entendemos melhor nossos clientes internos (nossos cachorrinhos), podemos fazer escolhas melhores.

Fazendo ainda mais diferente:

Ao escolher Métricas Mais Fortes de Felicidade temos uma bússola mais adequada para as nossas tomadas de decisão.

Vejamos a diferença entre uma Métricas Mais Forte de Felicidade e uma Mais Fracas:

Métricas Mais Fortes de Felicidade – as sensações que você tem entram em um espiral sempre de forma positiva, gerando uma sensação de Bem Estar Continuado;
Métricas Mais Fracas de Felicidade – as sensações que você tem entram em um espiral sempre de forma negativa, NÃO gerando uma sensação de Bem Estar Continuado;

O eixo principal da mudança de uma vida com menos para uma mais qualidade é quando definimos Métricas Sensitivistas e Endógenas – aquelas que se baseiam na procura constante da geração de Sensações Positivas, de dentro para fora.

Destaco a frase:

“Toda inovação começa com uma visão.”

Melhoro:

Toda inovação começa com uma nova visão sobre determinados Paradigmas, que o inovador percebe que pode ser aprimorado.

Diz ele:

“O caminho é aprender a ver toda startup, de qualquer setor, como um experimento grandioso.”

Eu retruco:

Uma Sabedoria Mais Forte nos leva a encarar a vida como um experimento que pode ser cada vez melhor aprimorado.

Os dois tipos de Sabedoria Mais Forte e Mais Fraca:

Sabedoria Mais Forte – baseada nas escolha e prática de Projetos de Felicidade Mais Fortes para guiar as decisões que fazemos na vida;
Sabedoria Mais Fraca – baseada ou na não escolha ou na escolha de Projetos de Felicidade Mais Fracos para guiar as decisões que fazemos na vida.

Ele diz:

“Se você não fracassa, não aprende.”

Não, você pode cometer diversos erros na vida e não aprender nada ou muito pouco, e continuar fracassando.

Uma vida mais infeliz é justamente aquela que aprendemos muito pouco com nossos erros.

Se você tem um Método de Aprendizado Mais Forte, sempre refletindo quando as crises e os problemas aparecem, a tendência é lidar melhor com elas ao longo do tempo.

O fracasso-limão de ontem precisa virar a limonada-mandamento de amanhã.

Diz Ries que temos duas hipóteses: hipótese de valor e hipótese de crescimento.

Isso é muito bom.

Como adaptar a hipótese de valor: tal escolha vai melhorar a minha vida? Deixa eu dar uma testadinha para saber se vou investir energia, tempo e dinheiro nisso?

Diz ele:

“O objetivo aqui não é encontrar o consumidor convencional, e sim os adotantes iniciais: aqueles que mais precisam do produto. Esses clientes costumam ser mais compreensivos com erros e mais dispostos a oferecer feedback.”

Aqui há um erro.

Os adotantes iniciais não são os que “mais precisam do produto” necessariamente, São os Disruptivos que tendem a superar melhor os antigos paradigmas.

Ries repete a visão da unicidade dos perfis da inovação e não usa a bimodalidade, admitindo que temos dois Perfis – um mais Disruptivo e outro Mais Incremental.

Podemos dividir estes Perfis em três grupos:

Criadores de Campos Novos – aquela pessoa que tem como Potencial Singular criar projetos do zero;
Arrumadores de Bagunça – aquela pessoa que tem como Potencial Singular organizar bagunças;
Tocadores de Campos Arrumados – aquela pessoa que tem como Potencial Singular levar projetos organizados adiante.

Os Ciclos de Saturação de Projetos variam bastante aqui. Criadores de Campos Novos e Arrumadores de Bagunça tendem a se sentir entediados mais rapidamente nos projetos.

Frases de Ries em destaque (com alguns comentários):

 

“O MVP é uma versão do produto que permite um giro inteiro no ciclo construir – medir – aprender com um mínimo de esforço e o menor tempo de desenvolvimento.”
“O que diferencia os sucessos dos fracassos é que os empreendedores de sucesso tiveram a percepção, a capacidade e as ferramentas para descobrir quais partes do plano estavam funcionando de modo brilhante e quais eram equivocadas, e para adaptar sua estratégia de acordo com essas descobertas.” (Meu comentário: se utilizaram de Projetos de Aprendizado Mais Fortes);
“As startups precisam de um amplo contato com clientes potenciais para entendê – los , portanto levante-se da cadeira e vá conhecê-los.”
“É comum os clientes não saberem o que querem.” (Meu comentário: e nem as pessoas sobre a sua vida.)
“Os consumidores não se importam com o tempo de produção, só se importam em saber se suas necessidades estão sendo atendidas.” (Meu comentário: todo mundo quer ser mais feliz nessa vida.)
“Gosto de chamar os números tradicionais usados na avaliação de startups de “ métricas de vaidade ”, e a contabilidade para inovação manda que evitemos usá-las.” (Meu comentário: o empreendedor esquece que está fazendo o seu projeto para aumentar não só a felicidade dele, mas principalmente do cliente do outro lado.);
“Quando causa e efeito são entendidos com clareza , as pessoas têm mais capacidade de aprender com suas ações.” (Meu comentário: quando as decisões são baseadas em padrões e não percepções temos o uso mais adequado da Mente Secundária.)
“Quanto mais dinheiro , tempo e energia criativa são investidos numa ideia, mais difícil é pivotar.” (Por isso, é preciso ir testando, gastando pouco para ir validando com o tempo.)

É isso, que dizes?

 

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.)

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Tio Chatinho:

O texto descreve um momento significativo na vida do autor, destacando conquistas pessoais e profissionais, como se sentir ambientado em uma nova cidade, enfrentar desafios conceituais na inovação pessoal com foco na felicidade, implementar projetos e métodos de leitura mais eficazes. Ele discute a importância de distinguir entre dois tipos de clientes na inovação pessoal: o cliente final e o disseminador da felicidade 2.0, e como o material didático deve ser adaptado para atender às necessidades de ambos. Além disso, são abordadas reflexões sobre a missão de vida progressiva provisória e a necessidade de ferramentas conceituais para sua busca. O autor também analisa o livro “A startup enxuta” de Eric Ries, destacando a importância da inovação contínua e a necessidade de uma mentalidade empreendedora frente à dinâmica da civilização 2.0. Ele enfatiza a importância de utilizar a mente secundária e adotar uma ética do conhecimento baseada na certeza provisória razoável diante do aumento da concorrência e da demanda por felicidade na sociedade contemporânea.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. A Missão de Vida não é um lugar, mas um processo contínuo e progressivo de descoberta.
  2. Vivemos hoje, sem dúvida, uma demanda GIGANTE pela musculação da Mente Secundária, que precisa estar refletindo o tempo todo sobre a Mente Primária.
  3. Quanto mais dinâmico é um Ambiente de Sobrevivência, mais temos a necessidade de colocar a Mente Secundária para funcionar.
  4. Na Civilização 2.0 temos muito mais escolhas – o que nos faz termos um aumento exponencial da Singularidade.
  5. Dentro das atividades que você está fazendo, como anda o seu Tambor Criativo (as Taxas de Tranquilidade, Bom Humor, Motivação, Resiliência e Criatividade?)
  6. Em um mundo mais dinâmico, é preciso adotar mais do que nunca a Ética do Conhecimento baseado na Certeza Provisória Razoável.
  7. Quando alguém diz que vai criar um novo projeto mais startápico, necessariamente a pergunta que tem que fazer é: para quem e como vou levar mais felicidade?
  8. A quantidade de empreendedores atuando hoje em dia é maior do que em qualquer outra época da história, graças às grandes mudanças trazidas pela Revolução Midiática Digital.

O artigo faz parte de qual linha de pesquisa Bimodal?

Vamos ao Artigo:

“As startups também têm um norte verdadeiro, um destino em mente: criar um negócio próspero e capaz de mudar o mundo.“  –   Eric Ries.

Primeiro, me permitam alguns parênteses.

Diria que vivo hoje uma das fases mais relevantes e prazerosas, desde que criei a Bimodais. Acredito que esta sensação tem as seguintes constatações já processadas:

Me sentir mais ambientado na nova cidade que estou morando, tendo superado diversos desafios pessoais;
Estar mais uma vez com um grande desafio conceitual, que é a Inovação Pessoal com foco na Felicidade;
Ter implementado os “Escritos do Nepô”, que me permite ser hoje um Curador de maior excelência e também mais criativo;
Visualizar a possibilidade de clientes mais abundantes, que se interessam no consumo da Felicidade 2.0;
Ter hoje criado o projeto da certificação dos Disseminadores da Felicidade 2.0, que aumentam a oxigenação na Bimodais;
E, por fim, o novo método de leitura, que me permite ler muito mais e Bimodalizar os textos ao longo da semana, de forma bem intensa e profunda.

Conversando com o Bimodal Fábio Mentes, caiu a seguinte ficha.

A Inovação Pessoal tem, basicamente, dois clientes potenciais:

O Cliente Final da Inovação Pessoal – aquele que vai se beneficiar do projeto Felicidade 2.0 diretamente na sua vida, podendo ser um cliente light (interesse pequeno ou médio) ou heavy (muito interesse);
O Disseminador da Felicidade 2.0 – aquele que vai além de se beneficiar do projeto Felicidade 2.0 diretamente na sua vida, usar o Ferramental Conceitual para ajudar os outros, gerando dinheiro (profissional) ou não (altruísta).

O material didático produzido pela Bimodais, por causa disso, precisa ser pensado para estes dois clientes da seguinte maneira:

Para o cliente final – precisamos detalhar mais apenas três camadas relevantes: Missão, Atitude e Métrica (MAM), sem entrar muito nos detalhes da Visão e das Escolhas que fizemos sobre os diferentes caminhos da Felicidade;
Para o Disseminador da Felicidade 2.0 – além do MAM, podemos detalhar mais o Cenário e as Escolhas (CEMAM).

O livro “Felicidade 2.0”, que será publicado até final de setembro, terá esta divisão: no primeiro capítulo será voltado para o Cliente Final e o segundo capítulo terá um foco mais para os Disseminadores e os Clientes Finais Heavy.

Dito isso, ainda vale o registro da relevância de estarmos desenvolvendo o projeto de Certificação de Disseminadores da Felicidade 2.0, pois as contribuições vão se somando e colaborando bastante para o avanço da pesquisa.

Um bom exemplo é a sugestão do Bimodal Endógeno e que participa do projeto de certificação da disseminação da Felicidade 2.0, Wagner Fonseca, que sugeriu ao invés da sigla TBMRC para a referência (Tranquilidade, Bom Humor, Motivação, Resiliência e Criatividade) para as Métricas da Felicidade 2.0 usar também Tambor Criativo (mais fácil de guardar com um sentido melhor, mais fácil de decorar).

Bom, né?

Segundo parênteses:

Talvez o uso do Eu Criativo pudesse ser dividido em dois:

O Eu Criativo dos Fins – Fenomenológico, preocupado diretamente com o fenômeno que o profissional se dedica;
O Eu Criativo dos Meios – Ambientológico, preocupado com os ambientes tanto do trabalho direto, mas de todo o resto, que implica gerenciamento da casa, saúde, dinheiro, relações, etc.

Entremos agora na continuação da Bimodalização do livro de Ries.

Este é o segundo artigo no qual vamos Bimodalizar o livro “A startup enxuta: Como usar a inovação contínua para criar negócios radicalmente bem-sucedidos ” de Eric Ries.

Acho interessante no título do livro a referência sobre a “inovação contínua”.

Vivemos hoje, sem dúvida, uma demanda GIGANTE pela musculação da Mente Secundária, que precisa estar refletindo o tempo todo sobre a Mente Primária.

Anota a regra dentro da Ciência da Inovação Bimodal:

Quanto mais dinâmico é um Ambiente de Sobrevivência, mais temos a necessidade de colocar a Mente Secundária para funcionar.

Na Civilização 2.0 temos muito mais escolhas – o que nos faz termos um aumento exponencial da Singularidade.

A Singularidade significa a procura da Missão Existencial de cada um, pois cada um tem um Potencial Criativo diferente dos demais.

Porém, é falsa a ideia de que uma pessoa entra numa sala, descobre o seu Tapete de Aladim e sai de lá resolvido, de forma definitiva, voando nele ao longo de toda a vida.

A coisa não é bem assim.

Na verdade, um Projeto de Felicidade Mas Forte precisa dar Ferramentas Conceituais para que os clientes possam apenas começar e desenvolver a sua Pesquisa da Missão de Vida, que dura a jornada toda.

Ou seja:

A Missão de Vida não é, portanto, um lugar de chegada, mas um processo contínuo e progressivo de descoberta.
O termo mais adequado é Missão de Vida Progressiva e Provisória.

Nós não chegamos a uma versão definitiva da nossa Missão de Vida, mas aplicamos a ideia da Certeza Provisória Razoável nesta pesquisa.

O que seria mais adequado afirmar algo assim:

Hoje, dentro de tudo que eu já vivi e do contexto atual, a minha Missão de Vida Provisória vai na seguinte direção….

Temos alguns elementos para ajudar a procura da Missão de Vida Progressiva Provisória:

A Missão Progressiva Provisória Estrutural – aquela que acompanha a pessoa ao longo de toda a vida, dividida em duas grandes vertentes: com gosto por mais (Perfil Mais Disruptivo) ou menos desafios (Perfil Menos Disruptivo);
A Missão Progressiva Provisória Conjuntural – aquela que muda com o tempo, que pode variar da atividade profissional (Operador, Disseminador ou Conceituador) e dos fenômenos a serem trabalhados (dependendo da área de atuação o fenômeno que a pessoa se dedica).

O importante é sempre se guiar pelas Métricas de um Projeto de Felicidade Mais Forte, que se pergunta como andam a geração das sensações involuntárias que vêm de dentro para fora?

Como anda o seu Tambor Criativo (as Taxas de Tranquilidade, Bom Humor, Motivação, Resiliência e Criatividade) com as atividades que você está fazendo?

E conforme a sua capacidade de empreender, como vimos no artigo anterior, você pode estar praticando o seguinte estilo de vida:

Um Estilo de Vida Missionário Completo – quando as atividades profissionais missionárias, que te colocam em Estado de Fluxo, conseguem pagar os boletos;
Um Estilo de Vida Missionário Incompleto – quando as atividades profissionais missionárias NÃO conseguem pagar os boletos e você colocou o Tapete de Aladim como Plano B;
Um Estilo de Vida Não Missionário – quando o seu foco está mais em coisas do que em sensações positivas, gerando um legado.

Diz Ries:

“Este livro (o Startup Enxuta) pretende fornecer uma base sólida para o empreendedorismo e a inovação. Estamos no alvorecer do século II da administração”.

Ries percebe, de forma mais Percepcionista do que Padronista, a guinada na administração nos primórdios da Civilização 2.0.

Na Civilização 2.0, temos a chegada da Curadoria, que, aliás divide as startups que estão sendo criadas entre:

Startups Curadoras – aquelas que introduzem o modelo de cooperação da Curadoria 1.0 (Uberização) com ciclo de vida de médio prazo e a Curadoria 2.0 (Blockchenização), com um ciclo de vida mais longo;
Startups Gestoras – aquelas que procuram criar organizações ainda baseadas na Gestão, com um ciclo de vida ainda mais curto.

Em ambos os casos, com o aumento acelerado do dinamismo, é preciso acionar a Mente Secundária para que não se caia nas armadilhas dos Paradigmas Mainstream armazenados na Mente Primária.

Diz ele:

“Existe uma justificada cautela em implementar as práticas de gestão tradicionais no início de uma startup, por medo de que elas atraiam burocracia ou engessem a criatividade.”

Diria que as “práticas de gestão tradicional” significam não só a operação com a Gestão como modelo de cooperação, mas o uso menor da Mente Secundária em um Ambiente de Sobrevivência bem menor.

O Sapiens 2.0, aliás, tem este grande desafio: usar de forma muito mais intensa, tanto em qualidade quanto em quantidade, a Mente Secundária.

Diz ele:

“O tremendo sucesso da administração geral no último século forneceu uma abundância de material sem precedentes, mas esses princípios não servem para lidar com o caos e a incerteza enfrentados pelas startups.”

Basicamente, além das mudanças da Gestão para a Curadoria, é preciso um uso muito mais intenso da Mente Secundária.

Em um mundo mais dinâmico, é preciso adotar mais do que nunca a Ética do Conhecimento baseado na Certeza Provisória Razoável.

Neste novo cenário, além de mais dinamismo, temos também um aumento exponencial da Taxa de Concorrência, quando fica muito difícil manter determinados controles de mercado por muito tempo.

O aumento da Taxa de Concorrência aumenta consideravelmente a procura por mais e mais Felicidade.

Temos na Civilização 2.0 uma verdadeira guerra de quem tem mais Felicidade do que o outro para vender.

Quando alguém diz que vai criar um novo projeto mais startápico, necessariamente a pergunta que tem que fazer é: para quem e como vou levar mais felicidade?

Diz ele:

“A quantidade de empreendedores atuando hoje em dia é maior do que em qualquer outra época da história, graças a grandes mudanças na economia global”.

Vamos Bimodalizar para sermos mais precisos.

A quantidade de empreendedores atuando hoje em dia é maior do que em qualquer outra época da história, graças às grandes mudanças trazidas pela Revolução Midiática Digital – a mais disruptiva já feita pelo Sapiens.

Note que Ries, apesar da grande contribuição que presta ao empreendedorismo, tem uma Visão de Cenário Economicista e não Midiática como os Bimodais, que considero mais adequada do que a dele.

Vejamos as Visões atuais de Cenário que já constatamos:

Visão de Cenário Mais Economicista – as mudanças atuais são frutos das alterações econômicas;
Visão de Cenário Mais Conhecimentista – as mudanças atuais são frutos das alterações no conhecimento;
Visão de Cenário Mais Industrialista – as mudanças atuais são frutos das alterações na Indústria;
Visão de Cenário Mais Esotérica – as mudanças atuais são frutos das alterações esotéricas (ocultas, secretas, inacessíveis, subjetivas);
Visão de Cenário Mais Midiática (escolha da Bimodais) – as mudanças atuais são frutos das alterações nas mídias.

Ele enxerga, de alguma forma, mesmo na sua Visão Mais Economicista a renascença:

“Em todo o mundo, estamos vivendo um renascimento sem precedentes do empreendedorismo, mas essa oportunidade é acompanhada pelo perigo de muitos fracassos.”

A preocupação com o fracasso – e procurar formas para que não ocorram – vale tanto para a Inovação Grupal como para a Inovação Pessoal.

Eis a frase que podemos reconstruir:

Em todo o mundo, estamos vivendo um renascimento sem precedentes da demanda por felicidade, mas essa oportunidade é acompanhada pelo perigo de muitos fracassos, pois não temos Projetos de Felicidade Mais Fortes mais adequados para ajudar as pessoas neste cenário mais dinâmico.

Ele diz:

“O movimento Startup Enxuta está propondo que o progresso seja avaliado de modo diferente de como acontece em outros tipos de empresa.”

O fator de aprendizado progressivo é fundamental nesse processo. E aí ele faz uma distinção entre os aprendizados, que eu defino da seguinte maneira, Bimodalizando-os:

Aprendizado Eficaz – aquele que resulta em mudanças que levam à pessoa ou a organização a mudar na direção de atividades mais consistentes;
Aprendizado Ineficaz – aquele que NÃO resulta em mudanças que levam à pessoa ou a organização a mudar na direção de atividades mais consistentes. A pessoa aprende, mas não consegue fazer as alterações de forma rápida, desperdiçando tempo e energia;

Diz ele:

“O objetivo de uma startup é descobrir, o mais rápido possível (a um custo menor possível), o produto certo a ser desenvolvido – aquilo que os clientes vão desejar e pelo qual vão pagar.”

Digo o mesmo de um Projeto de Felicidade Mais Forte, que seria:

O objetivo de uma pessoa com a demanda por um Estilo de Vida Missionário Completo é descobrir, o mais rápido possível (a um custo menor possível), o produto certo a ser desenvolvido – aquilo que os clientes vão desejar e pelo qual vão pagar.

Sem perder de vista que existe um Cliente Interno (ou Endógeno), que precisa estar satisfeito com essa atividade para gerar o Tambor Criativo.

Uma Startup Individual precisa estar o tempo todo harmonizando o Cliente Interno com o Externo.

Qual é o epicentro do Startup Enxuta, que podemos trazer para o Projeto Bimodal de Felicidade 2.0?

“Em vez de bolar planos complexos baseados em um monte de suposições, você pode fazer ajustes constantes com um volante chamado de ciclo de feedback construir – medir – aprender.”

Vejamos como isso se encaixa na vida de alguém dentro da atitude do Aprendismo:

Construir – experimentar atividades para saber como vai se sentir diante delas;
Medir – avaliar as sensações que vem, a partir destas atividades, são positivas ou negativas?;
Aprender – se deve pivotar (mudar de rumo) ou perseverar (seguir em frente).

Para tudo isso, é fundamental o uso da Mente Secundária, além das Métricas bem definidas de geração do TBMRC.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.)

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Tio Chatinho:

O texto discute a aplicação dos princípios do livro “A Startup Enxuta” de Eric Ries no contexto da inovação pessoal. Ele destaca a necessidade de compreender o processo empreendedor não apenas para criar novos produtos ou serviços, mas também para desenvolver um estilo de vida mais satisfatório e alinhado com os potenciais individuais. A inovação pessoal é comparada à criação de uma startup, onde é essencial utilizar o método científico para tomar decisões baseadas em fatos e experimentos. Além disso, o texto explora a ideia de startups de baixa escala, que visam gerar receitas para viabilizar projetos de vida individuais, e enfatiza a importância de adaptar-se a um mundo cada vez mais dinâmico e incerto. Em suma, o texto propõe que, assim como as startups, as pessoas também precisam aprender a viver de forma empreendedora e adaptativa na Civilização 2.0.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Num cenário de mais incerteza como o atual, o espírito de viver como se fôssemos uma startup é cada vez mais demandado.
  2. Eis a questão no mundo das Startups Individuais ou Coletivas: pivotação ou perseveração?
  3. No passado, na Civilização 1.0, as pessoas tinham vidas muito mais previsíveis do que na 2.0.
  4. Na visão Bimodal, um Projeto de Felicidade Mais Forte é aquele em que a pessoa tira do armário os seus Potenciais Singulares.
  5. Tudo que consideramos chato, mas relevante para nossos projetos, se torna uma fraqueza, que requer uma atenção especial.
  6. Quando não conseguimos lidar, seja diretamente ou indiretamente, via terceirização, com as Chatices Relevantes, abrimos a brecha para que nossa vida perca em qualidade.
  7. Uma vida de mais qualidade está diretamente ligada a capacidade que temos de resolver de forma criativa e progressiva as Chatices Relevantes.
  8. Um Estilo de Vida Missionário Mais Completo demanda uma relação harmônica entre os dois clientes tanto o Exógeno quanto o Endógeno.

O artigo faz parte de qual linha de pesquisa Bimodal?

Vamos ao Artigo:

Quanto maior a incerteza no mundo, mais difícil é prever o futuro.“  –  Eric Ries.

Este é o primeiro artigo no qual vamos Bimodalizar o livro “A startup enxuta: Como usar a inovação contínua para criar negócios radicalmente bem-sucedidos ” de Eric Ries.

(Já tínhamos feito isso em imersões passadas, mas vale o retorno agora com o foco na Inovação Pessoal.)

Primeiro, me permita um parênteses.

Conversando com o Bimodal Fábio Mentes, caiu a seguinte ficha.

A Inovação Pessoal tem, basicamente, dois clientes potenciais:

O cliente final – aquele que vai se beneficiar do projeto Felicidade 2.0 diretamente na sua vida;
O Disseminador da Felicidade 2.0 – aquele que vai além de se beneficiar do projeto Felicidade 2.0 diretamente na sua vida, usar o Ferramental Conceitual para ajudar os outros, gerando dinheiro ou não.

O material didático produzido pela Bimodais, por causa disso, precisa ser pensado para estes dois clientes da seguinte maneira:

Para o cliente final – precisamos detalhar mais apenas três camadas relevantes: Missão, Atitude e Métrica (MAM);
Para o Disseminador da Felicidade 2.0 – além do MAM, podemos detalhar mais o Cenário e as Escolhas (CEMAM).

O livro “Felicidade 2.0”, que será publicado até final de setembro, terá esta divisão, no primeiro capítulo voltado para o público geral e o segundo para os disseminadores.

Dito isso, ainda vale o registro da relevância de estarmos desenvolvendo o projeto de Certificação de Disseminadores da Felicidade 2.0, pois as contribuições vão se somando.

Um bom exemplo é a sugestão do Bimodal Endógeno e que participa do projeto de certificação, Wagner Fonseca, que sugeriu ao invés da sigla TBMRC (Tranquilidade, Bom Humor, Motivação, Resiliência e Criatividade) para as métricas da Felicidade 2.0 usar também Tambor Criativo.

Bom, né?

Entremos agora na Bimodalização do livro de Ries.

O Startup Enxuta é um livro referência para os empreendedores de todo o mundo, pois ele propõe um método mais reflexivo para o desenvolvimento desse tipo de projeto.

Ries define assim uma startup:

“Uma startup é uma instituição humana projetada para criar um novo produto ou serviço sob condições de incerteza extrema.”

Tio Gemini define assim:

“Uma startup pode ser definida como uma empresa jovem e inovadora que busca desenvolver um modelo de negócio escalável, ou seja, que possa crescer rapidamente e atender a um grande número de clientes.”

Tio Chatinho define assim:

“Uma startup é uma empresa emergente, geralmente de base tecnológica, que está no estágio inicial de desenvolvimento e busca explorar uma ideia de negócio inovadora. O termo é comumente associado a empresas que têm potencial para crescimento rápido e escalável. As startups geralmente operam em setores de alta tecnologia, como software, biotecnologia, inteligência artificial, entre outros, e muitas vezes buscam solucionar problemas específicos do mercado de forma criativa e eficiente.”

Bimodalizando o termo, podemos dizer que uma Startup é um projeto de uma nova organização que visa romper, de forma mais disruptiva, com os Paradigmas Vigentes, criando novas formas de sobrevivência para o Sapiens.

Como sugere um dos nossos queridos Padrinhos, o Cientista da Ciência, Thomas Kuhn (1922-96) uma startup opera em momentos extraordinários e uma empresa não startup em situações normais.

Uma Startup, assim, é uma rompedora de fronteiras dos Paradigmas Vigentes.

E você vai me perguntar: como o livro de Ries pode servir para a Inovação Pessoal?

Um Projeto de Felicidade Mais Consistente nos leva também OBRIGATORIAMENTE a um rompimento dos Paradigmas Vigentes de uma pessoa.

Na visão Bimodal, um Projeto de Felicidade Mais Forte é aquele em que a pessoa “tira do armário” os seus Potenciais Singulares.

A principal dificuldade que todos temos, portanto, ao escolher nossas Missões Existenciais é justamente superar as seguinte barreiras:

Do desconhecimento das atividades que nos fazem subir no Tapete de Aladim, que precisam ser pesquisadas ao longo de toda a vida;
Viabilizar para que estas atividades passem a estar cada vez mais presentes nas nossas vidas, principalmente, gerando recursos para que possamos passar a ganhar dinheiro para trabalhar, adotando um Estilo de Vida Missionário.

E, assim, temos uma variada possibilidade, dependendo da pessoa e do contexto, no exercício dos nossos Potenciais Singulares os seguintes Estilos de Vida Missionários:

Um Estilo de Vida Missionário Mais Completo, quando conseguimos viabilizar financeiramente nossos Potenciais Singulares;
Um Estilo de Vida Missionário Incompleto, quando conseguimos viabilizar nas horas vagas nossos Potenciais Singulares, mas não ganhamos dinheiro por exercê-lo;
Um Estilo de Vida ainda Não Missionário, quando NÃO conseguimos viabilizar nem nas horas vagas e nem no trabalho nossos Potenciais Singulares.

Nas mentorias que faço acontecer muito o seguinte: a pessoa está insatisfeita no trabalho e acaba – por insatisfação – abrindo uma outra frente, um plano B profissional, mas que não está ligado a um Potencial Singular.

O ideal é que se abra um Plano B que, ao mesmo tempo, que se inicie a pesquisa dos Potenciais Singulares e se procure, no longo prazo, viabilizá-lo como Plano A Profissional.
Qual a diferença entre o Plano A e o Plano B Profissional?

No Plano A, se ganha dinheiro de forma sustentável para pagar os boletos;
No Plano B, se abrem novas frentes para se mudar de atividades e vir a ser a nova forma sustentável de pagar boletos.

Na batalha para que possamos criar projetos sustentáveis dos nossos Potenciais Singulares, Ries pode nos ajudar.

Diz ele:

“Os empreendedores são diferentes em muitos aspectos, quer estejam abrindo uma pequena empresa ou concebendo novos produtos e negócios dentro de uma multinacional como a GE. Mas eles também têm algumas características em comum. São rápidos, abraçam novas maneiras de pensar, são orientados para a ruptura e a inovação através da incerteza.”

Diria que o empreendedorismo não é algo fechado, mas uma Taxa de Empreendedorismo, que as pessoas têm mais ou menos.

Uma pessoa com Alta Taxa de Empreendedorismo é aquela que:

Procura novas maneiras de pensar, através da revisão da Mente Primária pela Mente Secundária;
Por causa disso, tendem a romper com os Paradigmas Mais Mainstream;
E lidam melhor com a incerteza – algo que tende a assustar a maior parte das pessoas.

O problema, diz Ries, é que nem sempre as startups vingam, pois “pois não conhecem o processo necessário para transformar nossas ideias em uma empresa sólida.”

Bimodalizando a ideia, podemos dizer que nem todo mundo consegue chegar a um Estilo de Vida Missionário Completo, pois faltam Ferramentas Conceituais mais adequadas.

Não se chega nem na criação de startups ou de um Estilo de Vida Missionário Completo sem que tenhamos bases mais sólidas.

Ries divide as atividades empreendedoras em duas, já Bimodalizando o discurso:

As mais divertidas – aquelas diretamente ligadas ao Tapete de Aladim;
As mais chatas – aquelas que vão dar suporte para que possamos subir o tempo todo no Tapete de Aladim.
Diz ele:

“Acho que há um ponto muito atraente nessa versão moderna da narrativa do sucesso transformador: o sucesso é pintado como inevitável desde que você tenha o produto certo. Ou seja, os detalhes práticos, as partes chatas, as pequenas escolhas individuais não importam.”

Aqui, vamos voltar à “conversa” que tivemos com a Julia Cameron, sobre o livro da Criatividade.

Temos na nossa Mente Secundária dois personagens principais:

O Eu Criativo – responsável pelas atividades fins da nossa Missão Existencial;
O Eu Organizativo – responsável pelas atividades meios da nossa Missão Existencial.

Um erro em qualquer camada da inovação praticada é apostar todas as fichas no Eu Criativo e esquecer que é preciso também muscular o Eu Organizativo.

O Eu Organizativo – que demanda também criatividade – está ali para tornar viável as atividades fins da Missão Existencial.

Porém, o Eu Organizativo tem também as suas Cavernas do Dragão – atividades que ele não consegue resolver bem.

Nestes casos é preciso saber os seus limites e terceirizar determinadas atividades para que possa se concentrar naquelas que resolve melhor.

Voltemos ao Ries.

“Aprendi , com meus sucessos e fracassos e com os de muitas outras pessoas, que o mais importante são justamente as partes chatas.”

Tudo que consideramos chato, mas relevante para nossos projetos, se torna uma fraqueza, que requer uma atenção especial.

E aqui é preciso fazer uma distinção entre as Chatices da Vida:

As Chatices Irrelevantes – são aquelas que não têm nenhuma repercussão na nossa sobrevivência;
As Chatices Relevantes – são aquelas que têm forte repercussão na nossa sobrevivência.

Quando não conseguimos lidar, seja diretamente ou indiretamente, via terceirização, com as Chatices Relevantes, abrimos a brecha para que nossa vida perca em qualidade.

Diz ele:

“Nos últimos tempos, essas duas palavras têm carregado associações tremendamente divergentes: empreendedorismo evoca algo descolado, inovador e empolgante, enquanto administração evoca algo chato , sério e sem graça . Está na hora de superar essas ideias preconcebidas.”

Na Inovação Pessoal, temos algo parecido.

Uma vida de mais qualidade está diretamente ligada a capacidade que temos de resolver de forma criativa e progressiva as Chatices Relevantes.

Ries defende que é preciso em startups fazer “uso do método científico para a tomada de decisões.”

Mas o que é fazer uso do método científico?

É preciso tomar decisões, seja na vida pessoal, seja em uma startup, baseadas em fatos, em padrões, em teorias e metodologias fortes.

Ries, como vários outros Conceituadores da Inovação Grupal procura situar seus clientes no novo cenário da Civilização 2.0.

Mais do que “criar novos produtos e serviços sob condições de extrema incerteza.” todos nós, precisamos aprender a viver em um mundo muito mais dinâmico.

O que nos leva a um estilo de vida de aprendizado contínuo, no qual é preciso usar a estratégia da pivotação ou da perseverança.

Uma pessoa que deseja praticar um Estilo de Vida Missionário Mais Completo tem muito a aprender com as startups.

Uma startup, entretanto, no estilo clássico é uma organização que tem que escalar, gerar muito dinheiro, se não foi um fracasso.

Talvez, seja o caso de se pensar em dois tipos de startups:

Startups de Larga Escala – que visam grandes mercados;
Startups de Baixa Escala – que visam gerar receitas para viabilizar projetos de vidas individuais.
As duas têm em comum a necessidade de atender mais os Clientes Exógenos, mas a Startup de Baixa Escala precisa se preocupar mais com os Clientes Endógenos.

A pessoa está procurando viabilizar tirar do armário os seus Potenciais Singulares e é preciso criar um jogo de ping-pong entre o Cliente Exógeno com o Endógeno.

Um Estilo de Vida Missionário Mais Completo demanda uma relação harmônica entre os dois clientes tanto o Exógeno quanto o Endógeno.

Diz Ries:

“As startups existem não somente para produzir bens, gerar dinheiro ou mesmo atender aos clientes, mas também para aprender a construir um negócio sustentável. Essa aprendizagem pode ser validada cientificamente por meio de experimentos frequentes que permitam aos empreendedores testar cada elemento de sua visão.”

Basicamente, Ries defende o Aprendismo, uma das Atitudes Estruturantes de um Projeto de Felicidade Mais Forte.

E complementa:

“A atividade fundamental de uma startup é transformar ideias em produtos, avaliar a reação dos clientes e, a partir daí, concluir se deve pivotar ou perseverar. Todos os processos bem-sucedidos devem ser empregados para acelerar esse ciclo de feedback.”

No caso da Inovação Pessoal, é preciso desenvolver duas métricas relevantes, que precisam estar em harmonia:

As atividades profissionais ligadas aos Potenciais Singulares estão gerando dinheiro para pagar os boletos?
E estão ao mesmo tempo aumentando o Tambor Criativo ou TBMRC, gerando Tranquilidade, Bom Humor, Motivação, Resiliência e Criatividade?

A partir destas respostas.

Eis a questão no mundo das Startups Individuais ou Coletivas: pivotação ou perseveração?
Diz ele:

“Planejamento e previsão são precisos apenas quando se baseiam num histórico operacional longo e estável e num ambiente relativamente estático.”

Diria que isso vale para as startups e para as pessoas também.

No passado, na Civilização 1.0, as pessoas tinham vidas muito mais previsíveis do que na 2.0.

Hoje, você pode escolher com muito mais facilidade o lugar onde quer viver, pois tem mais chances de trabalhar a distância.

As especializações em cada uma das atividades profissionais são muito mais variadas e isso nos permite uma gama muito maior de escolhas.

Tudo isso nos leva para:

Num cenário de mais incerteza como o atual, o espírito de viver como se fôssemos uma startup é cada vez mais demandado.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.)

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto aborda a continuação da bimodalização do livro “O caminho do artista: desperte o seu potencial criativo e rompa seus bloqueios” de Julia Cameron. O autor destaca a importância de dialogar com os autores, comentando e refletindo sobre os trechos que chamam atenção, promovendo assim a criatividade e a construção de uma narrativa existencial. São discutidos conceitos como Missão de Vida, Potenciais Singulares, e a importância de desenvolver metodologias viáveis para projetos como o da Felicidade 2.0. Além disso, são destacados os papéis do Eu Criativo e do Eu Organizador na busca pela singularidade e no enfrentamento do Eu Censor, que pode limitar a expressão criativa.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. O objetivo de colocar para rodar um Projeto de Felicidade Mais Forte é passar a ter uma visão de mundo mais consciente e consistente do que antes.
  2. Nestes momentos, quando o Eu Criativo entra em ação de forma frequente passa a ficar claro o que é fim (a Missão de Vida) e o que é meio (as ferramentas como o dinheiro) para que possamos ir em frente.
  3. Quando o Eu Criativo entra em ação de forma frequente e regular na vida da pessoa, temos o aumento progressivo de um Estado de Espírito Mais Positivo.
  4. Na verdade, em uma vida mais significativa, o Eu Criativo passa a ser o epicentro das nossas atividades.
  5. Disruptores, por exemplo, tem uma tendência por adorar montar Barracas em Praias Desertas – desafios que vão acompanhá-los, de forma estrutural ao longo de toda a vida.
  6. Quando sentimos que estamos aumentando a nossa Taxa de Singularidade, há, naturalmente e sem esforço, um aumento das Sensações Positivas.
  7. É missão do Eu Criativo, através do uso da Mente Secundária, superar o Eu Censor, que foi embutido dentro de nós para que a nossa Singularidade seja boicotada por nós mesmos.
  8. Uma vida bem gerenciada é aquela que está o tempo todo revisando tanto os Paradigmas Exógenos (que vem de fora para dentro) quanto os Endógenos (que vem de dentro para fora).

O artigo faz parte de qual linha de pesquisa Bimodal?

Vamos ao Artigo:

“Assuma o controle de sua vida e o que acontece? Uma coisa terrível: você não terá mais ninguém para culpar.” – Erica Jong;

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.)

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Chatinho:

O texto aborda a continuação da discussão sobre o desbloqueio criativo, baseado no livro “O Caminho do Artista” de Julia Cameron, enfatizando a importância da singularidade e do diário de bordo para projetos mais fortes de felicidade. Discute a gestão do descontrole e das emoções negativas diante da inovação, destacando a necessidade de gerenciar a mente primária e secundária. São exploradas as dificuldades enfrentadas pelos perfis inovadores, tanto saudáveis quanto tóxicos, e a relação entre o eu criativo e organizador. O texto ressalta a importância do equilíbrio entre esses dois aspectos para uma vida mais satisfatória e criativa, além de ponderar sobre a resistência às mudanças.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Você não cria, você gerencia a criatividade do seu Eu Criativo.
  2. As pessoas tendem a ter medo do novo, pois temem o descontrole.
  3. O exercício da escrita diária é uma espécie de Pilates da Mente Secundária.
  4. Não existe inovação que não seja, em última instância, o desenvolvimento da Singularidade de alguém que está saindo para fora.
  5. Quanto mais é inflexível e centralizado um Ambiente de Sobrevivência, mais os Disruptivos vão ter que aprender a dar nó em pingo-d’água.
  6. A Singularidade, isso é importante, não é algo pronto, mas um processo de descoberta continuada e progressiva, que vai se alterando no tempo.
  7. Não tem jeito, uma vida mais feliz é aquela que conseguimos tirar nossa Singularidade do armário.
  8. As pessoas não querem, no fundo, ir contra nenhuma mudança, o que elas temem é perder o controle sobre suas vidas e ser inundado de Sensações Negativas.

O artigo faz parte de qual linha de pesquisa Bimodal?

Vamos ao Artigo:

“As páginas matinais são a principal ferramenta para sua recuperação criativa.“  – Julia Cameron.

Este é o terceiro artigo no qual continuamos a Bimodalizar o bom livro “O caminho do artista: desperte o seu potencial criativo e rompa seus bloqueios” de Julia Cameron.

Cameron aborda o problema do bloqueio criativo e a Bimodais se preocupa com o bloqueio da singularidade.

O foco da Cameron são artistas, o nosso são pessoas.

Não tem jeito, uma vida mais feliz é aquela que conseguimos tirar nossa Singularidade do armário.

O problema da Singularidade é que você não se olha no espelho e ela aparece, você precisa ir descobrindo ela.

A Singularidade, isso é importante, não é algo pronto, mas um processo de descoberta continuada e progressiva, que vai se alterando no tempo.

Não existe inovação que não seja, em última instância, o desenvolvimento da Singularidade de alguém que está saindo para fora.

Como conseguimos descobrir nossa Singularidade? É um trabalho continuado de pesquisa, que se assemelha muito a criação de uma startup, é preciso ir testando e avaliando.

É preciso criar um diálogo interno de você com as suas duas mentes: a Primária e a Secundária, conhecer os seus diferentes Eus e ir inventando a sua personal vida.

E aí surge a OBRIGATÓRIA demanda pela criação de um Diário de Bordo, no qual, entre outras coisas, é possível refletir sobre essa conversa com “seus botões”.
Diários de Bordo são ferramentas fundamentais e obrigatórias para Projetos Mais Fortes de Felicidade.

Dividiria os Diários de Bordo em dois:

Os Diários de Bordo da Rotina – aqueles que vamos usando para refletir no cotidiano sobre nossos projetos mais criativos, que nos levam ao Fluxo (ou a voar no Tapete de Aladim);
Os Diários de Bordo da Crise – aqueles que usamos para nos ajudar em momentos de crise diante de situações em que Emoções Negativas passam a inundar nossas mentes.

No Diários de Bordo da Crise, eu tenho feito o seguinte procedimento como referência:

Nomear o Gatilho Stressor – aquele que dá início a uma determinada crise, que inunda a nossa mente de Emoções Negativas, comparando-os com outros parecidos;
Nomear as Emoções Negativas que aparecem – para que possamos identificá-las e compará-las com outras que já surgiram em outros momentos da nossa vida;
Procurar maneiras de lidar com a crise, procurando, basicamente, ter como meta a redução da influência das Emoções Negativas na nossa mente;
Reduzida as Emoções Negativas, que nos impedem de pensar melhor, passar ao Aprendismo, procurando transformar o limão da crise na limonada do aprendizado;
Analisar o que pode ser feito para que aquele tipo de situação não se repita mais, ou se ocorre de novo, que possamos colocar nosso novo aprendizado para rodar;
Criar Mandamentos Preventivos para que tal situação não ocorra mais;
E analisar o que daquela situação estressante pode ser útil para outras crises parecidas ou não, para irmos criando uma metodologia cada vez mais forte de superação de crises eventuais, aumentando nossa capacidade de resiliência.

Cameron defende algo do tipo, numa prática diária de um caderno de anotações para desbloquear a criatividade, escrevendo três páginas por dia – parte integrante da metodologia dela para o desbloqueio criativo.

O exercício da escrita diária é uma espécie de Pilates da Mente Secundária.

Num Projeto Mais Forte de Felicidade precisamos estar o tempo todo ativando a Mente Secundária para rever os Paradigmas Mais Atrapalhantes e reforçar os Mais Ajudantes.

Dito isso, voltemos à análise do livro da Cameron.

Diz ela:

“A verdade é que nada demora tanto a morrer quanto uma ideia ruim.”

Digamos que a tendência da sociedade é mais de conservação do que de inovação.

Temos aqui um problema, basicamente, de gerenciamento do descontrole. Quando sentimos que não dominamos determinada situação, a tendência é o surgimento de Emoções Negativas.

As pessoas não querem, no fundo, ir contra nenhuma mudança, o que elas temem é perder o controle sobre suas vidas e ser inundado de Sensações Negativas.

Isso, inclusive, é bem ressaltado no livro de Thomas Kuhn (1922-96), “Estrutura das Revoluções Científicas”, quando ele nos lembra que novos paradigmas não são aceitos de pronto pelo status quo.

As pessoas rejeitam o novo, não pelo medo do novo, mas pela perda de controle daquilo que o novo pode trazer.

E aqui podemos fazer algumas reflexões interessantes.

A dificuldade da inovação ocorre de forma mais radical nas seguintes situações:

Quando o Ambiente é mais Centralizado e menos afeito a alterações que não venham do centro e não das pontas;
Quando lidamos com pessoas com uma Taxa menor de Abstração, isso as leva a ter mais dificuldade de uso da Mente Secundária.

Quando uma pessoa está mais imersa na Mente Primária, sem capacidade de revisá-la de fora e de longe, qualquer coisa que altere as regras será vista de forma mais assustadora.

Perfis mais Inovadores, que têm uma Capacidade Abstrativa maior, têm mais facilidade de lidar com mudanças, pois não estão tão imersos nos Paradigmas da Mente Primária.

O fator principal é que não sentem a sensação de perda de controle, pois estão mais acostumados a rever os Paradigmas.

As pessoas tendem a ter medo do novo, pois temem o descontrole.

Por causa disso, podemos dizer que:

O processo de introdução de mudanças em qualquer ambiente precisa estar FORTEMENTE preocupado no gerenciamento da perda de controle, que gera emoções negativas intensas.

De maneira geral, para não se perder o controle, se inventa frases do tipo “é melhor um pássaro na mão do que dois voando.”

Quanto mais é inflexível e centralizado um Ambiente de Sobrevivência, mais os Disruptivos vão ter que aprender a dar nó em pingo-d’água.

E aí voltamos com a necessidade do Diário de Bordo, que é, basicamente, um instrumento diário de reconhecimento das emoções, nos permitindo ter uma sensação maior de controle.

Com um Diário de Bordo Existencial, conseguimos criar o hábito de analisar melhor as tempestades e ficamos mais prontos para enfrentá-las.

O Diário de Bordo Existencial nos ajuda bastante a ter mais controle sobre nossas emoções.

E aí nós entramos em outra questão relevante sobre as duas abordagens sobre os Perfis Inovadores.

Temos duas visões sobre os Perfis Inovadores ao ler diferentes autores:

Neutralidade dos Perfis Inovadores (a do Mainstream) – todo mundo pode inovar do mesmo jeito, pois não há muita diferença entre as pessoas quando se trata da inovação;
Dualidade dos Perfis Inovadores (a da Bimodais) – há pessoas que têm a mente mais abstrata (disruptivos) que têm mais facilidade para a inovação no geral e a disrupção, em particular, do que pessoas com mentes menos abstratas.

Por exemplo, no livro de Kim e Mauborgne, “A estratégia do oceano azul: como criar novos mercados e tornar a concorrência irrelevante”, que Bimodalizamos antes, temos ali uma abordagem da Neutralidade dos Perfis Inovadores. Como é também o caso da Julia Cameron no livro que estamos Bimodalizando agora.

Kim e Mauborgne defendem a criação de Oceanos Azuis, mas em nenhum momento – pelo menos eu não achei – destacam a importância da escolha de Perfis Disruptivos para ajudar no processo.
Cameron também acredita que “todos os artistas são visionários”, como se todos tivesse nascido com a capacidade abstrativa maior.

Há uma preocupação – válida inclusive – de que é preciso destacar que todos nós somos criativos e podemos desenvolver mais nossa singularidade, sem dúvida.

Mas determinadas pessoas nascem com uma capacidade abstrativa maior e são mais aptas para desenvolver inovações mais disruptivas.

Elas não são melhores do que as demais, apenas tem um tipo de Singularidade mais afeita a esse tipo de inovação.

Eles falam de criatividade e inovação como se todo mundo tivesse o mesmo potencial para inovar – o que não se encaixa com a minha percepção da realidade.

Isso não quer dizer que não se pode aumentar a taxa de abstração de qualquer pessoa, mas apenas que determinadas pessoas já nascem com a capacidade abstrativa maior.

Voltemos ao livro.

Ela diz:

“A identidade do artista sofredor é a raiz de muitos males: alcoolismo, promiscuidade, problemas fiscais, agressividade e um comportamento autodestrutivo em assuntos do coração. Todo mundo sabe da fama dos artistas: estão sempre sem dinheiro, são loucos e irresponsáveis. Mas e se eles não precisassem ser assim? Qual seria minha desculpa para agir dessa forma?”

Eu extrapolaria o termo “artista” e colocaria a situação de qualquer pessoa no lugar.

Diria que uma Existência Mais Tóxica este é um problema geral, que é um mal gerenciamento da nossa capacidade personalizadora.

Quando se trata de inovação, isso é um fato, pessoas mais disruptivas tenderão a ter mais dificuldade de gerenciar a sua vida.

Por quê?

A demanda por desafios é maior, não aceita muito o estabelecido, e a demanda pelo Gerenciamento Existencial se torna mais complexo.

Quem tem uma Mente Menos Abstrata acredita mais nos Paradigmas Mais Mainstream e tem um problema menor para administrar a sua inquietude.
Uma pessoa mais disruptiva faz um esforço maior para administrar a sua vida, pois tem por natureza não aceitar o que está pronto.

E aí está o “x” da questão para uma vida de um disruptivo mais sábio.

Que regras podem ser quebradas e quais devem ser respeitadas?

Temos que separar então o Disruptivismo em dois, o Tóxico e o Saudável:

No Disruptivismo Mais Saudável – as regras que estão sendo quebradas geram vidas mais saudáveis;
No Disruptivismo Mais Tóxico – as regras que estão sendo quebradas geram vidas mais problemáticas.

De maneira geral, o Disruptor tem problemas, principalmente quando enfrenta Ambientes de Sobrevivência Mais Massificadores.

Quanto mais estes Ambientes de Sobrevivência são mais Massificadores, mais o Disruptivo vai ter que ter sabedoria para evitar praticar o Disruptivismo Tóxico.

Mudando de assunto, diz ela:

“Nosso artista criativo é uma criança interior.”

Sim, o Eu Criativo precisa ser bem cuidado para que ele possa render.

De maneira geral, o Eu Criativo é o Cachorrinho Interno mais exigente que temos, pois ele precisa:

Ser identificado;
Ter seu valor reconhecido;
Precisa ser desafiado;
Ter seus tempos de descanso.

Muitas vezes cometemos um grande engano ao afirmar “eu sou criativo”. Isso é falso. O que temos é uma área da nossa mente que nos permite criar. O que fazemos é gerenciar esta área.

A criatividade vem desta área da mente que precisa ser bem gerenciada.

Você não cria, você gerencia a criatividade do seu Eu Criativo.

Esta área da mente que tem facilidade para criar NÃO é você!

Você precisa aprender a gerenciar o Eu Criativo para que ele possa render bem.

Assim, o que uma pessoa que pratica o Orgulho Saudável pode dizer é o seguinte: eu sou um bom gerente do meu Eu Criativo. Nada além disso.

Vejamos a diferença entre os dois tipos de orgulho:

Orgulho Saudável – aquele que nos orgulhamos da nossa capacidade de gerenciar nossos Potenciais Singulares e de colocá-los para agir, os resultados são relevantes, mas não são fundamentais;
Orgulho Tóxico – aquele que nos orgulhamos mais dos resultados obtidos do que de nossa capacidade de gerenciar nossos Potenciais Singulares.

Diz ela sobre os riscos de uma vida mais disruptiva:

“Salte e a rede vai aparecer.”

Sim, uma vida mais disruptiva envolve sempre riscos, pois estamos operando numa área mais de sombra do que de luz.

A disrupção nos leva ao Oceano Azul.

Porém, isso depende do apetite de risco de cada pessoa e dos contextos dos Ambientes de Sobrevivência.

Diria o seguinte, se existe um percentual de mais de 50% do projeto dar certo, vale a pena pesar o risco.

É importante no processo de Singularização aprender a criar uma relação entre o Eu Criativo e o Eu Organizador.

Um não vive sem o outro.

Quando o Eu Organizador abafa o criativo temos problema e vice-versa.

Uma vida melhor é quando conseguimos harmonizar os dois Eus: o Criativo e o Organizador, ambos habitam a Mente Secundária.

Uma outra frase emblemática:

“Lembre-se de que frequentemente resistimos ao que mais precisamos fazer.”

Interpreto de forma um pouco mais comedida.

Nem tudo que resistimos é algo que deve ser feito.

Volta a ideia da ponderação.

O Eu Criativo precisa, portanto, do Eu Organizador. Quando os dois criam uma dupla de vôlei bem afinada, as chances de se correr para o abraço é maior.

O Eu Organizador é mais cauteloso e o Eu Criativo mais atirado, mas ambos estão na Mente Secundária nos ajudando a ter vidas melhores..

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.)

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Tio Chatinho:

O texto descreve a transição para a Civilização 2.0, destacando a descentralização das atividades do Sapiens como sua característica principal. Com o aumento populacional, há uma necessidade de lidar com a complexidade demográfica por meio da descentralização progressiva. Isso leva o Sapiens 2.0 a viver em um ambiente mais dinâmico e autônomo, exigindo mais reflexão sobre sua jornada de vida e aumentando a demanda por projetos de felicidade. A Bimodais foca em aumentar a taxa de felicidade do Sapiens 2.0, integrando a ciência da inovação em sua abordagem, culminando na busca por projetos de felicidade mais fortes e compatíveis com os desafios da nova civilização. O texto serve de base para cursos e formação de disseminadores da felicidade, visando desenvolver projetos mais eficazes e publicar um livro sobre o tema até setembro de 2024.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Teremos que refletir muito mais sobre a Felicidade para ter uma vida melhor neste novo cenário do pós-Digital.
  2. É da escolha de boas teorias e metodologias sobre a felicidade que dependerá a qualidade de vida do Sapiens 2.0.
  3. Quanto mais escolhas temos, mais o tempo fica nublado e quanto mais nublado é o tempo, melhores bússolas precisamos ter para nos guiar ao longo da jornada.
  4. O aumento exponencial de autonomia do Sapiens 2.0 nos leva a uma forte demanda por vidas mais estratégicas.
  5. Quanto mais escolhas temos na vida, mais precisamos saber para onde queremos ir.
  6. O Sapiens 2.0 terá que ter muito mais autonomia ao longo da vida e isso exige que ele reflita, de forma mais consciente, sobre a sua jornada de vida.
  7. O Sapiens 2.0 terá que fazer – dentro deste mundo mais descentralizado – muito mais escolhas do que teve o 1.0.
  8. A única forma de lidar melhor com o aumento da Complexidade Demográfica sempre será a Descentralização Progressiva.

O artigo faz parte de qual linha de pesquisa Bimodal?

Vamos ao Artigo:

“Quanto mais escolhas temos na vida, mais precisamos saber para onde queremos ir.” Roy Bennett.

Link para o texto completo: https://encurtador.com.br/jMQX3

Estamos entrando na nova e ainda pouco conhecida Civilização 2.0, que tem como característica principal o aumento exponencial da descentralização das atividades do Sapiens, através da chegada da Curadoria – um novo Macro Modelo de Cooperação (mais conhecida como Uberização ou Blockchenização).

O aumento populacional dos últimos dois séculos, quando saltamos de um para oito bilhões de Sapiens, tem nos obrigado a criar um Ambiente Civilizacional mais participativo para que possamos lidar melhor com o aumento da Complexidade Demográfica.

Fato é na vida do Sapiens:

A única forma de lidar melhor com o aumento da Complexidade Demográfica sempre será a Descentralização Progressiva.

O que nos leva obrigatoriamente a passar a viver em um Ambiente de Sobrevivência muito mais dinâmico, empreendedor, autônomo e inovador.

O Sapiens 2.0 terá que fazer – dentro deste mundo mais descentralizado – muito mais escolhas do que teve o 1.0.

O Sapiens 2.0 terá que ter muito mais autonomia ao longo da vida e isso exige que ele reflita, de forma mais consciente, sobre a sua jornada de vida.

E tudo isso nos leva a um aumento radical da demanda por Projetos Mais Fortes de Felicidade.
Eis a regra que vale para todos os cenários da história humana:

Quanto mais escolhas temos na vida, mais precisamos saber para onde queremos ir.

O aumento exponencial de autonomia do Sapiens 2.0 nos leva a uma forte demanda por vidas mais estratégicas.

Quanto mais escolhas temos, mais o tempo fica nublado e quanto mais nublado é o tempo, melhores bússolas precisamos ter para nos guiar ao longo da jornada.

E tudo isso nos leva diretamente à demanda por Projetos Mais Fortes de Felicidade.

Sim, temos vários Projetos de Felicidade disponíveis no mercado conceitual e – como qualquer outro – cada agente dentro dele vive uma intensa disputa para atrair seus respectivos clientes.

É preciso procurar aqueles que são melhores e mais adequados para que possamos aumentar a nossa Taxa de Felicidade.

É da escolha de boas teorias e metodologias sobre a felicidade que dependerá a qualidade de vida do Sapiens 2.0.

Teremos que refletir muito mais sobre a Felicidade para ter uma vida melhor neste novo cenário do pós-Digital.

O objetivo de todos os Sapiens – mesmo que não admita isso – sempre foi e sempre será, ser mais feliz amanhã do que está sendo hoje.

O aumento da Taxa da Felicidade, mais do que nunca, de Teorias e Metodologias mais fortes e consistentes.

Esta é a meta do Projeto de Felicidade Blockchain da Bimodais.

O projeto, entretanto, faz parte de um estudo mais amplo da Ciência da Inovação.

Carlos Nepomuceno, o Curador da Bimodais, se dedica há mais de 20 anos ao desenvolvimento da Ciência da Inovação, que tem três camadas integradas e sinérgicas: Civilizacional, Grupal e Pessoal.

Concluímos as etapas da Inovação Civilizacional e Grupal nos últimos quatro anos e temos dedicado os últimos dois anos para a Inovação Pessoal, que tem no seu epicentro Projetos de Felicidade.

Portanto, ajudar no aumento da taxa da Felicidade do Sapiens 2.0 passou a ser o foco da Bimodais, a partir de 2023 e será mantido e ampliado agora em 2024 nas 11ª e 12º imersão da escola.

Este texto serve de base para:

Os cursos sobre Projetos de Felicidade 2.0 da Bimodais, que serão ministrados ao longo de 2024 voltado para pessoas físicas interessadas em Projetos de Felicidade Mais Fortes;
E para a formação dos Disseminadores da Felicidade 2.0 da Bimodais, já em curso.

Nosso objetivo é apresentar um Projeto Mais Forte de Felicidade e mais compatível com os desafios e possibilidades do Sapiens 2.0.

Aqui temos uma versão bem resumida, mas completa, que servirá de base para o livro que estaremos publicando até o final de setembro de 2024.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 500,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0

 

 

O áudio do artigo (exclusivo para os Bimodais, com exceção das quartas, quando disponibilizo na rede.)

Os Mapas Mentais do Artigo:

Síntese do Artigo:

Resumo feito pelo Tio Chatinho:

O texto aborda a busca pela singularidade e pela criatividade, destacando a importância de desbloquear o potencial criativo e alcançar a felicidade. Ele discute a influência dos ambientes de sobrevivência na expressão da singularidade das pessoas, distinguindo entre ambientes mais massificadores e aqueles que estimulam a singularidade. A ideia central é que o indivíduo precisa desenvolver sua mente secundária para revisar paradigmas limitantes e permitir a expressão plena de sua singularidade. O texto também menciona a abordagem de Julia Cameron em seu livro “O caminho do artista” e a importância de escrever diariamente para estimular a criatividade. Por fim, ele explora a noção de um “Poder Superior” como uma energia criativa interna que pode ser acessada para desbloquear o potencial humano.

Frases de Divulgação do Artigo:

  1. Quando não conseguimos desenvolver, de forma progressiva, o nosso Potencial Singular até os seus limites extremos, nos invade uma sensação de frustração por não estar aproveitando, ao máximo, nossa vida.
  2. Não é à toa que em determinados Ambientes de Sobrevivência, o pessoal mais criativo joga a criatividade para atividades não remuneradas, por falta de condições de viver a partir delas.
  3. Num Projeto de Felicidade Mais Forte “Deus” não está fora. Está totalmente dentro. É o Deus da Singularidade e é preciso apenas aprender a se relacionar melhor com ele.
  4. Uma vida na qual não colocamos desenvolver os nossos Potenciais Singulares gera a sensação de que temos um passaporte e uma passagem para ir para determinado lugar e não conseguimos nunca pegar o trem.
  5. Diria que cada um de nós vem com um Potencial Singular de fábrica e que quanto mais o colocamos para rodar, mais nos sentimos bem.
  6. Na vida podemos definir que há uma separação entre aquilo que controlamos mais (visões e atitudes) e aquilo que controlamos menos (as sensações).
  7. Quanto mais um Ambiente de Sobrevivência for centralizado, mais haverá o abafamento da singularidade e o estímulo à massificação e vice-versa.
  8. Você não estabelece que: amanhã vou ser mais criativo porque eu quero e fim de papo. Você escolhe ter determinadas visões e atitudes mais adequadas, que permitem que a Taxa de Criatividade aumente ao longo do tempo.

O artigo faz parte de qual linha de pesquisa Bimodal?

Vamos ao Artigo:

“O homem é instado a fazer de si mesmo aquilo que deve se tornar para cumprir o seu destino“Paul Tillich.

Este é o segundo livro, quando continuamos a Bimodalizar o livro “O caminho do artista: Desperte o seu potencial criativo e rompa seus bloqueios” de Julia Cameron.

No artigo passado, tivemos uma Abordagem Mais Ambientológica e acredito que podemos criar duas formas de definir os artigos da Bimodais:

Artigos Mais de Sala – que são mais abertos e abordam mais o fenômeno, podendo ser chamados também de Artigos Mais Fenomenológicos;
Artigos Mais de Cozinha – que são mais fechados e abordam mais o ambiente do estudo do fenômeno, podendo ser chamados também de Artigos Mais Ambientológicos.

E ainda, como questão que ficou em aberto no artigo passado, escrevi: “a criatividade é uma atitude ou uma sensação?”.

Atitude é algo que temos mais controle e a sensação é algo mais incontrolável, que ocorre de dentro para fora.

Podemos definir que:

Há sensações que temos que vêm de algum lugar de dentro de nós que temos menos controle.

Quando sentamos em um determinado sofá que nos causa horas depois dor nas costas, a dor é uma sensação que não veio por que quisemos, ela veio, apesar da nossa vontade.

A dor nas costas é involuntária e só vai deixar de crescer ou continuar, se tomarmos a atitude de deixar de sentar naquele sofá e, se for o caso, passar algo nas costas ou mesmo ir num fisioterapeuta.
Assim, podemos dizer que:

Na vida podemos definir que há uma separação entre aquilo que controlamos mais (visões e atitudes) e aquilo que controlamos menos (as sensações).

A Criatividade, por exemplo, NÃO pode ser considerada uma atitude, mas uma sensação, que pode surgir, conforme o Projeto de Felicidade adotado.

A Criatividade, de fato, não é uma dor, é mais, um estado de espírito como a tranquilidade, a resiliência, o bom humor e a motivação.

Você não estabelece que: amanhã vou ser mais criativo porque eu quero e fim de papo. Você escolhe ter determinadas atitudes mais adequadas, que permitam que a Taxa de Criatividade aumente ao longo do tempo.

Quando escolhemos e adotamos Visões e Atitudes mais adequadas na nossa vida, com o tempo, um Estado de Espírito Mais Positivo passa a nos acompanhar com mais frequência.

Vejamos a diferença entre o Estado de Espírito Mais Negativo e o Mais Positivo:

Estado de Espírito Mais Negativo – quando determinadas sensações piores passam a ser mais frequentes nas nossas vidas, a partir de Visões e Atitudes mais inadequadas;
Estado de Espírito Mais Positivo – quando determinadas sensações melhores passam a ser mais frequentes nas nossas vidas, a partir de Visões e Atitudes mais adequadas.

Dentro desta lógica, temos a sugestão de Cameron de que é preciso escrever num caderno todos os dias, que ela chama de Caderno de Anotações.

Este, segundo ela, é o primeiro passo para que possamos sair de uma posição de bloqueio para o início de uma jornada na direção do aumento da Taxa de Criatividade.

Temos algo bom aqui quando falamos em Felicidade também.

Uma pessoa, de maneira geral, não está desenvolvendo um Projeto de Felicidade de forma mais consciente e mais forte.

Ela está com um certo bloqueio, que pode ter o seguinte diagnóstico nas três definições dos Estilos de Vida:

Estilo de Vida Mais Sobrevivente – trabalha com o conceito de Felicidade Chuva, de que tudo vai acontecer sem nenhum projeto;
Estilo de Vida Mais Instagrante – escolheu um Projeto de Felicidade Mais Fraco, baseado em parâmetros Exógenos e em Coisas;
Estilo de Vida Mais Missionário – escolheu um Projeto de Felicidade Mais Forte em alguns aspectos, mas precisa de ajuda para aprimorá-lo.

A sugestão de escrever sempre é ótima, pois a escrita é a melhor musculação que temos da Mente Secundária, pois nos permite estabelecer um diálogo permanente com ela;

A Mente Secundária nos permite rever os Paradigmas Mais Atrapalhantes do que Ajudantes. Vejamos a diferença:

Paradigmas Mais Ajudantes – aqueles que nos permitem subir nossa Taxa de Felicidade e permanecer alta;
Paradigmas Mais Atrapalhantes – aqueles que não deixam nossa Taxa de Felicidade subir e permanecer alta.

Vamos Bimodalizar a Cameron.

O que é um bloqueio?

Uma pessoa bloqueada é aquela que não tem ou não consegue adotar um Projeto de Felicidade Mais Forte.

É preciso entender que toda a sociedade – seja ela qual for – por uma questão de proteção, tende a abafar a singularidade das pessoas.

Ela diz:

“A criatividade é nossa verdadeira natureza e que os bloqueios são um entrave nada natural a um processo que é tão normal e milagroso quanto o desabrochar de uma flor.”

Bimodalizaria da seguinte forma:

O Sapiens é a espécie mais singular do planeta, se compararmos cada Sapiens com os demais.

Porém, a Singularidade varia conforme a Topologia dos Ambientes de Sobrevivência:

Um Ambiente de Sobrevivência Mais Saudável – é aquele em que há um estímulo e a possibilidade de que possamos aumentar a Taxa de Singularidade. Isso ocorre com a Topologia de Sobrevivência Mais Descentralizada;
Um Ambiente de Sobrevivência Menos Saudável – é aquele em que há um estímulo e a possibilidade de que possamos aumentar a Taxa de Singularidade. Isso ocorre com a Topologia de Sobrevivência Mais Centralizada.

Porém, nem sempre podemos escolher, do ponto de vista civilizacional, Ambientes de Sobrevivência Mais Saudáveis, pois existe o fator básico da sobrevivência.

Quando temos aumentos populacionais, por exemplo, há uma demanda grande pela produção de produtos básicos de sobrevivência e isso nos leva ao aumento da centralização, tornando o ambiente viável para se sobreviver, mas se perde na qualidade de sobrevivência.

Quando analisamos a Inovação Civilizacional, por exemplo, podemos perceber este Zig Zag Civilizacional, a saber:

Novas Mídias nos permitem criar Novos Modelos de Cooperação Mais Sofisticados;
Que nos permite ter um novo ciclo de aumento populacional;
Que nos leva a um desgaste das Novas Mídias e dos Novos Modelos de Cooperação Mais Sofisticdos;
Tornando, sem que queiramos, no surgimento de Ambientes de Sobrevivência Mais Centralizados e Menos Saudáveis, que só vão ser revisados com o surgimento de novas mídias.

Nós estamos aqui para sobreviver – antes de qualquer coisa – e muitas vezes as circunstâncias da sobrevivência levam os Ambientes de Sobrevivência a abafar a singularidade das pessoas.

Quando vamos procurar tirar as pessoas de um determinado Bloqueio da Felicidade é preciso dar a elas a visão do cenário geral para que ela possa compreender o contexto.

Quando queremos desenvolver um Projeto de Felicidade Mais Forte é preciso entender em que tipo de Ambiente de Sobrevivência estamos inseridos e o quanto ele está mais aberto ou fechado para singularidades.
Não é à toa que em determinados Ambientes de Sobrevivência, o pessoal mais inquieto acaba por jogar seus Tapetes de Aladim para atividades não remuneradas, por falta de condições de viver a partir delas.

Há sem dúvida Ambientes de Sobrevivência que favorecem mais ou menos a singularidade e, a partir disso, podemos extrair a seguinte regra:

Ambientes de Sobrevivência Mais Massificadores – aqueles em que a Singularidade é fortemente questionada;
Ambientes de Sobrevivência Mais Singularizadores – aqueles em que a Singularidade é fortemente estimulada.

É preciso entender o contexto mais geral para entender de que tipo de ambiente estamos falando.

Mais ainda.

Depende também do Perfil Inovador de cada pessoa se tem um Perfil Mais ou Menos Abstrato:

Pessoas com Perfil Inovador Mais Abstrato terão uma demanda maior por Singularização, pois terão mais facilidade de enxergar de fora e de longe a Mente Primária;
Pessoas com Perfil Inovador Menos Abstrato terão uma demanda menor por Singularização, pois terão menos facilidade de enxergar de fora e de longe a Mente Primária.

O abafamento da singularidade visa a proteção do que foi conquistado, mas, muitas vezes, impede também o questionamento do que precisa ser melhorado.

Vejamos a relação de singularidade e Topologia dos Ambientes de Sobrevivência:

Quanto mais um Ambiente de Sobrevivência for centralizado, mais haverá o abafamento da singularidade e o estímulo à massificação;
Quanto mais um Ambiente de Sobrevivência for descentralizado, mais haverá o estímulo à singularidade e o questionamento à massificação.

Hoje, diante da descentralização provocada pelo Digital, estamos tendo uma exponencial demanda pela singularidade e questionamento da massificação.

Por isso, um livro como o da Cameron, que procura desbloquear a criatividade, ganha tanta relevância.

Na verdade, o livro dela procura desbloquear a singularidade e, por causa disso, há um aumento da Taxa de Criatividade.

O livro da Cameron é um livro Desmassificador e Singularizador.

Mudando de assunto, aqui, como citei anteriormente no artigo passado, temos a influência do AA:

“Eu queria que “O caminho do artista” fosse como o programa dos 12 passos dos Alcoólicos Anônimos, praticamente sem líderes, autodidata , crescendo mediante a ausência de um controle central, expandindo – se por meio de uma série natural de avaliações pessoais.”

Ela usa um termo bastante usado no AA de Poder Superior, ela diz:

“Poderes superiores estão à nossa disposição sempre que precisamos de auxílio.”

O termo “superior” aqui, se aproxima da seguinte definição, colhida no Tio Chatinho:

“Superior” também pode descrever algo que é de qualidade superior ou excelência em comparação com outros itens semelhantes. Por exemplo, um produto superior é de melhor qualidade do que outros produtos da mesma categoria.”

O Poder aqui vai na direção daquilo que é possível de fazer.

Poder Superior pode ser interpretado por áreas da nossa mente que podem ser acessadas e musculosas que são melhores do que outras, quando queremos ter vidas melhores.

Uma pessoa que tem uma vida de mais qualidade é aquela que usa com mais frequência a Mente Secundária, fazendo o tempo todo as revisões necessárias nos Paradigmas Mais Atrapalhantes da Mente Primária.

Ao Bimodalizar podemos dizer que:

A Mente Secundária tem um Poder Superior sobre a Primária, quando se trata de promover revisões de Paradigmas Atrapalhantes.

A Mente Primária, sem dúvida, é útil e será OBRIGATORIAMENTE usada para nossas atividades mais automáticas e isso é ótimo, desde que estejamos o tempo todo atentos para aquilo que precisa ser revisto.

Quando nos vemos em situações complicadas, precisamos pedir auxílio à Mente Secundária para nos ajudar a resolvê-las.

Gosto da frase:

“Eu ensino as pessoas a se permitirem ser criativas.”

Note que a frase está bem alinhada com a ideia de que são as atitudes que geram criatividade.

A Felicidade, como diz o título do artigo, é uma flor que precisa ser adubada para florescer.

Bimodalizando, se falarmos sobre o Projeto de Felicidade 2.0 da Bimodais, eu diria que:

O Projeto de Felicidade 2.0 da Bimodais visa permitir que as pessoas sejam mais singulares e, por causa disso, a tendência é o aumento da Taxa da Felicidade, o que inclui a da Criatividade.

Cameron no seu livro está o tempo todo defendendo, sem explicitar, a necessidade de Singularização, que, como consequência, nos leva ao aumento da Taxa de Criatividade.

Ela diz, de uma forma mais mística:

“Engajar o Grande Criador na descoberta e na recuperação dos nossos poderes criativos, vi bloqueios se desfazerem e vidas se transformarem enquanto eu usava.”

Aqui, podemos ter várias interpretações, mas ao Bimodalizar a frase, nós estamos falando na musculação do Eu Criativo na Mente Secundária, permitindo a superação de vários Paradigmas Limitantes.

Ela cita a seguinte frase de terceiro:

“O homem é instado a fazer de si mesmo aquilo que deve se tornar para cumprir o seu destino.” – Paul Tillich.

O que seria “o destino?”

Diria que cada um de nós vem com um Potencial Singular de fábrica e que quanto mais o colocamos para rodar, mais nos sentimos bem.

Quando não conseguimos desenvolver, de forma progressiva, o nosso Potencial Singular até os seus limites extremos, nos invade uma sensação de frustração por não estar aproveitando, ao máximo, nossa vida.
Uma vida na qual não colocamos para “rodar” nossos Potenciais Singulares gera a sensação de que temos um passaporte e uma passagem para ir para determinado lugar e não conseguimos nunca pegar o trem.

Ela explica que Poder Superior, Deus, ou outros termos similares, “podem ser substituídos por direção boa e ordenada, fluxo ou energia criativa”.

Ou seja.

Num Projeto de Felicidade Mais Forte “Deus” não está fora. O Deus da Singularidade está totalmente dentro. É preciso apenas aprender a se relacionar melhor com ele.

É isso, que dizes?

Nepô é o filósofo da era digital, um mestre que nos guia em meio à complexidade da transformação digital.”Leo Almeida.

“Carlos Nepomuceno me ajuda a enxergar e mapear padrões em meio ao oceano das percepções. Ele tem uma mente extremamente organizada, o que torna os conteúdos da Bimodais assertivos e comunicativos. Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.”Fernanda Pompeu.

“Os áudios do Nepô fazem muito sentido no dia a dia. É fácil ouvir Nepô é colocar um óculos para enxergar a realidade.” – Claudio de Araújo Tiradentes.

Ser capaz de encontrar e interrelacionar padrões é condição “sine qua non” para se adaptar aos ambientes deste novo mundo.” – Fernanda Pompeu.

Tenho duas sugestões para que você possa apoiar e participar do nosso projeto:

a) entrar para a escola na décima primeira imersão batizada de Felicidade 2.0. O valor é de R$ 715,00, ficando até o final de junho de 2024.

Terá com isso: áudios de 18 minutos todos os dias, acesso ao novo livro “Sapiens 2.0: como viver melhor em um mundo muito mais descentralizado, dinâmico e inovador?”, participação nas lives mensais lives.

Basta depositar no pix / cnepomu@gmail.com

b) caso esteja sem tempo para entrar para a escola, mas gosta muito do nosso projeto, peço que colabore com um PIX para mantê-lo vivo, pode depositar qualquer valor no seguinte e-mail: cnepomu@gmail.com

Quem depositar qualquer valor, poderá fazer os cursos avulsos que faremos ao longo do semestre.

Agradeço à adesão à escola ou a colaboração via PIX para o nosso projeto.

Forte abraço,

Nepô.

Com prazer informo que meu novo livro foi este mês para as livrarias. Já está à venda na Amazon: https://a.co/d/3r3rGJ0